Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


domingo, 17 de novembro de 2013

Fingição

Amigos e amigas.
Em 2002, o jogador Vampeta, então no Flamengo, proferiu uma frase tão mordaz quanto célebre: "O Flamengo finge que me paga e eu finjo que jogo." Se pensarmos bem, isso serve para mil coisas:

- Os políticos fingem que cumprem suas funções dentro da lei, sem nepotismos, apadrinhamentos, desvios, conluios, legislação em causa própria, etc, dizendo serem merecedores de todos os seus subsídios e verbas; e a população, sabendo que "não é bem assim", finge que se revolta;

- Os governos fingem que os extorsivos impostos e encargos são utilizados em benefício da população em saúde, habitação, segurança, educação, etc; e a população, recebendo apenas sobras e resquícios desses benefícios, finge que se revolta;

- O sistema de saúde público finge que está a postos para tratar indiscriminadamente todos os pacientes; e a população, vendo-o se deteriorar há décadas, chegando a níveis calamitosos e causando mil transtornos, sofrimentos e mortes, sentindo isso na pele e definhando, finge que se revolta;

- A polícia finge que garante a segurança das cidades (mesmo com um aparelhamento pífio, defasado e  pouco pessoal) e que trata a todos indiferentemente (rico, pobre, claro, escuro, etc); e a população, oprimida e insegura, à mercê da bandidagem, do tráfico e da violência, finge que se revolta;

- A Educação finge que é universal, engrandecedora, producente, abrangente, profunda, preparadora; e a população, vendo-a em frangalhos, desvirtuada, com profissionais desmotivados, humilhados, com escolas e material didático impróprios e decadentes, finge que se revolta;

- A indústria finge que seus produtos são da qualidade dos seus comerciais (muito resistentes, eficientes, testados, garantidos, etc). Sendo a de alimentos, finge que são de alto nível, tão saudáveis quanto saborosos, naturais, com um mínimo de adulteradores, conservantes, acidulantes, espessantes, etc; e a população, poluída de corpo, mente e alma, finge que se revolta;

- Os medicamentos fingem que solucionam todo o possível dos nossos males; e a população, debilitada, depauperada, dependente e viciada em muitos deles, padecendo de um monte de efeitos colaterais que causam reações piores que a doença em si, finge que se revolta;

- As mídias fingem que informam com honestidade, que são pluralistas, laicas, justas, imparciais, que têm compromisso com a sociedade, a verdade e a justiça; e a população anestesiada, alienada e hipnotizada por tudo o que é tipo de lixo e deturpações bem montadas, recicladas, com uma fachada de seriedade e/ou beleza, finge mais ainda que se revolta.

Tantos outros exemplos em cada nível ou detalhe de nosso cotidiano que qualquer um pode exemplificar. O fato é este: assim como o político vive de sua imagem (afinal, é nela em que o povo vota), a sociedade não precisa, mas se mantém por aparências. Nós nos revoltaríamos de verdade se o fato de incontáveis animais que padecem cruelmente e morrem para termos medicamentos e cosméticos fosse amplamente divulgado. Paul McCartney disse: "Se as paredes dos matadouros fossem de vidro, a humanidade seria vegetariana";

A revolta se intensificaria se víssemos como são produzidos os alimentos (enlatados, embutidos, envasados, etc); se fosse o tempo todo divulgado que, em mega indústrias, milhões (especialmente crianças) trabalham como escravos ou são usadas como cobaias, "doadoras" de órgãos ou sacrificadas em rituais demoníacos. E tantas outras milhares de coisas que nos escondem, nos omitem, nos enganam descaradamente.

Mas o povinho (grande maioria da humanidade) está sendo "muito bem" cuidado para não se conscientizar desses e milhões de outros "detalhes" pouco ortodoxos. Todo o processo sujo, cruel, cruento, insensível, desumano, impiedoso, etc, que sustenta a humanidade nesse limbo de falsidades e aparências é escondido a qualquer custo justamente para evitar a revolta, uma revolução sem precedentes, a verdadeira demolição de uma mansão condenada e apodrecida, mas que com uma fingição bem posta e constantemente renovada, continua a passar por habitável.

Não perco a esperança disso tudo e bem mais finalmente passar a ser conhecido e gradativamente alterado para um estado de coisas mais digno. A guerra tácita contra os supremacistas precisa ser intensificada e abranger o maior número possível de pessoas. Eu não pararei.
FAB29

12 comentários:

  1. Grande Ludy,

    Fingir é o que o povo que se diz eleito mais sabe fazer, um exemplo classíco é o apelido que eles usam o tal semita...

    O que é semita?

    Quem é semita?

    Responda algum dos que por ventura passarem por aqui, mas deverá ser sem a ajuda da FÁBULA judaica...

    Quero ver se podem LIMPAR esse BATON na CUÉCA...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cruel e (pelo jeito) eterna dúvida, caro Ragi.

      Excluir
    2. De Golda Meir

      -"Nunca aceitei a ideia de que o povo judeu é o povo eleito por D'us. Parece-me mais razoável acreditar que os judeus foram os primeiros na história a eleger D'us - e isso foi uma ideia realmente revolucionária".

      Excluir
    3. A soberba chegou ali e fixou morada.

      Excluir
  2. Arthur Brasileiro Judeu e Sionista18 de novembro de 2013 11:58

    Artigo no jornal o Estado de São Paulo, ""Extrema direita europeia articula aliança liberal"" trata da tentativa de união da direita para o parlamento europeu, entre as bandeiras comuns estão o protecionismo, o anti-islamismo - mas não o anti-semitismo, sendo até pró ISRAEL - as politicas anti-imigração e a luta pelo fim da U.E...........................muito bom, vamos ver no que vai dar..........

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ô mascate o que esse semitismo que você diz ai?

      O que semita?

      Quem é semita?

      O MUNDO quer saber...

      Excluir
  3. Até certo ponto uma pálida radiografia da situação nacional, só não consigo ver onde o rabinato demoníaco se encaixa...

    Ainda mais, sabendo que 80% das mazelas atuais são de responsabilidade do "governo", que trabalha de forma incansável para bagunçar o coreto do povo.

    MFF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não escrevi esta "pálida radiografia" (que mereceria um tomo de mil páginas) acusando especificamente grupo ou etnia. É uma crítica a tudo e a todos (inclusive ao povo) que ativa ou passivamente contribui com a degenerescência do mundo.

      Quem manda nos 'governos democráticos' do mundo? Você será burlesco de dizer que eles são autodeterminantes?

      Excluir
    2. Burlesco é lutar contra moinhos de vento e evitar o confronto direto com os responsávei por nossas mazelas.

      Ex: Votar nos mesmos incompetentes e imaginar que uma conspiração é responsável pela inoperância destes.

      MFF

      Excluir
    3. Portanto, você combate os sintomas, ignorando a doença. Conivência.

      Nas "democrassias" do mundo, pode-se trocar quantos forem quantas vezes se quiser ou puder. O câncer que manieta e manipula os fantoches não muda. Não é "moinho de vento".

      Bom saber claramente o que você defende.

      Excluir
    4. Eu defendo medidas efetivas: protesto nas ruas e nas urnas, seleção e renovação da malta política. Não é possível que 100% dos que se prestam a governar, sejam corruptos.

      Mas estou curioso em relação ao que tu estipula em relação à mudanças.

      MFF

      Excluir
    5. MFF, hj praticamente só existe o pensamento único no meio político, econômico, midiático, cultural e histórico.

      Cobalto.

      Excluir