Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


sábado, 13 de abril de 2013

Amor além do fim

Amigos e amigas.
Há um bom tempo, ouvi uma história de um cara que contou que seu pai, um matuto daqueles bem broncos, tinha um cachorro que criou desde recém-nascido, pois a mãe havia morrido dois dias depois do parto. Os outros três haviam nascido mortos e esse quarto, muito fraquinho. Com aquele "trocinho" nas mãos, jurou que não ia deixá-lo morrer também. Como não tinha condições de levá-lo a um veterinário (além do mais próximo estar a quilômetros do seu sítio), o matuto foi alimentando o pequenino com leites de cabra e de vaca, cuidando de toda e qualquer enfermidade com zelo de médico/enfermeiro e acalentando-o num bercinho de pano que ficava entre ele e a esposa na cama durante a noite.

Os dois primeiros meses foram um sacerdócio, uma devoção emocionante que dificilmente se esperaria de um analfabeto rústico e áspero. Ele passava até noites em claro para dar mamadeira pro "filhinho" ou "trocar o berço". Passado esse tempo critico, o pequenino, já batizado de Tindin por causa do seu aspecto mirrado, já andava pela casa ainda meio se arrastando, mas feliz e animado com tudo. Antes de um ano, seu crescimento foi incrível, pois aquele "trocinho" virou um gigante de quase 20 kg e era um grude tão grande com seu dono que parecia uma extensão dele.

Sob qualquer situação, Tindim fazia tudo por seu dono e vice-versa. Até quando tinha os "arrasta-pé" nos sítios vizinhos, Tindim era um "convidado especial" e acompanhava seu dono até mesmo quando este ia dançar no salão. Era maravilhosamente hilário vê-lo seguindo os passos do casal, muitas vezes, dentro do ritmo. Todos se esbaldavam com o show.

O tempo passou e a dupla superou todas as agruras que surgiram em seus caminhos, ora pra um, ora pra outro. Um era companhia constante "na alegria e na tristeza, na saúde e na doença" do outro. O maior baque foi quando a esposa do matuto faleceu de um derrame cerebral fulminante. Tindim tinha 5 anos e se tornou mais ainda companheiro, passando a dormir num berço que seu dono montou pra ele no quarto.

A vida prosseguiu normal até Tindim atingir 14 anos e mostrar sinais de dores constantes e extrema fraqueza. O matuto comentou com amigos que estava sendo mais difícil ver seu bichinho naquele estado do que a perda da esposa. Afinal, a morte súbita dela gerou um choque, um sofrimento concentrado em alguns dias e ainda havia um apoio mútuo para compensar. Mas ver Tindim, sempre um dínamo vivo, naquele estado de prostração, mal conseguindo se erguer, estava destruindo o matuto emocionalmente. Aquele homem rígido como uma rocha estava se esboroando.

Um dia, após passar a noite pensando no enorme sofrimento de Tindim, que parecia se recusar a abandonar seu amigo a despeito de estar pra lá de fraco, mal se alimentando, o matuto chegou à conclusão que deveria sacrificá-lo. Ele se aproximou do amigo, deixando a espingarda num canto, já carregada. Com a voz travando, começou a conversar com Tindim, como tantas vezes fez:

- Amiguin, óia... Eu quiria ti dizê qui ocê é o amigo mais batuta qui inziste. Pra mim, ocê é mió qui gente!... - Sua voz começou a embargar, lágrimas se formaram e começaram a rolar em sua face pela primeira vez em sua vida - Como eu quiria qui ocê vivesse mais do qui eu!... Pensá qui ocê tá ino imbora... - Nem respirando bem fundo, ele conseguia evitar que o choro entremeasse suas palavras - Mais num deu, né? Deus qué ocê prele! Aquele iguísta!... Eu quiria qui Ele ti levasse imbora, mais... - Alguns segundos de pausa - Pur favô, amiguin, mi perdoa! Eu num sô forte qui nem ocê! Eu num guento ti vê ansim... Óia, eu... eu ti prometo qui...!

Durante todo o tempo, Tindim olhava seu dono sem conseguir erguer a cabeça, mas com o rabinho abanando sempre, como se compreendesse o drama do seu dono e dissesse: "Não fique assim! Eu farei o que você precisar". Não conseguindo falar mais nada, com os olhos marejados e todo o peso da angústia e da culpa que se avizinhava pelo que se via obrigado a fazer, o matuto foi pegar a espingarda. Levou cinco segundos pra voltar e percebeu que Tindim não mais respirava e seu coração havia parado: ele havia partido, poupando seu amigo de tudo o que iria advir do seu ato.

Acarinhando o rosto do seu "filhinho", ele chorou e lhe agradeceu pelo seu último gesto de amor e compreensão. Tindim, mesmo já morto, retribuiu com um último abanar de rabo.

Certa vez, uma criança disse o por quê dos cachorros viverem pouco: é porque nós estamos aqui para aprender a nos purificar para retornarmos a Deus melhores do que chegamos. Como os cachorros são completamente puros, eles não precisam aprender nada. Então, ficam por aqui o suficiente, só para nos ajudar a sermos pessoas melhores. Mas muitos não aproveitam esses anjos para evoluir. São seres vazios que não encontrarão a paz espiritual tão cedo.

FAB29

47 comentários:

  1. Uma bela historia.Os animais fazem parte da natureza.Matutos também amam.

    Já os gatos - O papa Gregório IX determinou que os gatos fossem terminantemente exterminados. A paranoia causada pela Inquisição acabou tendo um preço elevado, já que a diminuição da população felina acabou ajudando na propagação dos roedores que transmitiram a Peste Negra em diversas regiões da Europa.

    http://www.historiadomundo.com.br/curiosidades/os-gatos-na-historia.htm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem lembrado.
      Essa história da caça aos gatos (principalmente aos pretos e escuros) foi um castigo divino às crueldades aos "bodinhos expiatórios", movidas pelas neuroses da Santa Inquisição.
      Grato.
      Abraço.

      Excluir
  2. Fabiano... que lindo... eu acredito piamente que isto tenha acontecido!!!
    Vc escreve e descreve emoções e "causos" lindamente!!
    Beijos emocionados!!
    Fátima

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também creio, minha querida.
      Se dermos uma pesquisadinha só, veremos casos até mais fantásticos. Os animais são energia pura e instintiva. Eles não conhecem a cobiça, a inveja, a soberba, a avareza, a mesquinhez, etc. Se gostam, é incondicional.
      Beijos. Grato pelas visita e palavras

      Excluir
  3. Tem muita gente interessada em queimar o filme da inquisição.
    É bem possível que essa estória dos gatos tenha sido inventada.
    Os inquisitores não eram tão irracionais assim. Eles falavam:
    Parem de envenenae possos, parem de sacrificar crianças.
    Não paravam
    Aí tinham que dar um basta e um exemplo para tentar parar com isso de vez. Aí fogueira neles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, Eduardo, o que mais existe na História da Humanidade é falsificação, exagero e distorção.
      É comum classificarem a Idade Média como "A Grande Interrupção da Ciência". Sem dúvida, havia muitas e muitas dificuldades em todos os aspectos, mas, dentro do possível, as ciências continuaram a ser praticadas.
      Mas quanto à história dos gatos pretos serem sinônimos de mau agouro, ela é verídica como o fato dos sinistros (canhotos) passarem a ser tachados de "possuídos pelo demônio" à época. Desde lá, sinistro passou a ter conotação maléfica, ruim ("Fulano acordou com o pé esquerdo") e destro, de grande capacidade ("Fulano tem muita destreza")

      Mas concordo que há muita má vontade e outras excrescências por trás dessa campanha infame.
      Abraço.

      Excluir
    2. proud to be a Zionist16 de abril de 2013 18:09

      A entendi, os judeus foram queimados por que envenenaram a água.................lutero falou o mesmo.........................dai vemos que a origem do anti-semitismo, provem de algo irracional, doentio e absurdo.............................para aqueles que não sabem, a peste que matou boa parte da população europeia , não era causada pelo envenenamento da ......................obrigado por demostrar que a raiz da inquisição e do nazismo são as mesmas

      Excluir
    3. "dai vemos que a origem do anti-semitismo, provem de algo irracional, doentio e absurdo"
      Eu não conheço um povo sequer que não tenha angariado antipatia à etnia judaica e, por isto, perseguiam e expulsavam os judeus de seu seio. Você saberia os motivos? Já viu este link?
      http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2012/11/degredos.html

      "obrigado por demostrar que a raiz da inquisição e do nazismo são as mesmas."
      Eu demonstrei?! E elas são?!

      Excluir
  4. Caro Fabiano,
    bom-dia,
    Com certeza, se angariaram antipatia não foi por terem envenenado a água, não concorda, a menos que vc. não saiba como foi transmitida a peste, pesquise e saberá que esta hipótese é absurda, e cientificamente comprovada como mentirosa........
    Eis ai um motivo............
    Sim o sentimento anti-semita estava muito arraigado na cultura alemã e de outros povos também, dai para desembocar em medidas que culminaram na morte de 6 milhões de judeus foi um pulinho, ...............
    Quais as origens do anti-semitismo:

    1- Eu diria que a igreja teve um papel marcante, com o DEICIDIO, de acusar os judeus pela morte de Jesus, de incluir na sua liturgia palavras hostis aos mesmos, e por transmitirem sentimentos de ódio idem, de seus membros, bispos, padres, monges fazerem prédicas com teor anti-semita e muitas vezes liderando turbas para atacar a população judaica, isto sem dúvida foi marcante e serve para estigmatizar o povo judeu......Lutero que foi citado acima também propagou que todos os judeus deveriam se reunir em uma sinagoga e ateado fogo na mesma demontrando um verdadeiro espirito ecumênico

    2 - os judeus eram e todos os locais minoria e portanto sucetíveis a medita restritivas e de agressão, A FIGURA DO BODE EXPIATÓRIO É PERFEITA

    3 - era muito comodo para os dirigentes, reis, nobres e capatazes, jogarem a culpa pelo que estava se passando e ocorrendo nos judeus que como minoria, nada podiam fazer, assim com esta manipulação das massas os dirigentes poderiam encobrir suas próprias falhas e erros e arrumar alguém para angariar a culpa que na verdade eram suas mesmas,na Alemanha nazista isto é marcante, eles foram acusados enquanto a aristocracia, burguesia e dirigentes apoiaram para desviar a culpa da situação econômica vigente

    4 - difamação, mentiras, dogmas, idéias pré concebidas, e ai vai que serviam de proposito aos anti-semitas mostrar todo seu ódio injustificado aos judeus..............libelo do sangue, envenenamento de água, usurários, serem estrangeiros,que se julgam superiores e ai vai...sempre através de mentiras e difamações

    5 - fanatismo e radicalismo de todas as formas inclusive religioso

    Desta forma Fabiano este sentimento foi passando de geração em geração de maneira irracional ................. e ficando embutido até que desembocar em holocaustos, guetos, pogroms, inqqusisões, expulsões, genocídio, massacres e conversões forçadas.........agora sabemos que esta última foi a maneira encontrada para acabar com o judaísmo já o nazismo escolheu a eliminição física dos mesmos........perfeita a colocação que a raiz é a mesma e também justifica por que o anti-semitismo ainda está presente, o livro infame e fictício dos protocolos do sion ainda estão em uso e na moda........até mesmo nos dias de hoje há pessoas que acham que os judeus envenenam águas e poços e que usem o sangue de crianças para fazer o pão ázimo da pascoa.......lamentável e triste

    Abraços
    Ricardo Mallamud

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Explanação deveras interessante, sr. Ricardo.
      São situações possíveis e, volta e meia, devem ter ocorrido na História. O problema é que todas colocam os judeus, pra variar, como vítimas.

      Eu já creio que três coisas angariaram antipatia aos judeus:
      - se acharem superiores ("eleitos"). Daí, todos os outros são inferiores;
      - se misturarem para ter acesso a tudo, mantendo-se alheios às regras e costumes do lugar onde se fixaram;
      - principalmente, a usura, o "câncer no azul", segundo o brilhante Ezra Pound.

      Se me mostrassem onde estão as provas cabais do holocausto, eu seria poupado de toda a ladainha (e coisas piores) que vários aspones tentam me impor.
      Abraço.

      Excluir
    2. proud to be a Zionist17 de abril de 2013 15:27

      Não condordo, .......isto de os judeus se acharem superiores está enquadrado naquilo que o Ricardo escreveu no item 4.....................................os judeus foram proibidos de se misturarem e por isto eram segregados em guetos, não tiveram acesso a nada, eram proibidos de ter terras, ter comércios e negociar com a população e assim por diante...............................a Usura, foi a forma existente para os judeus poderem sobreviver, pois como disse todo o restante foi proibido a eles, muitas vezes esta prática de usura era incentivada por nobres e igreja, que na impossibilidade de emprestar dinheiro usavam os préstimos dos judeus,..........além de cobrarem impostos alvitantes muitas vezes estes, nobres e igrejas tomavam recursos junto aos judeus para promoverem guerras e construções nababescas, mas na hora de pagar jogavam a turba e a massa da população contra os judeus sob a ode da usura..............conveniente.............sim foram perseguidos em vários lugares por serem minoria, tal qual os ciganos....... leia o livro os judeus o dinheiro e o mundo de jaques Attali..............vai mudar seu ponto de vista meio enviesado

      Excluir
    3. Um rabino chamado Yaakov Perrin, durante o enterro de Baruch Goldstein, disse: "Um milhão de árabes não valem a unha de um único judeu". Basta procurar para se encontrar várias outras citações desse naipe.

      Essa limitação de acesso ao básico (terras, comércio, etc) também ocorre em israel contra árabes e palestinos.

      Você apoia a usura? Não me surpreende.

      Que muitos reis foram verdadeiros imbecis, concordo. E que os judeus se aproveitavam bem disso, não tenho dúvidas.

      Excluir
    4. proud to be a Zionist17 de abril de 2013 17:45

      Sempre quando falta argumento voltamos a questão palestina

      ora, ora,

      digamos que o que vc. disse é verdade..................o que invalida os judeus terem sofrido este mesmo tratamento???? o fato dos palestinos estarem passando por isto, segundo vc. não impede que tenha havido com os judeus, como de fato houve, e o que eu escrevi estár certo, apesar que vc. jamais dirá que esta sua visão miope e distorcida está errada .

      O juros é a remuneração do capital, sem ele o capitalismo não existe, se vc. têm uma ideia, e vai solicitar emprestimos para sua familia e amigos e ninguem te fornece os recursos, digamos que então vc. se socorre dos bancos que te emprestam cobrando juros, se o teu negócio dá certo, vc. se dá bem, paga o empréstimo e decola, dai vc. é o bom vc. é o cara, e o banco .......sei lá, mero agente..........agora se por tua incopetência vc. afunda (o que é mais provável) ai sim o banco é o culpado, os juros extorsivos foram o motivo, e assim por diante tua incopetência e coisa e tal, simples detalhes........sei lá, eu penso que ninguem obriga o outro a pegar emprestimo, ninguem pega dinheiro sem saber que terá que pagar juros e quanto é este.....................se pegou assuma a responsabilidade, depois é muito fácil colocar a culpa nos outros............sim eu apoio o capitalismo, o sistema bancário e o desenvolvimento de empresas e pessoas........

      supimpa

      Excluir
  5. Há formas de se provar estes itens?

    ..."Eu já creio que três coisas angariaram antipatia aos judeus:
    1- se acharem superiores ("eleitos"). Daí, todos os outros são inferiores;
    2- se misturarem para ter acesso a tudo, mantendo-se alheios às regras e costumes do lugar onde se fixaram;
    3- principalmente, a usura, o "câncer no azul", segundo o brilhante Ezra Pound"...

    Só mais um detalhe:

    - "...mantendo-se alheios às regras e costumes do lugar onde se fixaram"...

    4- Qual o seu conceito de nacionalidade?

    Jorge Luiz - RS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você não atentou ao verbo. Escrevi "Eu CREIO"! Não se é preciso provar as próprias crenças. Você faz isso com as suas?

      Veja o conceito de "nação" em qualquer dicionário. Sendo nômades, os judeus se fixaram nos seios de centenas de nações já constituídas e nunca se moldaram a elas, se tornando elementos estranhos. Nenhum corpo aceita isso. É biológico.

      Excluir
    2. proud to be a Zionist17 de abril de 2013 15:18

      Curioso nesta vossa resposta é que o judaismo liberal surgiu exatamente na Alemanha e preconizava o fim das doutrinas religiosas e completa assimilação aos costumes locais.................................pois bem foi justo ai que os judeus mais sofreram......................................curioso né........

      Excluir
    3. Você pode me passar o link que conta essa história?

      Excluir
    4. proud to be a Zionist17 de abril de 2013 17:34

      procure no google.................

      Excluir
    5. Já o fiz ontem. Ela não existe.

      Excluir
    6. proud to be a Zionist18 de abril de 2013 15:55

      http://es.wikipedia.org/wiki/Juda%C3%ADsmo_reformista

      http://pt.wikipedia.org/wiki/Juda%C3%ADsmo_reformista

      não existe ????????????

      Excluir
    7. A reforma, é óbvio que existiu e persiste poderosamente até hoje. Porém:

      "pois bem foi justo ai que os judeus mais sofreram."

      Perguntei se ESTA história existe? Nesse link, não. Em outros que procurei, também não.

      Excluir
  6. Estes teus argumentos estão, de certa forma, no livro Minha Luta, Bíblia do nazismo e levando-se em conta que nacionalidade vem de nação com breve distinção em jus soli e jus sanguinis, dependendo da pátria, discordo da generalização feita. Colocados quatro questionamentos, até o momento não esclarecidos.
    Só mais uma dúvida:
    - Todo judeu recém-nascido, segundo tuas convicções, são refugiados?

    Jorge Luiz - RS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. - Você leu essa "bíblia"? Eu, não.
      - Seja feliz com sua opinião e conceito. Farei o mesmo.
      - Esclareci ao perguntar: Você precisa provar suas crenças?
      - Não. Só é refugiado quem está ilegal em um país.

      Excluir
    2. Ninguem iria criar um regime ou perseguir alguem por causa de um livro escrito a quase meio século.
      Uma causa mais provavel do surgimento do nacional socialismo na Alemanha deve ter sido a inflação:
      Vejam nessa tabela o valor de UM dolar
      3 de janeiro de 1919 ........................... 8,02 marcos
      3 de janeiro de 1920 .......................... 49,10 marcos
      3 de janeiro de 1921 ........................... 74,50 marcos
      3 de janeiro de 1922 .......................... 188,00 marcos
      3 de janeiro de 1923 .......................... 7.525,00 marcos
      1º de maio de 1923 ............................. 31.700,00 marcos
      1º de junho de 1923 ............................ 74.740,00 marcos
      1º de julho de 1923 ............................. 160.400,00 marcos
      1º de agosto de 1923 .......................... 1.102.750,00 marcos
      1º de setembro de 1923 ...................... 9.724.250,00 marcos
      1º de outubro de 1923 ......................... 242.000.000,00 marcos
      21 de outubro de 1923 ......................... 40.100.000.000,00 marcos
      1º de novembro de 1923 ...................... 130.000.000.000,00 marcos
      11 de novembro de 1923 ...................... 631.575.000.000,00 marcos
      21 de novembro de 1923 ...................... 4.210.500.000.000,00 marcos
      21 de dezembro de 1923 ...................... 4.210.500.000.000,00 marcos

      Quem será que causou essa inflação monstruosa?
      A proposito, até hoje a agua continua sendo envenenada (fluor), crianças sacrificadas (cerca de 60000/ano nos EUA) e até nossos animais são envenenados com ração. Pesquisem por ração e cancer

      Excluir
    3. Ok, Eduardo.
      Taí seu post completo.
      Mais uma vez, grato pelos valores.
      Abraço.

      Excluir
    4. Sr. Eduardo,que a Alemanha estava em crise ninguém nega, que eles agarraram a primeira ""tábua de salvação"" que apareceu que era o nazismo idem, agora me parece comodo para a classe dominante a aristocracia alemã que toda a irã da população fosse direcionada para uma minoria que serviu de bode expiatório destes...............alguém duvida da capacidade alemã??? da indústria alemã??? da ciência alemã??? com certeza estes sairiam da crise sem precisar do nazismo...........quem causou a inflação sr. Eduardo?? quem anda envenenando a água e a ração animal???

      Excluir
  7. Fabiano:

    Permita-me fazer alguns contrapontos a desinformação sionista que aparece nesta seção de comentários.

    1. Inquisição: trata-se de um dos temas favoritos dos inimigos da Igreja e do Cristianismo. É certo que houve judeus condenados pela inquisição. Normalmente por liderarem movimentos heréticos ou praticarem cripto-judaísmo.

    2. Guetos: Comumente mencionam os guetos estabelecidos pelos reis e papas e omitem os que eram criados pelas próprias comunidades judaicas e em seguida reconhecido pelas autoridades régias e eclesiásticas. Além daqueles que eram estabelecidos a pedido das autoridades religiosas judaicas que não queriam que suas ovelhas se misturassem com as ovelhas gentias. E não querem até hoje.

    3. Usura: a prática de usura já existia antes do cristianismo. Não sendo nem um pouco uma criação medieval movida por necessidade.

    4. Deicídio: interessante saber que Moisés Maimonides (1135-1204) – o maior teólogo judeu da Idade Média – afirmava, sem a menor margem para dúvidas, a responsabilidade judaica pela crucificação de Cristo. Conforme se pode ler no MISHNE TORÁ (Ed. Imago). Segundo o ilustre teólogo, Cristo foi condenado à morte pelo Beth Dine por blasfêmia, idolatria e falsa profecia.

    5. Hostilidade: é certo que existiu uma pregação hostil ao judaísmo por parte da Igreja. Só omitem a pregação similar por parte do judaísmo, como bem demonstrou Israel Shahak no livro HISTÓRIA JUDAICA E RELIGIÃO JUDAICA – O PESO DE 3 MIL ANOS DE TRADIÇÃO. Nas palavras do autor existe um imenso “rancor contra a cristandade” por parte do judaísmo pós-bíblico.

    6. Igreja e nazismo: hoje em dia é lugar comum repetir pérolas do tipo:

    “A Igreja apoiou o Nazismo”
    “A Igreja fez pacto com Hitler”

    Sejam os repetidores sionistas ou idiotas úteis não faz diferença.

    A maior prova desta inverdade é a encíclica do Papa Pio XI, MIT BRENENDER SORGE (1937) – onde o Nazismo é desaprovado em termos bastante enérgicos, como: “apostasia orgulhosa do Senhor Jesus Cristo, negação de sua doutrina e obra redentora, culto da força e idolatria do sangue e da raça”, e muito mais. Diferente de outros documentos similares, ela foi redigida em alemão ao invés do tradicional latim. Pode ser conferida facilmente no site do Vaticano:

    http://www.vatican.va/holy_father/pius_xi/encyclicals/documents/hf_p-xi_enc_14031937_mit-brennender-sorge_en.html

    A Igreja não apoiou nem aprovou o nazismo.

    Espero ter contribuído positivamente pra você e autênticos leitores dos seu blog.

    Jose Augusto Landini.














    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais do que uma contribuição, sr. Landini, uma sucinta aula de civilidade e opinião criteriosas.
      Muito grato e sinta-se sempre bem vindo.

      Excluir
    2. Sr. Landini, vamos lá:
      1- Deicidio, Maimonedes foi perfeito, ao dizer quem condenou Jesus, que foi o Beith Din, o que é totalmente diferente de dizer que foram os judeus, ou seja, não se deve generalizar, um corinthiano matou o boliviano, seria leviano e injusto dizer que todos os corinthianos são assassinos, ao fazer Maimonedes especificou, porém o crime de deicídio foi atribuído a todos os judeus de maneira errada, sobre isto o papa Leão XXIII, se eu não me engano, pede desculpas a todos os judeus por esta generalização que custou a vida de tantos, além de estigmatizar o povo judeu.

      2 - a Inquisição foi algo criado e efetivado pela igreja e foi e é até hoje uma mancha na história destes, não há como negar, que conversões foram forçadas, e aqueles que não aceitassem restaria a fogueira, os que eram pegos praticando em segredo idem, são milhares de mortos, cada qual com um auto de fé sacramentando.......

      3 - igreja e nazismo, a igreja simplesmente fechou os olhos e nada fez, está passividade que coloca a instituição em ""cheque"" não se esqueça também que muitos criminosos nazistas conseguiram fugir graças a ajuda da santa sé

      4 - antes dos judeus partirem para a ususra os nobres utilizavam dos préstimos destes para a cobrança dos impostos e eu não disse que a usura foi uma criação medieval, não tire palavras da minha boca, e quando vc. proíbe alguém de ter terras, de praticar o comércio o que resta para estes sobreviver???.........repito, muitas vezes a origem dos recursos que eram emprestados pelos judeus era dos próprios nóbres e da igreja, e repito muitas vezes os tomadores dos empréstimos eram os mesmos, e são várias os exemplos que participaram, a descoberta da américa foi financiada pelos judeus..........

      5 - Não sei se o senhor concorda um erro não justifica o outro, agora quando a pregação parte de um lado mais forte e numeroso é certo que o grupo menor não se dará bem........

      Finalizo dizendo que quando o nazismo implantou o programa de esterilização, de assassinato de pessoas com problemas mentais, etc, conhecido como T4 houve manifestações da igreja e repudio popular o que fez com que este programa fosse cancelado, já com os judeus.........

      Excluir
  8. "proud to be a Zionist17 de abril de 2013 15:27
    ..................os judeus foram proibidos de se misturarem........................."

    Atualmente, supondo que foi no passado, no Brasil, EUA, etc não é proibido e a maioria esmagadora continua não se misturando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, Eduardo. Os judeus sionistas e os ultraortodoxos, cada qual por seus motivos, não aceitam miscigenação com 'seres impuros'.
      Ainda bem, quero crer, que isso está amenizando um pouco.

      Excluir
    2. Aqui no RJ eu conheço uns meio sangue que viraram sionistas e estão trabalhando ativamente para eles.
      Esse negocio da mãe ser judia acabou eles tão aceitando todo mundo.
      Isso eu não li, estou falando de ex-amigos

      Agora quero ver o que será feito deles se a NOM entrar, duvido que continuarão sendo aceitos

      Excluir
    3. Desculpe, mas o senhor tem dados que comprovam isto???, este negócio eu conheço, ouvi falar e coisa e tal não tem valor..........em estatística recente foi levantado que a grande maioria têm se casado com pessoas de outra religião,..............os ortodoxos são minoria dentro de todo o judaísmo...............mas repito dizer sem estatísticas e dados confiáveis fica meio no ""chute""

      Excluir
  9. Fabiano:

    Gostaria de tecer algumas considerações sobre a resposta do Sr. Ricardo a minha postagem desmentindo as habituais desinformações sionistas.

    Apesar de eu demonstrar com fontes e documentos oficiais que não houve apoio, aprovação ou silêncio por parte da Igreja em relação ao nazismo, ele repetiu as pérolas a que me referi. Não que me surpreenda, pois ideologia é isso.

    Analisando o habitual discurso sionista nas entrelinhas, podemos concluir que a Igreja é acusada de omissão não pelo que ela deixou de fazer e estava ao alcance dela fazer – e o fez. Mas sim pelo que teoricamente, eles acham que ela deveria ter feito e não fez. Ou seja: uma condenação baseada em razões hipotéticas e humanamente impossíveis.

    Ao contrário do que ele diz, a Igreja não está em “cheque” por causa do que sucedeu, ou não, na II GM, mas pelo que aconteceu no Concílio Vaticano II. Quando ela praticamente capitulou teologicamente modificando uma série de doutrinas seculares – e até a liturgia – que jamais poderiam ter sido modificadas.

    O que ela ganhou em troca: descrédito; desprestigio e desrespeito.

    A campanha de difamações e calunias contra a Igreja em relação ao que ocorreu, ou não na Guerra começou em 1958 - após a morte do Papa Pio XII - com a operação TRONO 12, desencadeada pela KGB e coordenada pelo General Ivam Agayantis, o verdadeio autor da peça O VIGÁRIO, assinada por Holfh Hochuth; dramaturgo alemão a quem cabem os créditos de autoria até hoje. Visava atingir a memória do papa falecido, acusando-o de omissão e até de simpatias pelo nazismo.

    Até mesmo o filósofo direitista-sionista Olavo de Carvalho lembra que os pronunciamentos de Pio XII contra o nazismo, durante a Guerra, eram quase diários.

    Mas, pelo jeito, a propaganda soviética continua fazendo sucesso nos arraiais sionistas até hoje. E provavelmente continuará por muito tempo.

    Espero mais uma vez ter feito um esclarecimento útil a você e aos seus leitores amigos que, independente de ideologias, paixões exacerbadas, ou segundas intenções, como você mesmo coloca em sua última postagem, buscam tão somente encontrar a verdade sobre os fatos em meio ao mar de mentiras que é o mundo em que vivemos.

    Um abraço

    José Augusto Landini.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O mais admirável em suas considerações, Sr. Landini, é sua sucintez fluida. De tantas que recebo e tantas outras que leio em dezenas de sítios e blogs, suas colocações demonstram um sereno conhecimento (como o meu, mas alguns anos-luz à frente). Congratulações.
      Algumas das coisas que escreveu, eu conhecia do modo que comentou. As outras, agradeço por compartilhá-las.
      Abraço.

      Excluir
    2. Sr. Landini,

      respeitosamente, o senhor não apresentou fontes e documentos substâncias como menciona, sugiro ao sr. ler o livro ""o papa de Hitler"" de John Corwell, ai sim o senhor terá fontes e documentos em substância, é fato que no final da guerra muitos criminosos nazistas conseguiram guarita na santa igreja, é fato que a igreja se posisionou energicamente contra o assassinato de deficientes mentais, mas silenciou contra a perseguição aos judeus, e veja que aqui não entro no mérito do holocausto, é fato o apoio que a igreja deu ao governo fascista utasha, mas gosto de tirar das coisa que leio aspectos positivos, ser contra o nazismo considero algo substâncial e que aqui neste blog não é tão claro, ser contra o nazismo é ser contra a um dos piores períodos da humanidade, e que realmente deve ser esquecido e apagado.................considero que a igreja está em cheque por ter silenciado em questões capitais, como a 2 guerra mundial, pedofilia, escândalos sexuais e financeiros isto parece que o novo para terá como desafio, mas tenho certeza que ele consiguirá.......espero também que tenha ficado claro a diferença daquilo que Maiomonides escreveu daquilo que a igreja preconizava que era a generalização, foi esta generalização que causou a estigmatização e o dogma do judeu assassino de Deus, considero que o reconhecimento do erro o pedido de desculpas e a retirada de termos ofensivos um grande passo apesar de tardio.......não vejo isto como propaganda soviética e sim fatos que não se negam, vejo que é uma constante atribuir erros e falhas por falta de argumentos aos comunistas e sionistas......fique do DEUS........ Ricardo Mallamud

      Excluir
    3. "ser contra o nazismo considero algo substâncial e que aqui neste blog não é tão claro".

      Pra ser bem educado, isto me causa espécie. Você, sr. Ricardo, parece ter ignorado (como todos os seus 'amigos')quando lhe perguntei se acredita nas três "impossibilidades holocáusticas" que já listei. Eu sou contra ELAS e outras que as 'testemunhas fidedignas' do holocausto nos contam. Gosto tanto dos nazistas quanto dos aliados.
      A 1ª frase no logo do meu blog fala sobre "Amor, Alegria e Verdade". A 3ª não é a tônica de nenhuma guerra e muito menos da 'História' imposta pelos vencedores.

      Excluir
    4. já comecei a responder................o sr. está nervoso???

      Excluir
    5. "Sim" ou "Não" é muito difícil pro senhor?

      Excluir
  10. Fabiano:

    Muito obrigado pela suas palavra.

    Nesta postagem eu pretendia, a princípio, fazer apenas um esclarecimento adicional para se evitar mal-entendidos entre os seus leitores sérios e de boa fé, a respeito de minhas últimas postagens sobre questão Igreja x Nazismo.

    Mas vejo ser necessário um esclarecimento maior.

    Como você pôde ver nelas eu procurei resumidamente – pois aqui não é espaço para TCC ou dissertações de mestrado – fazer um modesto contraponto a desinformação sionista, e no final também a vermelha, sobre qual foi à verdadeira postura da Igreja frente ao Nazismo.

    O que mais fiz foi postar fontes e referências. Postei inclusive o link do site oficial do Vaticano com o texto da encíclica papal anti-nazista. Se isto não são fontes nem documentos, não sei mais o que pode ser.

    Já o nosso adversário continua com as suas habituais postagens rasas, repletas de clichês, frase feitas e lugares comuns. Chega a ser patético. Mas não surpreendente.

    Quanto ao livro O PAPA DE HITLER: trata-se de uma obra medíocre, já devidamente refutada e que nem é mais levada a sério.

    Quanto ao rabino Maimônides: quando o citei foi para mostrar que o mesmo, em sua principal obra MISHNÉ TORÁ, assumia integralmente como judaica a responsabilidade pela crucificação de Cristo e não romana como tentam hoje fazer pseudos-intelectuais e historiadores politicamente corretos. E não se foi à totalidade do povo ou uma elite que o fez.

    Quanto a pedido de perdão por parte da Igreja: considerando tudo o que revelou Israel Shahak em sua obra a respeito do que o judaísmo pensa sobre o cristianismo, creio que foi no mínimo uma grande inutilidade.

    Repito que a Igreja está sendo julgada não pelo que estava ao alcance dela fazer e, por acaso teria deixado de fazer. O que não aconteceu, posto que ela fez. Mas sim por padrões teóricos e humanamente impossíveis de fazer baseado em considerações ideológicas.

    Os ustaches: trata-se de um típico desvio de assunto. Não conheço muito a respeito deste movimento. Irei pesquisar mais a respeito. O pouco que sei e que era de caráter fascista, que é algo bem diferente do nazismo, embora o vulgo considere-os iguais. E que lutavam contra a corja vermelha liderada pelo marechal Tito (na verdade Joseph Walter Weiss).

    Quanto à propaganda soviética: ela existiu e continua fazendo sucesso até hoje. Principalmente nos arraiais a que citei. Pois um dos princípios do marxismo-leninismo era, e é, varrer o cristianismo da face da Terra, como deixou muito bem claro o senhor Vladimir Ulianov (mais conhecido por Lênin).

    Repito que Igreja não está em cheque pelo que aconteceu ou não na II Guerra, mas pelo nefasto Concílio Vaticano II e o desastroso pontificado de João XXIII. Que sob o pretexto de renovar, na verdade iniciou um processo de destruição da tradição cristã.

    Após a II Guerra a autoridade moral do Papa Pio XII estava mais alta do que nunca e jamais foi igualada por nenhum outro papa.

    Sobre ser anti-nazista:

    É certo que desde o fim da II Guerra tornou-se quase uma obrigação moral, manifestar desprezo pelo nazismo e pela pessoa de Hitler.

    Os dois únicos absolutos que são permitidos nestes tempos em que o relativo tornou-se absoluto. O que nenhum intelectual de peso analisou até agora.

    Normalmente as pessoas o são por razões de ordem Hollywoodinesca a qual aderem de forma pavloviana sem qualquer esforço de reflexão pessoal.

    Outra coisa e sê-lo por razões bem pensadas e refletidas, sem incorporar ódios postiços vindos de ideologias.

    Este segundo caso costuma a ser a raríssimo.

    Como foi o do filósofo Eric Vogelin (1901-85).

    Mais uma vez um abraço e espero não ter abusado de sua paciência.

    José Augusto Landini.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Landini.
      Opinião nunca é abuso. Grande parte aqui mantém nível agradável como as suas. Algumas (que deleto) são ofensivas. E outras são "encheção de linguiça", que só depõem contra seu emissor e quem ele tenta defender.
      Creio que sua contenda se desdobrará mais um pouquinho. Assim como a minha.
      Boa sorte.

      Excluir
    2. Sr. Landini,
      Refuto alguns pontos, se o que Israel Shahak escreve for verdade, ficou na teoria, apenas fruto de mentes radicais e talvez ortodoxas, agora as perseguições impretadas aos judeus sob o crivo de Deicidio sairam da teoria para a prática, e isto é uma diferença brutal , milhares de judeus foram mortos, milhares foram perseguidos , milhares foram expulsos, milhares foram aprisionados em guetos e assim por diante sob o crivo de terem matado Deus...................ora e estes fatos ocorreram instigados por membros da igreja e pessoas que se chamavam religiosas, .................o sequestro de crianças e a origem do libelo de sangue, de que os judeus usavam sangue de crianças cristãs em suas festas idem, entenda então a gravidade da diferença entre teoria e prática, entre a mentira e a verdade.............quero ressaltar que em certa época da humanidade era chique ter um filho na igreja ou a filha em conventos, dava status a aristocrácia membros da familia sob as asas do vaticano, mas as pessoas que lá estavam nem sempre levavam jeito para isto eram impostos pela família assim acho que a igreja sofreu sobre más influências de pessoas que de fato não tinham o amor pelos semelhantes e DEUS nos seus coraçõessem o mínimo de vocação,...... julgo necessário novamente ressaltar para que fique bem gravado, se houve alguma participação judaica na morte de Cristo, esta foi limitada, e BEM LIMITADA, e não podemos genealizar para todos os judeus, e é este o erro grave do Deicidio, é o mesmo caso como utilizei dos Corinthianos serem taxados de assassinos pelo ato de um único que soltou o sinalizador.............não vou me estender sobre a participação ou não, da manifestação ou não da igreja durante a segunda guerra mundial, se estava ao alcance dela fazer ou não fazer, deixo este link para vossa reflexão :.............http://www.jewishvirtuallibrary.org/jsource/anti-semitism/pius.html
      r...................aproveitando a deixa do sr. Fabiano, encerro este assunto por aqui................obrigado e fique com DEUS............ricardo mallamud

      Excluir
  11. Sr. Landini

    Para facilitar sua pesquisa:

    http://avidanofront.blogspot.com.br/search/label/*Ustasha

    abraços

    ricardo mallamud

    ResponderExcluir
  12. Vou dar minha opinião da saúdavel a discussão ácima, noto que a insistência do Landini em notar os maléficios da generalização, bem como de ser contra da retirada de trechos da liturgia , por serem depreciativos e agressivos aos judeus, só vêm a corroborar aquilo que o Ricardo se refere aos malefícios do Deicidio, pois mesmo nos dias de hoje inúmeras pessoas como o Landini ainda carregam estas idéias com cara de ranço e mofo, e justificam para estes que o que ocorreu aos judeus durante as perseguições, inquisição e nazismo de certa forma foi até que merecido, o Landini é prova viva de tudo de ruim que o Deicídio causou, seriam bom o Landini esclarecer o que os pesquisadores e historiadores já sabem sobre a visita do Evita peron ao papa e ao Vaticano, pois bem eu respondo foi negociar o recebimento de dezenas de criminosos nazistas em troca de favorecimentos econômicos, assim a américa do sul tornou-se porto seguro destes, e por fim tenho sérias dúvidas sobre aquilo que o Landini escreveu sobre a Mishne Torah do rabino Moshe ben Maimonides

    ResponderExcluir
  13. Landine,

    olhe bem o vídeo abaixo como amostra:

    http://www.youtube.com/watch?v=9rIwgcSNgVs

    antigamente eram com judeus.................bonito né???

    bela tradição

    ResponderExcluir
  14. Nossa Fabiano, história linda mesmo... Vale a pena ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há também esta fábula:
      http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2013/01/uma-bela-fabula.html

      Recomende-as a seus amigos.
      Abraço.

      Excluir