Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


quarta-feira, 12 de junho de 2013

Hipermegainflação!

Amigos e amigas.
Na Alemanha do pós-1ª guerra, a coisa ficou tão feia por lá que muitas situações inusitadas e até dantescas ocorreram.  A inflação chegou a níveis estratosféricos, gerando transtornos inacreditáveis, fazendo os piores momentos da história inflacionária brasileira ser um problema cotidiano.

Dinheiro praticamente não valia nada naquela época. Conta-se uma história onde uma mulher estava indo fazer compras com um carrinho de mão cheio de dinheiro. Ela teria sido assaltada e o ladrão levou... o CARRINHO, despejando o dinheiro na rua. Outra história dizia que, numa determinada época, o trabalhador alemão recebia DOIS SALÁRIOS POR DIA: quando saía pro almoço e quando voltava para casa. Se não fosse assim, o dinheiro não conseguiria suprir suas necessidades. Os desempregados (um percentual significativo) viviam da assistência, de sobras e restos, alguns chegando a caçar ratos, como ocorreu também na Inglaterra, na França e outras partes da Europa nos séculos XVIII e XIX.

Vejam abaixo uma tabela de desvalorização do marco alemão em relação a um dólar. Notem a partir da 5ª linha, que se refere apenas ao ano de 1923, quando a coisa começou a degringolar de vez:

3 de janeiro de 1919 ....................................................... 8,02 marcos
3 de janeiro de 1920 ..................................................... 49,10 marcos
3 de janeiro de 1921 ..................................................... 74,50 marcos
3 de janeiro de 1922 ................................................... 188,00 marcos
3 de janeiro de 1923 ................................................ 7.525,00 marcos
1º de maio de 1923 ................................................ 31.700,00 marcos
1º de junho de 1923 ............................................... 74.740,00 marcos
1º de julho de 1923 .............................................. 160.400,00 marcos
1º de agosto de 1923 ........................................ 1.102.750,00 marcos
1º de setembro de 1923 ................................... 9.724.250,00 marcos
1º de outubro de 1923 .................................. 242.000.000,00 marcos
21 de outubro de 1923 ............................ 40.100.000.000,00 marcos
1º de novembro de 1923 ....................... 130.000.000.000,00 marcos
11 de novembro de 1923 ....................... 631.575.000.000,00 marcos
21 de novembro de 1923 .................... 4.210.500.000.000,00 marcos


Vemos que, num espaço de quase quatro anos, o valor do dólar passou de alguns marcos para trilhões. Mas é nas últimas cinco linhas que podemos ver que o descalabro extrapolou. Nessa situação calamitosa foi que apareceu um soldado chamado Hitler, que lentamente cresceu politicamente e veio a ser eleito chanceler do Reich em 1933. A partir de sua eleição, a Alemanha saiu de uma depressão econômica inconcebível em sua história (como visto acima) para virar uma potência tão destacada que conseguiu sediar a maior olimpíada até então, em 1936, apenas três anos depois de sua posse.

Os seus detratores falam um monte contra esse milagre do Nacional Socialismo. Entretanto, nada muda o fato de que ele liderou o reerguimento de um país totalmente abalado, massacrado e vilipendiado pelos vencedores da 1ª Guerra, tornando-o uma das maiores potências do planeta.

Daí, por mil motivos escusos, veio a 2ª Guerra. Eu ratifico minha posição: a guerra é filha direta e dileta da Mentira. E como decretou o Mestre Maior: "Dai a César o que é de César e a Deus, o que é de Deus". Deus quer a Verdade, a Honestidade, coisas que nunca existem numa guerra. Já "a culpa de César" por aquela insanidade chamada "2ª Guerra Mundial" deveria ser distribuída a seus devidos "donos" porque nunca ela é unilateral. Obviamente, o lado "vencedor" não aceitará nunca essa divisão.

Não existem heróis, lado inocente e Verdade em nenhuma guerra. Esta é a ápice da sordidez e hipocrisia humanas. Dela, só os parasitas saem vencedores. Eles só sabem produzir destruição. E são eles que regem o mundo se utilizando dela. Quando as chagas que ela abre vão se curando, os parasitas fomentam outras para abrirem portas e espaços no seio da humanidade e mantê-la sob seu jugo. Finalizo com as palavras de Augusto dos Anjos:


"O verme é o operário das ruínas
e o sangue podre das carnificinas
come e, à vida em geral, declara guerra."

FAB29

Nenhum comentário:

Postar um comentário