Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


quinta-feira, 2 de agosto de 2012

O cumprimento de Hitler

Amigos e amigas.
Volto ao tópico 'Jesse Owens' para mostrar uma reportagem do Daily Mail, de agosto de 2009, com Siegfried Mischner, um jornalista que tem uma versão diferente da contada sobre Owens e Hitler. Vejam:

Ele (Owens) tem sido considerado como a maior afronta na história esportiva: quando Adolf Hitler saiu do Estádio Olímpico de Berlim porque a Alemanha tinha sido humilhada por um homem negro.
O momento era 1936 e um incrível atleta americano chamado Jesse Owens acabara de iniciar o seu caminho para a primeira de quatro medalhas de ouro nos 100 metros.
Hitler, que tinha cumprimentado no dia anterior todos os vencedores olímpicos alemães, deixou o estádio furioso, visto que seus super-homens arianos tinham sido humilhados por uma suposta raça inferior.
E assim, a história segue.

Mas agora, um veterano repórter esportivo da Alemanha apareceu para afirmar que, apesar de Hitler, de fato, ter deixado o estádio após a corrida, não foi antes de apertar a mão de Owens.
Siegfried Mischner, 83, afirma que Owens carregava uma fotografia do Füehrer na carteira fazendo exatamente isso.
Owens, que sentiu que os jornais do dia informaram "injustamente" sobre a atitude de Hitler em relação a ele, tentou fazer com que Mischner e seus colegas jornalistas alterassem a versão aceita da história na década de 1960.
Mischner afirmou que Owens mostrou-lhe a fotografia e disse-lhe: "Esse foi um dos meus momentos mais bonitos."
 
Mischner disse: "Ela foi tirada atrás do suporte de honra e por isso não foi capturada pela imprensa mundial. Mas eu vi, eu vi ele apertando a mão de Hitler. A opinião predominante no pós-guerra era que a Alemanha de Hitler ignorou Owens. Por isso, decidimos não informar sobre a foto. O consenso era de que Hitler tinha de continuar a ser pintado sob uma luz ruim em relação a Owens."
 
Mischner, que passou a escrever um livro sobre as Olimpíadas de 1936, disse que outros jornalistas estavam com ele no dia em que Owens produziu a foto e eles também não informaram sobre ela.

Creio que, com mais esta, é possível entender por que Owens caiu no ostracismo após a Olimpíada de Berlim (como podem conferir aqui):
Um negro na América racista falando bem de Hitler era imperdoável.
FAB29

Caso queiram conferir o original do Daily Mail, segue abaixo o link.