Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


quinta-feira, 12 de julho de 2018

XOU DA XOXA de israel

Amigos e amigas.
A liberdade religiosa é algo a ser totalmente respeitada. Tanto se fala em intolerância e preconceitos como quando se publicou caricaturas e charges de Maomé, o que deixou os muçulmanos em pé de guerra com os criadores.

Reposto no fim do post um vídeo de um trecho do "Xou da Xuxa" de israel. O áudio é em íidiche, me parece, com as legendas em inglês. Segue abaixo uma tradução livre que fiz do diálogo. Cada bolinha se refere a um texto do vídeo.

O mau gosto e o desprezo a Jesus são a tônica.


    • "Olá! Você está no Programa de História da Toffee e o Gorila!"
    • "Eu venho falar dos melhores momentos da história do povo judeu - dos tempos idos até hoje!"
    • "Hoje, aprenderemos sobre a crucificação de Jesus. Você já ouviu sobre Jesus?"
    • Gorila: "Ouvi dizer que foi uma pessoa honrada!"
    • "Não! Jesus foi um inimigo do povo judeu! Ele tentou nos converter ao cristianismo."
    • "Apesar de haver bons cristãos, para os judeus, isso é um perigo terrível, uma ameaça à paz do povo judeu!"
    • Gorila: "Eu quero ser assimilado!"
    • "Você sabe o que é ser assimilado? Significa ter que trepar com um goyah (não-judeu). Isto é algo que nem eu, nem você, obviamente, quer!"
    • Gorila: "Eu quero que minhas crianças comam 'toblerone' e se tornem goyim (goyah). Estou entediado aqui, Toffee!"
    • "Eu quero viver na Suiça com um goyah e comer toblerone todo dia!"
    • Ok, querido! Se você ama Jesus tanto assim, então você vai ter de brincar de Jesus!"

                                       A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS

    • "Eu sou Judas Iscariotes"
    • Gorila: "E eu sou Jesus! Eu quero que todos vocês se tornem cristãos e comam carne de porco e toblerone e se divirtam! Vocês, telespectadores, querem isso, também?"
    • "Por causa disso, vou crucificá-lo! Como ousa pregar para judeus inocentes?"
    • Começa a crucificação. Gorila: "Meu Deus, por que você me abandonou?"
    • "Você é um nazista, Jesus! Você é um nazista!"
    • Gorila: "Toffee, não! Estou apavorado! Eu caminhei sobre as águas, transformei grilos em bolos! Não! Eu não sou Jesus! É um erro! Eu sou Moisés, nosso professor! Não me prenda com pregos! Toffee, não!!"
    • "É só um prego, seu covarde!" (A moça bate com o martelo na cabeça do gorila)
    • Gorila: "NÃÃÃÃO, TOFFEE!! Oh, Deus! AAAAHHH!! NÃO! NÃO!" (Gorila morre. Fim!)

O link para vocês tirarem qualquer dúvida e chegarem a uma conclusão (se ainda não o deletaram) é:




Opiniões à vontade.
FAB29

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Capitalismo

Amigos e amigas.
Tanto já se falou sobre essa ilusão bem elaborada chamada de Capitalismo. Para o bem e para o mal. No texto abaixo, que adaptei daqui, uma boa e lúcida explicação para doze pontos ditos como qualidades de tal sistema, mostrando o engodo que eles representam.
Vale uma reflexão sobre eles.
FAB29

Resultado de imagem para capitalismo selvagem

 1.  No capitalismo, qualquer pessoa pode enriquecer à custa do seu trabalho
O objetivo oculto é obter o apoio acrítico dos trabalhadores no sistema e a sua submissão, na esperança ilusória e culpabilizante em caso de fracasso de um dia virem a ser também, patrões de sucesso.
Na verdade, a probabilidade de sucesso no sistema capitalista para o cidadão comum é igual a ganhar na loteria. O “sucesso capitalista” é, com raras exceções, fruto da manipulação e da falta de escrúpulos dos que dispõem de mais poder e influência. As fortunas em geral derivam diretamente de formas fraudulentas de atuação.

2.    O capitalismo gera riqueza e bem-estar para todos

Pretende-se fazer crer que a fórmula capitalista de acumulação de riqueza por uma minoria dará lugar, mais tarde ou mais cedo, à redistribuição da mesma.

O objetivo é permitir que os patrões acumulem indefinidamente sem serem questionados sobre a forma como o fizeram, nomeadamente sobre a exploração dos trabalhadores. Ao mesmo tempo, mantêm nestes a esperança de mais tarde serem recompensados pelo seu esforço e dedicação.
Este mito foi um dos mais difundidos durante a fase de “bem-estar social” pós-guerra, para superar os estados socialistas. Com a queda do adversário soviético, o capitalismo deixou também cair a máscara e perdeu credibilidade.

 3.    Estamos todos no mesmo barco
O objetivo é criar um complexo de culpa junto dos trabalhadores que permita aos capitalistas arrecadarem os lucros enquanto distribuem as despesas por todo o povo.
Na verdade, o pequeno número de multimilionários, porque detém o poder, é sempre o beneficiado em relação à imensa maioria do povo, quer em impostos, quer em tráfico de influências, quer na especulação financeira, quer em off-shores, quer na corrupção e nepotismo etc. Esse núcleo, que constitui a classe dominante, pretende assim escamotear que é o único e exclusivo responsável pela situação de penúria dos povos e que deve pagar por isso.

4.    Liberdade é igual a capitalismo
O objetivo aí é tornar o capitalismo uma espécie de religião em que tudo se organiza em seu redor e assim afastar os povos das grandes decisões macro-econômicas, indiscutíveis. A liberdade de negociar sem amarras seria o máximo da liberdade.
Na verdade, sabe-se que as estratégias político-econômicas, muitas delas planejadas com grande antecipação, são quase sempre tomadas por um pequeno número de pessoas poderosas, à revelia dos povos e dos poderes instituídos, a quem ditam as suas orientações. Nessas reuniões, em cúpulas restritas e mesmo secretas, são definidas as grandes decisões financeiras e econômicas conjunturais ou estratégicas de longo prazo. Todas, ou quase todas essas resoluções, são fruto de negociações e acordos mais ou menos secretos entre os maiores empresas e multinacionais mundiais.

5.   Capitalismo igual a democracia
O objetivo deste mito, que é complementar ao anterior, é impedir a discussão de outros modelos de sociedade, afirmando não haver alternativas a esse modelo e todos os outros serem ou se assemelharem a ditaduras.
Esta “democracia” não passa, pois de uma ditadura disfarçada. As “reformas democráticas” não são mais que retrocessos, reações ao progresso. Daí deriva o termo reacionário, o que anda para trás.
Tal como o anterior, este mito também serve de pretexto para criticar e atacar os regimes de países não-capitalistas.

6.   Eleições igual a democracia
O objetivo é denegrir ou diabolizar e impedir a discussão de outros sistemas político-eleitorais em que os dirigentes são estabelecidos por formas diversas das eleições burguesas, como por exemplo, pela idade, experiência, aceitação popular etc.
Na verdade, é no sistema capitalista, que tudo manipula e corrompe, que o voto é condicionado e as eleições são atos meramente formais. O mito de que, onde há eleições há democracia, é um dos mais enraizados, mesmo em algumas forças de esquerda.

7.   Partidos alternantes igual a alternativos
O objetivo deste mito é perpetuar o sistema dentro dos limites da classe dominante, alimentando o mito de que a democracia está reduzida ao ato eleitoral.
Na verdade, este aparente sistema pluri ou bipartidário é um sistema monopartidário. Duas ou mais facções da mesma organização política, partilhando políticas capitalistas idênticas e complementares, alternam-se no poder, simulando partidos independentes, com políticas alternativas. O que é dado escolher aos povos não é o sistema que é sempre o capitalismo, mas apenas os agentes partidários que estão de turno como seus guardiões e continuadores.

8.   O eleito representa o povo e por isso pode decidir tudo por ele
O objetivo deste mito é iludir o povo com promessas vãs e escamotear as verdadeiras medidas que serão levadas à prática.
Na verdade, uma vez no poder, o eleito auto assume novos poderes. Não cumpre o que prometeu e, o que é ainda mais grave, põe em prática medidas não enunciadas antes, muitas vezes em sentido oposto e até inconstitucionais. Frequentemente, são eleitos por minorias de votantes. Ao meio dos mandatos, já atingiram índices de popularidade mínimos. Nestes casos de ausência ou perda progressiva de representatividade, o sistema não contempla quaisquer formas constitucionais de destituição.

9.    Não há alternativas à política capitalista
Segundo Churchill: “A democracia é o pior dos regimes políticos, mas não existe nenhum melhor do que ela”.
O objetivo é impedir que outros sistemas sejam conhecidos e comparados, usando todos os meios, incluindo a força, para afastar a competição.
Este mito faz parte da tentativa de intimidação dos povos de impedir a discussão de alternativas ao capitalismo, a que se convencionou chamar o pensamento único.

10.   A austeridade gera riqueza
O objetivo é fundamentalmente transferir para o setor público, para o povo em geral e para os trabalhadores, a responsabilidade do pagamento das dividas dos capitalistas. Fazer o povo aceitar a pilhagem dos seus bens na crença de que dias melhores virão mais tarde.
Destina-se também a facilitar a privatização dos bens públicos, “emagrecendo” o Estado, logo “poupando”, sem referir que esses setores eram os mais rentáveis do Estado, cujos lucros futuros se perdem desta forma.

11.   Estado menor, Estado melhor
O objetivo dos capitalistas é “dourar a pílula” para facilitar a apropriação do patrimônio, das funções e dos bens rentáveis dos Estados. É complementar do anterior.
Na verdade o que acontece em geral é o contrário: os serviços públicos privatizados não apenas se tornam piores, como as tributações e as prestações são agravadas. O balanço dos resultados dos serviços prestados após passarem a privados é quase sempre pior que o anterior. Na ótica capitalista, a prestação de serviços públicos não passa de mera oportunidade de negócio

12.   A atual crise é passageira e será resolvida para o bem dos povos
O objetivo dos capitalistas, com destaque para os financeiros, é seguir na pilhagem dos Estados e na exploração dos povos enquanto puderem. Tem servido ainda para alguns políticos se manterem no poder, alimentando a esperança junto dos povos de que melhores dias virão se continuarem a votar neles.
Na verdade, tal como previu Marx, do que se trata é da crise final do sistema capitalista, com o crescente aumento da contradição entre o caráter social da produção e o lucro privado, até se tornar insolúvel.
Alguns, entre os quais os “socialistas” e social-democratas, que afirmam poder manter o capitalismo, embora de forma mitigada, afirmam que a crise deriva apenas de erros dos políticos, da ganância dos banqueiros e especuladores ou da falta de idéias dos dirigentes ou mecanismos que ainda falta resolver.

quinta-feira, 28 de junho de 2018

A arte de enganar

Amigos e amigas.
Todos nós aprendemos que a cidade de Guernica sofreu um terrível ataque da Força Aérea Nazi-facista já perto da 2ª Guerra, acontecimento eternizado por Picasso em seu quadro "Guernica", tido por muitos como "a obra prima do séc. XX".

Há um bom tempo, li uma outra versão dessa história que dizia totalmente o contrário. Inadvertidamente, a revi hoje e resolvi compartilhá-la. É pra lá de interessante.

Vejam se o autor merece crédito. Eu penso que sim, pois não consigo imaginar leviandade numa contestação deste naipe.
FAB29


Não foi bem assim...!
A farsa de Guernica começa já com a “obra-prima” de mesmo nome, de autoria de Pablo Picasso: o famosíssimo quadro “Guernica” já estava pintado muito tempo antes da explosão da dita cidade!

Apesar do Revisionismo já ter desmascarado há muito tempo a Farsa de Guernica (farsa que a exemplo do “Diário” de Anne Frank ainda continua sendo mantida pelo poder da mídia), a velha história da destruição da histórica cidade basca pela aviação nazi-fascista, como simples “treino” de bombardeio (!), vem sendo repetida monotonamente há mais de 60 anos. Mesmo com todas as evidências contrárias trazidas à tona através das inúmeras pesquisas e da abertura de diversos arquivos que vinham sendo mantidos secretos em diversos países, a mídia internacional repete a mesma versão, no evidente intuito de transformar uma mentira em verdade absoluta e imutável.

Guernica
Guernica (Pablo Picasso) - 1937

Senão, vejamos: a farsa de Guernica começa já com a “obra-prima” de mesmo nome, de autoria de Pablo Picasso. Conforme o historiador inglês David Irving, em sua obra Hermann Goering, a Biography, (MacMillan, NY, 1989, p. 178), o famosíssimo quadro “Guernica” já estava pintado muito tempo antes da explosão da dita cidade: idealizado tendo como tema uma corrente de touros… (?!) (mas igualmente poderia chamar-se “O descarrilamento do comboio de gado”, ou “Blackout no matadouro”, ou ainda “Viva as drogas!”, etc, etc), foi rebatizado após 26 de abril de 1937, para adaptar-se às exigências político-ideológicas de seus amigos marxistas da imprensa internacional. A partir daí, iniciou sua carreira desenfreada para chegar até nossos dias como “a maior obra de arte do Século XX”… (!).

[Adendo do administrador: o dito "ataque" ocorreu em 26 de abril de 1937. É dito que Picasso, "indignado pela covardia nazista", trabalhou por cinco meses no seu clássico painel. Só que ele foi exposto pela primeira vez na Exposição Internacional da Vida Moderna, em Paris, na data de 4 de junho de 1937, um mês e 9 dias depois do alegado bombardeio. Estranho, não?!]

A farsa continua com a história do “bombardeio” da cidade. O historiador judeu-americano Raymond Proctor, em sua obra Hitler’s Luftwaffe in the Spanish Civil War, (Greenwood Publishers, NY, 1991) chega à seguinte conclusão, referindo-se às investigações posteriores sobre aqueles acontecimentos:

Afirma-se sempre que os aviões nacionalistas (Legião Condor, da força aérea alemã, juntamente com formações de caças Fiat CR-37 enviados por Mussolini) teriam bombardeado a cidade, mas o que realmente aconteceu é que esta foi vítima das explosões e do fogo provocados pelos vermelhos (‘Reds’, em inglês – comunistas das Brigadas Internacionais, os chamados Republicanos) sendo reduzida como que a uma montanha de escombros”.

As investigações do Proctor, a partir das próprias fontes republicanas e suas entrevistas com sobreviventes da destruição, revelam que Guenica estava sendo utilizada pelos comunistas como depósito de armamento e munições. Com a rápida aproximação das forças terrestres nacionalistas do General Franco, os comunistas, sem condições de manter suas posições na cidade, incendiaram-na e fizeram ir pelos ares os depósitos de munições, sem a mínima consideração com a população civil daquela cidade basca. Centenas – no mínimo – de civis, homens, mulheres e crianças, fugiram espavoridos em todas as direções e muitos foram violentamente atingidos pelas detonações.

Através dos serviços telegráficos, o comissário marxista de Guernica enviou para a United Press International fotografias de numerosos cadáveres como prova documental de “horrendas atrocidades fascistas” exercidas contra inocentes populações indefesas. Os jornalistas estrangeiros a serviço da imprensa sionista/esquerdista internacional aceitaram agradecidos e sem pestanejar a versão comunista, iniciando a longa jornada de falsidades e mentiras sobre Guernica e que perdura – apesar de todas as provas em contrário – até os dias de hoje, ilustrada e reforçada pela impostura “artística” de Picasso. Paradoxalmente, hoje, as “provas” das aludidas atrocidades fascistas em Guernica resumem-se quase que exclusivamente ao horrendo quadro do conhecidíssimo “pintor” espanhol…

Na citada obra, Proctor acrescenta mais alguns dados que reforçam essas revelações:

“O único motivo do envolvimento de Hitler (na Guerra Civil Espanhola) foi o receio de que os soviéticos viessem a estabelecer uma base segura na Europa Ocidental. (…) Hitler pessoal e diretamente manteve a mais severa pressão sobre a sua Força Aérea na Espanha, proibindo terminantemente qualquer ação que violasse a Lei internacional”.

Entretanto, as forças marxistas prosseguiam com os bombardeios de hospitais, torturavam e massacravam prisioneiros em nome de sua ideologia política, atacavam conventos (como em San Sebastian, onde mais de oitenta freiras foram brutalmente seviciadas e assassinadas a tiros…) ou esmagavam com grande eficiência as colunas de refugiados, sem que a imprensa internacional emitisse o menor protesto. Mas nos dias que se seguiram a 26 de abril – e até os dias de hoje! – essa mesma imprensa tocou as trombetas ao redor do mundo acusando a Força Aérea Alemã de um monstruoso ataque terrorista contra a indefesa cidade de Guernica. Era um preparativo da opinião pública mundial feito pelo sionismo internacional através da sua guerra – que já vinha sendo preparada há muito tempo – contra o “totalitarismo sanguinário nazi-fascista”.

Durante o “Julgamento” de Nuremberg, uma das acusações lançadas contra o comandante da Força Aérea alemã, Hermann Goering, foi exatamente a sua alegada ordem para o bombardeio de Guernica. Apesar de todos os esforços da acusação, segundo o mesmo Proctor, não conseguiram seu intento pois o “tribunal” estava de posse do diário do Ministério da Aeronáutica alemão – considerado por eles mesmos como extremamente minucioso e completo – e não havia nenhuma menção à cidade.

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Ilações newtonianas

Amigos e amigas.
Encontrei algumas argumentações do próprio "Pai da Gravidade", Sir Isaac Newton, sobre a mesma. Achei-as tão interessantes que resolvi expô-las aqui, juntamente com outras observações a respeito dessas argumentações.

Não podemos nunca nos esquecer que o que nos é dito sobre a gravidade (por exemplo, na imagem mais abaixo) se choca com o que é afirmado pelo Heliocentrismo e esmiuçado pela Ciência moderna (em especial, as decantadas e incríveis "velocidades desenvolvidas pelos astros através do universo que criam a grotesca Teoria do Vórtex").



Some-se ao físico-stand up "Desgraça" Tyson que, entre outras, afirmou que a Terra sequer é um globo, mas, sim, "tem formato de pera", só para tentar justificar este fato:

"Cálculos de Sydney, na Austrália, para Wellington, Nova Zelândia, em uma média de 37,5 graus sul, deram uma circunferência de mais de 41.000 quilômetros. De acordo com a teoria da Terra esférica, a circunferência da Terra a 37,5 graus de latitude sul deveria ser de somente 31.700 km, quase 10.000 km a menos que tais medidas práticas."

Dêem mais esta olhada sobre o assunto que, estou certo, nunca sairá da controvérsia. Afinal, se a nasa capitulasse, tudo o que ela inventou até hoje a esmagaria para sempre e toda a História começaria a ser reescrita, num Efeito Dominó sem precedentes. E a concessão de tal milagre ao gado humano é impensável.
FAB29

Resultado de imagem para gravitação
Fórmulas não faltam. Provar, que é bom,...
Palavras do próprio Isaac Newton, o pai da "Lei da Gravitação Universal' :
"É inconcebível que a matéria bruta inanimada deva (sem a mediação de outra coisa que não seja material) operar e afetar outras matérias sem contato mútuo; como deve se "gravitação" no sentido de Epicuro ser essencial e inerente a ela. E esta é uma razão pela qual eu desejei que você não atribuísse "gravidade" inata à mim. Essa "gravidade" que deve ser inata, inerente e essencial à matéria, de modo que um corpo possa agir sobre outro a distância, através de um vácuo, sem a mediação de qualquer outra coisa, e através da qual sua ação ou força possa ser transmitida de um para outro é para mim um absurdo tão grande que acredito que nenhum homem que tenha em questões filosóficas alguma faculdade competente de pensamento possa cair nele. "Gravidade" deve ser causada por um agente que age constantemente de acordo com certas leis, mas se esse agente é material ou imaterial é uma questão que deixei para a consideração de meus leitores. "
- Isaac Newton - Richard Bentley" 189.R .4,47, ff. 7-8, Trinity College Library, Cambridge, Reino Unido, 1692 ”
Newton, notas estudantis sobre Descartes:
"A "Gravidade" é uma força em um corpo que o impele a descer. Aqui, no entanto, por descendência não significa apenas um movimento em direção ao centro da terra, mas também em direção a qualquer parte ou região."
Sua crença naquela época era a de que, para citar Westfall:
"Gravidade" (peso) é causada pela descida de uma matéria sutil invisível que atinge todos os corpos e os leva para baixo."
Na década seguinte, e derivando de seus estudos alquímicos (A Alquimia é uma das principais práticas Ocultistas), Newton desenvolveu seus pontos de vista sobre o funcionamento da "gravidade" - aether. Conforme comunicado à notória academia Ocultista Maçônica 'Royal Society', do Rosacruzianismo, em dezembro de 1675 :
Newton: "Em que a descida pode carregar com ela os corpos que ela permeia com uma força proporcional à superfície de todas as suas partes em que ele age. Em outras palavras, quanto maior a superfície do corpo, maior a força da gravidade agindo sobre isto. Após a condensação, este éter de "gravidade" desce para as entranhas da terra para ser refrescado e, em seguida, surge até que "desaparece novamente nos espaços etéreos".
Aqui está uma carta de Newton para Halley, descrevendo como ele chegou independentemente à tal lei usando sua hipótese de Éter, a qual ele se refere como o "espírito descendente":
Agora, se este espírito desce de cima com velocidade uniforme, sua densidade e, conseqüentemente, sua força serão reciprocamente proporcionais ao quadrado de sua distância do centro. Mas se desceu com um movimento acelerado, sua densidade diminuirá tanto quanto a velocidade aumenta, e assim sua força (de acordo com a hipótese) será a mesma de antes, que ainda é reciprocamente como o quadrado de sua distância do centro."
Vejamos agora o troco: diversas citações bibliográficas nas quais Newton e a sua intrujice gravitacional são veementemente contestados:
A maioria das pessoas na Inglaterra leu ou ouviu que a teoria de 'gravitação' de Sir Isaac Newton foi originada por ele ter visto uma maçã cair na terra de uma árvore em seu jardim. Pessoas dotadas de bom senso comum diriam que a maçã caiu na terra porque, a granel, era mais pesada que o ar circundante; mas se, em vez da maçã, uma pena fofa tivesse sido destacada da árvore, uma brisa provavelmente teria enviado a pena flutuando para longe, e a pena não alcançaria a terra até que o ar ao redor ficasse tão parado que, em virtude de sua própria densidade, a pena cairia no chão.
- Lady Blount, “Clarion's Science Versus God's Truth” (“ A ciência de Clarion versus a verdade de Deus ”)
Wilbur Voliva, um famoso Terra planista do início do século 20, deu palestras por toda a América contra a Astronomia Newtoniana. Ele começava andando no palco com um livro, um balão, uma pena e um tijolo, e perguntava ao público:
Qualquer objeto que seja mais pesado que o ar e que não seja sustentado, tem uma tendência natural a cair pelo seu próprio peso. A famosa maçã de Newton em Woolsthorpe, ou qualquer outra maçã quando madura, perde o seu caule e, sendo mais pesada que o ar, cai por terra, independentemente de qualquer atração da Terra. Pois, se tal atração existisse, por que a Terra não atrai a fumaça que não é tão pesada quanto a maçã? A resposta é simples - porque a fumaça é mais leve que o ar e, portanto, não cai, mas sobe. "Gravitação" é apenas um subterfúgio, empregado por Newton em sua tentativa de provar que a Terra gira em torno do Sol, e quanto mais rápido ele for relegado à tumba de todos os Capuletos, melhor será para todas as classes da sociedade. "
Em : David Wardlaw Scott, 'Terra firma : The Earth not a planet, proved from scripture, reason and fact' (“Terra Firme: A Terra Não é um Planeta Provado da Escritura, Razão e Fato”), David Wardlaw Scott, London : Simpkin, Marshall, 1901.
A 'teoria da gravitação' é dita pelos defensores do sistema Newtoniano de Astronomia, a maior descoberta da ciência e a fundação de toda Astronomia moderna. Se, portanto, se pode ser mostrado que a gravitação é uma pura suposição e uma imaginação da mente apenas, que ela não tem existência fora do cérebro de seus expositores e defensores, toda a hipótese dessa moderna e pretensa chamada 'ciência' irá cair no chão tão achatada quanto a superfície do oceano, e essa "mais exata de todas as ciências", essa maravilhosa "façanha do intelecto" torna-se ao mesmo tempo a mais ridícula superstição e a mais gigantesca impostura para a qual a ignorância e a credulidade poderiam ser exposto.
- Thomas Winship,“ Zetetic Cosmogony: Or Conclusive Evidence that the World is not a Rotating Revolving Globe but a Stationary Plane Circle” ("Cosmogonia Zetética: Ou Evidências Conclusivas de que o Mundo não é um Globo Giratório Rotativo, mas um Círculo Plano Estacionário"), 1897.
Que o caminho do Sol é um círculo exato por apenas cerca de quatro períodos em um ano, e depois de apenas algumas horas - nos equinócios e solstícios - desmentem completamente o 'poder' da gravitação circular e, conseqüentemente, de todas as gravitações… Se o Sol tivesse poder suficiente para reter a Terra em sua órbita quando o Sol mais próximo, quando a Terra chegasse naquela parte de seu caminho elíptico mais distante do sol, a força atrativa (a não ser muito aumentada) seria totalmente incapaz de impedir que a Terra se apressasse para o espaço "em uma linha reta para sempre", como dizem os Astrônomos.
Por outro lado, é igualmente claro que, se a atração do Sol fosse suficiente apenas para manter a Terra em seu caminho correto, quando estivesse mais distante do sol, não evitaria que ela corresse para o espaço; o mesmo poder de atração quando a Terra estava mais próxima do Sol seria muito maior, que (a menos que a atração fosse muito diminuída) e portanto nada impediria que a Terra se apressasse e fosse absorvida pelo sol, não havendo nenhum foco de contrabalanço para evitar tal uma catástrofe!
Como a Astronomia não faz referência ao aumento e diminuição da força atrativa do Sol, chamada 'Gravitação', para os propósitos acima necessários, somos novamente forçados a concluir que a grande "descoberta" de que os astrônomos são tão orgulhosos é absolutamente não-Existente.
- Thomas Winship,“ Zetetic Cosmogony: Or Conclusive Evidence that the World is not a Rotating Revolving Globe but a Stationary Plane Circle” ("Cosmogonia Zetética: Ou Evidências Conclusivas de que o Mundo não é um Globo Giratório Rotativo, mas um Círculo Plano Estacionário"), 1897.
Newton nos pede que acreditemos que a ação da 'gravitação', que podemos facilmente superar com o menor exercício de vontade de levantar uma mão ou um pé, é tão violenta quando perdemos nosso equilíbrio e caímos a poucos metros, que essa força, que é imperceptível sob condições usuais, pode, sob circunstâncias extraordinárias, causar a fratura de cada membro que possuímos? O senso comum deve rejeitar essa interpretação. A "gravitação" não fornece uma explicação satisfatória dos fenômenos aqui descritos, ao passo que a definição de peso já dado o faz, pois um corpo que busca, da maneira mais rápida, seu nível de estabilidade produziria precisamente o resultado experimentado.
Se a influência que nos manteve firmemente presos a esta Terra fosse idêntica àquela que é poderosa o suficiente para perturbar um 'Planeta' distante em sua órbita, deveríamos estar mais imediatamente conscientes de sua presença e potência magistral; Considerando que esta influência é tão impotente no lugar onde é suposto ser mais dominante que encontramos uma dificuldade insuperável em aceitar a idéia de sua existência.
- Newton Crosland ,“ The new principia, or the astronomy of the future: An essay explanatory of a rational system of the universe" (O novo princípio, ou a astronomia do futuro: Um ensaio explicativo de um sistema racional do universo "), 1884.
Eu me lembro de ser ensinado quando menino que a Terra era uma grande bola girando em um ritmo muito rápido em torno do Sol e, quando eu expressei para minha professora meus receios de que as águas dos oceanos caíssem, me disseram que elas são impedidas de fazê-lo A grande teoria de Newton de "Gravitação", que mantém tudo em seu devido lugar. Presumo que meu semblante deve ter mostrado alguns sinais de incredulidade, pois meu professor imediatamente acrescentou: posso mostrar-lhe uma prova direta disso; um homem pode girar em torno de sua cabeça um balde cheio de água sem ser derramado, e assim, da mesma maneira, os oceanos podem ser levados ao redor do Sol sem perder uma gota.
Como esta ilustração foi evidentemente destinada a resolver o assunto, eu não disse mais nada sobre o assunto. Se tal fosse proposto para mim como homem, eu teria respondido da seguinte forma:
- Senhor, eu imploro para dizer que a ilustração que você deu de um homem girando um balde de água em volta de sua cabeça e os oceanos girando em torno do Sol, não confirma em nenhum grau seu argumento, porque a água nos dois casos é colocada sob circunstâncias completamente diferentes. Para valerem, as condições em cada caso devem ser as mesmas, que aqui não são. O balde é um vaso oco que contém a água dentro dele, enquanto, de acordo com o seu ensino, a Terra é uma bola, com uma curvatura contínua no exterior, que, de acordo com as leis da natureza, não poderia reter água.
- David Wardlaw Scott, 'Terra firma : The Earth not a planet, proved from scripture, reason and fact' (“Terra Firma: A Terra Não é um Planeta Provado da Escritura, Razão e Fato”), David Wardlaw Scott, London : Simpkin, Marshall, 1901.
"Gravidade" é simplesmente densidade e flutuabilidade. As pessoas argumentam que coisas com densidades diferentes caem na mesma proporção pelo ar. No entanto, isso ocorre porque ambos os itens atingiram densidade crítica em relação ao seu meio: ar. Se você mudasse o meio do ar para dizer, água ou mercúrio líquido, a densidade crítica para atingir a mesma taxa de queda aumentaria significativamente. A densidade crítica é diretamente proporcional à densidade média. Assim, o mais denso é o meio.
Quanto mais densos os objetos teriam que ser para atingir a mesma taxa de queda. Uma bola de basquete e uma pedra podem cair na mesma velocidade no ar. Contudo. Solte-os em um meio mais espesso como a água. E eles não vão cair no mesmo ritmo. Isso porque a densidade crítica não foi alcançada tanto pela rocha como pelo basquete, na água como meio. No vácuo, a densidade crítica é zero e é a razão pela qual os objetos de qualquer densidade caem exatamente na mesma taxa. Qualquer meio mais denso que um vácuo tem uma densidade crítica maior que zero. Assim, a razão pela qual objetos que não atingiram a densidade crítica caem mais lentamente em certos meios. A variação crítica da densidade é "gravidade".
- Darrell Dragoo
"A "Gravidade" é o eletromagnetismo em uma terra plana. A densidade aumentará o eletromagnetismo. Então, calor, pressão e atrito, Interação estática, Som."
- Thomas Jason Hannsz
Quando a "gravidade" foi inventada, a eletricidade nem tinha sido descoberta.
"A Terra-Globo não existe; a 'gravidade' não existe; os dinossauros nunca existiram; os alienígenas não existem; o coelho Ishtar não existe; a Fada dos Dentes não existe e o Papai Noel não existe, nem os dragões. Seria legal se todos eles existisse, mas eles não existem.
- Paul Michael Bales
300 anos após a publicação da obra "Philosophiae Naturalis Principia Mathematica", publicada em 1687 pelo Ocultista maçom praticamente assíduo de Alquimia Isaac Newton, que descreve a 'lei da gravitação universal', a Estacionalidade terrestre e a existência do Éter provaram-se ser verdades com os experimentos científicos incontestáveis, observáveis, mensuráveis e repetidamente testáveis de Michelson-Morley, Michelson-Gale, Efeito Sagnac, Efeito De Palma, Efeito Kozyrev, Efeito Lamoreaux , Efeito Allais, Efeito Biefeld-Brown e Falha de Airy.

terça-feira, 12 de junho de 2018

Fischer

Amigos e amigas.
O enxadrista estadunidense Bobby Fischer foi um daqueles fenômenos tipo tsunami: surgem, abalam todas as estruturas, vão-se embora e deixam marcas dificílimas de se apagar. Tais fatos foram vistos em seu esporte e em suas opiniões.
Foi um perseguido político, estigmatizado e taxado de antissemita, polemizou um monte e precisou ir viver e morrer no exílio.
Os mais contundentes e ácidos ataques se concentraram na figura do judeu e seu domínio mundial. Abaixo, excertos de suas opiniões a respeito deles. Traduzido por mim daqui.
FAB29

Imagem relacionada
"Não, não. Absolutamente não, não. Eu espero coisas piores para ocorrer.
O aperto dos judeus nos EUA está ficando mais e mais apertado todo dia.
Você sabe, eles fizeram incontáveis bilhões e trilhões com Hollywood."
Notas de Fischer sobre os judeus:
- Os judeus são anti-sociais, destrutivos, intolerantes, mesquinhos, enganadores e assim por diante. Eles querem destruir, governar e matar, roubar quem cruzar seu caminho. Para conseguir o que querem, desenvolveram um estilo de vida perverso, antinatural, destrutivo e maligno.
- Embora eles vivam de não-judeus como parasitas, eles os odeiam e desejam destruí-los. Os judeus odeiam a natureza e a ordem natural, porque é pura e bela, e também porque é maior e mais forte do que eles e sentem que não podem controlá-los completamente. A beleza e a harmonia da natureza contrastam com sua miséria e fealdade, e isso os faz odiá-los ainda mais.
- Os judeus são destrutivos. Eles são anti-humanos O judeu anti-humano odeia e quer destruir todos os não-judeus. Ele também destruirá até mesmo outros judeus que são menos destrutivos e maus que ele, se eles se puserem no caminho dele.
- Aparentemente, o mal do judeu tem uma base genética. Os judeus são destrutivos. Eles são anti-humanos. Pelo ato da circuncisão, o judeu mostra seu ódio à natureza e à ordem natural. Através deste ato sangrento, cruel e tolo, ele mostra sua crueldade e sadismo, e ele não vai parar em nada para obter seus fins. Sem dúvida, os judeus também estão por trás da circuncisão islâmica, que serve como uma cobertura ideal e uma distração de seu próprio mal a esse respeito.
- Os judeus são verdadeiramente anti-humanos e antinaturais. Os judeus são intensamente egoístas, intolerantes e anti-sociais, e assim por diante. Eles estão cheios de ódio, ganância, malícia e assim por diante. Naturalmente, outras pessoas, isto é, aquelas que não são judias, não gostam que os judeus as desloquem, roubem e matem e, mais cedo ou mais tarde, elas resistirão. É aí que entram as mentiras e o engano dos judeus.

Caso queiram escutá-lo:

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Eterna escravidão

Amigos e amigas.
COLTAN é uma junção de duas siglas: COLombita e TANtalita. É um mineral crucial para a indústria tecnológica. Usado para celulares, GPS, satélites, TV de plasma, notebooks, MP3, MP4, foguetes espaciais, mísseis, câmeras fotográficas, etc. O continente africano é o maior depósito desse mineral, sendo o Congo o principal produtor.

Lembram de Serra Pelada, a super mina de ouro brasileira dos anos 80, no Pará, onde as condições de vida e trabalho eram escravas (Se bem que não conheço uma mina onde as condições sejam decentes...)? Nessas minas de COLTAN, no Congo, a crueldade é semelhante, mas se torna ainda mais rascante: além da mão-de-obra escrava e infantil, desnutrição, doenças como AIDS, etc, a destruição da flora e fauna locais é brutal! Há dados que atestam: 80% dos elefantes e 90% dos gorilas da região já foram expulsos, mortos ou capturados; grandes bosques já viraram lodaçais.

E, como sempre acontece, toda essa destruição desmedida e covarde é ocultada pela Grande podre Mídia, desdenhada pelas grandes indústrias tecnológicas e 'aceita' com a cumplicidade dos governos e da ONU. Percebem que não é novidade nenhuma?! O mesmo ocorre com qualquer produto em qualquer lugar do planeta quando é de interesse de grandes corporações, como o mineral nióbio (super útil para as N tipos de indústrias e quase exclusividade do solo brasileiro), que é extraído naquelas 'condições' relatadas acima e 'vendido' a preços abaixo do custo.
Resultado de imagem para escravidão

Megacorporações como a Nike são acusadas de se utilizarem de mão-de-obra infantil em suas fábricas na Ásia, principalmente. O carvão talvez seja o que mais arrebanha pessoas em condições escravagistas, visto que é extraído e/ou produzido (à custa da destruição de extensas áreas florestais) no mundo todo.

A indústria alimentícia não foge à regra: só os arrozais na Ásia são um oceano de tudo isso já descrito. Qualquer linha de montagem é a mesma coisa: imensas máquinas controladas por autômatos humanóides que mal tem tempo para se coçar (Quem não se lembra de Chaplin em "Tempos Modernos"?). E muito bem sabemos que, atrelada à escravidão, está a fome (que é capaz de criar escravos perfeitos). Ao mesmo tempo que toneladas de alimentos são jogadas fora diariamente no mundo, 1 em cada 7 habitantes do planeta é constantemente assombrado pela fome (portanto, mais de UM BILHÃO DE PESSOAS!!) E milhares (crianças, em especial) morrem, TAMBÉM DIARIAMENTE, nessa covardia sórdida !

Assim é como a humanidade se mantém: a famosa e excrescente Pirâmide Social. Bem sabemos que ela é dividida em três partes distintas: a sua gigantesca base, formada pelos miseráveis, analfabetos e perdidos, ultrapassa a metade (creio que mais de 5 bilhões e crescendo sempre); a classe média, daqueles que minimamente se aguentam, se sustentam, até os 'bem de vida', que estão folgadamente estruturados, abrange uns 95% do resto da pirâmide (+ ou - 2 bilhões). O topo é formado por, talvez, uns 50 milhões de 'SUPER MILIONÁRIOS', os 'Donos da Carne Seca', os 'Bam-Bam-Bans", o 'Poder das Sombras', os 'Grandes Corruptores'. Estes que fazem deste mundo seu playground e tudo o mais. Então, em cálculo grosseiro, para cada super milionário, mais de mil miseráveis.

Para que se mantenham nesse topo, a escravização da humanidade é absolutamente necessária. E ela passa pela negação de acesso à informação, cultura e cognição. Quem, em sã consciência e formado em alguma especialidade, se sujeitaria a ser trabalhador braçal, servente, lixeiro, faxineiro e tantas outras funções deste nível massacrante para sustentar quem quer que seja, além de si mesmo e sua família? E se o fizesse, iria se valorizar ao máximo, jamais aceitando nenhum tipo de humilhação. A consciência gerada pelo conhecimento, aliada à experiência, provaria, sem nenhuma margem a duvidas, que PODER CENTRAL É UM CÂNCER! E ninguém mais aceitaria eleição, de vereador a presidente; nem sequer se aventaria a monarquia; ditadores, então,... CADAFALSO !!

Sabem que tipo de 'governo' se sobressairia? Aquele que esses malditos execram e contra o qual fazem a maior das campanhas: a ANARQUIA. Essa campanha é tão eficiente que a esmagadora maioria das pessoas tem nojo dessa palavra. Muitas até se benzem! E "Anarquia" apenas significa "sem governo", ou seja, cada um cuida da sua vida, sem precisar pagar impostos, sem depender da boa vontade dos outros, sem comodismo. Cada localidade teria LÍDERES, que só os seriam por total e absoluto MERECIMENTO. Assim como o leão precisa manter sua posição de líder do bando mostrando-se o mais capaz, na sociedade humana, os líderes seriam como ocorre nas comunidades indígenas, em que todos respeitam a opinião do cacique, o mais sábio e capacitado deles, que sempre visa o bem geral. Desse jeito, duvido que atravessadores, usurários e parasitas em geral se dessem bem como acontece hoje.

Entre tantas coisas boas, seria um ADEUS À ESCRAVIDÃO! Quantos de vocês crêem que isso vingará? Eu ainda rego a esperança, mas já começa a faltar água com tanto rastro químico.
FAB29

segunda-feira, 28 de maio de 2018

O pânico às portas !

Amigos e amigas.
Raul Seixas cantou lá nos anos 80: “O russo que guardava o botão da bomba H tomou um pilequinho e quis mandar tudo pro ar!” Claríssima alusão de que estamos a um “click” do “Salve-se quem puder!” E se observarmos bem, não apenas nesse sentido bélico. O tecido social é tão intrincado quanto tênue, sensível, bastando um pequeno abalo para que ocorra um efeito dominó. E neste detalhe, os grandes parasitas se especializaram, tomando as rédeas dos pontos cruciais da sociedade para tolher e chantagear a boiada humana.

Cena normal em metrópoles.
Vemos o caso dos transportes públicos, onde tantos profissionais vivem numa maratona diária de pressão e urgência advindas dos usuários que precisam cumprir seus horários. Portanto, eles não podem se dar ao luxo de atrasar, precisam lidar com seus cansaços físico, mental e emocional, relegar seus problemas pessoais e, de quebra, tentar suportar eventuais maus humores ou coisa pior de determinados cidadãos que podem estar num dia ou momento ruim. Basta um agente estressor (acidente, veículo quebrado, apagão, enchente ou greve) para causar transtornos de tal monta que reverberam em quase todos os níveis, aumentando de sobremaneira o risco de uma tragédia. A atual greve dos caminhoneiros é uma taxativa e extensiva representação.

Pra quê presídios? Colônia penal é a melhor solução.
Em delegacias e presídios, a nevralgia é palpável. São locais prenhes de violência, tensões, onde desajustados de todos os desníveis e piores se acumulam. Não há um só local ou momento ali em que um "click" não possa deflagrar um caos, um redemoinho de insanidades e destruição, com tristes resultados e sequelas indeléveis. E quando se sabe que o Fundo Penitenciário Nacional acumula R$ 3 bilhões, vê-se o tamanho da sordidez.

Nos casos de hospitais e creches, os profissionais vivem num fio de navalha até mais terrível por mexerem com situações críticas de vida ou morte de inocentes a todo instante. Qualquer distração (remédio mal administrado, por exemplo) pode ser a última para quem está sendo cuidado. Quando as condições de trabalho são precárias (ponto criminosamente comum ao que é público), o “ponto do click” fica à flor da pele; quando há falta de pessoal, a sobrecarga nos que permanecem trabalhando pode gerar um descontrole que descamba fatalmente numa epidemia; quando se deflagra uma greve,...!

Há pouco tempo, o Sudeste brasileiro viveu uma crise hídrica gerada por criminosos rastros químicos que impedem a formação de nuvens de chuva. Nisto, a população é privada do que há de mais básico: água! Daí, advêm os problemas: racionamento, redução da produção e consequente aumento de preços, limitação do simples ser e estar, exasperação. Tal padecer (e outros) cevado pelos parasitas do mundo tem o intuito de enclausurar as pessoas em seus mundos, nublando a lucidez, evitando que pensem globalmente, que racionalizem e preparem seus futuros com um presente consciente e que progridam, tornando-se aptos a cada vez menos dependerem da "assistência" oferecida pelos parasitas. Se não for revertido, gerará focos críticos de distúrbios que não precisarão de muito para descarrilar.

Pau-de-arara paulista...
Porém, o ponto mais crucial da vida contemporânea chama-se internet. Esta vive de “clicks”; a nossa vida em “clicks”. Quase tudo está ligado nela: governo, comércio, negócios, comunicação, entretenimento, informações,... A gama é incalculável! Tamanhas influência, imensidão, presteza e abrangência geraram uma dependência visceral das pessoas a ela nesse tecido social mundial, na vida atribulada, a mil por hora. Quantas vidas são salvas a todo instante por causa dela? Quanto aprendizado obtemos? Quantas novidades? Obviamente, tantas maravilhas quanto misérias em geral, mas o que quero salientar é o extremo perigo se houver um “tilt”, ou um apagão, ou uma falha local ou mais abrangente. Assemelhar-se-á a um trem sendo bruscamente parado. Onde este “click” atingir se desconectará e muitos perderão seu contato, ficarão cegos, surdos e mudos, tateando o nada. Se for em escala global,...!

Virtualmente real!...
Vejo que, desde que a humanidade aceitou se sujeitar a nefastas mãos (visto que o mundo virtual está tomando conta da realidade cotidiana das pessoas), a ponto delas entrarem em parafuso sem elas é muito semelhante a um viciado sem sua droga. Assim como o “russo” do início do post, quem tiver o “botão da internet” sob seu controle terá uma poderosíssima arma de barganha, um poder de subjugar a humanidade. Um “click” nela aqui e acolá muda rumos, subverte tendências, destrói adversários, açambarca atenções, suscita temores e obediência, reescreve a História, molda situações, inventa e reinventa soluções, conduz a boiada à sua bel necessidade, etc.

Resumindo, somos represas que se saturam a cada minuto da vida e que precisariam abrir suas comportas constantemente. Não tendo esse escape, o risco de transbordar ou de se romper por um insosso e inofensivo “click” se torna um fantasma, uma faísca num rastilho de pólvora. Cada ponto deste post e muitos mais são minas enterradas no seio das sociedades, prontas para serem detonadas por seus senhores, pretensos donos do mundo. Urge nos acautelarmos e fazermos o possível para nos desvencilhar da rede de maledicências tecida por eles.
FAB29

Em tempo: Abençoados aqueles que não se deixaram escravizar por essa maravilha tecnológica, mantendo ativas suas realidade e fascinação pelas coisas simples e sadias da Criação, seu apego pelo contato direto com o mundo que o cerca, sua sanidade preservada. Ou seja, abençoados por permanecerem 100% humanos.