Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


terça-feira, 16 de abril de 2013

Um reforço nos dados

Amigos e amigas
Números, dados e estatísticas sobre qualquer coisa podem ser "eufemizados" ou "apimentados", sempre de acordo com as conveniências. Em geral, censos demográficos são mais idôneos, devido à isenção dos institutos de pesquisa. No caso da população judaica à época da 2ª Guerra, tais números estão envoltos em grande nebulosidade.
Já postei um gráfico sobre isso (http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2012/12/numeros-e-estatisticas.html) e, logo abaixo, tem um reforço nesses dados. Ele vem de uma pesquisa de Richard Harwood, sempre baseando-se em fontes oficiais.
FAB29

"Em primeiro lugar, o número não pode nem remotamente se basear no exame dos dados sobre a população judia européia. De acordo com a Chamber Encyclopaedia, o número total de judeus vivendo na Europa antes da guerra era de 6.500.000. Claramente, isto significaria que quase todo o número teria sido exterminado. Mas a Baseler Nachrichten, uma publicação suíça neutra empregando dados estatísticos judaicos existentes, diz que, entre 1933 e 1945, 1.500.000 judeus emigraram para a Grã-Bretanha, Suécia, Espanha, Portugal, Austrália, China, Índia, Palestina e os Estados Unidos. Isto é confirmado pelo jornalista judeu Bruno Blau, que cita o mesmo número o jornal judaico nova-iorquino Aufbau, a 13 de agosto de 1948. Destes imigrantes, aproximadamente 400.000 vieram da Alemanha antes de setembro de 1939. Isto é confirmado pelo Congresso Mundial Judaico em sua publicação Unity in Dispersion (p. 377), que afirma que: "A maioria dos judeus alemães teve sucesso em deixar a Alemanha antes do começo da guerra". Em adição aos judeus alemães, 220.000 do total de 280.000 judeus austríacos emigraram até setembro de 1939, enquanto que de março de 1939 em diante o Instituto de Emigração Judaica em Praga havia assegurado a emigração de 260.000 judeus da antiga Tchecoslováquia. No total, apenas 360.000 judeus permaneciam na Alemanha, Áustria e Tchecoslováquia após setembro de 1939. Da Polônia, uma estimativa de 500.000 emigraram antes do início da guerra. Estes números indicam que o número de emigrantes judeus de outros países europeus (França, Holanda, Itália, os países da Europa Oriental, etc.) era de aproximadamente 120.000. Este êxodo de judeus antes e durante as hostilidades, portanto, reduz o número de judeus na Europa a APROXIMADAMENTE 5 MILHÕES. Em adição a esses emigrantes, devemos também incluir aqueles que fugiram para a URSS depois de 1939, e que foram migrantes da Polônia. Mas, tirando a Polônia, Gerald Reitlinger (eminente historiador do holocausto) admite que 300.000 outros judeus europeus escaparam ao território soviético entre 1939 e 1941. Isto traz o total de emigrantes à Rússia Soviética a mais ou menos 1.550.000. Na revista Colliers, dia 9 de junho de 1939, Freiling Foster, escrevendo sobre os judeus na Rússia, explicou que "2.200.000 emigraram para a URSS desde 1939 para escapar aos nazistas", mas nossa estimativa mais baixa é provavelmente mais acurada. A imigração judaica para a URSS, portanto, reduz o número de judeus na esfera de influência alemã para mais ou menos 3,5 milhões, aproximadamente 3.450.000. Destes, devem ser deduzidos aqueles judeus vivendo em países neutros que escaparam ás conseqüências da guerra. De acordo com o 1942 World Almanac (p. 594), o número de judeus vivendo em Gibraltar, Grã-Bretanha, Espanha, Portugal, Suécia, Suíça, Irlanda e Turquia era 413.128."

ONDE ESTÃO OS 6.000.000 DE JUDEUS MORTOS?
1921     11.600.000    Meyers HandLexicon, Alemania
1930     15.600.000    National Council of Churches
1939     15.000.000    American Jewish Comittee Bureau of the Synagogue Council
1940     15.319.359    World Almanac  ( pág. 129)
1947     15.690.000    World Almanac
1949     15.713.638    World Almanac   (pág. 284)
1961     16.300.000    Statistical Yearbook of Council of Churches, EUA

60 comentários:

  1. Os números não batem.O que resta é só um hexagrama regular como simbologia,minoria sobreviventes e seus descendentes asquenazis e sefarditas ,alimentando um conto ou Holoconto.Talvez para continuar as indenizações pagas pela Alemanha.Não da mesmo! Impossível chegar á um veredicto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já acho que os números do holocausto batem... cabeças!

      Excluir
  2. The University of Alberta library has the World Almanac issues for the pertinent period for 1941, 1944, 1947, 1948, and 1949. The figures listed for total world Jewish population are as follows:

    1941 15,748,091
    1944 15,192,089
    1947 15,688,259
    1948 15,688,259
    1949 11,266,600

    Now you may be wondering what happened to all those Jews in 1948-49. No fresh estimates were made between 1938 and 1947. The figures listed for 1941, 1947, and 1948 are identified as estimates made in 1938. The source for the estimate for 1944 is not given, and the numbers are listed differently than in other years. In 1944, the numbers are given as a part of a list of various world religions rather than standing on their own with a country-by-country breakdown as in the other years.

    Only in 1949 are postwar estimates employed, the figures given are for estimates made in 1948. A year or two lag seems to be common for various other population estimates given by the World Almanac.

    The difference between the 1938 and 1948 figures is thus 4,481,491.

    In 1949, however, the World Almanac gives a revised 1939 population of 16,643,120 giving a difference of between 1938 and 1947 of 5,376,520. Where the extra population between 1938 and 1939 came from is not cited, though one might speculate that it was based upon the Nazi estimates made in 1942 for the Wannsee Conference.

    Despite the apparent exactness of the numbers listed, the World Almanac warns that all numbers listed are estimates.

    The World Almanac estimates figured prominently in another instance of the Gambit when the New York Times published inflated estimates of the post-war Jewish population in 1948, and early deniers used the story to dismiss claims of 6 million Jewish deaths. i

    The Times later explained that their data had come from the 1948 World Almanac in this letter to Morris Kominsky from the author of the piece:

    "Dear Mr. Kominsky,
    "Thank you for your letter of inquiry of January 6.
    "The world Jewish population figures printed in this
    story came from the 1948 edition of the World Almanac.
    Later we checked it with the American Jewish Committee and
    other sources and said in the correction, as I noted to you
    in my previous letter, that the authorities agree that
    Hitler's wholesale massacre of Jews during the war reduced
    the Jewish population to perhaps 12 million today (2/26/48).
    "If Mr. Freedman met with me I do not remember it.
    The problem is of course, that you are talking about events
    that took place 19 years ago. I see hundreds of people per
    year, many of them only for a few minutes so I could not
    swear that I did not see Mr. Freedman but if I did it made
    no impression either upon me or upon my assistant.
    "I do not know what Mr. Freedman means by examination
    of documents but to my knowledge we had no particular
    documents bearing on the issue in question.
    "I hope this answers your questions; if there is
    anything else you wish to know please do not hesitate to
    write again.
    "Sincerely, Hanson W. Baldwin (Military Editor)"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Now you may be wondering what happened to all those Jews in 1948-49." Só um pré-ajuste para futura necessidade.

      Interessantes são estes dados:
      "1941 15,748,091
      1944 15,192,089
      1947 15,688,259"

      Mesmo sendo estimativas, não há nenhuma variação minimamente significativa. Pode-se, assim, pensar várias coisas: desde a incompetência dos institutos de pesquisa até a não-ocorrência do holocausto.

      Excluir
  3. proud to be a Zionist16 de abril de 2013 17:26

    Passados 70 anos do Holocausto, ainda há menos judeus do que antes


    Mesmo 70 anos depois do Holocausto, a população judaica no mundo continua a ser muito menor do que em 1938, e só conseguiu crescer em Israel, onde acaba de superar a simbólica marca de 6 milhões de pessoas.

    Atualmente, o número de judeus é de aproximadamente 13,8 milhões, disse à Agência Efe o demógrafo Sergio della Pergola, pesquisador da Universidade Hebraica de Jerusalém.

    "Antes da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) éramos 16,5 milhões, e depois ficamos em 11 milhões", explica ao fazer um balanço da situação do judaísmo no mundo.

    Cerca de 6 milhões de judeus foram mortos entre 1935 e 1945 devido às políticas nazistas vigentes, a maioria a partir da aplicação da "Solução Final" em 1941, que incluía o envio, em massa, de judeus a campos de extermínio.

    Os judeus representam hoje 0,002% da população mundial, número três vezes menor do que o registrado em 1945. Segundo o especialista, o baixo crescimento se deve ao envelhecimento das comunidades fora de Israel, que apresentam baixos índices de natalidade, resultado das regras e dos costumes das sociedades onde vivem.

    Assim, enquanto entre os judeus de Israel o índice de natalidade é de quase 3 filhos por mulher, fora do país ele fica entre 1,5 e 2.





    Segundo os estudos realizados pela Universidade Hebraica de Jerusalém, 96% dos judeus fora de Israel se concentram em apenas 10 países, - todos eles democráticos - nos quais vivem plenamente emancipados.

    Esse fato, somado ao baixo crescimento vegetativo (diferença entre a taxa de natalidade e a de mortalidade) e à emigração para o Estado de Israel, fez descer progressivamente, desde a década de 1970, o número de judeus que vivem "na diáspora".

    Na ultima década, Israel recebeu anualmente entre 15 mil e 20 mil imigrantes judeus, mas nos anos 1990, esses números superavam os 100 mil graças à emigração em massa de habitantes da extinta União Soviética.

    Um recente estudo do Escritório Central de Estatísticas constatou que, neste ano, Israel desbancou os Estados Unidos como país com o maior número de habitantes judeus, superando a simbólica barreira dos 6 milhões, mesmo número de pessoas dizimadas durante o Holocausto.




    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá legal, tudo bem quanto às palavras, opiniões, dados, estimativas, estatísticas,... Tudo simbólico, abstrato.
      Mas, você finaliza: "...a simbólica barreira dos 6 milhões, mesmo número de pessoas dizimadas durante o Holocausto."
      Você apenas crê no holocausto ou sabe onde estão as evidências forenses que tanto peço aos seus pares para compartilhar conosco?

      Excluir
  4. OS JUDEUS NA ALEMANHA ANTES DA GUERRA, mas dai, SARTARAM FORA DA CARRIOLA e foram se estabelecer nos lugarem que abaixo segue:-

    CANADÁ - 6.000
    EUA - 102.200
    ARGENTINA - 63.500
    BRASIL - 8.000
    BOLÍVIA - 7.000
    CARIBE - 3.500
    VENEZUELA - 600
    URUGUAY - 20
    PORTUGAL - 12.000
    ESPANHA - 3.000
    AFRICA SUL - 26.100
    ITÁLIA - 5.000
    SUÍÇA - 7.000
    FRANÇA - 30.000
    BÉLGICA - 30.000
    HOLANDA - 30.000
    REINO UNIDO- 52.000
    DINAMARCA - 2.000
    SUÉCIA - 2.000
    ESLOVÁQUIA - 6.000
    HUNGRIA - 3.000
    IUGOSLÁVIA - 7.000
    POLÔNIA - 25.000
    PALESTINA - 33.400
    SÍRIA - 3.000
    SHANGHAI - 20.000
    FILIPINAS - 700
    AUSTRÁLIA - 6.500
    TOTAL - 494.520 (imigraram ou morreram?)

    Fonte - US Holocaust Memorial Museum

    De acordo com o censo de junho de 1933, o número de judeus na Alemanha consistia em aproximadamente 500.000 pessoas.

    "Portanto aproximadamente 511.203 em 1939".(MATEMATICAMENTE FALANDO)

    Os judeus representavam 0,77% do total da população alemã de cerca de 66.390 milhões de pessoas em 1939.

    Diferentemente dos métodos padrão de recenseamento, os critérios alemães, codificados nas Leis de Nuremberg de 1935 e nos decretos subsequentes, identificavam os judeus conforme a religião praticada pelos avós de um indivíduo.

    Consequentemente, os alemães classificaram como judeus milhares de pessoas que haviam se convertido a outras religiões, inclusive padres e freiras católicos romanos e sacerdotes protestantes que tinham avós judeus.

    Oitenta por cento dos judeus na Alemanha (cerca de 400.000 pessoas) tinham cidadania alemã.

    O restante era composto em sua maioria por judeus poloneses, muitos deles nascidos na Alemanha e com status de residentes permanentes.

    Ao todo, cerca de setenta por cento dos judeus na Alemanha viviam em áreas urbanas.
    Cinquenta por cento do total viviam nas dez maiores cidades alemãs, incluindo Berlim (160.000), Frankfurt am Main (26.000), Breslau [hoje Wroclaw, na Polônia] (20.000), Hamburgo (17.000), Colônia (15.000), Hannover (13.000) e Leipzig (12.000).

    Uia....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Ragi, esse é um motivo dos sionistas adorarem números: podem ser alterados ao bel prazer, conveniência e necessidade.
      Você sempre diz que eles são péssimos com eles, mas pra quê ser bom? Basta distorcê-los em seu favor e caprichar na propaganda.
      No mínimo, meio mundo vai comprar a idéia.

      Esses dados (nada divulgados) sobre os judeus que fugiram da Alemanha é contundente para dar mais uma abalada no holocausto. E alguém vai contestar a fonte?
      Abraço.

      Excluir
    2. Pelo que vejo, a conveniência é tua. O outro, cita números e percentuais da cartola. Já reparei que você não pretende responder.
      Responda que volto a postar. Mas é para responder mesmo. Quem se lança num blog sobre determinado assunto, precisa domina-lo. E me parece que não é o seu caso.

      Excluir
    3. Caro "ninguém".
      O 'outro' tem nome, sei onde mora, pergunta e contesta exatamente o mesmo que eu e, neste caso, tirou da 'cartola' do museu do holocausto. E você?

      E por favor, poupe-me de leviandade! Eu não me arvoro a saber de nada. Já disse e repetirei: criei este blog só para dar vazão ao que penso, acredito, crio, contesto e quero conhecer ou compartilhar. Até hoje, fiz exatamente isto.

      Seja feliz no mundo criado por seus donos. Eu sempre os contestarei.

      Excluir
  5. Sr. Fabiano,

    bom dia,

    ia responder esta questão no outro tópico mas infelizmente o senhor abriu diversos tópicos de tal forma que o assunto ficou esquecido e escondido dos leitores........lá havia lhe dito que as respostas são simples e fáceis..........e realmente são

    porém antes disto deixa eu escrever algo:

    Você diz no artigo e é confirmado pelo sr. Lima, que 400.000 judeus emigraram provenientes da Alemanha antes de iniciar a guerra, mas veja só:

    De acordo com o American Jewish Yearbook (citado em diversas publicações “revisionistas” através de números do World Almanac, que utiliza o AJY como fonte primária e é citado pelo senhor também) do ano 1938-1939 o número de judeus na Alemanha era de 499.683 (referente a um censo de 1933), e na edição de 1939-1940 o número é de 691.163 , talvez o Sr. consiga explicar aos seus leitores para onde “emigraram” estes 400.000 judeus alemães até 1939.

    Ora, algo em vosso artigo não está correto !!!!!

    Olhe a lógica e o óbvio, sem isto vai incorrer em erros e como tudo que provém do revisionismo histórico não se sustenta, tanto que estes só tem eco entre pessoas radicais e anti-semitas.........

    Pois bem, estamos em guerra, o senhor acha que daria para fazer um senso confiável??? o senhor sábia que o mundo só tomou conhecimento dos horrores nazistas no final da guerra??? que cidadãos comuns e muito dos dirigentes, oficiais e demais desconheciam das atrocidades ocorridas nos campos de concentração e no leste europeu???...................ora a fonte pode ser confiável mas factível de falhas e erros........o anônimo acima foi perfeito, os números da população judaica,não passam de REPETIÇÃO o daqueles já sabidos do passado (foram repetidos pela impossibilidade decorrentes da guerra), o números se referem a estimativas sem caracter cientifico e estatístico devido as dificuldades inerentes de qualquer guerra..... e de pouco valor pois desconheciam do assassinato em massa .

    Sem o senhor usar a lógica, e que demonstra aquilo que esta´claro e cristalino o senhor vai continuar repetindo falhas e coisas que não tem nenhum valor e que me desculpe fáceis de responder e rebater

    Enquanto o senhor não nos brindam com provas florences cientificas e comprovadas (não aquelas fabricadas e criadas) para que possamos rebater estes tópicos com assuntos que não comprovam nada com nada ficam apenas a título de um bom exercício de falta de bom senso e me desculpe como uma boa diversão.....

    grato
    Ricardo Mallamud

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. desculpe, gostaria de acrescentar que o número de judeus antes da II guerra mundial é de 9.237.314.................segue fonte:

      http://docs.fdrlibrary.marist.edu/psf/box52/a467cg01.html

      obrigado...........Ricardo Mallamud

      Excluir
    2. "Enquanto o senhor não nos brindam com provas florences (sic) cientificas e comprovadas (não aquelas fabricadas e criadas)" (??!?)

      Só pode ser piada! O que mais faço no meu blog é pedir a comprovação forense do holocausto e suas propaladas 'câmaras de gás', 'valas crematórias', 'eletrocussões em série', a 'pira funerária' de Treblinka e tantas outras coisas!

      É a famosa 'inversão do ônus da prova'! O senhor, educada e polidamente, faz o mesmo que os aspones que tanto tentam me desancar. Usam e abusam de abstrações (palavras, dados, etc) mas tergiversam ao máximo quanto às provas forenses, que pesquisadores como Rudolf e Mattogno já demonstraram não existirem.
      Você diz que "as respostas são simples e fáceis". E eu contesto até isso.

      Excluir
  6. O anônimo acima está correto.
    Não entendi a reposta dada ser somente relacionada aos judeus alemães. Só na Polonia, a população judaica antes de 1939 seria estimada em 3,3 milhões. Fora o restante da Europa.

    Jorge Luiz - RS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Ragi apenas esmiuçou a emigração judaica da Alemanha. Se o mesmo for feito em cada país europeu àquela época, dos 6,5 milhões de judeus que supostamente habitavam TODA a Europa em 1939, pelo menos 3 milhões emigraram (número este que Harwood encontrou em suas pesquisas vistas no post).

      Levando-se em conta o tanto de sobreviventes que receberam ou recebem indenizações (já perto de um milhão), a dita "política de aniquilação nazista" não se sustenta.

      Excluir
    2. Equivoco!
      Os judeus não foram perseguidos na Europa. Foram sim na Alemanha. E a postagem do Ragi foge do tema. Aliás, essa é a velha tática de desviar o assunto. Quando cessam os argumentos (ou sequer se iniciam), muda-se o assunto e surge a agressividade.

      Jorge Luiz - RS

      Excluir
    3. "Os judeus não foram perseguidos na Europa"
      Veja este link:
      http://fab29-palavralivre.blogspot.com/2012/11/degredos.html

      Excluir
  7. Como explicar?

    1948 15,688,259
    1949 11,266,600


    Jorge Luiz - RS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Números e palavras são abstrações. Cada um crê em quais quiser. Por isso que eu exijo sempre um mínimo de credibilidade factual para crer nelas. E já que ninguém me mostra as provas forenses do holocausto, fico nesta tarefa quixotesca de receber 'puras abstrações'.

      Eu vejo essa brutal alteração como pura conveniência dos interessados em credibilizar o holocausto, manipulando o que for possível.

      Excluir
    2. proud to be a Zionist17 de abril de 2013 15:13

      Então responda aonde foram parar os 400.000 alemães que estão sendo questionados na resposta do Ricardo???............................também isto
      é abstrato ou houve um erro???

      Excluir
    3. Não são os da lista do Ragi, país por país?

      Excluir
    4. proud to be a Zionist17 de abril de 2013 17:26

      Cara não se dê de sonso................................

      vou repetir o que ele escreveu:

      ""Você diz no artigo e é confirmado pelo sr. Lima, que 400.000 judeus emigraram provenientes da Alemanha antes de iniciar a guerra, mas veja só:

      De acordo com o American Jewish Yearbook (citado em diversas publicações “revisionistas” através de números do World Almanac, que utiliza o AJY como fonte primária e é citado pelo senhor também) do ano 1938-1939 o número de judeus na Alemanha era de 499.683 (referente a um censo de 1933), e na edição de 1939-1940 o número é de 691.163 , talvez o Sr. consiga explicar aos seus leitores para onde “emigraram” estes 400.000 judeus alemães até 1939.

      Ora, algo em vosso artigo não está correto !!!!!"""

      não está correto mesmo

      vamos lá........................???????????

      Excluir
    5. Eu não me faço de sonso, sr. orgulhoso.
      1º, apenas ironizei sua 'questã';
      2º, o artigo NÃO É MEU! Surpreso?! Ele é de Richard Harwood.
      3º, digo de novo: números e palavras são abstrações. Podem ser escritos e interpretados ao bel prazer, necessidade ou conivência de cada um.
      4º, assim sendo, essa guerra do "Quem tem razão?" seguirá ad eternum se não sairmos dessas abstrações.
      5º, os números e palavras sobre o holocausto não fogem à regra. Exageros e mentiras são as tônicas dele.

      Isto posto, sugiro que você, sionista de carteirinha, salve a pele de seus donos mostrando FATOS sobre 'câmaras de gás', 'valas crematórias', etc.
      Abstrações, deixe pros artistas.

      Excluir
    6. sr. Fab29
      se usarmos o mesmo raciocinio do mostrar fatos tambem não será possivel comprovar a destruição de Dresden nem de Hiroshima e Nagasaki as imagens que se tem hoje são de documentarios filmados na epoca logo não seriviriam como prova para nada já que hoje estas cidades não mostram sinais de que foram destruidas
      certo!
      Doriano

      Excluir
    7. Quase, Doriano.
      SERIA assim se tais bombardeios não fossem fatos consumados e (estes, sim) impossíveis de serem negados. Nem seus autores (os aliados) os negam. O máximo que tentam é minimizar o crime.

      Quanto ao holocausto, eu não o contesto em si, como vários aspones insistem em me acusar. Apenas os pontos que considero impossíveis física e quimicamente.

      Se você analisar cientificamente, tópicos que as testemunhas juram ter visto, como as "câmaras de gás", as "valas crematórias", as "eletrocussões em série" e a "pira funerária de Treblinka" não são possíveis.

      Não tenho culpa dessas impossibilidades. Só as exponho, contesto e peço provas. Alguém as tem? Duvido.

      Excluir
  8. Eu sabia que para você o negacionismo é uma crença.
    E ainda se dizem "contestadores". Nenhum argumento e uma confissão de crença...
    Até breve.

    Jorge Luiz - RS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jorge, "bem vindo" ao Clube dos Pândegos! Já tem vários deles que vivem passando por aqui.
      Como bom "afirmacionista", você é capaz de mostrar as provas cabais do holocausto que tanto peço e todos seus congêneres fugiram da raia?
      É pergunta retórica, mas...

      Excluir
  9. Boa tarde Fabiano e demais defensores do INDEFENSÁVEL, parece que eu coloquei muita areia para ser transportada no CAMINHÃOZINHO dos defensores do sião...

    Então vamos colocar mais uma CAMADA FINA desse material, lembrando que o território polonês antes de 1938, aquele que foi ROUBADO da Alemanha com a elaboração do MALDITO TRATADO de "versalhes" um tratado elaborado para satisfazer os "arROUBOS" do poder sionista.

    Pois bem o Território TRANSFORMADO em Polônia tinha uma EXTENSÃO de 390.000 k² com uma densidade demográfica de 0,09 por Km² após a “2ª guerra MEIO que mundial” o território encolheu e passou a ser de 312.000 Km² com uma densidade demográfica de 0,083 por km² EU PERGUNTO:-

    Onde é que foram parar esses 78.000 Km²?

    Por acaso foi também HOLOCAUSTADO?

    Não teria se transformado em parte da CCCP, comandada pelo judeu stalin?

    Pergunto também:-

    Houve um DECRÉSCIMO de 0,007 HABITANTES POR KM² os quais tiveram seu RG mudado para bielorrusos.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Ragi.
      Deixo mais essas "questãs" aos nossos contendores.
      Até amanhã.
      Abraço.

      Excluir
    2. proud to be a Zionist17 de abril de 2013 17:52

      Stalin não é judeu.........................

      "" Nascido em uma pequena cabana na cidade georgiana de Gori, filho da costureira Ketevan Geladze (1858-1937) e do sapateiro Besarion Jughashvili (1849 ou 1850 - 1909), o jovem Stalin teve uma infância difícil e infeliz.
      Chegou a estudar em um colégio religioso de Tiflis, capital georgiana, para satisfazer os anseios de sua mãe, que queria vê-lo seminarista.""

      Excluir
  10. Boa noite Fabiano
    Esse holoconto de fada$ ou de hollywood, só é veridico no cinema, que devolvam o dinheiro que esses vermes tomaram da Alemanha.

    EDUARDO-SP

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sr anonimo quem tem que devolver dinheiro são os mensaleiros dos nossos governantes, deputados e
      senadores.
      p.s. stalin não era judeu era da Ruplica da Georgia portanto
      georgiano
      doriano

      Excluir

  11. Não tenho tempo a perder aqui. Ao contrário do assinante deste blog, sou uma pessoa ocupada, que se pudesse, salvaria o mundo e defenderia na justiça os mais puros e lídimos interesses daqueles que precisam de proteção. Não tenho mais os meus tenros e imaturos quinze anos.

    Jorge Luiz - RS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sou "assinante"; sou administrador.
      Sou duplamente ocupado (e não me perco).
      Lamento que minha busca pela Verdade dos fatos (especialmente sobre a 2ª guerra, a nascente das maiores mentiras modernas) lhe seja "perda de tempo". Maximize o seu.
      Desejo-lhe toda a sorte e sucesso.

      Excluir
  12. Bom dia Fabiano e demais, até para os defensores do INDEFENSÁVEL,

    Quer dizer que para o orgulhoso sionista o stalin aquele CARNICEIRO, ASSASSINO, SANGUINÁRIO, DÉSPOTA e mais um monte de adjetivos não era judeu?

    Mas a tradução do nome quer dizer justamente ao CONTRÁRIO, ou seja:-

    Josef Vissarionovich Stalin nasceu com o nome de Josef Vissarionovich Dzhugashvili em Gori na Geórgia.

    O significado de seu sobrenome é "Djuga" significa "judeu" e "Schvili" significa "filho", ou seja "filho de judeu".

    Esconder as ORIGENS não vale é preciso lembrar-se de todos os pormenores e o stalin era sim um safado judeu e estamos conversados?

    Mas o caso não é ESSE, mas sim o sumiço de 9.204 milhões de poloneses, será que MORRERAM no holococonto?

    Ou apenas mudaram o CEP?

    Que me responda caro orgulhoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, amigo Ragi.
      Como eu sei que você não dá ponto sem nó (e dá nó em pingo d'água, até), abstive-me de entrar no mérito da questão.
      O mais interessante disso tudo é como eu já frisei várias vezes: eles amam abstrações para fugirem dos fatos.
      Cadê as provas cabais do holocausto? Sabemos bem o quanto eles fogem desta bomba. Um dia, ela explode.
      Abraço.

      Excluir
    2. proud to be a Zionist18 de abril de 2013 15:49

      rsrsrrsrsrrs.................O mais interessante disso tudo é como eu já frisei várias vezes: os revisionistas amam fazerem quando lhe convém pessoas virarem judeus quando de fato não o são..............................roosvelt, setubal, simonsem, rockfeller, morgan são exemplos..................e a lista é extensa, vamos aos fatos

      nome completo de
      de Stalin, em georgiano.....იოსებ ბესარიონის ძე ჯუღაშვილი...........

      vamos pegar o último nome ძე ჯუღაშვილი e separar:

      შვილი que significa filho (parabéns)

      o restante ficou

      ძე ჯუღა

      agora como se escreve judeu /judaico:

      ებრაელი

      bem diferente não acham..........e afinal o que significa então o restante do
      sobrenome:

      The family surname means son of Juga, and is derived from either the Ossetian йуга Juga (meaning 'herd') or the old Georgian ჯუღა djuga (meaning 'steel'). Ioseb eventually adopted the name "Stalin" from the Russian word for "steel;" he used it as an alias and pen name in his published works.........bom para quem não sabe inglês herd = rebanho e steel aço ................

      Stalin estudou em escola de padres (Orthodox priesthood school) e vamos ver o que dizem do pai de Stalin (:Besarion Vanovis Jughashvili)

      Besarion was born into an Orthodox Christian serf family from the village of Didi Lilo in Georgia, ................e da mãe(:Ketevan Geladze):

      Ketevan Geladze ("Ekaterina" in Russian, and familiarly known as "Keke") (Georgian: ქეთევან გელაძე; February 5, 1858 – June 4, 1937) was the mother of Joseph Stalin. She was born to a family of Georgian Orthodox Christian serfs in Gambareuli, Imperial Russi.....................

      Conclusão nem da parte do pai nem do parte da mãe qualquer traço de judaismo......................

      vamos aos fatos, tal qual hitler, Stalin primou pelo anti-semitismo, ao chegar ao poder afastou a maioria absoluta de judeus do partido, isto quando não mandou estes para siberia e/ou outros gulags e/ou assassinous, como fez com trotski
      tanto que a presença judaica com stalin no poder é totalmente irrisória..........

      Sr. Lima, conheço vários sobrenomes judaicos, mas nenhum significa.......filho de judeu....................boa tentativa, melhor aprimorar seu idioma georgiano

      por hoje é só................




      Excluir
    3. Eu me prometi não mais me ater a abstrações.
      Quando o assunto passar a fatos, opinarei também

      Excluir
    4. Se for dessa maneira oferecer provas concretas como provar então que morreram 1,5milhão de armênios durante a primeira guerra, 25 a 30 milhões no regime de Stalin, 40 milhões no Grande Salto a Frente" e mais outros 20 milhões na Revolução Cultural de Mao,não tem como se provar com provas,disse-se que os mortos dos Gulags eram jogados dentro de lagos mares congelados na siberia alguns testemunhos da época, testemunhos, vi algumas fotos veja lembravam muito as dos campos na Polonia e ai como fica, e o Camboja ?

      Excluir
    5. Caro Doriano, repetirei sempre: guerra é o ápice da podridão humana e sua primeira vítima sempre é a verdade. Por favor, releia as duas primeiras linhas do meu post.

      Na loucura que move as guerras, nada de bom é coerente, organizado, lógico, decente, verdadeiro. Já que a mentira é a força motriz das guerras, como podemos esperar que números e palavras o sejam?

      Eu lhe peço que se atenha ao que venho perguntando há anos aqui e na vida em si. Quero que a História da 2ª Guerra (a do holocausto, principalmente) tenha mais clareza. Você deve se perguntar por que essa minha "fissura" por este assunto. Simples: Desde que me conheço por gente, eu ouço tudo contra os alemães, a favor das "pobres vítimas judaicas" e dos "heróis aliados".

      Daí, vem esses "chatos" revisionistas e cutucam as bases do holocausto (câmaras de gás, valas crematórias, eletrocussões em série,...) e as contestam, questionam e demonstram que são impossíveis. Ninguém questiona sofrimentos, perseguições, injustiças e tudo de ruim que advém das guerras. Mas o holocausto e seus "campos de extermínio" precisam ser revistos.

      Se você acredita nele (como o ricardo, o jorge e tantos anônimos que patrulham sítios e blogs como o meu, tudo bem. Pra mim, é o mesmo que crer em coelhinho da Páscoa.

      Excluir
  13. Caro orgulhoso, acho que o que o aposentado por invalidez e recebedor de auxilio doença quis dizer é que o cristão ortodoxo Stalin é filho do judeu JESUS CRISTO............................abraços

    ResponderExcluir
  14. Quando o FILHO É BONITO todo mundo é pai...

    Boa tentativa orgulhoso de que mesmo?

    Ah, sei dos, INSANOS que promoveram a INVENÇÃO do estado INVASOR DA PALESTINA.

    Dzhugashvili CONTINUA SENDO FILHO DE judeu...



    ResponderExcluir
  15. Uma pena ter que DESPERDIÇAR MEUS JAB'S, UPPERCUT'S, HOOK, e CRUZADOS de DIREITA nessa massa ANONIMA, seria mais gostoso bater no cara com o nome estampado, essa GLÓRIA do ANONIMATO é muito MEDÍOCRE, mas assim mesmo a gente DESSE O BRAÇO.

    Essa VIQUIPÉDIA é mesmo uma COMÉDIA, são tantas as informações que os defensores do INDEFENSÁVEL se lambuzam.

    Mas o stalin continua sendo judeu, assim como eram os demais que comandaram o "POJETO" CCCP...

    Me respondam, judeu é RAÇA ou RELIGIÃO?

    No aguardo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Revolução Russa foi quase 100% comandada pelos judeus. Ninguém mais nega isso.

      Excluir
    2. proud to be a Zionist19 de abril de 2013 12:12

      Como diz o ditado "a melhor defesa é o ataque"
      Francamente esperava uma resposta melhor, tipo: a vizinha da prima da tia da colega de classe da avô da vizinha do tio de 8 geração da mãe de Stalin é judia e portanto Stalin é judeu............................o integralista gustavo barroso, em seu livro a grande sinagoga classifica o oponente do integralista plinio salgado (agora não me lembro o nome) de judeu, para isto incluiu o sobrenome (morensohn) ao nome do opositor, além de chamar aqueles que o apoiavam como judeus (simonsen e setubal), ora tal sobrenome jamais existiu, foi criação do mesmo, para jogar as massas contra o opositor de plinio salgado, usou da mesma artimanha que vc. adulterou..... nem ele nem setubal nem simonsem são judeus, ................quero lhe mostrar que faz parte da tática revisionista, neo-nazista e anti-semita de classificar quando é de interesse destes pessoas como judeus, as vezes sem o ser.....................agora adulterar uma tradução é a primeira vez, vc. pode bater o pé até morrer mas não conseguimos chegar ao tal filho de judeu.....................minha fonte primária de pesquisa não foi a wikiphedia, tenho um livro da instituição KKL, que lista todos os sobrenomes judaicos, inclusive aqueles que desapareceram com o nazismo, e nada de achar o sobrenome do stalin, depois fui a um site de traduções e notei que o que vc. escreveu estava completamente errado, para não dizer adulterado, só ai fui para a wikipedia que alias é a mesma opinião da enciclopedia britanica.............. veja que eu cito as fontes, como vc. não fala georgiano poderia nos brindar com a sua fonte isenta, alias escreva para estes e diga que eles não entendem nada de nada..........................,sabe ragi, o fabiano falou que vc. consegue dar nó em gota d'agua este pelo menos ao perceber que não havia escapatória teve a dignidade de tirar o time de campo..........................agora uma coisa eu tenho certeza, LIMA, é sobrenome de cristão novo, e portanto seus ancestrais foram judeus.....bom fim de semana para vcs.

      Excluir
    3. O meu "tirar o time de campo" se resume em não querer socar o vento, sr. orgulhoso. Tantas abstrações não levam a muita coisa além da perda de tempo.
      Nunca as fontes do Ragi serão aceitas por você e seus pares e vice-versa. De minha parte, já decretei: você e sua trupe insistirão na digressão; eu vou me ater aos 'fatos' impossíveis do 'holocausto'.

      Excluir
    4. Fabiano, eu nego que quase 100 % da revolução russa foi comandada por judeus, alias é uma tática nazista associar o judaísmo ao comunismo,e foi muito empregado na invasão do leste europeu, e serviu para colocar as populações locais ucranianas, da estonia, etc contra os judeus.......quanto a Stalin o que foi escrito acima não têm nenhuma abstração,são fatos e documentados, o tal de ragi não apresentou nenhuma fonte, muito pelo contrário, adulterou a verdade, e digo que Stalin não era judeu, mas pela surra que os russos impuseram a gloriosa wermacht que voltaram da Russia como um bando de mendingos, maltrapilhos, doentes, descalços como ""cachorros perdidos"" bem que poderia ser, seria a glória...........mas infelizmente ele também era anti-semita, mas que foi legal a surra dada a isto foi simmmmm...............

      Excluir
    5. Então, por exemplo, o anuário Humanus é nazista? Boa parte do seu conselho editorial é de judeus.
      Henry Ford, em seu livro "O judeu internacional", listou um monte de judeus que dominavam economias, governos, mídias,... Imagino que você falará toneladas contra ele, que já se provou isso e aquilo, que Ford se retratou, etc.

      Mais uma vez, abstrações, sim! Que tal me mostrar UMA fonte que comprove o holocausto com provas forenses?
      Isto será concreto, real.

      Excluir
    6. Sr. Fabiano,
      bom dia,
      desconheço a anuário Humanus, ficaria grato se puder me ajudar, links seriam bem vindos, o que consegui achar é de Joaquim josé de andrade neto, que de fato não é judeu..............sobre H. Ford, o senhor mesmo já respondeu, lembro que o senhor respondeu que ninguém mais nega que a revolução russa foi 100% judaica, mas de fato nada acrescentou mesmo que tenha um artigo neste sentido no tal anuário Humanus, cadê a prova que ninguém nega?? só falta o sr. dizer que Lenin era judeu!!!.........posso contar uma piadinha, ai vai:

      haviam dois judeus lendo jornais, um deles um jornal da coletividade e o outro ao lado um jornal de extrema direita e anti-semita, do tipo do Henry ford, dai o que estava lendo o jornal da coletividade perguntou para o outro:
      - você não está lendo o jornal errado???
      - não, quando eu leio o jornal da coletividade fico deprimido, é um tal de fulano que morreu, a sinagoga tal precisa de recursos para isto e aquilo, campanhas de arrecadação de fundos para isto e aquilo,.......pelo menos neste jornal todo o dia leio que os judeus dominam as finanças, dominam os meios de comunicação e isto e aquilo e isto me deixa orgulhoso.

      boa piada

      abraços
      Ricardo Mallamud

      Excluir
    7. sr. FAB
      eu não nego nenhum dos dois fatos Holocausto ou a Destruição de Dresden agora como mostrar provas forenses
      na destruiição de Dresden? se ela estava com 1 milão de refugiados vindos do leste se a estimativa mais recente diz em 30 mil mortos? no filme Dresden mostra que toda a cidade foi destruida talvez tenham morrido mais de 600 mil, se até os predios sumiram como estimar um numero preciso?

      Excluir
    8. Vou estancar o assunto nesta pontuação:
      - Nunca crerei que não conseguiu encontrar sobre o anuário Humanus no Google. Porém, um tópico dele: (http://www.samamultimidia.com.br/port/catalogo/art03-reacao-ignor.html) Baseado neste, você consegue os outros?
      - Tirando a imprensa sionista e seus satélites (que não são poucos), a Revolução Russa foi judaica;
      - Você detesta este sítio, mas leia: http://inacreditavel.com.br/wp/raizes-judaicas-de-lenin-sao-expostas-em-moscou/
      - Quando você vai me responder se acredita nas três "impossibilidades holocáusticas" que lhe listei? Se não vai fazê-lo, retribuirei.
      Até lá.

      Excluir
    9. E para o sr. Dorianop:
      - Essas foram as provas forenses de tudo o que se encontrou em Dresden: cinzas que EQUIVALIAM a cerca de 30 mil corpos. Por isso, os vencedores da guerra não aceitam terem assassinado quinze vezes mais covardemente.
      - O número de centenas de milhares de mortos foi calculado pela extensão da destruição, ou seja, a maior parte da cidade, que foi pega totalmente de surpresa.
      - Quanto ao holocausto, você acredita nas três impossibilidades que listei?

      Excluir
    10. Lenin nasceu Vladimir Ilyich Ulyanov (em russo: Владимир Ильич Ульянов) em 22 de abril de 1870 no calendário juliano (10 de abril no calendário gregoriano), na cidade de Simbirsk no Império Russo. Simbirsk, uma cidade rural no Rio Volga a cerca de 1 500 quilômetros da capital São Petersburgo, seria rebatizada em 1924 com a morte de Vladimir Ilyich Ulyanov para "Ulianovsk" em sua honra. Nesse mesmo ano, São Petesburgo seria renomeado como Leningrado.

      Os pais de Lenin foram a professora Maria Alexandrovna Ulyanova e Ilya Ulyanov Nikolayevich. Seu pai, um alto funcionário do governo russo, inspetor das escolas da província de Simbirsk, era um homem extremamente religioso que apoiava as reformas de Alexandre II e aconselhava os jovens a não cairem no radicalismo. Lenin foi batizado em 28 de abril no calendário juliano (16 de abril no calendário gregoriano) em 1870 na igreja local de São Nicolau da Igreja Ortodoxa Russa.

      Fabiano o avô materno de lenim era judeu, mas dai ele ser judeu só mesmo no inacreditável...........vou repetir o que o proud respondeu que achei hilário, para ser judeu basta que:
      ""a vizinha da prima da tia da colega de classe da avô da vizinha do tio de 8 geração da mãe de Stalin é judia e portanto Stalin é judeu............................""
      ainda não me convenceu que a revolução russa foi judaica.........abraços

      Excluir
    11. - A wiki já havia me 'insinado' tudo isso do Lênin, ipsis litteris.
      - Sem dúvida, seu amigo proud também se orgulha de suas inabaláveis 'posições sionísticas'.
      - Tento convencê-lo de alguma coisa tanto quanto você acredita nas impossibilidades 'holocáusticas'.

      Excluir
  16. Quanta babaquice INFANTIL orgulhoso, quer dizer que o sobrenome LIMA é de cristão novo?

    Então seriam também de cristão novo todos os NOMES dados aos LIBERTOS das ESCRAVIDÕES impetradas para que alguém seguidor da SEITA pudesse ganhar uns CARAMINGUÁS?

    Me poupe camarada, esse seu ARGUMENTO é NADA.

    E quanto a questão do COMUNISMO na CCCP foi sim comandado não por 100%, mas por 110% de seguidores da SEITA judaica e ainda por cima EXPORTARAM alguns ASSASSINOS para comandar outros LEVANTES, ou o zeev jabotinsky ERA PACIFICADOR?

    São tipos como esse camarada que TINTARAM o PLANETA AZUL de VERMELHO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr Ragi Lima
      eu não nego que nestas revoluções que tiveram no mundo a participação de judeus foi marcante mas como explicar Mao Tse-Tung Fidel Castro Pol-Pot do Camboja quefez o genocidio o maior do século?
      quem foi Zev Jabotinsky?

      Excluir
    2. Ao Dorianop:

      Respondendo, dentro do possível ás suas perguntas, sobre os líderes comunistas e suas origens.

      Mao Zedong não era judeu nem Pol Pot. Mas eram comunistas fanáticos.

      Quanto a Fidel Castro, segundo o historiador e jornalista mexicano Salvador Borrego – autor da impressionante DERROTA MUNDIAL – tem uma origem parcialmente judaica.

      Zev Jabotinsky (1880-1940) foi o mais radical e violento líder sionista de extrema-direita, do quais Menahem Begim e Ariel Sharom foram fieís seguidores e mostraram que aprenderam muito com o mestre.

      Entre suas declarações e discursos, sempre repletos e ódio e violência em relação aos árabes e palestinos, destaco este:

      “Não cabe pensar em uma reconciliação voluntária entre nós e os árabes, nem agora nem num futuro previsível.
      Todas as pessoas bem intencionadas, salvo os cegos de nascimento, compreenderam há muito a completa impossibilidade de se chegar a um acordo voluntário com os árabes da Palestina para transformar a Palestina de país árabe em um país de maioria judia.
      Tente achar ao menos um exemplo de colonização de um país que aconteceu com o acordo da população nativa.
      Tal coisa nunca ocorreu”.

      A respeito da discussão sobre a origem judaica de Stálin, ainda pairam muitas dúvidas sobre isso. Segundo o mesmo Salvador Borrego, Stálin não era judeu; embora as três esposas que ele teve fossem. No final de sua vida tentou se desvencilhar do poder sionista mundial, tornando-se um ditador independente. Mas não teve sucesso.

      No mais o historiador mexicano confirma, também, as origens judaicas do Marechal Tito, de Lênin, Nikita Kruchev (Nikita Salomon Pearlmutter) além de Roosevelt (descendente da família Van Rosenvelt, provenientes da Holanda no séc. 17) e Henry Truman.

      Espero tê-lo ajudado a esclarecer suas dúvidas.

      José Augusto Landini.

      Excluir
    3. Landini, a descrição da origem de Stalin e do significado do seu 3º nome ser "filho de judeu" (dados pelo Ragi) não procedem?

      Excluir
    4. Fabiano:

      Como eu já postei, pairam dúvidas a esse respeito.

      Só mesmo um erudito em línguas eslavas pode esclarecer em definitivo.

      O historiador Salvador Borrego era pela negativa em relação a uma origem judaica de Stálin.

      José Augusto Landini

      Excluir
    5. Realmente, Landini. Tudo é motivo para mil especulações. A Metapedia inglesa diz o seguinte:

      "Por causa de seu envolvimento posterior com o comunismo marxista, que é um crime amplamente judaico, baseado num movimento político, alguns têm especulado sobre Stalin ter ascendência judaica. Na década de 1930, alguns na diáspora ucraniana afirmaram que "Jughashvili" era, em georgiano, "filho de judeu". No entanto, o nome parece significar aproximadamente "filho de aço", o que faz sentido que ele escolheu 'Stalin' (em russo, "aço"), como seu apelido."

      Considerando isto como verdade, stalin foi apenas mais um 'filho-da-mãe' conivente com a situação para se prevalecer.
      Abraço.

      Excluir