Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Petróleo abiótico

Amigos e amigas!
Este artigo é deveras intrigante. Se estiver correto (e eu não o desacredito), explica muita, mas muita coisa mesmo com relação a muitas iniquidades no mundo, principalmente às guerras.
Muito se vê há tanto tempo sobre guerras pelo domínio de áreas petrolíferas, tanto pela extrema dependência dos países pelo 'ouro negro' quanto pela "iminente extinção" do mesmo.
Mas o artigo abaixo abre uma perspectiva nova e assustadora. Não é muito extenso e vale DEMAIS a pena. Leiam e passem a questionar o status quo um pouquinho mais.
FAB29

O petróleo abiótico

De onde veio, afinal de contas, a história que o petróleo teria surgido de fósseis de organismos vivos, sendo, portanto, biótico? O geólogo russo Mikhailo Lomonossov teve esta idéia pela primeira vez em 1757: “Petróleo surge de pequenos corpos de animais, enclausurados em sedimentos sob alta pressão e temperatura e se transformam em petróleo após um período inimaginável”. Nós não sabemos quais observações o levaram a isso; só que esta teoria nunca foi comprovada e é aceita sem provas há mais de 200 anos e ensinada nas universidades.


Porém, nunca foram encontrados fósseis de animais nas reservas de petróleo. Esta falta de provas mostra que a teoria do combustível fóssil é somente uma afirmação e ela não suportaria qualquer comprovação científica. Geólogos que espalham a teoria do combustível fóssil não puderam apresentar qualquer prova da existência de organismos vivos, dos quais deveria ter surgido o petróleo.


Um dos elementos mais presentes sobre a Terra em nosso sistema solar é o carbono. Nós, seres humanos, somos formados em grande parte por carbono, assim como todos os outros seres vivos e plantas do planeta. E até em pelo menos 10 planetas e luas de nosso sistema solar foram observadas grandes quantidades de hidrocarboneto, a base para o petróleo.


A sonda espacial Cassini descobriu sobrevoando a lua de Saturno, Titan, que ela é repleta de hidrocarboneto líquido. Isso significaria (caso fosse de origem fóssil) que houve 'toneladas de vida' nesse satélite?


Mas lá não havia qualquer “ser vivo” que poderia ter produzido hidrocarboneto. Ele deve surgir de alguma outra transformação química. Devido à sua particular configuração atômica, o carbono possui capacidade de formar complexas moléculas e apresenta, entre todos os elementos químicos, a maior complexidade de ligações químicas.


Nós, aqui na Terra, e as placas continentais flutuamos sobre uma inimaginável quantidade de hidrocarbonetos. Nas profundezas do manto terrestre aparece como em uma indústria química, sob determinada temperatura, pressão e adequadas condições, grande quantidade de hidrocarboneto. A anorgânica rocha calcária é transformada em um processo químico. Os hidrocarbonetos que daí resultam são mais leves que as camadas de solo e rocha sedimentares. Por isso, eles sobem pelas fendas da Terra e se acumulam sob camadas impermeáveis da crosta terrestre.


O magma quente é o fornecedor de energia para este processo e, com isso, o petróleo. Não energia solar acumulada, como sempre é afirmado. O resultado chama-se petróleo abiótico, porque não surgiu a partir da decomposição de formas biológicas de vida, mas sim de um processo químico no interior da Terra. E este processo acontece continuamente e para sempre. O petróleo é produzido incessantemente e nunca pode acabar.


Os argumentos mais importantes para o petróleo abiótico são:


- O petróleo é extraído de grandes profundidades, chegando até 13 km. Isso contradiz totalmente a origem dos fósseis, pois os seres vivos do mar nunca conseguiram ir até lá e a temperatura nestas profundidades teria destruído todo material orgânico. Somente um aparecimento abiótico do petróleo pode esclarecer isso.

- As reservas de petróleo, que desde os anos 70 deveriam estar vazias, se completam novamente por si mesmas. O aparecimento do petróleo fóssil que aconteceu somente uma vez há 500 anos não pode explicar este fenômeno. Já o aparecimento abiótico pode, pois aqui o petróleo é produzido incessantemente.


- A quantidade de petróleo extraída nos últimos 100 anos supera a quantidade de petróleo que poderia ter sido formado através da biomassa. Tanto material vegetal e animal nunca existiu num único momento para serem transformados em petróleo. Somente um processo para fabricação de hidrocarbonetos no interior da Terra pode suprir esta gigantesca quantidade.

- Quando observamos as grandes reservas de petróleo no mundo, então, é notório que elas aparecem onde as placas tectônicas estão em contato uma com as outras ou se deslocam. Nestas regiões, existem suficientes fendas, um indício de que o petróleo provém do interior da Terra e migra vagarosamente através das aberturas para a superfície.

- Nos laboratórios, foram criadas condições semelhantes àquelas que predominam nas profundezas do planeta. Com isso foi possível produzir metano, etano e propano. Estas experiências provam que os hidrocarbonetos podem se formar dentro da Terra através de simples reações anorgânicas – e não pela decomposição de organismos mortos, como é aceito geralmente.

- Petróleo não pode ter 500 milhões de anos e permanecer tão “fresco” no solo, até que nós o extraiamos à luz do dia. As longas moléculas de carbono teriam se decomposto. O petróleo que nós utilizamos é jovem. Caso contrário, ele já teria se volatizado há muito tempo. O fato é uma total contradição ao aparecimento fóssil do petróleo, mas que comprova a teoria do petróleo abiótico.


Os russos descobriram-no!!

Em 1970, os russos começaram a perfurar poços profundos. Eles alcançaram nisso recordes mundiais além dos 13.000 metros. Desde então, as grandes petrolíferas russas, incluindo a Jukos, perfuraram mais de 310 super poços e extraem de lá o petróleo. Nos últimos anos, a Rússia superou o maior produtor mundial, a Arábia Saudita.


Os russos dominam a complicada técnica de perfuração profunda há 30 anos. Eles podem explorar as infinitas reservas de petróleo das profundezas na Terra, enquanto o Ocidente ignora isso totalmente.


Os russos provaram ser totalmente falsa a explicação dos geólogos ocidentais: o petróleo seria um material orgânico decomposto que teria se transformado em petróleo. A gente pode acreditar facilmente nesta lenda, se não refletirmos muito sobre o assunto. Ele é um tremendo engodo.


Nos anos 40 e 50, os especialistas russos descobriram, para sua surpresa, que as reservas petrolíferas se enchiam por si só por baixo. Eles chegaram à conclusão de que o petróleo é produzido nas profundezas da Terra e emigra para cima, onde, então, se acumula. Isso era muito bom para ser verdade, mas eles puderam comprovar isso através das perfurações profundas.

Entrementes, nos anos 90, a Rússia estava tão à frente do Ocidente na tecnologia de perfuração profunda que Wall Street e os bancos Rockfeller e Rothschild deram a missão e o dinheiro a Michail Chodorkowski para comprar a empresa Jukos por 309 milhões de dólares, a fim de roubar o Know-How da perfuração profunda.


Agora, pode-se entender por que o presidente Wladimir Putin reverteu o presente das jóias da coroa russa feita pelo bêbado e corrupto antecessor, Boris Jeltsin e teve que retornar a Jukos e outras petrolíferas novamente para mãos russas. Isso era absolutamente importante para a Rússia e ele botou para correr ou prendeu a elite global, os gafanhotos do Ocidente e seus serviçais, os oligarcas russos.


Neste ínterim, os chamados cientistas, os lobistas, as prostitutas da mídia e os políticos querem que acreditemos que o fim do petróleo, senão do mundo, está às portas, porque a produção já atingiu o pico e agora decresce. Naturalmente, a intenção é criar aqui um clima que justifique o alto preço do petróleo e, com isso, apurar lucros gigantescos.


Nós sabemos agora, o petróleo pode ser explorado praticamente por toda a parte, pressupondo que se esteja disposto a investir nos altos custos de uma perfuração profunda. Todo país pode se tornar independente em matéria de energia. Somente o Ocidente e seus conglomerados não querem isso de forma alguma! Eles querem países dependentes, que dançam segundo suas músicas e pagam caro pelo petróleo importado.


O Vietnam é um bom exemplo de como eles lidam com pequenos países. Depois que eles foram explorados e violentados por mais de 60 anos, primeiro, pelos franceses e, depois, pelos norte-americanos, conglomerados petrolíferos norte-americanos disseram aos pobres vietnamitas que o país não tinha petróleo; ele seria um deserto dentro desta perspectiva. Eles não teriam qualquer possibilidade para explorar petróleo e, através da receita, se recuperar do desastre da guerra e reverter a catástrofe provocada e abandonada para trás pelos americanos através do bombardeamento e pulverização com agente laranja.


Foi isso que os americanos fizeram: deixaram o país numa situação onde ele não pudesse mais se levantar.


Então, vieram os russos e disseram aos vietnamitas: os americanos os enganaram. Especialistas em petróleo vieram de Moscou e foi chegado a um consenso, onde os russos disponibilizaram grátis, através de uma Join-Venture, os maquinários e o Know-How, por uma porcentagem da receita da exploração, se é que eles fossem encontrar algo. O Vietnam nada tinha a perder e deu luz verde.


Na seqüência, os russos perfuraram mais de 5.000 metros através do duro basalto e abriram uma fonte no campo conhecido como “White Tiger”, que hoje extrai algo em torno de 338.000 barris por dia. Através disso, os russos ajudaram os vietnamitas a ganhar novamente a confiança própria e, ao mesmo tempo, se tornarem independentes das esmolas ocidentais.


Só para termos uma base comparativa, segundo dados disponíveis, o reservatório do Campo de Tupi, na área do pré-sal da Bacia de Santos, está a mais de 6 mil metros de profundidade e a camada de sal chega a 2 mil metros. A extração prevista para 2010 é de 100 mil barris por dia.


Vietnam foi aceito, de repente, no clube dos países produtores de petróleo e visto com outros olhos pela surpresa América do Norte. Os vietnamitas não irão esquecer como foram zombados e trapaceados pela América do Norte.


Esta boa notícia se espalhou rapidamente e a Rússia é solicitada por toda parte para realizar perfurações profundas. Desta forma, os chineses iniciaram agora algumas perfurações profundas junto com os russos e também na pobre Coréia do Norte estão planejadas perfurações.


Ainda durará algum tempo, mas quando as fontes jorrarem, então estes países e outros do Terceiro Mundo irão se libertar do estrangulamento das petrolíferas do Ocidente e da escravização do Banco Mundial e não serão chantageados por mais um carregamento de arroz.


Eles podem então dizer para
a Nova Ordem Mundial: Vão para o inferno!


A afirmação que existe um máximo na extração de petróleo é, de fato, um golpe e uma mentira da elite global. Não se trata que o mundo logo não vai ter mais petróleo ou que não se consegue extrair mais para suprir o consumo. A lenda do “Peak-Oil” foi inventada para encobrir o fato: a América do Norte tem uma terrível sede por petróleo, mas não está mais na condição de pagar pela sua importação de petróleo. Em outras palavras, a América do Norte está falida e tem que encontrar uma desculpa para sair desta situação, onde então constrói uma escassez e encarecimento artificial.


Sempre menos países aceitam o desvalorizado dólar e querem que o petróleo seja pago com uma moeda estável. A América do Norte está obrigada desde os anos 70 a pagar o petróleo com o dólar impresso por ela mesmo. Como único país do mundo, ela recebe o petróleo praticamente de graça. Cada um dos outros países devem economizar divisas para quitar a conta do petróleo. Mas não os EUA.


Caso os países produtores de petróleo negociassem com uma outra moeda, como o euro, então acabaria a festa para a América. Então o padrão de vida teria que ser abaixado drasticamente. Finito com o “American way of life”. Por isso é que os EUA tem somente duas opções: ou reduz pela metade seu consumo descomunal ou tem que obrigar os produtores de petróleo, se necessário, com violência, a continuar aceitar o dinheiro do Banco Imobiliário, o dólar.


Um argumento dos defensores do “Peak-Oil” é que os poços de petróleo vão se esgotando; eles devem estar logo vazios. Isso é um grande engano, pois o motivo para que a pressão e quantidade extraída diminuam, não é porque a reserva acabou, mas sim porque os dutos se entopem com o tempo. Formam-se camadas de sedimentos nos dutos de extração e, através desta constrição, flui menos petróleo. Mas os especialistas em petróleo sabem disso.


Ao invés de limparem o antigo duto, que custa muito dinheiro, a reserva de petróleo é fechada. Eles podem também perfurar um novo duto para restabelecer a pressão ou recuperá-la. Mas isso é muito trabalho para os conglomerados petrolíferos, isso iria reduzir os lucros. Eles preferem o caminho mais cômodo e trocam a reserva. Na verdade, os campos petrolíferos não se esgotam por completo, mas, sim, são abandonados pela ganância em busca do maior lucro.


É claro que não se pode extrair mais petróleo do que naturalmente flui. Após os cálculos dos especialistas, a extração na Arábia Saudita deve ser reduzida em 30% para que o suprimento natural mantenha a quantidade estabilizada. Tal restrição seria perfeitamente tolerável para nossa economia, se todas as possibilidades em economizar e otimizar fossem aproveitadas.


Resumindo: a afirmação de que o petróleo tem origem fóssil e tudo mais sobre o “Peak-Oil” é ignorância e pura propaganda. Como sabem os russos, os chineses e muitos outros, mas também o serviço secreto ocidental, o petróleo abiótico é produzido nas profundezas da Terra e é praticamente inesgotável. O Brasil é um recente exemplo, onde no último ano foi encontrada na costa uma grande reserva petrolífera a uma profundidade de 5000 metros. As perfurações profundas são logicamente muito caras; por isso, são conduzidas a contragosto pelos conglomerados petrolíferos ocidentais.
Perfura-se de preferência perto do solo, de fácil acesso e, com isso, de reservas mais rentáveis.

Um comentário:

  1. " ... nos anos 90, a Rússia estava tão à frente do Ocidente na tecnologia de perfuração profunda que Wall Street e os bancos Rockfeller e Rothschild deram a missão e o dinheiro a Michail Chodorkowski para comprar a empresa Jukos por 309 milhões de dólares, a fim de roubar o Know-How da perfuração profunda.

    " Agora, pode-se entender por que o presidente Wladimir Putin reverteu o presente das jóias da coroa russa feita pelo bêbado e corrupto antecessor, Boris Jeltsin e teve que retornar a Jukos e outras petrolíferas novamente para mãos russas. Isso era absolutamente importante para a Rússia e ele botou para correr ou prendeu a elite global, os gafanhotos do Ocidente e seus serviçais, os oligarcas russos. "

    Interessante estes 2 parágrafos.

    " ... campo conhecido como “White Tiger”, que hoje extrai algo em torno de 338.000 barris por dia", enquanto isso no Brasil "a Petrobrás informou nesta quinta-feira (28/2/2013) que a produção de petróleo nos campos operados na província do pré-sal nas bacias de Santos e Campos atingiu, no último dia 20, a marca dos 300 mil barris de petróleo diários " (fonte : http://brasileconomico.ig.com.br/noticias/producao-no-presal-alcanca-300-mil-barris-diarios_129182.html)

    "A América do Norte está obrigada desde os anos 70 a pagar o petróleo com o dólar impresso por ela mesmo" QUEM REALMENTE IMPRIME O DÓLAR ? O DÓLAR É AMERICANO OU SEMITA ?

    Abraços

    ResponderExcluir