Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


sexta-feira, 14 de junho de 2013

Um sermão interessante.

Amigos e amigas.
Encontrei este sermão do rabino da sinagoga Adath Yisrael que achei merecedor de atenção. Os detalhes do predomínio judeu na sociedade e política americana são marcantes.
FAB29

1994: O rabino da sinagoga Adath Yisrael dedicou o seu sermão do sabbath no centro cultural e político judeu, sediado em Cleveland Park, Washington D.C. aos "grandes" judeus americanos.

"Pela primeira vez na história americana, sentimos que nós, judeus, já não vivemos em diáspora. Os EUA já não têm um governo goyim, mas sim uma administração onde atuam os judeus como sócios do poder decisório atuando em todos os níveis. 

Quem sabe os aspectos da lei religiosa judaica relacionada com o termo 'governo Goyim' devessem ser reexaminados, já que é um termo antiquado nos Estados Unidos. Com efeito, ao que aos judeus diz respeito, o presidente Bill Clinton contribuiu para uma verdadeira mudança no plano da administração, tendo concluído uma série de mudanças que contribuíram para fortalecer o poder dos judeus, um processo que teve início com o Presidente Reagan e o seu Ministro de Assuntos Exteriores, George Shultz. 

A verdade é que a influência política judaica na América também foi um fato nas décadas anteriores. Vimos já um Ministro de Assuntos Exteriores judeu, Henry Kissinger, desfrutando da plena confiança do presidente Richard Nixon. Houve membros de gabinete judeus sob a administração de Carter. No entanto, eram exceções à regra, especialmente aos judeus piedosos, que raras vezes eram designados a participar nos trabalhos no que concernia ao Oriente Médio.

O quadro agora mudou totalmente. Por exemplo: todas as manhãs, por volta das seis horas, carros da CIA deslocam-se até à Casa Branca, com oficiais de altas patentes preparados para apresentar ao Presidente e aos quatro conselheiros superiores, um PDB (President's Daily Briefing) que é o termo mais exclusivo para apresentar informações em Washington. O documento tem entre 5 e 7 páginas, acompanhadas de fotos de satélites altamente secretas, fornecidas pelo Pentágono. Reúnem-se durante a noite os melhores peritos da inteligência americana e analisam telegramas e informações que chegam à CIA, através dos seus agentes em todo o mundo e contêm a mais sensível informação sobre o que se passa no mundo.

O seu caráter particular, comparando com os outros documentos de inteligência americanos, está no feito de que quase sempre se indica a fonte de informação, se se trata de um documento roubado por um espião, de um agente ou "toupeira" que se infiltra nos governos estrangeiros, ou se a informação vem de um toque de satélite.

Se Clinton está em Washington, tem uma discussão curta sobre o conteúdo do documento com os outros cinco destinatários: O vice presidente Al Gore, o Conselheiro de segurança Nacional Anthony Lake, o Chefe de Estado maior da Casa Branca Leon Panetta, o Conselheiro para a Segurança Nacional Samuel Berger e o Conselheiro de Segurança Nacional do Vice Presidente Leon Perth. Dos destinatários, Berger e Perth são entusiastas judeus; alcançaram estes postos que são extremamente sensíveis para a política norte americana e eles não são nenhuma exceção.  No Conselho de Segurança Nacional, sete dos onze cargos superiores são judeus.

Clinton colocou-os no topo das mais sensíveis administrações de Segurança Nacional e Política Exterior. Sandy Berger é o Vice Presidente do Conselho; Martin Indyk, o intencionado embaixador em Israel, é  diretor  responsável pelo Sul da Ásia e Oriente Médio. Dan Schifter é o diretor e conselheiro do Presidente, responsável em África; Richard Steinberg é diretor, conselheiro do Presidente e responsável pela América Latina; Stanley Ross, diretor e conselheiro do Presidente que está a cargo da Ásia.  A situação não é diferente no departamento do presidente, que está cheio de entusiastas judeus. O novo conselheiro da Casa Branca é Abner Mikva.  

A seguir, a lista dos presidentes e gestores de programas:
Ricki Seidman: subdiretor de pessoal;
Phil Leida: conselheiro econômico;
Robert Rubin: diretor de meios;
David Heiser: diretor de pessoal;
Ely Segal: responsável pelos voluntários;
Ira Magaziner: responsável pelo programa de saúde.

Dois membros do gabinete, o secretário do trabalho Robert Reich e Mikey Cantor, responsáveis pela área de acordos comerciais, são judeus. São afiliados de uma longa lista de categorizados judeus no Departamento de Estado, encabeçada pelo chefe dos Assuntos de Paz, na equipe para o Oriente Médio; Dennis Ross, seguido de muitos vice ministros e ainda assim, categorizados como Chefes de Estado Maior das secretarias.
(...)
Adath Yisrael: A sinagoga em Washington não é só um lugar de culto. É uma comunidade judaica central, com um jardim de infância judeu de prestígio, uma escola judia com Judaísmo, literatura, cultura e, por suposto, aulas de hebraico. Aos sábados, há sempre duas sessões separadas de rezas. A primeira é mais extensa atraindo centenas de crentes e que termina com comida bendita na mesa, exibida com bom gosto, com as delicadezas judaicas. Os seus membros pertencem à nata das natas da sociedade de Washington: funcionários hierarquizados da administração, advogados de êxito, homens de negócio muito ricos. Todos são gente rica.

Na próxima semana, no novo ano judeu, as rezas serão feitas por outros judeus que em geral costumam passar os seus fins de semana em clubes exclusivos, nos campos de golfe mais caros, ou cavalgando nos melhores cavalos, ou nas suas dispendiosas casas, perto dos lagos da Virgínia Ocidental, ou navegando nos seus iates privados. 

Na próxima semana, como durante todo o período de férias judeu, as mais caras limousines que se possam imaginar pararão na entrada da sinagoga, para deixarem sair as mulheres elegantes por um lado e, por outro lado, homens mumificados nos seus dispendiosos trajes, seguidos de crianças bem vestidas. O preço da entrada da sinagoga é de 1000 dólares para um só dia de férias.

A enorme influência judaica em Washington não se limita ao governo. Nas Mídias, uma parte muito significativa dos personagens mais importantes e apresentadores dos programas mais populares da TV são entusiastas judeus. Uma parte significativa de responsáveis pelas mais importantes Mídias, redatores de imprensa e analistas são judeus e muitos deles, entusiastas judeus. Muitos deles estão influenciados a favor de Israel, mediante a conveniente assistência destas sinagogas.

O repórter político do AP, Barry Schweid, e a repórter em temas educativos do Washington Post, Amy Schwartz, assistem com regularidade às rezas e aos quais se considera como próximos a Israel, na sinagoga  de Cleveland Park.

Neste contexto, não nos esquecemos do predomínio judeu nas instituições acadêmicas de Washington, nos institutos nacionais de saúde. A percentagem de investigadores judeus é muitíssimo alta em relação ao resto da população. Nos campos da segurança e da ciência, na indústria cinematográfica, na arte, na literatura, a influência judaica só pode ser descrita como imensa, com o correspondente realce do poder judeu."


Fonte: Artigo impresso no jornal israelita "Ma'ariv" em língua hebraica, com o título: "Quem controla o Governo dos EUA?Tradução de Israel Shahak. Encontra-se dentro da base da dados da web Nizkor.


8 comentários:

  1. Olá FAB

    Muito bom mesmo ter divulgado esses nomes.
    É impressionte a forma como por trás da cortina, os judeus têm vindo há séculos a tentar formar o governo mundial, para serem os reinantes... como se autodenominam "o povo escolhido"!!

    Sabia que a Ordem dos Templários foi a primeira tentativa de uma sinarquia financeira mundial? e claro, quem está por trás? Os judeus, é claro!A eles só dinheiro e bens materiais interessa e claro a profecia das suas escrituras... ou seja, acabar com todas as outras raças.


    (...) Durante o resto do século XII, a Ordem cresce em todos os sentidos e se constitui no século XIII em um verdadeiro poder econômico e militar sujeito somente, e até certo ponto, à autoridade da Igreja. Posto que o objetivo oculto das Cruzadas fosse conseguir a Arca da Aliança de Iahweh Satanás com o Povo Eleito, e tal objetivo se tinha conseguido, é evidente que a manutenção da Guerra Santa não tinha outro fim senão fortalecer a Ordem do Templo e a Igreja: as seguintes Cruzadas, em efeito, permitiam aos Papas demonstrar seu poder sobre os Reis e Nobres, e à Ordem do Templo acrescentar suas riquezas. Assim, o papado alcançava seu mais alto grau de prestígio e podia convocar aos Reis da França, Inglaterra ou Alemanha, para “cruzar-se” por Cristo Nosso Senhor e, com sorte, até conseguia eliminar algum potencial inimigo de seus planos de hegemonia européia, por exemplo, como o Imperador Frederico Barbarossa, que jamais voltou da Terceira Cruzada. E enquanto continuava a guerra e o exército do Oriente se aperfeiçoava profissionalmente e se tornava indispensável em todas as operações, a Ordem ia constituindo uma formidável infra-estrutura econômica e financeira: se dizia que aquele poder servia para sustentar a Cruzada dos Cavaleiros Templários, mas na verdade se estava assistindo a fundação da Sinarquia financeira. A Ordem prontamente desenvolveu, sobre a base de suas incontáveis propriedades na França, Espanha, Itália, Flandres, etc., uma rede bancária que operava com o novíssimo sistema das “letras de câmbio” inventado pelos banqueiros judeus de Veneza, e tinha sua sede central na Casa do Templo de Paris, verdadeiro Banco, provisto de Tesouro e Câmara de Segurança. Naturalmente, praticavam a agiotagem com Nobres e Reis, cujos “pagareis” e outros documentos avançadíssimos para a época, se guardavam nas caixas fortes da Ordem. Entre outras responsabilidades se lhes havia confiado a administração dos fundos da Igreja e a arrecadação de impostos para a coroa da França. (...)

    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Fada.
      Grande prazer em tê-la como visitante por aqui. Visitei ontem o "Oficina do Bosque" e fiquei fascinado com o bom gosto, a leveza, o bucolismo dos posts. Tanto que já o recomendei a várias pessoas. É bem difícil eu fazer isto. Acho que estou tão anestesiado com tanto mau gosto e grosserias que grassam pela mídia em geral que pode ser que se reflita num pouco de insensibilidade.
      Tentei colocar um comentário no "Oficina", mas não descobri como. Ele parece diferente da maneira que se faz no meu. Mas registro aqui minha impressão: parabéns pela fineza, graciosidade e beleza do seu aprazível blog.

      Quanto ao seu comentário e texto, nada acrescento por achá-lo sucintamente completo. Sabia que Henry Ford execrava a ganância e usura judaicas (que, na verdade, são sionistas)? Posso lhe recomendar esta leitura?
      http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2011/12/o-humanista-henry-ford.html

      Após este artigo, Ford passou a ser presa preferencial e prioritária dos sionistas.
      Abraços e estejamos sempre em contato.

      Excluir
  2. Oi FAB,

    Começamos aqui com um pequeno desacordo... como o prof. Alfredo Braga me fez ver uma vez, o sionismo é que é fruto do judaísmo e não vice-versa...acho que ele está coberto de razão. Este post dele está um colosso:

    http://alfredobragasobcensura.wordpress.com/2012/05/09/o-paradoxo-judeu/
    Cheguei até ao seu blog através do de Alfredo Braga.

    Que nada!! Esse comentário foi extraído de um livro de mais de 750 páginas. É um livro colossal de alguém que passou uma vida inteira a estudar e a pesquisar para dar um fio condutor à História. Crenças e deidades à parte, os gnósticos têm uma visão arrebatadora da História e do papel nocivo e destruidor dos judeus na História e conseguiram dar-lhes um nexo e um fio condutor.

    Se quiser retirar o livro Mistério de Belicena Villca, acesse aqui:

    http://octirodaebrasil.com.br/Octirodae-Brasil.php

    Há depois outros livros que o complementam de forma magistral como
    Os fundamentos.
    Curioso que tenham um link para o blog de Alfredo Braga também... e de repente o mundo torna-se pequeno! :)
    Fiquei contente por ver que nem toda a gente do mundo sofre de dissociação cognitiva... :)
    Quanto a Henry Ford, eu já conhecia esse artigo, bem como O Judeu Internacional. Como sabemos a quem os Media, a banca internacional e as petrolíferas (ouro negro) pertencem, não foi difícil que ele logo fosse demonizado.

    Há muito que o pensamento único me etiqueta de racista, ao que eu logo contraponho com a pergunta: e os judeus não são? Ficam sem palavras... :)

    Muito obrigada pelas suas palavras, querido FAB, muito me motivam. :)O Oficina não tem mesmo a opção de comentários... de qualquer forma muito grata. Só mesmo um artista! :)... o que me deixa de certa forma orgulhosa! É a primeira vez que alguém se refere a esse meu blogue... :)

    Passarei por aqui e com certeza contactaremos.

    Um grande abraço deste frio norte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga Fada.
      - Talvez tenha me expressado mal em algum ponto, pois eu concordo com você e o grande Alfredo sobre sionismo ser fruto do judaísmo. Este é ancestral enquanto o primeiro não é nem adolescente.
      - Realmente, "O paradoxo judeu" é um primor.
      - Olharei o "Mistério de Belicena Villca". Grato.
      - Pra nossa sorte, ainda há milhões de seres minimamente conscientes, racionais e acessíveis. Mas a quantidade de alienados e comodistas cresce assustadoramente.
      - Por aqui, me etiquetam de muitas podridões, cara Fada. Até de racista. Mas judeu não é raça e, além disto, eu não contesto a etnia em si; só os corruptos e corruptores.

      Foram palavras de coração aberto. Nunca faço elogios gratuitos. Minha mãe me ensinou: "Se você não tem nada de bom, útil, agradável ou verdadeiro para dizer, fique quieto."

      Abração desde este tépido sul.

      Excluir
  3. Poderia passar o link do original em inglês?
    Obrigado,
    Jorge Luiz - RS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Facílimo:
      http://www.thephora.net/forum/archive/index.php/t-2990.html

      Caso queira ver mais originais da influência judaica nos EUA:
      http://jewknowledge.weebly.com/the-jewish-israel-lobby-in-the-us.html

      Excluir
  4. Eu sabia. É Hamed Rami a fonte.
    Até a próxima, pois você ainda está brincando. Você não é sério.
    Obrigado de qualquer forma.
    Jorge Luiz -RS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sua parcialidade é tão bufa que beira o grotesco. Não deixa nada a dever à dos vermes virtuais que tentam empestar meu blog.
      Qualquer mente bem sadia vê que a fonte é o primeiro link, o historiador judeu Israel Shahak, que traduziu do jornal israelense Ma'ariv um sermão de um rabino.
      O segundo link nada mais é do que um adendo que acrescentei de fontes originais diversas que o Hamed Rami APENAS COMPILOU e publicou, já que a vendida grande mídia nunca o faria e, por isto, nunca saberíamos.

      Mas você considera sério isto:
      "Quem quiser ver uma demolição completa do negacionismo do Holocausto procure no google o “Nizkor Project”. Só não digo que o reduz a pó porque nem isso sobra. Jorge Luiz - RS."
      Já escarafunchei o "demolidor" e afirmo sem medo: ele parece sua parcialidade.

      Excluir