Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Extermínio alemão - 2ª parte

Amigos e amigas.
Segue abaixo o 1º capítulo do livro "Alemanha deve perecer", de Theodore Kaufman. O que me espanta nele é a sua verve genocida aliada à garantia de que ele é um homem de paz. É uma dicotomia dantesca!
Leiam com isenção, atenção e calma. Se possível. Os sublinhados e negritos são meus.
FAB29

1. Sobre este livro
Hoje, a guerra não é uma guerra contra Adolf Hitler. Também não é uma guerra contra os nazistas. É uma guerra dos povos contra povos, dos povos civilizados que enxergam a Luz contra os bárbaros incivilizados que prezam as Trevas.
Dos povos dessas nações que iriam para a frente espero que surja em uma nova e melhor fase da vida, opondo aos povos de uma nação que iriam viajar para trás, com entusiasmo, à idade das trevas. É uma luta entre a nação alemã e a humanidade.
Hitler não é mais culpado por essa guerra alemã como foi o Kaiser para a última. Nem Bismarck antes do Kaiser. Esses homens não originaram ou conduziram as guerras da Alemanha contra o mundo. Eles eram apenas os espelhos refletindo a secular e pura luxúria da nação alemã para a conquista e o assassinato em massa.
Essa guerra está sendo travada pelo povo alemão. É que eles são responsáveis. São eles que devem pagar pela guerra. Caso contrário, haverá sempre uma guerra alemã contra o mundo. E com essa espada para sempre pendurada sobre as cabeças das nações civilizadas do mundo, não importa quão grande a sua espera, como árduos esforços, nunca terão sucesso na criação dessa empresa sólida e fundada na paz permanente. Eles devem primeiro estabelecer se eles nunca se pretendem iniciar a construção de um mundo melhor.
Por não ser mais apenas uma guerra alemã, lá não deve permanecer a menor possibilidade de que uma ocorra. A parada final à agressão alemã (e não uma suspensão temporária) deve ser o objetivo da presente luta. Isso não significa um domínio armado sobre a Alemanha, ou a paz com os ajustes políticos ou territoriais, ou uma esperança baseada em uma nação derrotada e arrependida. Tais estabelecimentos não são garantias suficientemente conclusivas de não mais haver agressões alemãs. Desta vez, a Alemanha tem forçado uma guerra total ao mundo. Como resultado, ela deve estar preparada para pagar uma multa TOTAL. E há uma, e apenas uma, como Penalidade Total: Alemanha deve perecer para sempre!
Na verdade - e não em fantasia!
Diariamente, a verdade está sendo imprimida em nós por meio da observação e, sobre os outros menos afortunados, pelas bombas que a doutrina alemã da força não é só baseada em qualquer conveniência política ou necessidade econômica. O pessoal desejo de guerra daqueles que lideram o povo alemão é um componente da guerra-luxúria que existe como um todo nas massas alemãs. Os líderes alemães não estão isolados da vontade do povo alemão, porque independente desse desejo, eles não poderiam vir a ser ou existir. Sua inspiração pessoal, a motivação, mesmo a aquiescência das suas ações são únicas e a todas são atraídas pelos dirigentes alemães desde as profundezas da alma nacionalista alemã.
Muito frequentemente, a reivindicação tem sido feita de que a unidade alemã presente para dominar o mundo é apenas banditismo de rua praticado em uma escala nacional organizada, que decorrem principalmente das classes mais baixas, a escória da Alemanha. Tal afirmação não é sustentada por fatos. Para o mesmo desejo, a mesma força bruta que os alemães mostram hoje sob o domínio da chamada "classe baixa nazista", também foi exibido em 1914, numa altura em que as “altas classes” e “nobres exemplares” capazes de serem produzidas pela nação alemã, os Junkers, que governaram aquela terra. E um grande número de intelectuais da Alemanha, outro alemão "classe alta", sentou-se como membros do Reichstag Alemão!
Não! O problema do germanismo não deve ser novamente repassado para a próxima geração. O mundo precisa nunca mais ser estendido e torturado na cremalheira alemã. Nosso é o problema, nossa é a solução. O mundo aprendeu, com um conhecimento nascido das tragédias demasiado numerosas, demasiado horríveis para registro que, independentemente do líder ou regras da classe alemã, a guerra será travada contra ele por esse país porque a força que obriga a ação é uma inseparável parte da massa da alma da nação. Verdade que a alma, ao mesmo tempo, poderia ter sido de outra forma modelada. Mas, dessa vez, foi no ciclo civilizatório de mil anos atrás. Agora é tarde demais.
Nós sabemos disso. Nossos homens de 1917, não. Eles não tinham precedentes para basear sua experiência. Nós não temos esta desculpa hoje. Seus sacrifícios inúteis e seus esforços vazios hoje devem ditar nossas próprias ações e decisões. Nós estamos pagando hoje pela falta de experiência da última geração em lidar com os povos da nação alemã.
Quando e se chegar o momento de tomarmos a decisão e a ação similar, não devemos repetir seus erros. O custo é muito grande, não só para nós, mas para todas as gerações futuras. Temos de nos fazer entender que nenhum líder pode governar a Alemanha se, de alguma maneira, ele encarnar o espírito e a alma guerreira existente na maioria da sua população. "Maioria" é utilizada deliberadamente em se falando das massas que compõem uma nação que deve ser imparcialmente concedida, que alguma fração da massa deve forçosamente variar a partir dela. Consequentemente, não é justo estar aqui sendo dito que todo mundo na Alemanha é culpado de seus crimes hediondos contra o mundo. Na verdade, nós, em nossa maneira de enxergar, em favor da Alemanha, permitimos dizer que até 20% de sua população é totalmente inocente de cumplicidade em seus crimes, bem como alheia a compartilhar de sua alma guerreira. Nós, portanto, concedemos, por causa do argumento, que cerca de 15 milhões de alemães são absolutamente inocentes.
MAS - são poloneses, tchecos, eslovacos, austríacos, noruegueses, holandeses, belgas, franceses, gregos, ingleses, Irlandeses, escoceses, canadenses, australianos e norte-americanos - por nós também podem vir a sentir o aumento do barco alemão - são todos esses povos - a numeração 300 milhões de alguns dos povos mais civilizados, mais esclarecidos da Terra - sofrem constantemente e enfrentam a morte não-natural a cada geração para que uma pequena parte do povo da Alemanha possa continuar a existir? São aqueles 15 milhões alemães tão valiosos, tão mais indispensáveis para a humanidade que 300 milhões de homens inocentes, mulheres e crianças, que devem travar uma guerra com a Alemanha, toda vez que ela decretar? É perpétua a luta contra o alemão, o único futuro que enfrentam os povos civilizados? Por que criar crianças enquanto os alemães criam guerra?
Não são os holandeses um povo sóbrio e econômico? Não é a cultura francesa? Não são os checos trabalhadores? Não são os poloneses profundamente ligados à terra, à família e a Deus? Não são os escandinavos um povo decente? Não são os gregos corajosos e destemidos? Não são os ingleses, irlandeses, escoceses e norte-americanos amantes da liberdade e pessoas progressistas? E em aritmética muito simples, não são esses 300 milhões mais que 15 milhões alemães? Se a democracia como os americanos conhecem é regra majoritária em um sentido nacional, que deva ser assim em um sentido internacional também. O maior bem para a maioria é a regra de ouro da Democracia; lutar pela democracia no mundo é garantir os direitos da maioria dos povos democráticos contra as incursões feitas sobre eles por qualquer minoria autocrática.
Se isto não é assim, para quê um exército de recrutas para grande defesa da democracia? Por que treinar soldados americanos para o assassinato de um hipotético inimigo da Democracia, quando a vontade que gerou esse inimigo aumenta e cresce com cada sucessivo banho de sangue? Em 1917, soldados norte-americanos, como os de todas as outras nações importantes, foram obrigados a matar aos milhões. Para quê?
Suponha que nós sejamos forçados a matar novamente. Tais guerras são vencidas por se matar, não por morrer. Novamente para quê? Outra traição? Vender nossos soldados vai se tornar um hábito nacional? Para deixar muito claro, lutar mais uma vez no processo democrático de defesa contra a Alemanha, com nenhum objetivo em vista de salvar da extinção aquele país constitui, mesmo que ele perca a guerra, uma vitória alemã. Lutar, vencer, e desta vez não acabar com o germanismo, mas exterminar completamente aquelas pessoas que espalharam sua doutrina de morte para anunciar a manifestação de uma outra guerra alemã dentro de uma geração.
Vamos tomar cuidado, pois não é lógico supor que algum dia o soldado, se constantemente marcializado e arregimentado contra a sua vontade, pode surgir a partir de debaixo da capa desgastada pelo tempo do "dever”, como trabalho, capital e civilidade para exigir seus "direitos". Não deve ser sem razão conjeturar que um soldado deva também ter direitos, bem como deveres. Certamente, um homem forçado contra o seu instinto de matar tem direitos, talvez não os direitos dos salários e das horas, nem os direitos dos lucros, e não o direito de expressão desenfreada contra os seus superiores que, em um sentido militar, significa catástrofe. Não, nenhum destes; apenas alguns direitos simples - três dos quais parecem seu dever incontestável de pedir: um, que ele seja suficientemente abastecido com as armas adequadas, em quantidade suficiente para que haja uma máxima velocidade de ataque para sua “matança"; em segundo lugar, que ele não seja traído por quinta-colunistas que devem, em tempo de guerra, ser sumariamente despachados, com pena de prisão ou execução; e, por último, de primordial importância, que ele receba uma declaração definitiva do seu governo que lhe garanta de uma vez por todas que todo este tempo medonho, horrível negócio de matar os alemães esteja no fim; que seu filho possa conhecer a paz sem ter que matar.
Se tal garantia não se lhe dignou antes de sua luta (ou não pode ser acolhida após sua luta, pois não era o tempo passado, embora os generais sabiam, entre eles, o nosso próprio Peshing, que a Alemanha naquela época deveria ter sido inalteravelmente ceifada), não pode ele então tomar as medidas em suas próprias mãos? Concessão de trabalho tem o direito de greve quando seus direitos são violados, garantindo que o capital próprio de circulação retenha quando se sente a sua utilização não rentável; concessão em que o cidadão se sente tiranizado quando suas liberdades civis estão comprometidas, o que evidentemente não pode o soldado tomar uma vez que ele percebeu que foi enganado; uma vez que, afinal, para quê ele matou?
Quando o dia do acerto de contas com a Alemanha vier, e ele virá, haverá apenas uma resposta óbvia. Nenhum estadista ou político ou um líder responsável pelos assentamentos do pós-guerra terá o direito ao perdão da luxúria pessoal e falso sentimento ilusório e declarar que a Alemanha, enganada por seus líderes, deva merecer o direito de ressurreição! Ele não permitirá neste momento esquecer tão facilmente a bomba que explodiu, terra-tombada, milhões de mulheres e crianças que viveram um inferno na terra, os crivados de balas, corpos esmagados pelos tanques. Muitos países cujas energias foram minadas e recursos drenados. E acima de tudo, ele não terá permissão de desconsiderar os sacrifícios altruístas feitos pelas pessoas comuns, para que a besta que é a Alemanha nunca caminhe pela terra de novo!
É uma obrigação definida que o mundo deve a quem lutou e morreu contra a Alemanha ontem e para aqueles que estão lutando contra ela de novo hoje, assim como é o dever moral da geração presente para aqueles que ainda não nasceram, para a certeza de que as presas viciosas da serpente alemã jamais voltem a atacar. E que o veneno das presas instile seu veneno fatal não dentro do corpo, mas da alma guerreira do povo alemão. Nada mais vai garantir a salvação da humanidade e sua segurança do que a alma guerreira ser para sempre expurgada e a carcaça doente que a abriga ser para sempre removida deste mundo. Não há mais nenhuma alternativa:
Alemanha deve perecer!
Essa guerra, com suas misérias angustiantes, a indescritível devastação alemã, as indizíveis atrocidades alemãs, é nascida da alma guerreira desses bárbaros, dos quais Maquiavel, escrevendo há mais de quatrocentos anos atrás, observou:
“Cidades alemãs gastam pouco ou nada em qualquer coisa, mas em armazenamento militar e fazer boas fortificações ...nas férias, em vez de outra diversão, aos alemães é ensinado o uso de armas.”
A história se repete.
Nós podemos remover um tigre de seu ambiente natural, seu covil na selva, e, com paciência, domá-lo até que, eventualmente, ele vá responder ao nosso carinho, alimentação, ao nosso lado, obedecer ao nosso comando. Quanto mais se torna condescendente em resposta a esse condicionamento exterior, mais estamos enganados em acreditar que seus dias de selva foram esquecidos. Este é um engano fatal. Para tanto, inevitavelmente chega um momento em que o tigre dentro da alma do tigre o leva novamente para a utilização de quadrilha e garra. Nesta resposta inexorável à alma de força irresistível, o tigre volta mais uma vez à sabedoria da selva. Ele se torna, novamente, um assassino.
E assim é com o povo da Alemanha. Eles podem responder por um tempo para as forças civilizadoras, podendo aparentemente adotar os maneirismos superficiais e comportamento exterior dos povos civilizados, mas ao mesmo tempo que permanece sempre presente dentro deles a alma guerreira que eventualmente os conduz, então, como faz o tigre, a matar. E nenhuma quantidade de condicionamento, ou raciocínio, ou civilização - passado, presente ou futuro - nunca será capaz de mudar essa natureza básica. Para não se impressionar, isso foi feito em cima desta alma guerreira ao longo de um período de cerca de dois mil anos. É de se esperar que, de repente, no dia seguinte, este milagre irá ocorrer?
Esta ligação analógica do povo da Alemanha com o peito selvagem não é comparação vulgar. Eu não sinto mais ódio pessoal contra essas pessoas que eu poderia sentir por um rebanho de animais selvagens ou um grupo de répteis venenosos. Um não odeia aqueles cuja alma não pode transpirar calor espiritual, nem piedade. Se o povo alemão deseja viver na escuridão, que seja estritamente assunto próprio. Mas quando eles fazem constantes tentativas de esconder as almas das outras pessoas envolvidas no manto fétido que vestem, torna-se tempo de retirá-los do reino da humanidade civilizada entre os quais não podem ter lugar, ou o direito à existência.
Não precisamos condenar os alemães. Eles se autocondenaram. Para isso, basta-nos ler e ouvir essas palavras escritas e faladas apenas por alemães; suportar os sofrimentos e deslocamentos causados exclusivamente pelo povo alemão em busca dos seus ideais e aspirações megalomaníacas e demoníacas para perceber que os próprios alemães decretaram, quase pediram, seu ostracismo na sequência da humanidade. Eles perderam o desejo de serem seres humanos. Mas eles são bestas; eles devem ser tratados como tal.
Este é um ponto de vista objetivo, cuidadosamente examinado e factualmente sustentado. É o entendimento deles neste livro.
Naturalmente, existem homens no mundo, nosso próprio país incluído, que pensam o contrário e que tratariam diferente a ameaça alemã. É o costume de tomar esses homens, que eles chamam de uma "visão" sensível do problema e progresso da humanidade. Esses homens poderiam contar com o destino para modelar o futuro. Eles, na verdade, permitiriam que os alemães conquistassem e escravizassem o mundo, explicando, em termos cujo grau de ferocidade é dependente do seu grau de motivação, ganho pessoal; que o domínio alemão do mundo não pode durar para sempre; que, em alguma data futura, a Alemanha acabaria por perder a sua mão de ferro sobre o mundo e, em seguida, a humanidade escravizada viria a libertar-se novamente. Ou, se nem conspiração, nem rendição parece palatável para os seus ouvintes, eles iriam sugerir um compromisso com os alemães, os chamados "negociadores da paz."
Estes são postulados sem alma. Eles podem se originar somente nos homens cujos corações e almas ainda estão cativos pela vida marinha da sua origem; espécie humana de água-viva sem espinha debatendo-se sobre as águas do passado. Estes são os homens do passado para sempre vivendo nesse passado. Homens que, sendo incapazes de dominar seus próprios intelectuais e primitivismo espiritual, procuram arrastar os outros para baixo com eles para as profundezas obscuras e escuridão infernal que circundam sua própria existência miserável.
Estes são os homens, na verdade, que testemunhando a atual escravização de tais pessoas civilizadas e humanas como austríacos, checos, polacos, franceses, holandeses, noruegueses e belgas, seria de muito bom grado fechar os olhos e simular a descrença no que é a nua e pavorosa realidade. Estes são os homens que, com o fatalismo como sua crença, vêm para ser intelectualmente anestesiados por ele; que, proclamando o destino de um aliado, tornaram-se seus agentes mais patéticos. Felizmente, esses homens não são ainda a maioria, nem serão ao menos de que a Alemanha pode aproveitar, empregar ou subornar um número suficiente deles para espalhar as doutrinas alemãs inferiores por toda a terra. Mas, mesmo como uma minoria, o perigo que esses pacificadores "representam”, contudo, é real e deve ser tratado com severidade. Por ações, tais como eles podem ter, sob o manto do "patriotismo inquestionável" é evidente que não iriam fazê-lo, salvo se, no prazo de sua própria alma tenha existido alguma parte complementar da alma guerreira alemã. Aqueles outros sossegados, cuja integridade é duvidosa e o patriotismo questionável - aqueles que defendem os princípios do germanismo - são francamente traidores de seu país. E quando, como e se um governo não pode ou se recusa a tratá-los como tal, não pode ele vir, em vez de contar com as pessoas cujas vidas e liberdade estão em jogo, a fazê-lo!
Não tenho nenhum desejo de que este trabalho seja considerado como um meio de incentivar a guerra para esta ou qualquer outra nação.
Como ser humano, eu deploro a guerra. Como um membro civilizado de uma nação civilizada, eu odeio a guerra.
Eu odeio a guerra não só pelo sofrimento, a miséria, a tragédia e a perda sem sentido que segue em seu caminho, mas ainda mais porque eu considero ser o cordão umbilical ainda rígido que liga o embrião moral e espiritual do homem ao ventre físico da besta instintiva. E eu sei que, quanto mais tempo a corda ficar firme, a evolução social e o progresso humano vão repousar sobre uma base impermanente e insegura. E também, quanto mais tempo a guerra persistir, lá nunca verão a paz mundial na qual, algum dia, uma confederação mundial das nações nascerá. Pois é essa confederação que é o objetivo final e absoluta inevitabilidade da raça humana.
Paz! Dificilmente um homem, mulher ou criança vivos não tenham ouvido a palavra! Ao longo dos séculos, tem sido um assunto de mais discussão e debate do que qualquer outro problema da humanidade. Nos salões de governo, grandes oradores têm exaltado suas virtudes. Os grandes profetas de todas as religiões do mundo têm pregado o seu evangelho e catalogado seus benefícios para a humanidade no mundo. E em todo o mundo, descobrimos que a paz é o denominador comum que une junto a pessoas de todas as nações, de todas as cores e raças, em pensamento e oração comum.
Por que então, depois de passar por milhares de anos de desejo e anseio tão grandes, não conseguimos encontrar a paz? Por que é que, após esse período de tempo prolongado, um único passo prático e duradouro não tem sido dado para a sua realização absoluta? Certamente, nenhum homem ou grupo de homens ainda por nascer que deva exceder em conhecimento e excelência de habilidade todos os grandes homens que tem escrito, falado e pregado a paz ao longo do passado. O que faremos, então? Levantar as mãos e desistir? Vamos acabar com a paz, exclamando que ela não existe porque não pode? Esse é um objetivo inalcançável?
Eu não acredito que seja qualquer coisa assim. Acredito sinceramente que a paz na Terra pode vir a existir como uma permanente condição de vida. Mas acreditando nisso como eu faço, eu não iria esperar ela chegar, em alguma bela manhã, bater na minha porta e, de repente anunciar a sua presença! Não, ela nunca virá por si mesma!
Eu acredito que a paz pode ser produzida, e não apenas concebida. Mas nunca, desde que a guerra continue.
Então, por que a guerra ainda existe?
Simplesmente porque não foi feito o impossível para que isso ocorra.
Há apenas uma maneira de abolir a guerra: impor uma penalidade de magnitude de tão terrível e assustadora conseqüência a povos agressores a ponto de tornar praticamente impossível para qualquer país iniciar uma guerra.
Guerra não deve ser combatida com armas de destruição crescente, mas com penas infinitamente mais terríveis e perigosas do que a própria guerra.
Este livro acredita sinceramente ter encontrado tal pena, e por sua imposição ao povo da Alemanha, este livro acredita que não só seria um grande flagelo a ser removido do mundo, mas um grande bem nascido para isso.

3 comentários:

  1. Boa tarde Fabiano!
    ÓTIMO!!..vamos passar o link para as embaixadas Alemãs e "industria e comércio"
    EDUARDO-SP

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Serão bem vindos, Eduardo.
      Conhecimento, opiniões e críticas construtivas terão sempre espaço aqui.
      Abraços

      Excluir
  2. Bom dia Fabiano.
    Veja seu email de contato.
    Abraço
    EDUARDO-SP

    ResponderExcluir