Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 15 de julho de 2013

"Copérnico errou" revisitado

Amigos e amigas.
Uma das teorias mais fascinantes é a Heliocêntrica, de Copérnico. Lá no início do século XVI, ele solapou a teoria Geocêntrica, de Ptolomeu, dando uma explicação melhor sobre a Terra em relação ao sol. Sua teoria é quase unanimemente aceita como fato notório. Seria, então, inquestionável.

Porém, dizem que a única "prova" que atesta essa teoria é a viagem à lua. O problema é que eu não creio que o ser humano tenha chegado à lua, como escrevi aqui:
http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2011/12/voce-ja-foi-lua-o-homem-tambem-nao.html

Mas, peço que leiam atentamente esse texto abaixo sobre uma verdade (não teoria) que o ser humano conhece há milênios e conversarei com vocês em seguida:

“O planeta Vênus era muito observado pelos índios brasileiros por ser, depois do Sol e da Lua, o objeto mais brilhante do céu e ERA UTILIZADO PRINCIPALMENTE PARA ORIENTAÇÃO, por ser visto pouco antes do nascer ou logo após o pôr-do-sol, sempre próximo ao Sol. Eles pensavam que se tratava de duas estrelas que apareciam em períodos diferentes: a estrela matutina (que chamamos Dalva) e a estrela vespertina (que chamamos Vésper), cada uma delas ficando visível CERCA DE 263 DIAS.(...)
A cada dia Vênus se afasta um pouco mais do Sol até alcançar sua máxima altura no céu da madrugada quando é visto por mais tempo. Mesmo em sua máxima altura, Vênus é visto sempre próximo ao horizonte. Então, ele parece voltar, dia após dia, na direção do Sol, ficando visível ao amanhecer, cada vez por menos tempo. Finalmente ele faz sua última aparição matutina, desaparecendo mais uma vez no clarão do sol nascente. TODOS OS DIAS, DURANTE ESTE PERÍODO, Vênus parece anunciar fielmente a chegada do Sol. De sua primeira aparição à última como estrela matutina, o planeta Vênus leva, em média, 263 dias.
Depois de várias semanas desaparecido, em média 50 dias,ELE REPETE O PROCESSO surgindo, desta vez ao entardecer, próximo ao ponto do pôr-do-sol.
Desta vez Vênus age como uma estrela vespertina, se afastando a cada dia mais do Sol até atingir sua máxima elongação e depois retornando até desaparecer do lado oeste ao pôr-do-sol. Desde a sua primeira aparição até última, como estrela vespertina, ele leva em média 263 dias, o mesmo tempo que leva como estrela matutina

Adendo: Aqui, encontrei esta 'explicação': "O brilhante planeta Vênus pode aparecer-nos como Estrela da Manhã (surgindo no céu matinal antes do nascer do Sol) ou como estrela vespertina (junto do Sol quando este se põe). Após uma conjunção inferior (quando está entre a Terra e o Sol, em movimento aparentemente retrógrado), Vênus emerge como estrela matutina, voltando ao movimento direto durante 263 dias; depois, viaja por detrás do Sol durante 50 dias, executa uma conjunção superior (quando está escondida pelo Sol) e surge como estrela da tarde, permanecendo assim por outros 263 dias. Desaparece então durante cerca de uma semana, enquanto passa diante do Sol, cujo brilho a oculta, e repete todo o ciclo." Confesso que não me ajudou em nada.

A partir destes fatos, passei a ter dúvidas sobre as órbitas dos planetas. O período de translação de alguns planetas é o seguinte:
Vênus: 225 dias;
Terra: 365 dias;
Marte: 687 dias;
Júpiter: 4332 dias.

Vejam essa ilustração abaixo:


Tentarei expor mais claramente minha dúvida. O texto inicial sobre Vênus mostra que ele praticamente não altera sua posição no espaço junto ao horizonte. E isto, num período de 263 DIAS! Se existem as órbitas, baseando-se na ilustração acima, em MEIO ANO VENUSIANO (cerca de 112 dias),  a posição de Vênus já seria bem diferente. Ele já estaria sensivelmente mais deslocado da sua posição inicial, além de estar bem mais longe. Após um ano venusiano (225 dias, portanto, DENTRO DO SEU PERÍODO VISÍVEL), essa discrepância posicional seria bem mais acentuada. Até que distância ele ainda seria visível?

Mais ainda: quando ele retornasse do seu sumiço temporário de 50 dias (que, somados aos 263 dias como Estrela Matutina, seriam 313 dias), Vênus viraria a Estrela Vespertina. Aí, eu fico mais confuso ainda. Nesse momento, a Terra nem teria completado sua "órbita" e Vênus já estaria quase 90 dias dentro da sua segunda "órbita". Como seria possível Vênus ser visível?.

Vejam como ficariam suas posições após esse período:

Vejam esse modelo teórico das órbitas dos planetas:



Ouvi dizer que essa visibilidade tem a ver com o campo de visão, a refração e o ângulo de paralaxe, mas não consigo atinar como isso compensaria tanta discrepância. O fato é que eu continuo crendo que Copérnico errou, não por má fé, mas por não ter tido nenhum subsídio ou instrumentos adequados para provar suas observações muito pertinentes, porém, sem condições de serem reais, a meu ver.

Então, se a teoria Heliocêntrica não for possível, qual seria a correta? Passo essa dúvida aos mestres astrônomos, físicos e matemáticos. Eles têm como formular com bases mais sólidas uma nova teoria que viraria uma lei da Física, coisa que a teoria de Copérnico não se tornou até hoje.
FAB29.

Adendo (08/09/2015): "Quando Vênus está mais perto da Terra, ocasião em que apresenta fases parecidas com a Lua Crescente ou Minguante, o planeta fica sempre muito brilhante e pode ser visto até mesmo com o céu ainda escurecendo ou clareando", de acordo com Dulcidio Braz Jr. "Basta procurar um pouco acima do horizonte oeste, onde o Sol acabou de se esconder (se for no entardecer), ou pouco acima do horizonte leste, onde o Sol vai nascer em breve (se for ao amanhecer)", ensina." 
http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2015/09/08/clique-ciencia-por-que-e-comum-observarmos-venus-ao-lado-da-lua.htm


O problema é que ninguém diz a periodicidade e nem por quanto tempo o que destaquei acontece. Se as órbitas ocorrem como demonstrei nas imagens, seria uma vez a cada quase dois anos terrestres e por um período muito curto. Porém, no início do texto do link, é dito que Vênus e a Lua "podem ser vistos juntos com alguma frequência por quem costuma observar o céu."

18 comentários:

  1. Boa tarde Ludy,

    Sabe companheiro o fato nem é o neil armstrong, ou o buss aldrin o IMPORTANTE É SABER O NOME DO JAPONÊS QUE FICOU FAZENDO A FILMAGEM COM AQUELA PEQUENA CÂMERA TK 140 É COMO NO CASO DO ZEZINHO O GERENTE GERAL DO EGITO NINGUÉM RELATOU O NOME DELE EM LUGAR ALGUM DAS ENORMES PIRAMIDES, TAL QUAL O nosso primeiro homem na lua o JAPONÊS CÂMERA MAN...

    Esses estadunidenses são uns ingratos, só pelo fato do cara ser japonês não deixaram que o mesmo ficasse para a POSTERIDADE.

    Quem é o CÂMERA MAN?

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Ragi.
      Essas "viagens à lua" são fábulas impostas pelo império sionista/estadunidense. A teoria Heliocêntrica foi uma boa ideia do Copérnico que precisa continuar a ser imposta como verdade, senão essas "viagens" cairão por terra. Afinal, os físicos e matemáticos fizeram milhares de cálculos astronômicos para acertar a "trajetória" do foguete baseados na translação.
      Abraço.

      Excluir
    2. Em 1969 já existia o cinemascope, existia tecnologia avançada em filmagens e os caras forma a lua e não mandaram o suprasumo das fotos e filmagens??
      E se os vermes fizeram tudo em cores, qual a razão dos excrementos esconderem as cores?
      E o mais escatológico, porque precisamos dos artigos interneticos para nos darmos conta disso?
      A razão é simples, nunca descreditamos os vermes "doutores" por força das regras catedráticas, se negadas, a fogueira aguarda!!
      Pela mesma razão ninguém nunca se toca que imposto é ROUBO.
      Pois alguma organização tomar nosso suor com força de lei inventada por ela própria só tem de legítimo o cinismo!!
      Somos todos zumbis hipnotizados por excrecências que se entendessemos, os dominantes seriam exterminados, tanto judeus quanto deus!

      Excluir
  2. Mas não era a tal da corrida espacial? E por que o perdedor não reclamou da fraude tão evidente?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esta e dezenas de outras questões esbarram (ou se respondem) no poder de intimidação do império sionista/estadunidense.
      Qual seria o tamanho do vexame e do descrédito se o mundo soubesse que tudo não passou de uma patacoada? Não há a menor possibilidade deles arredarem o pé de suas mentiras (inclua-se 2ª guerra, Vietnã, 11 de setembro, etc).
      No caso deste post, não se trata de mentira, mas apenas de uma falha de conclusão de observações muito pertinentes do Copérnico. Essa falha só está sendo mantida por esse detalhe que frisei no início do post.

      Excluir
    2. É dividindo que se conquista, a fraude não é contra governos (eles são sempre as mesmas imundícies, os mesmos organismos), é contra os cidadãos, os gentios!!

      Excluir
  3. http://www.showdalua.com/terra1509.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já visitei bastante esse sítio. Tem muita coisa legal, correta, apesar de alguns exageros ou falhas de análise.
      Mas vale a visita porque mais acerta do que erra.

      Excluir
    2. "COLOQUEI OS PLANETAS ENFILEIRADOS..."
      Caro FAB29, quem enfileirou os planetas, e quem é o autor do gráfico com as bolinhas coloridas?

      Excluir
    3. O gráfico é meu.
      Não me esmerei em fazê-lo com qualquer precisão porque tem a simples função de visualizar minha ideia de como a posição dos planetas se tornariam discrepantes com a posição real de Vênus no céu no decorrer de 263 dias seguidos.

      Excluir
  4. Se a teoria de Copérnico está errada, como vc e o Davino Servidio explicam a sonda que está em Marte, tirando fotografias do planeta? O cálculo de sua trajetória foi feito segundo a teoria das órbitas elípticas em torno do Sol... isto sem contar que as órbitas de todos os planetas obedecem à lei de Kepler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Carlos.
      A nasa também afirma que usou esses mesmos cálculos para suas viagens à lua. Palavras, o vento leva. Papel aceita qualquer coisa. Cada um tem sua opinião. E etc.

      No caso da minha contestação, eu me fixo no planeta "dedo-duro" Vênus, cuja posição REAL no céu desdiz a TEORIA de Copérnico que, repito e friso, é sensacional, muito bem raciocinada e racionalizada. Porém, não condiz com a realidade.

      Eu creio totalmente que exista algum tipo de movimento planetário, mas a translação não encaixa com o que vemos.
      Abraço.

      Excluir
    2. Caros,
      Esses artigos podem facilitar o entendimento

      http://www.astro.iag.usp.br/~gastao/Retrogrado/retrogrado.html

      http://astronomy-universo.blogspot.com.br/2010/04/movimento-retrogrado-de-venus.html

      http://eternosaprendizes.com/2009/04/24/qual-a-razao-do-movimento-retrogrado-de-venus/

      Vale uma lida.
      Abraços

      Excluir
    3. Lembro-me de já haver lido sobre movimento retrógrado de Vênus sobre o qual meu irmão havia comentado há muitos anos.

      Um belo mistério do universo que não me auxilia a entender como Vênus pode ser visto após 313 dias (soma do seu período como Estrela Matutina e os dias que ele "some"), como mostrado no 2º desenho do post.

      Além de ficar com o sol entre ele e a Terra, sua distância de nós seria de uns 260 milhões de quilômetros. Impossível de ser divisado no céu.
      Abraço.

      Excluir
  5. Caro FAB,

    Na observação "vespertina" temos que lembrar que quando Vênus é visto tanto ao amanhecer quanto ao anoitecer é quando ele está mais próximo do sol, ou seja, mais próximo em sua órbita ao redor do sol relativamente a um observador da Terra e seu respectivo ângulo de visão.
    Tanto é que em determinados anos, onde o Venus está na frente do sol (em relação a nós na Terra), ele brilha fabulosamente e quando em outros anos está "atrás" do sol, o brilho é mais patético.
    Quando venus desponta de manhã, ele está começando a sumir abaixo do sol no poente.
    Ele sempre é visível por nós em tese, só some quando o sol fica na frente dele, o círculo (órbita) que ele faz é menor do que o círculo que nós fazemos, é como se sempre olhassemos de cima! Vemos a órbita quase perfeita dele se tirarmos (de um satélite em posição fixa em relação ao sol, o soho por exemplo) uma foto por dia.
    Só há possibilidade de um planeta sumir se o movimento orbital dele for mais amplo ao ponto de "sangrar" no hemisfério oposto ao nosso, ou seja, só se o planeta orbitar de forma excêntrica o suficiente para cruzar o céu de norte a sul! De outra forma TODOS os planetas serão sempre vistos salvo se atrás do sol ou eclipsados por outro planeta.
    Vai haver uma "aceleração" do movimento de venus de mais ou menos 30%, é a diferença de tempo de circuvolução da Terra e de Venus.
    Essa diferença de circuvolução faz com que em um dado momento temos a impressão de que o planeta está girando voltando, é o momento em que ficamos emparelhados no mesmo "arco setor" das órbitas e por força de diferentes velocidades lineares e angulares acabamos ou passando a frente ou sendo ultrapassados e isso gera uma ilusão de ótica de um loop do planeta.
    Se o movimento do planeta for retrógrado vai haver um atraso
    O mesmo acontece com mercúrio, nunca sai do por e do nascer do sol.
    Já júpiter, e marte (os dois planetas vermelhos no céu) tem uma órbita maior do que a nossa, logo eles são avistados bem longe do sol quando em posições distantes (aparentemente) do sol e só somem quando estão atrás do sol, mas isso acontece raramente pois os tempos orbitais são maiores.
    Não sei se sua dúvida foi explicada mas para a observação planetária é fundamental a observação e nós citadinos não estamos em locar coerente para tal observação.
    Não, não foi mero acaso as luzes das cidades eclipsarem a visão dos astros, os astros contam coisas que os dominantes querem ocultar.
    Observo que existe uma razão e proporção nas posições planetárias, e o estudo dessa lógica foi feito por Titius(pelo nome é judeu, tietz, latinisado, titius) e Bode, é a famosa lei de Bode, e nessa lei os planetas estão distantes entre si com uma razão que diz que quanto mais perto do sol, menor as distâncias e quanto mais longe maior as distâncias.
    Segue uma progressão quase fibonacciana.
    Alguns a negam, outros a endossam, eu pessoalmente acho-a pertinente independente das discrepãncias.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Resumindo, prezado Vapera: a minha dúvida sobre a realidade do planeta Vênus permanecer visível por 263 dias seguidos praticamente na mesma posição celeste não procede?

      Os desenhos que fiz (principalmente o segundo) baseados na TEORIA heliocêntrica não batem de frente com tal realidade?

      As distância e posição que Vênus ficaria no início do segundo ciclo (como mostro no segundo desenho) não demolem a teoria do Copérnico?

      Suas colocações foram muito racionais, científicas, mas confesso que em nada me esclareceram sobre tamanhas discrepâncias.

      Excluir
    2. Caro FAB,
      Analise sob a ótica da distância, sua distância para o sol é 1UA (unidade astronômica, que tem como medida a distancia Terra/Sol,
      Vênus está a mais ou menos 0,5 AU, para entender melhor se coloque a vinte metros de alguma coisa como 20 metros de diâmetro (se vênus orbita em 0.5 UA, as duas extremidades radiais de posições opostas de órbita tem 1 UA) e verás que tens a visão total, e não precisas sequer mover a cabeça ou os olhos para abarcar a visão.
      Não sei se os giros orbiatis procedem, eu acho que não, mas o que sei é que se observarmos o céu durante um ano, veremos confirmar o que digo aqui.
      Sugiro a leitura do livro de Dino Kraspedon, é uma leitura até bizarra, mas dá uma sugestão de mecânica celeste que merece ser lida.

      Excluir
    3. Tal análise da ótica da distância, prezado Vapera, já me fora dada e achei muito legal. Mas por favor: atente ao 2º desenho do post.

      Após 263 dias como Estrela Matutina e os 50 dias de "sumiço" (total de 313 dias), Vênus "vira" Estrela Vespertina. A partir daqui, ele fica outros 263 dias visíveis no horizonte anunciando o pôr-do-sol.

      Mas VEJA no desenho as posições em que ele e a Terra estão no início de mais esse ciclo. ESTÃO EM LADOS OPOSTOS COM O SOL NO MEIO!

      Daí vem minha maior dúvida: se as órbitas existissem, seria possível enxergar Vênus como de fato o é?
      Abraços.

      Excluir