Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Vejamos a moda...

E POR FALAR EM MODA...


Qual é a utilidade da moda? É inacreditável a quantidade de propaganda, o tamanho da influência e o poderoso fascínio que ela causa na sociedade moderna. A chamada “alta costura”, “glamurosa”, “chique”, “impactante”, se apóia essencial e brutalmente na sexualidade: fotos, vídeos, desfiles, todos extremamente bem produzidos e exaltados pela indústria da moda, que, para muitos, já se tornou o “5º poder”.


A massificação de tanto luxo (inalcançável para a maioria) e de tanta sexualidade mantém e manterá a moda sempre na berlinda, ditando rumos, estilos e gostos. Mas o mais interessante (pra dizer o mínimo) é que a dita “alta costura” quase não é vista nas ruas, nos bailes, nos shoppings, etc. Ela é 100% restrita às socialites, playboys, artistas, modelos, os grandes atletas. Somando todos, não deve dar 1% da humanidade. Então, pergunto: alguém me explica os bilhões investidos anualmente na moda? Quais os lucros dessa indústria?


A resposta volta à sexualidade. É ela que, inapelavelmente, atrai e mantém a atenção da sociedade fixada nas “tendências” tão propaladas pela moda. O fato é que a roupa não passa de um detalhe terciário. Dizer que tudo o que é produzido para e pela moda visa apenas a estética, a beleza, o bom gosto é digno de escárnio. Os desfiles mostram, em sua maioria, roupas de um ridículo atroz, risíveis, patéticas. Nas vezes em que as roupas agradam e chamam atenção, elas primam pela simplicidade, com apenas pitadas de ousadias nos cortes e decotes, coisas que vemos a todo momento por aí, sem a necessidade de qualquer “especialista” tê-las assinado.


Quero concluir dizendo que moda é sinônimo de ditadura e dominação, atiçando a libido das pessoas, fantasiando e embotando sua razão. Forçando o povo a desejar as modelos, solapando seus sentidos com uma avalanche de sons, imagens, cheiros e sabores, deixando a simplicidade, o real, o “ao vivo”, o “in loco” fora do alcance, a moda ratifica-se como uma poderosa arma dos “Grandes Corruptores” para manter suas rédeas bem firmemente atreladas aos tantos bilhões de incautos, pobres coitados e comodistas que superlotam a humanidade, que fazem jus à pecha de “gado humano”.


Realmente, não vejo outra utilidade pra moda.

FAB29

Nenhum comentário:

Postar um comentário