Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Poesias Tridimensionais 3

Amigos e amigas.
Reforço meu aviso para que vocês exercitem suas capacidades interpretativas ao ler estes poemas tridimensionais.
Penso que é esse o it deles: Qual pontuação me é mais correta ou agradável neste trecho? Ponto final? Vírgula? Dois pontos? Qual inflexão ou entonação melhor coaduna com o texto? Individualmente ou juntando as duas?
Meu maior desejo é que vocês se divirtam com isto.
Abraços.
FAB29

Arraigada

O tempo não tem matiz...às vezes, me esqueço
A vida é apenas já...tudo nos engana
Como poder ser feliz?...tudo tem seu preço
Precisamos nos amar...nesta vida insana

A alma é nossa matriz...só eu envelheço
O corpo vai se acabar...nessa dor mundana
Tantas maldades sutis...Ê, mundo ao avesso!
Tanto temos a amargar...Ê, paz desumana!

Esta dor de todos nós...é marca candente
Tenta calar nossa voz...terminantemente
Insidiosa aflição...na mente arraigada

Ao se tentar reverter...o imenso desejo
Para se poder crescer...partindo do ensejo
Perde-se a condição...de ser tudo ou nada


Imensurável

Eu quero viver...o meu mundo imaginário
Solto por aí...no leve bater das asas
Ávido por ser...um precioso canário
A paixão em si...sem peias, portos, casas,...

Ah, doce poder...guardião do relicário
Esse frenesi...intensidade sem pausas
Desejos de ter...todo o tempo sem horário
Tudo o que pedi...com seus efeitos e causas

Com você pra mim...desconheço a inverdade
Doce querubim...sem mágoa, sem veleidade,
Poderei sonhar...sem medo da escuridão

Tudo o que há de bom...neste universo infinito
Cada brilho e tom...tudo o que pode ser dito
Vai me completar...nada mais que uma fração


Adeus

Coração vestal...querendo atenção sincera
Corando as maçãs...do rosto que adora e brinda
Distância abissal...entre um deus e uma quimera
De horrores e afãs...existe um homem ainda

Corpo angelical...que tenta acalmar a fera
Nas doces manhãs...do meu coração...Ah, linda!...
Um bem perenal...que sabe que o amor gera
Nas vontades vãs...a felicidade infinda

Sinto muito, amor,...pela dor que agora sentes
Pelo dissabor...em caudalosas correntes
Que ora te invadiu...não há razão pra sorrires

Tanto quis te amar...pelo poder do infinito
Mas só fiz deixar...o brilho do teu espírito
Teu olhar febril...me seguirá ao partires

Nenhum comentário:

Postar um comentário