Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


sexta-feira, 1 de março de 2013

O que somos? De onde viemos?

Amigos e amigas.
Tantos debates e discussões acerca da origem do homem, sua predominância, segredos e governo mundiais, futuro,... Cada um tenta encontrar uma luz, uma orientação, cacos da Verdade para, toscamente, erguer e montar seu castelo de vida e, assim, sentir-se minimamente seguro, harmonioso e confiante de que não está (ao menos aparentemente) louco!

A Árvore da Vida dos Anunnakis
Tenho lido um bocado sobre os Anunnakis, deuses/supercientistas alienígenas dos quais os sumérios herdaram toda a sua sabedoria, tecnologia, genética e capacidades. Deles, teriam vindo toda a casta de outros deuses de todas as culturas conhecidas (isto quando não eram os mesmos com outros nomes: ENKI seria PTAH; ENLIL seria JAVÉ; etc). Entre tantas controvérsias, a última que li foi o aventamento que o nazismo nasceu de ideias seculares de dominação mundial, dos mesmos que criaram o sionismo e as sociedades secretas (illuminatti, maçonaria, skull and bones, etc). Justificam isto dizendo que todos têm muitos pontos básicos em comum. Não ficaria surpreso se assim fosse.

Mas eu repito aquelas duas questões: "O que somos? De onde viemos?" Perguntas que já deram e sempre darão margem a milhares de discussões pelos mais variados motivos, que vão da fé à ganância. A primeira é óbvia: a religiosidade de bilhões crê que Deus nos criou divinamente. Cada religião explica isso à sua maneira, com seus ritos, cultos, orações e tradições. Tal crença é o tônus da esperança dessas pessoas que as mantêm mental, emocional e espiritualmente sãs. É claro que há muitos casos de "Fé cega, faca amolada" e de muitos aproveitadores, mas eu assino embaixo das palavras de Guimarães Rosa: "Todo mundo precisa de um pouco de religiosidade pra não endoidecer."
http://vejasp.abril.com.br/materia/igreja-gay-entrevista-pastores
No caso da ganância, resume-se na sede de poder e predominância. Dirigindo ao seu bel prazer as informações acerca de qualquer coisa, um corruptor marioneta as vontades, as necessidades, as prioridades e os rumos de muitas vidas, tornando-as dependentes deles. No caso das duas questões, ele manipula as informações mais coerentes desse assunto tão espinhoso e sensível que poderiam conduzir os povos a um denominador comum, ceva e incute o medo, a dúvida, a incoerência, retira detalhes inconvenientes a ele e "doura a pílula". Assim, criam sonhos e expectativas inalcançáveis. Tudo isso porque é muito mais difícil dominar pessoas céticas, práticas, objetivas, sem travas emocionais. Pessoas que não seguem dogmas, seitas ou práticas religiosas tendem a não se deixar levar pelos "171" da vida e evoluem em todos os sentidos bem mais rápido.

Fez e faz parte da minha evolução o desapego a qualquer dogma naquele estilo "È público e notório!". Não aceito nenhuma estigmatização ou batida de martelo. Raul Seixas gostava de crer que "não tem certo, nem errado. Todo mundo tem razão. E o ponto de vista é o ponto da questão!" Sem radicalismo, ele estava certo. No assunto do post, creio que nem a Bíblia e nem Darwin tinham razão. Ou, se preferirem, ambos estavam "meio" certos. O problema foi e é a ganância de quem precisa tergiversar para se garantir no topo.

Penso que a Bíblia e os outros livros sagrados acertam quando dizem que houve um Criador e enfatizam sua total superioridade. Mas exageram ao classificarem-no de "onipotente, onipresente e onisciente", além de afirmarem haver "Céu" e "Inferno". Já a Teoria da Evolução, de Darwin (que prefiro chamar de "Adaptação"), é muito interessante e plausível. Mas também extrapola quando afirma que a infinidade de espécies animal e vegetal chegaram ao estágio que estão naturalmente, a partir de célula básicas que "brotaram" em uma espécie de "sopão primordial". Prefiro crer que há vários outros elementos. A teoria de Zecharia Sitchin, em sua tradução e interpretação das placas sumérias, preenche muitas lacunas que tenho sobre esse assunto. Penso assim:

"O que somos?": Somos frutos da vontade de seres incrivelmente evoluídos que certamente tiveram N motivos para nos criar "à sua imagem e semelhança", além de desenvolver e evoluir toda a vida na Terra. Tenho fé em muitas coisas, físicas e metafísicas, mas não a ponto de crer que exista um ser divino capaz de criar a vida na planeta "em 6 dias e descansar no 7º".
Criação: a mão que acalenta a vida
"De onde viemos?": Da Criação (assim, com inicial maiúscula), que é o poder universal. Quero crer que a Natureza é uma gotícula que a exemplifica. Quando a contemplamos e analisamos, vemos o quanto ela é poderosamente alheia a tudo e a todos. Ela apenas é e tudo aqui deve seguir seus parâmetros para funcionar bem. Richard Dawkins afirmou com perfeição: "A Natureza não é cruel; apenas implacavelmente indiferente." A Criação é assim em nível universal. Eu a vejo onipotente, onipresente e onisciente. Nós e todo o resto viemos dela. Qualquer coisa que saia dos seus parâmetros é, cedo ou tarde, eliminada.

Desta base, é possível outros milhares de debates e possibilidades. Assim são a Vida e a Verdade: dinâmicas, em constante evolução, com a Graça de Deus.
FAB29

2 comentários:

  1. Olá, Fabiano! O assunto é, de fato, fascinante! Já li sobre a teoria dos deuses astronautas e confesso que os argumentos são contudentes sobre a origem da vida na terra. Porém, sou um cético, e não me filio incondicionalmente a nenhuma das teorias que buscam explicar "de onde viemos". Limito-me apenas a ouvi-las e sobre elas refletir, sem, porém, chegar a uma conclusão pacífica. E, sobre a teoria dos Anunnaki, às vezes penso que a mesma apenas altera o "quando surgimos"! Se oferece uma resposta coerente para a origem da vida na Terra, ou seja, oferece uma saída para o "de onde viemos", permanece, porém, o mistério sobre "como, quando e de onde surgiram os criadores da vida na Terra, nossos antepassados Anunnaki!
    Abraços!
    LEONARDO - JF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leonardo, bom dia.
      Eu creio firmemente que os "governantes do mundo" já tem milhares de provas incontestáveis da origem alienígena da vida na Terra. Além das milhares que eles não podem ocultar de fato (construções megalíticas, por exemplo), eles certamente têm uma infinidade de outras que explicam o título do post.
      Neste post
      http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2013/02/a-origem-das-especies-sumeria.html
      há uma foto de uma ossada de um gigante encontrada na Arábia e que os governantes se apressaram em ocultar, inventando outra foto. Dê uma olhadinha na falha grosseira que mostrei lá pra você ter uma idéia do que os pilantras são capazes para esconder informações cruciais.
      Abraços.

      Excluir