Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Israel Shahak - 3ª parte


Amigos e amigas.
Nestes trechos, Shahak relata a tacanhice talmúdica em relação ao universalismo do conhecimento.
Impressionante constatar que os judeus, ditos aos quatro ventos como um povo que prima pela intelectualidade, são ou foram capazes de conter em seu seio tais excrescências.
FAB29.
"Exceto por uma aprendizagem religiosa pura, que estava num estado corrupto e degenerado, os Judeus da Europa (e numa extensão menor também nos países Árabes) estavam dominados, antes de cerca de 1780, por um desprezo e ódio supremos por todo o conhecimento (exceto o misticismo Judaico e o Talmude). Grandes partes do Antigo Testamento, toda a poesia Hebraica não-litúrgica e muitos livros sobre filosofia Judaica não eram lidos e os seus nomes anatematizados freqüentemente. O estudo de todas as línguas era rigorosamente proibido, bem como o estudo da matemática e da ciência. A geografia, a história — mesmo a história Judaica — eram completamente desconhecidas (...) Era um mundo afundado na superstição, fanatismo e ignorância mais abjetos, um mundo em que o prefácio à primeira obra sobre geografia em Hebraico (publicada em 1803 na Rússia) podia queixar-se de que muitos grandes rabinos negavam a existência do continente Americano e diziam que tal era 'impossível'. Entre esse mundo e o que é freqüentemente tomado no Ocidente como 'caracterizador' dos Judeus não existe nada em comum, exceto o nome enganado." Pág. 35

"Além disso, as autoridades rabínicas da Europa Oriental decretaram que todos os estudos não-talmúdicos deviam ser proibidos, mesmo quando nada específico fosse encontrado neles que merecesse o anátema, porque estariam anichados no tempo que devia ser empregado preferencialmente ou a estudar o Talmude ou a ganhar dinheiro — o qual devia ser utilizado para subsidiar escolas talmúdicas." Pág. 36

"Por exemplo: para além de uma série de alegações sexuais blasfemas contra Jesus, o Talmude declara que o seu castigo no inferno é ser imergido em excremento em ebulição — uma declaração que não está exatamente calculada para fazer agradável o Talmude aos olhos dos Cristãos devotos. Ou podemos citar o preceito segundo o qual os Judeus são instruídos a queimar, publicamente se possível, qualquer cópia do Novo Testamento que lhes caia nas mãos. (Isto não só está em vigor, mas é realmente praticado hoje; assim em 23 de Março de 1980 centenas de cópias do Novo Testamento foram queimadas pública e cerimonialmente em Jerusalém sob os auspícios do Yad Le'akhim, uma organização religiosa Judaica subsidiada pelo Ministério das Religiões Israelita.)" Pág. 37-38