Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


terça-feira, 2 de julho de 2013

Boechat solta o verbo

Amigos e amigas.
Segue um vídeo que mostra alguns momentos contundentes de uma entrevista do Ricardo Boechat um ano antes das manifestações que grassaram pelo Brasil. Quis também colocar o vídeo inteiro para que conheçam um pouco da biografia dele por ele mesmo. 
Sem papas na língua, nem pejos, nem peias, falando e expressando sua revolta com esse estado de coisas nefasto que se metastizou no país, ele mostra que todo cidadão de bem deveria sair do seu comodismo e a todo instante, por qualquer coisinha errada, botar a boca no mundo.
Passividade, nunca mais!!
FAB29


2 comentários:

  1. Caro Fab29

    Acredito que o Boechat foi uma das peças mais nocivas do telejornalismo, e a razão é a seguinte.
    Ele sempre me intrigou por ter uma posição muito semelhante a minha apesar de trabalhar para EXCREMENTOS, e receber muito bem por isso.
    O que percebo é que ele nunca se atentou para qual era o verdadeiro papel dele no mundo jornalístico.
    veja que ele sempre fez o papel da excessão que confirma a regra, ou seja, com aquele jeito de falar sem papas na lingua ele criou legitimidade na mais medonha arma de manipulação de massas, o jornalismo!!
    Se observar pela minha postura, isso é absoluto, pois eu acreditava em Boechat e isso me obrigava a "aceitar" os outros que nada amis eram do que excremento!! Hoje o Kajurú faz esse papel.
    Entendo como um deserviço, pois graças a um decente se legitima uma organização criminosa!!
    O mesmo método é utilizado no congresso e no poder judiciário, e acabamos "acreditando" em salafros papagaios de pirata de decentes!!
    Não posso concordar com um correto que se deixou usar por uma organização salafra, e Boechat fez isso!!
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apesar de ter uma opinião muito semelhante à sua, caro Vapera, devo lembrar-lhe uma letra do Raul: "Quando se quer entrar em buraco de rato, de rato você tem que transar".
      O jornalismo serve aos donos da carne podre, é dito e sabido, público e notório. A política é a mesma coisa. Mas creio haver muitas pessoas das duas classes que merecem um tanto de confiança e respeito, que conhecem e sentem na pele todo o tipo de iniquidade e se veem impotentes, cerceados e impedidos de fazerem tudo o que acham certo. O que não pode é hipocrisia: na tv, mostram-se indignados; por trás, se locupletam. De novo, Raul: "Dizem que é otário aquele que confia. E é tão difícil confiar em alguém."
      Afinal, se formos dizer que todo jornalista e político não presta, por que continuamos a aceitar e financiar a existência deles?
      Você disse: "pois eu acreditava em Boechat e isso me obrigava a "aceitar" os outros que nada amis eram do que excremento!!" Eu penso que só temos a obrigação de aceitar o que achamos correto. Qualquer coisa (sem exceção) que saia dos nossos parâmetros de correção pode e deve ser excluído.
      Abraço.

      Excluir