Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Extermínio alemão - 4ª parte

Amigos e amigas.
Neste capítulo, podemos ver um ponto interessante: quatro premissas que von Treitschke determinou para sua Pan Liga Alemã que também são pedras angulares da doutrina dos judeus sionistas.
Fora dizer em muitos outros pontos, nesse sentido de disseminação e domínio mundiais.
Se alguém pensar (e muitos pensam!) que os sionistas viram nas determinação e vontade férreas do alemão um tremendo adversário a seus planos de conquistas, não estarão exagerando. Há, ainda, muitos outros que afirmam que os sionistas assimilaram essas doutrinas alemãs e as elevaram à quinta potência. Como disse Chico Buarque: "Procurando bem, todo mundo tem pereba, marca de bexiga ou vacina."
FAB29

3. Germanismo Organizado
Germanismo - a teoria de uma raça-mestra dos alemães destinada a escravizar um mundo fraco pela força e brutalidade – tinha sido uma doutrina de crença alemã surda desde os tempos tribais até a última parte do século passado (séc. XIX), quando atingiu sua maturidade, tornando-se moda em um movimento amplo e bem organizado. Seu programa surpreendente e ambicioso amalgamou todas as principais doutrinas e crenças de tais professores, escritores, estadistas e filósofos alemães, como Kant, Nietzsche, Hegel, von Bernhardi, Rohrbach, Treitschke e Spengler. E porque a doutrina que pregou tocou as raízes da alma alemã e abraçou os princípios fundamentais do intelecto alemão, o movimento se reuniu com resposta imediata e tremendamente popular. Na verdade, seu programa foi tão popular com os alemães que, no prazo de dez anos após seu nascimento, seu dogma maligno já estava espalhado pelo mundo inteiro.

Em 1886, o Dr. Karl Peters convocou um Congresso Geral alemão em Berlim durante o qual todas as associações nacionais alemãs ali representadas foram fundidas em um grupo, uma agremiação chamada Liga Alemã. Esse programa, primeiramente, era vago e indefinido, e tanto cresceu que existiram conflitos entre os diversos grupos que compõem a liga, que sua dissolução parecia iminente até 1891, quando o professor Ernst Hasse, deputado no Reichstag de Leipzig, tornou-se seu presidente e assumiu a sua gestão em suas próprias mãos.

O primeiro passo do professor Hasse foi transmitir um apelo generalizado para ajudar, apelando, como ele disse, "às tradições da alma alemã." Seu apelo encontrou uma resposta tão favorável que a Liga cresceu aos trancos e barrancos; até não demorou muito tempo antes que fosse capaz de publicar e manter seu próprio jornal. Em 1894, ela mudou seu nome para a Pan-Liga Alemã e passou a estabelecer um programa inteiro de ação em relação à conquista do mundo e dominação pela Alemanha. Este programa de ação para atingir tal objetivo foi tão repleto de detalhes e seu plano de procedimento de modo abrangente, que foi adotado, quase inalterado, pelos nazistas. Por seu lema, a Liga utilizou as palavras do Grande Eleitor: "Lembre-se você é um alemão!"

Durante o intervalo em que a Pan-Liga Alemã foi organizada, um professor alemão, Heinrich von Treitschke, era saudado por toda a Alemanha como um novo profeta. Durante anos, ele foi espalhando a mensagem ardente de Germanismo: era uma mistura irracional de guerra, ódio, anti-Cristianismo e destruição. Foi a pregação de tais doutrinas que, hoje, Treitschke ganhou a "grande" honra de ser reconhecido pelos alemães como o apóstolo de sua ideologia.

Heinrich von Treitschke nasceu em Dresden em 1834. Depois de se formar a partir de várias universidades alemãs e passar algum tempo à deriva, sem rumo, de repente foi consumido pela idéia tortuosa de uma unidade alemã fundada pela espada. Sentindo que o melhor método, em sua época, de propagação de tal crença era através do ensino, ele abraçou ansiosamente essa profissão. Sua contínua insistência em lecionar prussianismo e sua doutrina da “Primeira regra dos Correios” finalmente permitiu-lhe estabelecer-se em Berlim, onde ele se estabeleceu como um historiador popular e publicitário.

Treitschke foi um monge da guerra e, do "poder faz o direito", foi defensor de primeira linha. Possuindo um dom natural de eloqüência, prendia seus alunos durante suas palestras sobre "conquistar a qualquer custo" para, de acordo com sua interpretação do desenvolvimento da Alemanha e da história, prosseguir nesse caminho, a fim de se espalhar para além seus limites. Na primeira, ele colocou a Europa no domínio da Alemanha "Lebenstraum", mas, após o sucesso do exército alemão em 1870, ampliou e expandiu a sua declaração original, afirmando que o mundo era uma conquista e domínio da Alemanha; que através de guerra imposta contra o mundo, a nação alemã estava destinada a tornar-se o "Super-estado" do universo e manter sua população em escravidão. Esses ensinamentos tanto apelaram para o alemão nato que Treitschke, como Hitler, conquistou logo os intelectuais, bem como as massas da época. Suas doutrinas foram espalhadas por toda a Alemanha por seus muitos alunos, até que, eventualmente, praticamente todos os alemães educados caíram sob sua influência. É concebível; ele não poderia ter inspirado tal crença profunda de tal monstruosa doutrina, salvo se, em substância, tivesse abraçado objetivos e ideias já há muito existentes, inerentes ao caráter alemão e inatos na alma. Muitas dessas crenças explicam muito das atitudes atuais da Alemanha.

De acordo com Treitschke, o indivíduo não tem direito sobre si próprio, mas existe apenas para o Estado, que tem o direito exclusivo de utilizá-lo como quiser. Não há nenhuma outra força, exceto a vontade do Estado e a guerra é a única e melhor maneira que pode ser empregada por ele. A Alemanha, assim constituída, pode reconhecer qualquer poder terreno e "O poder faz o direito" somente quando um alemão empunha a espada! Não existe tal coisa para o alemão, como "santidade da vida humana" e guerra é sublime para ele porque nela pode “matar sem paixão". Guerra é a melhor maneira em que Alemanha pode impor sua vontade sobre os seus vizinhos, bem como sendo "a única cura para as nações doentes."

Treitschke, então, trata com diversos métodos a serem empregados pela Alemanha, a fim de conquistar e dominar o mundo.

"A Alemanha", escreve ele, "deve ter o dever de empregar os traidores no estado do inimigo para seu próprio interesse". Embora, acrescente: "Cada sujeito é um bom alemão latente e, quando a oportunidade surge, um espião ativo."

Mentir e enganar são incentivados como sendo uma pedra basilar para a política alemã e, como de tratados e similares, Treitschke informa que eles são meros pedaços de papel e pede que "pode e deve ser denunciado pela Alemanha sempre que a promessa de que se mantenham inúteis para ela." Nesse caso, o tratado se torna automaticamente obsoleto e a “Honra Alemã" exige que seja quebrado! Continua ele, não existe algo como a lei e ordem internacional, não convênios entre as nações. Quanto à justiça, não há tal coisa, exceto na ponta de uma espada alemã.

Todos os ensinamentos de Treitschke, bem como a interpretação mais aguçada e precisa de todos os tempos do ego alemão,  são melhor resumidos em uma declaração na qual afirmava que a Alemanha nunca poderia ter paz com o mundo devido ao modo alemão de pensar, que "é um mundo estranho, que não pode ser reformado, mas só pode ser derrubado”. Assim, o ideal da Alemanha torna-se aliado à “regra" do mal, em um esforço comum para o alemão aniquilar a civilização!

A Pan-Liga Alemã combinou várias doutrinas de Treitschke em um programa de ação e emitidos, entre os seus estatutos, quatro princípios fundamentais que definem amplamente os seus objetivos principais. São eles:

1. Para vigiar e apoiar todos os movimentos nacionais alemães em todos os países onde os alemães têm de sustentar uma luta em prol do germanismo, com o objetivo de abraçar e unir todos os alemães do globo.
2. Para promover uma política ativa de interesses alemães na Europa e em todo o mar e, especialmente, para promover todos os movimentos coloniais para fins práticos.
3. Para tratar e resolver todas as questões de influência sobre a educação das crianças e ao ensino superior no senso germânico.
4. Para acelerar a autoconsciência patriótica dos alemães e oferecer resistência a todos os movimentos de oposição ao desenvolvimento nacional.

Na explicação dos estatutos acima, a Liga divulgou um manifesto declarando que "o destino dos alemães na Áustria não pode ser indiferente para a Alemanha, não pode ser indiferente se os saxões ou Suábios, na Hungria ‘hungarizada’, ou os alemães na Suíça ou em Flandres, na Bélgica, são galicizados. Alemães devem apoiar ativamente todos os movimentos desses países, em apoio do germanismo. Germanismo além-mares deve ser preservado e promovido por todos os meios possíveis.”

Nós já sabemos o quão bem o alemão tem ouvido e obedecido tal conselho.

Em 1900, havia cerca de cinquenta associações diversas todas subservientes à Pan-Liga Alemã. Ramificados em caráter, mas idênticas no objetivo desses grupos, que variavam entre facções militares e navais de ligas esportivas e instituições bancárias, eram fervorosamente comprometidas a preservar e promover a germanismo em terras estrangeiras. Politicamente, também, a Liga ganhou prestígio considerável. Em 1903, nada menos que quarenta e três membros do Reichstag já tinham sido iniciados como membros.

Filiais da Liga surgiram nas principais cidades do mundo. Das duas nos Estados Unidos, uma foi localizada em Nova York e outra, no Texas. Com a expansão da sua propaganda, a Liga espalhou um grande número de agentes secretos em todo o mundo com o propósito de fornecer-lhes relatórios confidenciais relativos ao evangelho do Germanismo. Esses agentes foram os precursores dos atuais quinta-colunistas, que foi seu trabalho que começou a compilação do famoso “livro-sucata” Alemão em que esse governo listou todos os seus inimigos e inimigos à idéia de um mundo dominado pelos alemães. Para um país como a Alemanha, chantagem empalidece na insignificância de seus outros crimes. E assim, a cada hora que passa, os membros da Liga alemã continuam com seu trabalho nefasto que, no ensino e aplicação do grande ideal comum alemão de escravização do mundo, rapidamente se tornou uma parte integrante da vida do alemão médio e seus sonhos. Em 1905, os princípios do pangermanista já eram conhecidos de todos. O trabalho inicial tinha sido feito. O vírus vicioso do germanismo tinha sido injetado no cotidiano do público e os alemães esperavam que a epidemia que se sentiu, mais cedo ou mais tarde, infestaria o mundo.

Por uma questão factual, o programa de trabalho, assim como a propaganda que se espalhou, atingiu tal ponto que, já em 1895, vários escritores alemães já estavam ocupados profetizando como e quando o objetivo ideológico de domínio alemão do mundo seria alcançado! Esses profetas não eram, de nenhuma maneira, em número reduzido; existe um grande número de obras de autores alemães gravadas em que o destino do seu país é elaboradamente trabalhado em detalhes e a divinização do germanismo como uma religião mundial retratada.

De uma tal profecia, escrita em 1900, aprendemos que "as coisas sobre o ano de 1950 já começaram a causar grande desconforto. Todos os alemães foram unidos; Holanda entra na União Alemã; na Bélgica, os flamengos crescem em poder e porque o elemento francês causa problemas crescentes, a Alemanha é obrigada a intervir. Se a França objeta à uma absorção total (da Bélgica pela Alemanha), então, o território francês da Bélgica cai para a França e a parte flamenga para a Alemanha. Talvez a luta francesa, caso toda a Bélgica seja anexada e incorporada ao Império Mundial Alemão". O autor passa então a discutir, um pouco vagamente, o processo de Rance, na Suíça, e nos Balcãs, após o qual ele adverte os alemães: "por todos os meios, evitarem uma guerra com a Rússia, se possível." Ele completou a profecia afirmando que "no ano de 1950, a Grande Nação Alemã possuirá uma população de duzentos milhões de pessoas. Todo mundo está feliz porque todos os alemães estão agora unidos e estão governando o mundo!” Essa profecia, por qualquer meio, não parece fantástica para o alemão daquela época. Na verdade, foi considerada como por demais conservadora, pois os líderes mais radicais haviam estabelecido a criação do “Mundo Alemão" em um grande data anterior a 1950. Escrita em 1895, um ambicioso alemão previu que Der Tag chegaria em algum momento de 1915. Aqui está um resumo de seu augúrio:

Por volta de 1915, o mundo inteiro começa a tremer. Dois grandes Estados tomam medidas de autodefesa, a América e a Rússia. América anuncia em voz alta a doutrina da "Pan-América". Rússia conclui tratados aduaneiros com a Turquia, Pérsia e China. Grã-Bretanha, Pan America e o colosso russo Pan-eslavo ameaçam submergir os dezesseis estados da Europa. Neste momento, intervém a Alemanha e surge para a ocasião, começa a trabalhar para preparar o exército e a marinha para a próxima luta.

Depois segue-se uma descrição da guerra e um poucos caprichos diversos, após o quê, o escritor continua:

Os Junkers rolam em dinheiro. Enquanto isso, Pan-América tornou-se uma fonte de grande inquietação para a Alemanha pelo germanismo estar ameaçado na América do Sul. Os Estados Unidos, recusando-se a ceder; as marinhas alemã, francesa e italiana se mobilizam e zarpam para a América. A marinha norte-americana é destruída. Em terra, as tropas alemãs tem pouco trabalho com os mercenários americanos. Sob a brilhante liderança do Líder Alemão, os alemães vencem por toda parte. No mar, os navios alemães, armas e homens apresentam sua grande superioridade sobre os Ingleses, que foram regularmente derrotados. As disciplina, coragem e habilidade alemãs fazem da marinha alemã invencível. A marinha britânica foi destruída. Invadida, o Inglês ofereceu uma meia resistência. Os soldados alemães e italianos tomaram Londres. Inglaterra e Estados Unidos foram derrotados. A paz foi concluída.

Relativa aos termos de uma paz, o escritor declarou que:

“...A Alemanha tomou o México, Guatemala, Honduras Britânicas, todo o sul da Amazônia no Brasil, o Uruguai, Paraguai, Bolívia, Peru e norte do Chile. A França levou o Brasil ao norte da Amazônia, a Guiana Britânica, Venezuela, Colômbia e Equador. A Itália tomou o que restava da América do Sul, incluindo a Argentina. As Antilhas foram divididas entre a Alemanha e a França. Gibraltar foi devolvido para a Espanha, Malta dado a Itália, Chipre, Turquia. O Inglês teve de pagar uma indenização de guerra enorme. Houve grande descontentamento na Inglaterra, porque a marinha britânica foi tomada pelos alemães como uma garantia de pagamento. Todas as partes da Inglaterra no Canal de Suez foram confiscadas e distribuídas entre as potências vitoriosas. As minas de diamantes de Kimberley foram apreendidas por toda a Alemanha e todo o capital Inglês e americano investido no Brasil e na América do Sul foi transferido para mãos alemãs. As linhas foram levadas a cabo pela Alemanha e Inglês e todos os colonos norte-americanos foram obrigados a deixar a América do Sul dentro de um ano, para nunca mais serem autorizados a estabelecer-se em qualquer país do continente novamente.

Assim, Inglaterra e Estados Unidos são humilhados e a regra do ‘Punho-Fechado’ alemã garantida! Mapas circularam rapidamente após esta profecia se tornar pública, ilustrando a divisão da América do Sul; a metade Norte e América Central sendo retratada neles como colônias alemãs.

Ainda um outro escritor, prevendo uma guerra um pouco semelhante à mencionada acima terminou sua profecia, afirmando que "depois de completamente humilhar a Inglaterra, a hora tinha chegado para a Alemanha resolver com os Estados Unidos, mas sobre a mobilização Alemã, Estados Unidos se renderam para todas as suas demandas sem um golpe!

Apesar de muitas destas “profecias" variarem em detalhes, o leitor está ciente do fato de um fato marcante que permeia todos eles: que a deificação do germanismo não pode ser realizada sem a queda e humilhação de ambos: Inglaterra e os Estados Unidos. Isto foi declarado ser um fato pelo Dr. Paul Semassa, um professor alemão que, em 1902, afirmou que a Alemanha deve estar preparada para lutar contra os britânicos e os americanos. Depois de derrotar estes últimos dos povos livres, Alemanha poderia governar o mundo do jeito que quisesse!

Em 1904, um observador, tomando nota de todas as sérias profecias e desejos dos alemães, escreveu uma análise previsão, na qual ele avisa que "a doutrina do germanismo pode muito bem tornar-se um ideal nacional e acender muito um espírito perigoso. Para o destino anglo saxão, a lição que ela ensina é óbvia. Preparação é tudo. Deixe a Inglaterra e os Estados Unidos estarem preparados a todo momento com sucesso para atender à investida dos Teutônicos, se alguma vez ela vier."

Nenhum comentário:

Postar um comentário