Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


terça-feira, 30 de outubro de 2012

Ser bairrista, sim!

Amigos e amigas.
Tantas palavras simples e comuns foram transformadas com o tempo em termos pejorativos devido a situações e necessidades específicas, associações indevidas ou imposições. Posso citar os exemplos:

- Sinistro significa 'canhoto'. Mas, na época da Inquisição, quando a Igreja precisava "detectar o Mal, o Demônio", ela passou a dizer que 'ELE' se manifestava nos sinistros e era por isso que eles tinham essa 'distorção' de não usar a 'mão correta'. Lembrando: se você tem um dia azarado, você "acordou com o pé esquerdo". Em contrapardida, 'destreza' (grande habilidade) vem de 'destro' (quem usa a direita) e uma pessoa correta, preciosa, é 'direita'. A imposição dessa bobagem foi tamanha que, por séculos, se um bebê pegasse algo com a esquerda, os pais eram obrigados a ensiná-lo a não mais fazê-lo, sob pena de morte. Quantos de vocês (como eu) já ouviram histórias de pessoas que levavam reguadas da professora na mão esquerda sempre que "ousavam" pegar o lápis com ela? Isto no SÉCULO 20!

- Puta significa 'pura, ingênua', além de ser o nome de uma deusa romana da agricultura (abaixo de Ceres) que presidia a poda das árvores. Mas na época do Brasil Colônia (dos "coronéis"), quando chegavam "novas aquisições" ao bordel (em geral, "garotinhas" ou "putinhas"), o 'coronel' era avisado para 'fazer uma visitinha, conhecer, escolher, ser o primeiro'. Naturalmente, elas passavam a ser a sensação do local e pagavam o preço por essa notoriedade. As esposas dos 'bam-bam-bans' as execravam e associaram 'puta' com 'prostituta'.

Mas o motivo desta postagem é sobre outro termo: BAIRRISTA. Ele é associado a pessoas egoístas, separatistas, que só pensam na sua turma, avessas a dividir informações, benefícios, enfim, pessoas indignas de viver em sociedade por sua postura restritiva. Essencialmente, bairrista é quem é afeiçoado ao seu bairro, sua comunidade, que quer tudo de bom a seus vizinhos e a si próprio. Então, pergunto: o que há de mal nisto? Qual o problema desse tipo de egoísmo? Tem alguma nocividade?

Vejamos o ditado: "Devemos pensar globalmente e agir localmente". É o que o bairrista faz. Raul Seixas disse: "O meu egoísmo é tão egoísta que o auge do meu egoísmo é querer ajudar." O bairrista também faz isso. Eu sou bairrista, sim! Sou contra priorizar a ajuda a outras regiões da cidade, estado ou país, relegando meu bairro a segundo plano (exceto se meu bairro conseguiu chegar a um nível de tranquilidade e satisfação que permita tal ajuda). Oras! Cada cidade tem seus políticos que tem a obrigação de zelar por seus munícipes, direcionando as arrecadações dos impostos às áreas mais necessitadas. E as cidades ainda recebem verbas do seu Estado, que recebe verbas da Federação. Tudo é mera questão de trabalhar o que possui e produz, investindo em todos os sentidos no desenvolvimento, principalmente no ser humano.

Não considero ser elitização elevar o status do meu bairro, melhorando o nível das construções, a limpeza das ruas e praças, a conservação e refinamento do patrimônio público (postes, árvores, bancos de praça,...), etc. E daí que isso vai encarecer os lotes, aumentar o custo de vida local, limitar a entrada de pessoas que queiram morar lá? Quem quiser morar lá, que se adapte ao nível alcançado! Quanto mais segurança, facilidades, opções de lazer, trabalho, educação, etc, tanto melhor para se viver. E não se consegue isso sem grande dedicação dos seus habitantes e grandes investimentos; e estes demandam mais investimentos na manutenção das benesses. Nesta equação, é natural que tudo se encareça.

Alguém vai querer me enganar dizendo que se deve socializar, facilitar cada vez mais o acesso de qualquer um que deseje se mudar pro seu bairro? Isto acontece o tempo todo nas periferias e nas favelas. Tal 'democratização' acaba gerando o que vemos o tempo todo em qualquer lugar do mundo que permitiu isso: pobreza, violência, insegurança, mortes, sujeira, má qualidade nas construções e conservação do patrimônio, etc. Que ninguém venha me acusar de qualquer tipo de preconceito racial ou social. Estou apenas ponderando que em NENHUM LUGAR DO MUNDO essa 'mistureba' deu minimamente certo. Isto é fato! Lamentável, mas "politicamente correto" às favas!

Até mesmo quando a Alemanha ocidental assimilou a oriental após a queda do Muro de Berlim, a coisa foi brava. Ela teve de assimilar todas as dificuldades e limitações econômicas da 'irmã', levando muitos anos para se equilibrar e equalizar tantas e tamanhas diferenças sociais. O que se vê hoje em dia por lá (e em muitos outros países europeus) é um país riquíssimo, mas enfronhado cada vez mais em convulsões sociais devido à imensa imigração que justapõe diversas culturas desarmônicas, religiões conflitantes, níveis sociais antípodas e intelectualidades díspares. Tudo isto limita o progresso, freia a evolução e fomenta a violência, a desunião e a desconfiança mútua. Como prosperar assim?

Concluindo: ser bairrista é a forma mais simples de se participar politicamente da construção, manutenção e progresso de sua cidade. Se você tiver uma "Associação de Moradores de Bairro", passe a participar dela mais ativamente, conclamando o maior número de vizinhos a fazer o mesmo. Nessas reuniões, podem (e devem) ser levados os problemas mais prementes que assolam sua comunidade e debatidos, procurando-se a melhor maneira de se solucioná-los. Chegando-se a um consenso, essas reivindicações precisam ser apresentadas aos vereadores e encaminhadas com urgência à prefeitura, cobrando-se diuturnamente de todos eles a maior presteza possível em suas realizações.

Se você não sair do seu comodismo, acreditando que sua única obrigação política é votar e o resto, deixar com seus "representantes", então, você merece suas carências e tudo o que os políticos não fazem por você. E se você crê que só deve se lembrar dos seus "representantes" quando precisar de alguma coisa ou favor particular, então, ratifico, friso e assino embaixo: VOCÊ MERECE!
FAB29 

4 comentários:

  1. é exatamente isso , perfeito.



    Cristiano Martins

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato, Cristiano. Apareça sempre.
      Abraço.

      Excluir
    2. Provérbio chinês "antes de querer falar do vizinho, dê 10 voltas ao redor de sua casa".

      Abraços

      Excluir
    3. Fazendo isso, encontramos tanta coisa...
      Abraço.

      Excluir