Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Poesias Tridimensionais 2

Amigos e amigas.
Mais Poemas 3D, sempre lembrando que a pontuação obedece às poesias separadamente.
Quando os versos são lidos misturadamente, você deve não só pontuar mentalmente, mas dar a entonação necessária para eles serem concatenados.
FAB29

SEGUIR

Voar: sonho sem igual.........pra quem é do chão
Pelas correntes de ar...........fluir com leveza
Sobre a terra, sobre o mar...não é, com certeza,
De maneira natural.............tranqüila missão

Pr’esta obra perenal.......como a solidão
Poder se realizar............vejam que está presa
Eu preciso libertar.........essa natureza
Essa energia primal.......em meu coração

Abraçar o grande elan.......sem temeridade
Não mais conter meu afã...eu prendo a maldade
Nas profundezas do ser.....pra poder seguir

O corpo, a terra contém...os passos são duros
O espírito vai além..........olhem só que muros
Se a mente for o poder....não vão me impedir


LIBIDO

Sem um hesitar......beijo teus lábios de rosa
Meu grande tesão...sinto teu cheiro de cravo
Com sofreguidão....tudo me torna um escravo
Navego no mar.......de uma deusa preciosa

Que doce visão.......o mel escorre do favo
Candente a pulsar...e adoça a coxa fogosa
Exposta ao luar......Ah! Esta sina ditosa
Cheia de paixão......amar-te sem desagravo

Nereida que tem.....seios claros como lírios
Olhos de desdém....aconchegam meus martírios
Formas divinais......consumando meu desejo

Feiticeira-mor...........adentrarei teu jardim
Darei meu melhor.....pra colher teu jasmim
Em meus madrigais...e adormecer em teu pejo


A AUGUSTO DOS ANJOS

Olho pro portão......o destino a que me entrego
Estou à mercê........de angústias lá defronte
Das vidas que vão...navegando em rumo cego
Longe de você........eis a barca de Caronte

Nesta escuridão.......aquém do pico deste ego
Nada mais se vê......além da última ponte
Lúgubre caixão........fechando o último prego
Lágrimas pra quê?...digo adeus ao horizonte

E, então, anjo meu....não existe mais retorno
Nosso amor morreu...e o ardor tornou-se morno
Ou foi algo mais.........pelo tempo esmaecido

Agora, estou só...e as vozes estão distantes
Este amargo dó...gritando: “Fora, ó, amantes!”
Causticante paz...Triste tê-la conhecido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário