Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 11 de março de 2013

O maior dos lobbys

Amigos e amigas.
Seguem abaixo alguns trechos do livro "O lobby de Israel", dos professores John Mearsheimer e Stephen Walt.
Conheço esse assunto há décadas, através de 'N' notícias, artigos, conversas, etc. Mas esse livro foi mais a fundo: especificou, quantificou e demonstrou o quanto e como esse lobby funciona.
Complexamente simples.
FAB29

"Desde a Guerra de Outubro, em 1973, Washington deu a Israel um nível de apoio imensamente maior do que a qualquer outro Estado. Israel foi o maior receptor anual de assistência direta, econômica e militar, desde 1976, e é o maior receptor no total desde a Segunda Guerra Mundial, no montante de bem mais de US$ 140 bilhões (em dólares de 2004). Israel recebe por ano cerca de US$ 3 bilhões em assistência direta, aproximadamente um quinto do orçamento de ajuda externa, e cerca de US$ 500 por ano para cada israelense. Essa prodigalidade é chocante em particular porque Israel é hoje um Estado industrial rico com uma renda per capita mais ou menos igual à da Coréia do Sul ou à da Espanha. Outros países que recebem ajuda americana obtêm o dinheiro em prestações quadrimestrais, mas Israel recebe sua dotação inteira no início de cada ano fiscal e pode portanto ganhar juros sobre ela. A maioria dos que recebem ajuda para propósitos militares deve gastá-la toda nos Estados Unidos, mas Israel é autorizado a usar cerca de 25% de sua dotação para subsidiar sua própria indústria de defesa. É o único país a receber ajuda americana que não precisa explicar como o dinheiro é gasto, o que torna virtualmente impossível evitar que ele seja usado para propósitos aos quais os Estados Unidos se opõem, como construir assentamentos na Cisjordânia. Além disso, os Estados Unidos forneceram a Israel quase US$ 3 bilhões para o desenvolvimento de sistemas de armamentos, e deram ao país acesso a artefatos avançados como helicópteros Blackhawk e jatos F-16. Finalmente, os Estados Unidos dão a Israel acesso a informações que negam a seus aliados da Otan, e fecharam os olhos para a aquisição por Israel de armas nucleares.

Washington também dá a Israel um apoio diplomático permanente. Desde 1982, os Estados Unidos vetaram 32 resoluções do Conselho de Segurança da ONU críticas a Israel, mais do que o número total de vetos de todos os outros membros do Conselho de Segurança. Eles obstruem os esforços de Estados árabes para incluir o arsenal nuclear de Israel na agenda da AIEA. Os Estados Unidos socorrem Israel em tempo de guerra e tomam seu partido quando negociam a paz. O governo Nixon protegeu Israel da ameaça de intervenção soviética e o reabasteceu durante a Guerra de Outubro. Washington se envolveu profundamente nas negociações que terminaram aquela guerra, assim como no demorado processo "passo a passo" que se seguiu, além de ter cumprido um papel decisivo nas negociações que antecederam e se seguiram aos Acordos de Oslo de 1993. Em todos os casos houve sempre atritos ocasionais entre representantes dos Estados Unidos e de Israel, mas os Estados Unidos sempre apoiaram a posição israelense. Um dos participantes americanos em Camp David em 2000 disse depois: "Com demasiada freqüência, nós funcionamos [...] como advogados de Israel". Por fim, a ambição do governo Bush de transformar o Oriente Médio tem como objetivo, pelo menos em parte, melhorar a situação estratégica de Israel. (...)

Desde a década de 1990, e ainda mais depois do 11 de Setembro, o apoio americano foi justificado pela afirmação de que os dois Estados são ameaçados por grupos terroristas que têm origem no mundo árabe e muçulmano, e por rogue states ("estados patifes" ou "vis") que sustentam esses grupos e procuram obter armas de destruição em massa. Considera-se que isso significa não só que Washington deve dar a Israel liberdade para lidar com os palestinos e não pressioná-lo a fazer concessões até que todos os terroristas palestinos estejam presos ou mortos, mas também que os Estados Unidos devem perseguir países como o Irã e a Síria. Israel é visto, portanto, como um aliado decisivo na guerra contra o terror, porque seus inimigos são inimigos dos Estados Unidos. De fato, Israel é um fardo na guerra contra o terror e no esforço mais amplo de lidar com "Estados patifes". O "terrorismo" não é um adversário único, mas uma tática empregada por um amplo conjunto de grupos políticos. As organizações terroristas que ameaçam Israel não ameaçam os Estados Unidos, a não ser quando estes intervêm contra elas (como no Líbano em 1982). Além disso, o terrorismo palestino não é uma violência aleatória dirigida contra Israel ou "o Ocidente"; é basicamente uma resposta à prolongada campanha de Israel para colonizar a Cisjordânia e a Faixa de Gaza.

E o mais importante: dizer que Israel e os Estados Unidos estão unidos por uma ameaça terrorista comum inverte a relação causal: os Estados Unidos têm um problema terrorista em boa parte porque estão intimamente aliados a Israel, e não o contrário. O apoio a Israel não é a única fonte do terrorismo antiamericano, mas é uma fonte importante, que torna mais difícil vencer a guerra contra o terror. Não há dúvida de que muitos líderes da Al-Qaeda, entre eles Osama bin Laden, são motivados pela presença de Israel em Jerusalém e pela difícil situação dos palestinos. O apoio incondicional a Israel torna mais fácil aos extremistas obter apoio popular e atrair recrutas.

12 comentários:

  1. O restante segue aqui, já que o safado e aprendiz de nazista não colocou.
    http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002006000300003

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Detalhezinhos:
      1- Título e autores devidamente citados. Você provou que qualquer jacó da vida pode acessar o livro completo.
      2- Eu apenas postei alguns trechos que achei interessantes para ilustrar o quanto israel é protegido pela besta estadunidense.
      3- Grato pelo link. Espero que muitos o aproveitem.

      Excluir
  2. Submisso e desonrado, o país de Lincoln tornou-se a espada e o escudo de Jeová!
    Leonardo JF

    ResponderExcluir
  3. E há tempos, está sob a espada de Dâmocles.
    Você deve conhecer as palavras de Benjamin Franklin e de George Washington sobre a silenciosa invasão judaica, certo?
    Eram verdadeiros visionários.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Invasão judaica...
    Você é safado mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi o que os dois disseram.
      Você não os leu, certo?

      Excluir
  5. Além de safado é babaca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito pior é ser triplamente covarde.
      1- Covarde por ofender gratuitamente;
      2- Covarde por não se mostrar;
      3- Covarde por não assumir o que diz.

      Excluir
  6. Está mais babaca ainda.

    ResponderExcluir
  7. Faltou vc colocar uma nota que Osama bin Laden é uma fraude.
    O cara existiu (morreu doente num hospital 1 mês depois), mas foi só um fantoche do povo "queridinho de deus" (ou será de lúcifer?) nessa história.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há alguns posts aqui falando disso, Eduardo.
      Um deles é este:
      http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2011/12/uma-nova-do-bin-laden.html
      Se quiser, encontrará outros parecidos.
      Abraço.

      Excluir