Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Sabemos. E daí?

Amigos e amigas.
Sabemos que a política do mundo é controlada pela elite financeira mundial, obedecendo fielmente a todas as suas diretrizes, comandos e desmandos; que suas prioridades são legislar, julgar e governar em causa própria (a dos comandantes).



Sabemos que essa mesma elite oculta da humanidade incontáveis informações úteis em todos os níveis da vida, como curas de doenças, tecnologias, aprendizados, etc.

Sabemos que, no lugar de desenvolver a humanidade como um todo, a elite solapa sempre e cada vez mais a massa ignara (95% dos seres humanos) para manter sua supremacia.

Resultado de imagem para alimentos industrializados
Sabemos que a maior parte dos alimentos industrializados (cheios de corantes, acidulantes, conservantes, etc) causam males a médio e longo prazo; que grande parte dos medicamentos tem baixa eficácia para o que propõe resolver, além de causar dezenas de efeitos colaterais e, muitas vezes, viciar; que a saúde pública é sucateada e vilipendiada, seus recursos são constantemente desviados e seus profissionais, massacrados em todos os sentidos, fato que gera o descaso e leva a população a constantes e excruciantes padeceres físicos e emocionais.

Sabemos que os banqueiros nada mais são do que usurários, gerenciando o capital, fruto do trabalho assalariado, a juros compostos extorsivos (beirando os 15% ao mês, quando as mais rentáveis aplicações não geram nem 5%).

Sabemos que os encargos para quem produz e os impostos visíveis e invisíveis (embutidos em cada produto, desde um clips até um avião) corroem covardemente o setor produtivo, fazendo com que mais de um terço do nosso trabalho anual seja só para pagá-los.

Sabemos que o "aumento" salarial anual baseado na inflação inventada e controlada pela citada elite financeira não repõe nada das perdas acumuladas durante o ano devido à constante majoração hipócrita e sórdida dos preços de tudo (muitas vezes, com picos momentâneos, gerados sob a desculpa de alguma situação do tipo seca ou epidemia).

Sabemos que a produção de todo tipo de drogas é falsamente combatida; que o tráfico nada de braçada no mundo e dita suas regras e influências, mancomunado com governos e sociedades secretas metastizadas em todas as formas de sociedades civis; que as "drogas lícitas" (cigarro e álcool) corroem e destroem uma pessoa e quem estiver junto a ela da mesma forma que as ilícitas.

Sabemos que muitas teorias e "verdades notórias" nos são impostas diuturnamente para nos manter medrados, desconfiados, alienados, impotentes,... Todas elas tem um fundo (bem fundo) de correção, justiça e lógica, mas nenhuma comprovação. Exemplos: as teorias da Evolução, Heliocêntrica, da Relatividade, Quântica; o holocausto da 2ª Guerra, a ida do homem à lua, a construção das pirâmides, o 11 de setembro, o aquecimento global com o "buraco" na camada de ozônio, as epidemias de gripe suína e aviária,...

Sabemos que as Artes (especialmente a Música e a Literatura) são corrompidas em suas essências para imbecilizar, banalizar e subverter tudo o que for sadio, belo, grandioso e desenvolvedor de uma mentalidade lúcida e uma espiritualidade universal.
Isto não é exceção; é a maioria do ensino público
Sabemos que o ensino público é inócuo e alienante, cevado na desorientação e na "decoreba", evitando o quanto for possível a análise, o debate, a elucidação de dúvidas prementes, a socialização, a Moral e o Civismo; que o material didático (quando existe) é pervertido na sua função precípua de maximizar o potencial dos alunos; que as escolas há muito são encaradas e utilizadas por muitos pais como "alívio", "descanso pra cabeça", "um tempo de paz e tranquilidade"; que os professores têm cada vez mais suas autoridade em sala de aula e liberdade de lecionar atadas e reduzidas a uma cartilha sórdida de obediência a normas e critérios escusos que não permitem que eles adaptem suas matérias às necessidades específicas de cada classe e limitam sua necessidade de manter a disciplina de acordo com cada situação (Certa vez, resumi isto numa frase: "O aluno pode; o professor deve.")

Sabemos que nenhuma forma de governo prioriza o povo. A que mais se traveste de popular (democracia) não passa de um amontoado de todo tipo de inúteis: "ixpertos", despreparados, incompetentes, inoperantes, corruptos, hipócritas,... Que os poucos idealistas, justos, honestos e progressistas que se elegem se perdem nesse antro de nulidade, descaso e autopromoção.

Sabemos!!... Mas continuamos a seguir (bovinamente ou sob protesto, como eu) todas as diretrizes que a Nova Ordem Mundial "oferece" à humanidade. Malfadada sina!...

Precisamos o quanto antes utilizar aquele egoísmo que prioriza o bem estar próprio e dos mais próximos que são partes integrantes de nossas vidas. Com isso, nosso nicho estará protegido, saudável e propício para evoluir e, quem sabe, "contaminar" os que estiverem associados a ele.
FAB29

domingo, 29 de dezembro de 2013

Morte, Saudade e Solidão

Amigos e amigas.
Resolvi publicar mais esta "Poesia Tridimensional" de três temas conseguintes. Lendo-as separadamente, a primeira fala da perda (morte) e a segunda, da sua consequência (saudade). Ao lê-las conjunta e correntemente, desemboca-se no terceiro tema (solidão). Por haver várias possibilidades de leitura, a pontuação e a entonação ficam a cargo do leitor.

Sermos sós é nosso destino. É o fato de sermos indivíduos ("Somos sozinhos nessa multidão") do início ao fim da vida. Bem disse Quintana: "Não somos metades! Somos inteiros, dispostos a dividir objetivos comuns, alegrias e vida." O que existe é a necessidade de compartilhar para instigar nossa alegria, nosso prazer, nosso bem estar. Esta é a chave da felicidade.

As duas últimas estrofes é minha visão do que nos diria o Mestre Maior.

DESTINO

Quem há de louvar...as obscenas elegias
Quem há de fugir...dos áridos destinos
Por que vou chorar...por tantas noites e dias
ou mesmo sorrir...açulando os desatinos

Por terras e mar...dunas e vagas vazias
O mesmo fingir...causando o dobrar dos sinos
Os Céus vão chamar...a beleza das magias
Pra quê se iludir...ecoando tristes hinos

A vida é fugaz...se tens os olhos vendados
Palavras de paz...em sonhos enclausurados
Sempre ecoarão...não te percas no caminho

Enquanto eu viver...terás tudo em meu regaço
Irei renascer...pra mitigar teu cansaço
Em cada oração...nunca sonharás sozinho

FAB29

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Homem de fibra.

Amigos e amigas.
O que não falta na geopolítica social do OM é os defensores de israel debocharem de todo mundo que afirma que esse país é o pior exemplo de democracia, liberdade e garantia de direitos universais.

Alguns me passam links mostrando pontos de pujança em terras palestinas, como se nichos fossem a regra geral.

Seguem abaixo algumas informações sobre um componente da ONU, Richard Falk, um admirável judeu que prima pela lisura e honestidade em qualquer assunto, mesmo contra seus pares.

Vejam sua posição a respeito da brutalidade israelense contra os palestinos.
FAB29

"Inspetor especial das Nações Unidas para questões humanitárias nos territórios palestinos afirma que Israel assassinou 1.330 crianças palestinas desde 2000Richard Falk anunciou a cifra durante uma conferência de imprensa em Amman, na capital da Jordânia, na última segunda-feira; a rede de notícias da Palestina relatou o fato em sua página da rede. Em seu último relatório, Falk observou que, em 2010, disparos e bombardeios do exército israelense custaram a vida de 17 crianças.
Israel não respondeu às repetidas solicitações do inspetor especial da ONU para ter acesso aos territórios ocupados. Devido à situação da segurança na Faixa de Gaza, Falk foi obrigado a cancelar sua visita ao enclave provocado pelo bloqueio israelense – parte do mandato que lhe foi dada pelo Conselho de Direitos Humanos. As Nações Unidas dizem que ele visitará Gaza no próximo ano.
Desde sua nomeação em maio de 2008, Falk tem enfrentado obstáculos por parte do regime israelense, que se recusou a cooperar com o relator em suas missões de campo. Em meados de dezembro de 2008, Falk foi impedido por Tel Aviv de entrar nos territórios ocupados. Ele foi detido, interrogado e posteriormente deportado.
A mudança ocorreu dias antes de Tel Aviv ter lançado um ataque mortal contra a populosa faixa litorânea, em 27 de dezembro. A ofensiva de 22 dias matou mais de 1.400 palestinos, a maioria mulheres e crianças, milhares de feridos, arrasou centenas de casas de civis e escritórios, e devastou grande parte da infra-estrutura no território empobrecido."
http://www.presstv.com/detail/178058.html - 03/05/2011 (Tradução: Inacreditável.com)
Israel prende jovens entre 12 e 15 anos: Richard Falk relata ainda em seu relatório, que Israel continua a prender arbitrariamente, detém e abusa das crianças, e mantém nada menos que 226 crianças detidas, incluindo 45 que estão entre 12 e 15 anos.
Aqui do Brasil, sabemos o que crianças nesta faixa de idade podem fazer. Mas tratando-se de crianças palestinas, para serem presas, basta que elas joguem pedras contra o “poderoso” exército israelense:
“Prendem crianças por terem jogado pedras, particularmente em Jerusalém oriental. As crianças relatam que têm seus olhos vendados ou são chutadas no momento da detenção e jogadas na parte traseira do veículo militar, onde ficam então sujeitas a outros abusos físicos e psicológicos durante o caminho até o interrogatório e centro de detenção.”

Mas o bom é que esse estadista (coisa rara na ONU) se recusa a renunciar. Vejam esta reportagem que traduzi:

"Um especialista em direitos humanos da ONU em apuros, que investiga a conduta de Israel contra os palestinos, rejeitou na terça-feira os apelos para renunciar, dizendo que seus adversários estavam tentando silenciar suas críticas ao Estado judeu, rotulando-o de anti-semita.
"Não tenho a intenção de me demitir, e não parece haver qualquer iniciativa formal buscando a minha demissão", Richard Falk disse aos jornalistas, um dia depois de pedir uma investigação internacional sobre o tratamento a prisioneiros palestinos em Israel. (...)
Falk, um americano de 82 anos, que é um professor emérito de Direito da Universidade de Princeton, tem sido monitor do Conselho de Direitos Humanos da ONU para os territórios palestinos desde 2008. Ele rejeitou as acusações de anti-semitismo, dizendo que eles eram "dolorosas" e "completamente maliciosas", já que ele próprio é judeu.
"Isso faz com que pareça que criticar Israel (ao que todos concordam ser repreensível) fosse equivalente a anti-semitismo. Eu não estou disposto a ser intimidado desta forma. ", disse ele. "O ataque ao mensageiro é uma forma de desviar a atenção da mensagem.", acrescentou Falk. (...)
Falk disse que suas declarações foram "torcidas" pelos opositores, que havia condenado o ataque Boston como "criminalidade terrorista", e que seu objetivo era examinar as raízes da antipatia contra a política dos EUA.
"Eu tenho criticado os EUA com freqüência, e eu não sinto que eu sou anti-americano", disse ele. "Por que eu continuo tendo problemas? É por causa do meu papel, na tentativa de falar honestamente sobre a situação que os palestinos enfrentam sob esta condição de ocupação prolongada.", acrescentou.
Israel tem estado sob fortes críticas por vários grupos de direitos humanos pela sua política de detenção administrativa, a prisão extrajudicial de uma pessoa por um período indefinido de tempo, e precárias condições de vida nas prisões."
Al-Akhbar English - 11/06/2013

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Depoimento

Amigos e amigas.
Abaixo, uma reportagem do caderno Mundo, da Folha de São Paulo, que nos dá uma boa ideia do que é ser muçulmano em israel.
Creiam: ela não é exceção, visto que não há NENHUM motivo pra ela sofrer o que seus covardes carrascos lhe impõem.
Imaginem os Natais dessa mulher e de milhões de outros na mesma situação patrocinada pelo "povo eleito". E há quem venha me dizer que Jesus era um rabino judeu.
FAB29

22/12/2013 - 04h16

Muçulmana relata ataques de autoridades israelenses contra sua família


Depoimento a
DIOGO BERCITO
ENVIADO ESPECIAL A SUSYA (CISJORDÂNIA)

"Venho de um vilarejo ocupado, perto de Beer Sheva, tomado em 1948. Meus filhos nasceram aqui, na caverna. É um modo de vida beduíno. Nós vivemos com as ovelhas.

Mudei para cá com meu marido em 1968. Os colonos israelenses tentam nos expulsar. Sofremos muito. Um dia, há cinco anos, eles vieram com seus jipes e destruíram tudo o que nós temos. Eu perdi meu azeite, eles levaram a comida das ovelhas.

No ano passado, estávamos plantando quando nos atacaram. Queimaram nossas videiras, mataram 50 de nossas ovelhas com seus rifles. Eu corria e gritava todo o tempo quando vi aquilo.

Fui reclamar no vilarejo vizinho de Qyriat Arba. Quiseram que eu assinasse um papel dizendo que sou uma causadora de distúrbios. Meus filhos foram presos. Tive de pagar [o equivalente a] R$ 3.500 para tirá-los da prisão.

Há uma torre de vigia aqui perto. Só posso ficar no vale. Se os colonos veem que eu saí, vêm tomar minha casa.

Toda vez que eles me veem, dizem que sou uma puta. Querem tomar a terra.

Tudo o que você vê aqui tem uma ordem de demolição. Não querem que a gente fique aqui. Mas eles, sim, podem ficar. Podem sair. Podem construir. Eu não. Pedi várias vezes ao governo para ter permissão, nunca me deram nada. Querem demolir até o nosso poço de água.
Joel Silva/Folhapress
A beduína Sarah Nawajah, 70, em sua caverna, ao sul de Hebron, Cisjordânia, onde vive junto com os animais
A beduína Sarah Nawajah, 70, em sua caverna, ao sul de Hebron, Cisjordânia, onde vive junto com os animais

PECADO
Temos dificuldade para trazer ambulâncias. Um dia, meu marido, que já morreu, teve ataque de asma e o Exército não deixou a ambulância vir. Nós o pusemos em um burro para ir ao hospital.

Dois anos atrás, os israelenses vieram e atiraram um... como se diz? coquetel molotov. Eles não sabem o que é "haram" [pecado].

Esta é a minha terra. Não quero que tomem de mim. Posso fazer azeite dessas oliveiras e viver disso. Tenho 70 anos. Por quanto tempo consigo lidar com essa situação?

Antes de eles destruírem a caverna, era muito bonito aqui. Nos sentávamos aqui no verão, era lindo. É muito fresco no verão e quente no inverno. Mas eles não querem que a gente viva aqui.

Eu moro na tenda, agora, durante o verão. No inverno, fica frio, então arrumo um canto e venho à caverna.

O governo palestino não pode fazer nada. Nem podem vir até aqui.

SAGRADO
Eu acordo de manhã, rezo, sirvo o café da manhã para as ovelhas e começo o meu dia com os animais. Depois, levo eles para os campos, limpo minha casa e cozinho.

Na temporada, faço manteiga e iogurte do leite das ovelhas. Também planto trigo. Então, temos as colheitas.

Na primavera, às vezes a colheita não é boa, então tenho de alimentar os burros com as azeitonas colhidas.

Nossa terra é valiosa. Não vamos entregar aos judeus. Só saio daqui quando morrer. Estou feliz, e só consigo dormir quando estou aqui.

Vou ficar feliz, também, quando todos os colonos forem embora. São monstros.

Uma vez, bati em um soldado. Ele veio nos dizer para sair. Eu atirei um sapato de plástico na cabeça dele. Eles estavam me empurrando!

Fui para a cidade sagrada de Meca duas vezes, por isso me chamam de "hajja [peregrina] Sarah". Mas aqui, esta terra, também é sagrada."

Atentem para esses mapas abaixo e pensem se há um mínimo de justiça nas exigências dos judeus em relação à Palestina (hoje, forçadamente, israel). Em 1945, a média percentual era de 67,88% de árabes, 17,62% de outras etnias e 14,50% de judeus:


domingo, 22 de dezembro de 2013

Um excerto patético

Amigos e amigas.
J.F. Steiner
Quero proporcionar-lhes abaixo um excerto de um livro do autor judeu francês Jean-François Steiner, com a ajuda do "ghost writer" Gilles Perrault, um romance supostamente baseado em declarações de ex-detentos de "Treblinka". Nele, pode-se ter uma ideia da quantidade de sandices que os "sobreviventes do holocausto" tentam enfiar goela abaixo dos incautos. Parênteses, sublinhados e negritos são meus:

“Magro e louro; a fisionomia bondosa e ar modesto, ele apresentou-se um dia com sua maleta diante das portas do reino da morte. Chamava-se Herbert Floss e era especialista em cremação de cadáveres. [...]
A primeira fornalha foi preparada no dia imediato. Herbert Floss confiou então seu segredo: a montagem da fornalha-padrão. Consoante explicou, os cadáveres não queimavam todos da mesma maneira: havia os bons cadáveres e os maus, os cadáveres refratários e os inflamáveis. [Refratários?!?] O segredo consistia em servir-se dos bons para consumir os maus. De acordo com suas pesquisas – e, a julgar pelos resultados, elas foram bastante intensas – os cadáveres antigos queimavam melhor do que os novos, os gordos melhor que os magros, as mulheres melhor que os homens. Deduzia-se aí que o cadáver ideal era um cadáver antigo de mulher gorda. ["Artigo comum" em Treblinka!...] Herbert Floss selecionou todos os desse tipo, procedendo em seguida à triagem dos homens e das crianças. Depois de ter desenterrado e separado parte de mil corpos, passou-se a carregar a fornalha, o bom combustível por baixo, o mau em cima. Floss recusou os galões de gasolina e ordenou que lhe trouxessem lenha. [Pra quê gasolina, se ele era "o cara", né?!] Sua demonstração teria de ser perfeita. A lenha foi disposta sob grelha da fornalha em pequenos feixes que lembravam fogueiras de acampamento. [Que preciosismo!!] Soara a hora da verdade. Uma caixa de fósforos lhe foi apresentada com toda a solenidade; ele debruçou-se, acendeu a primeira fogueira, depois as outras sucessivamente e , enquanto a madeira começava a arder, encaminhou-se, com seu passo esquisito, ao encontro do grupo de oficiais que esperava a alguma distância.
As chamas, cada vez mais altas, começaram a lamber cadáveres, relutantemente a princípio, e depois com um impulso contínuo, como a chama de uma lâmpada de soldar. [...]
A pira inflamou-se de uma só vez. Súbito, as chamas atiraram-se para o alto, soltando uma nuvem de fumaça; um ronco surdo elevou-se, as fisionomias dos mortos contorceram-se e suas carnes estouraram. O espetáculo tinha qualquer coisa de infernal e os SS, eles próprios, quedaram-se por momentos impassíveis, contemplando o prodígio. Herbert Floss exultava. Aquele era o maior dia de sua vida. [...]
Um acontecimento daquele porte teria de ser condignamente comemorado. Trouxeram mesas que foram armadas próximo à fogueira, [Mesmo com as carnes de mil corpos estourando?] recobertas de dezenas de garrafas de bebidas de todos os tipos.
O dia morria aos poucos; ao fulgor das altas labaredas correspondia ao longe, no limiar da planície, o clarão rubro do sol que se despedia numa magnificência de incêndio. [Até vejo a cena em Hollywood!...]
A um sinal de “Lalka”, as rolhas saltaram. Uma comemoração das mais extraordinárias teve então início. O primeiro brinde foi erguido ao Führer. A essa altura, os condutores das escavadoras já haviam reassumido seus postos ao volante das máquinas. No instante em que os SS levantaram suas taças numa saudação frenética, as escavadoras pareceram animar-se, e repentinamente lançaram em direção ao céu seu longo braço articulado, num arremedo entusiástico e sacolejante da saudação hitlerista. Foi como que um sinal: por dez vezes os homens ergueram o braço fazendo reboar de cada vez o “Sieg Heil”. As máquinas animadas devolviam a saudação aos homens-máquinas e a atmosfera vibrava com os gritos de louvor ao Führer. A festa durou até que a fogueira se houvesse consumido por completo. [Quanto tempo dura uma fogueira para se cremar mil corpos?] Aos brindes seguiram-se os cantos, selvagens e cruéis, cantos de ódio, cantos de ira, cantos de glorificação à Alemanha eterna”. (Versão brasileira extraída da edição do Círculo do Livro - pág. 350-352)
Sobre Herbert Floss: "Ele serviu no campo de Sobibor a partir de sua criação em abril de 1942 até a insurreição em 14/10/1943."  E faleceu uma semana depois, em 22/10/1943, em Zawadówka. Então, quando que ocorreu tudo isso relatado pelo Steiner?

E vejam só o trecho final do prefácio de Simone de Beauvoir:
Resultado de imagem para simone de beauvoir
Simone de Beauvoir
“O tom geral do livro é absolutamente singular: nem patético, nem indignado, e sim de uma frieza calculada e às vezes mesmo de um sombrio humorismo. O horror é apresentado em sua banalidade cotidiana e quase como inevitável. Como uma voz que recusa as inflexões humanas, o autor descreve um mundo desumanizado; no entanto, é de homens que se trata; o leitor não o esquece e esse contraste provoca nele um escândalo intelectual mais profundo e mais durável que qualquer emoção. O escândalo, entretanto, não passa de um recurso. Acima de tudo, Steiner quis compreender e fazer compreender. Acreditamos tenha atingido plenamente seu objetivo”. [Ou seja, ela acreditou totalmente nos relatos. Que grande intelectual, não? Falou um monte sem dizer nada!]
Daí, vocês podem conferir aqui (http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2013/11/agora-de-novo-treblinka.htmlcomo era oficialmente o cotidiano em Treblinka e outros detalhes sórdidos e racionalizar sobre mais essa patacoada inventada por um debiloide, patrocinada pelos grandes corruptores e avalizada por uma pseudo intelectual.
FAB29

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

De enganação em enganação,...

Amigos e amigas.
Os grandes corruptores vivem a nos enganar para manterem sua supremacia. Todo dia, aparecem medos criados por eles para manter as massas em rédea curta, dócil, trancafiada em si mesma. Por achar imprescindível, vou recapitular algumas dessas sandices ou pilantragens que enfiaram goela abaixo da humanidade e a maioria dela aceitou ou continua a aceitar:

O "climagate": Acabei de postar mais uma pancada sobre essa patacoada (http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2013/12/efeito-estufa-esta-com-estafa.html) onde questiono desde o "aquecimento global" (cujas temperaturas negativas quebraram recordes este ano, chegando na Antártida a -93ºC) até o "buraco" na camada de ozônio (que os "especialistas" afirmam ter sido causado pelo dióxido de carbono, CFC e pum de vaca e que está sobre a Antártida, sem se importarem que é no hemisfério norte que o CO² e o CFC são muito mais produzidos). Daí, vêm os "Fantásticos" da vida e "documerdários" em geral mostrando imagens de pinguins, focas e ursos polares sofrendo, icebergs derretendo e geleiras se esboroando, como se fossem as cataclísmicas provas do aumento da temperatura mundial. E o povinho acredita sem pestanejar. Veja mais aqui.

- As "gripes suína e aviária": Nenhuma doença deve ser desdenhada, mas o que fizeram com relação a essas duas é crime inafiançável! Criaram um estado de pânico em cima de duas gripes que, juntas, causaram algumas dezenas de milhares de mortes em um ano. Não é pouco, mas as gripes sazonais chegam a causar mais de 500 mil mortes por ano. Devido à propaganda massiva mundial, os governos da maioria dos países se viram compelidos a comprar imensas quantidades de um lixo chamado "Tamiflu", do "eminente sem vergonha" Donald Rumsfeld, que causava fortes efeitos colaterais como enxaqueca, calafrios e narcolepsia.  Resultado: milhões de dólares em vacinas foram para o lixo, visto que não foram utilizadas. Porém, já estavam devidamente pagas, lógico! Vejam só a baderna:
"A Suíça, que tem uma população de 7,7 milhões de habitantes, encomendou 13 milhões de doses de vacina, distribuiu apenas 3 milhões para consumo e apenas 13% a 15% destes foram usados. A França anunciou que cancelará a compra de 50 milhões das 94 milhões de doses que havia encomendado. Berlim começou a negociar com a GSK um corte de metade das 50 milhões de doses da vacina Pandemrix encomendadas. A Holanda anunciou em novembro de 2009 que iria vender 19 milhões das 34 milhões de doses encomendadas. A Espanha tenta devolver vacinas não utilizadas, argumentando que seus contratos com a Novartis (22 milhões de doses), a GSK (14,7 milhões) e a Sanofi-Aventis (400 mil) incluem cláusulas que permitem a devolução de excedentes."
E esta: "O banco JP Morgan, presente em Wall Street, estimava que, principalmente graças ao alerta de pandemia declarado pela OMS, os grandes industriais farmacêuticos (...) podiam acumular entre 8,5 e 10 bilhões de dólares de lucro." 
E a cereja do bolo: "A Ministra da Saúde dos EUA, Kathleen Sebelius assinou um decreto que garante a total imunidade jurídica para os fabricantes de vacinas contra a gripe suína em todos os processos criminais que possam se originar de qualquer ligação da nova vacina contra esta gripe."
Alguma dúvida sobre a máfia farmacêutica?

- E o que dizer das "guerras forçadas", infestadas pelo império talmúdico/estadunidense pelo OM e Ásia neste século, iniciadas pelo asqueroso '11 de setembro'? No Afeganistão, foi para garantir a retomada da produção de papoula que o Talibã havia implodido ao tomar o poder em 2000; no Iraque e na Líbia, para garantir petróleo 'free' aos supremacistas; contra Egito, Síria (atualmente) e Irã (futuramente), para colocar seus títeres governando e garantir livre acesso. Creio que uma grande prova da pilantragem dos grandes corruptores e sua podre grande mídia foi o que diziam do Ahmadinejad, ex-presidente do Irã, que era chamado de "Hitler do século XXI" e por todos os lugares "democráticos" do mundo onde passava, ele era malquisto e mil "protestos" aconteciam. Foi só ele deixar o poder (após dois mandatos ELEITOS democraticamente) para tudo sumir ao vento. Há mais de ano, nem uma notícia rascante ou suave sobre o "ex-Hitler". O "demônio da vez" é o presidente da Síria Bashar Al Assad. E a massa anencéfala, anestesiada e alienada abençoa e agradece por todo o esforço da ONU et caterva em protegê-la.

Outras besteiras, erros não admitidos ou exageros são avoengos: a ida do homem à lua, o holocausto, as teorias da evolução, da relatividade, quântica, heliocêntrica,... até a construção das pirâmides pelo ser humano. Cada um de nós poderia ver no dia a dia tantas excrescências se não se deixasse levar pelo tsunami de nulidades e barulheira incessante que os grandes corruptores regurgitam em nós diuturnamente. Comodisticamente, seguem a correnteza ou seus boiadeiros. E assim, de enganação em enganação, o povinho se afunda mais no lodo criado dos malditos dominadores.

O advento da internet aumentou consideravelmente a capacidade dos supremacistas de enganarem as pessoas com mil hipnoses de entretenimentos e falsas informações. Porém, abriu um belo flanco para aqueles que procuram espaço para tentar expor o centro nervoso desses nefastos, suas falcatruas e podridões, além de permitir o acesso a milhões de informações sadias para quem quer de fato se informar, aprender e contestar. Por enquanto, a única maneira dos grandes corruptores minimizarem as ações e estragos desses "chatos" foi criar uma enorme equipe que chamo de "VERVI" (Vermes Virtuais) que grassam por esses sítios e blogs politicamente incorretos e fazem qualquer negócio para desmerecer, achincalhar, tergiversar, ofender e até ameaçar, no intuito de fazer o que sabem melhor: apodrecer as coisas. São risíveis.

Só é enganado hoje em dia quem se permite ser. Quero crer que "The times, they are a-changing".
FAB29

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Uma causa e cura do câncer?

Amigos e amigas.
A tradução que fiz e reproduzo abaixo dispensa apresentação, explicação, louvor, etc. É algo tão fascinante que já está sendo contestado, achincalhado, etc, pelos grandes corruptores. Seus "especialistas" e aspones, certamente, tentarão fazer de tudo para desmerecê-lo, desacreditá-lo. Corre-se o risco até do seu autor sofrer processos de "parentes de vítimas que morreram por causa do charlatanismo do Dr. Simoncini".

Deixando o fatalismo pessimista de lado, leiam abaixo as explicações do Dr. Tullio Simoncini. Ele deixa claro que é um tratamento para tentar eliminar o câncer, não uma panaceia.
FAB29
"Se há 40, 30 ou até mesmo 20 anos atrás ainda era possível convencer de alguma forma as pessoas da bondade da oncologia oficial e de seus resultados, hoje, depois de resultados que são tão contínuos como vazios (embora regularmente alardeados pela mídia), ninguém aceita ser seduzido por palavras, sobre hipóteses e promessas que não foram entregues e não serão, por mais tempo. A consciência dolorosa, que quase todo mundo já experimentou, do fim miserável deste ou daquele parente, amigo ou conhecido, é associada com essas falhas.

Devemos nos render à evidência de que a oncologia contemporânea é incapaz de nos dar as respostas necessárias para aqueles que são pacientes com câncer e que, portanto, é nossa obrigação moral e ética tentar encontrar a solução correta para a doença mais grave e mais dolorosa do nosso tempo.
O câncer é um fungo 
Por cerca de 100 anos, a teoria fundamental por trás do câncer tem sido baseada na hipótese de que ele é um mau funcionamento dos genes. Este ponto de vista implica que o câncer é intracelular. Meu ponto de vista, porém, é que o câncer é uma infecção fúngica e, portanto, um fenômeno extra-celular.

Candida 
No mundo das plantas, os cânceres são causados ​​por uma invasão de fungos e é possível argumentar que a mesma coisa acontece em seres humanos. Os fungos estão sempre envolvidos em cânceres: eles são encontrados tanto in vivo quanto no exame post-mortem.

No entanto, os cientistas acreditam que eles se desenvolvem após o início da doença. Minha opinião é que eles vêm antes: eles produzem o câncer, diminuindo o sistema imunológico e, em seguida, invadindo todo o organismo.

Cada tipo de câncer é causado por fungos da espécie Candida, como é também referenciado por outras pesquisas, e a configuração histológica é um resultado da reação de defesa de um tecido contra a invasão. Com o tempo, o tecido fica esgotado e só produz células indiferenciadas.
Um câncer poderia ser chamado de um "abscesso sólido", onde as colônias formam o centro e hospedam reações celulares ao seu redor.
Bicarbonato de sódio
Drogas anti-fúngicas tradicionais são ineficazes no tratamento de tumores sólidos porque as colônias podem ser atacadas apenas sobre a superfície do seu volume e, após as primeiras administrações, elas se tornam resistentes.
Uma infecção sólida é muito mais potente do que uma bacteriana. É por isso que infecções fúngicas simples podem durar para sempre.
Eu identifiquei as substâncias únicas capazes de penetrar essas infecções volumétricas: para câncer dos órgãos internos é bicarbonato de sódio; e a melhor substância para eliminar o câncer de pele é tintura de iodo, principalmente quando é espalhada sobre o crescimento. Há muitas publicações que descrevem a eficácia do bicarbonato de sódio sobre o câncer, mas as conclusões nelas são invariavelmente erradas porque elas  as supõem intracelular, ao invés de ação antifúngica.
O tratamento 
Meus métodos têm curado pessoas há 20 anos. Muitos dos meus pacientes se recuperaram completamente do câncer, mesmo nos casos em que a oncologia oficial tinha desistido.
A melhor maneira de tentar eliminar um tumor é colocá-lo em contato com o bicarbonato de sódio, tanto quanto possível, ou seja, utilizando a administração oral para o trato do aparelho digestório, enemas para o reto, esguichos para injetar na vagina e no útero, injeção intravenosa para o pulmão e o cérebro, e por inalação para as vias respiratórias superiores. Peitos, linfonodos e nódulos subcutâneos podem ser tratados com perfusões locais. Os órgãos internos podem ser tratados com bicarbonato de sódio, localizando cateteres adequados nas artérias (de fígado, pâncreas, próstata e membros) ou nas cavidades (da pleura ou peritônio).
É importante para o tratamento de cada tipo de câncer a dosagem certa. Para uma venóclise, 500 cc, a 5% ou 8,4% é necessário, pois as administrações externas são suficientes para provar se a solução é salgada. Às vezes, é prudente combinar diferentes administrações. Para cada tratamento, levar em consideração que as colônias de tumores regridem entre o terceiro e quarto dia e colapsam entre o quarto e quinto, de modo que uma administração de seis dias é suficiente. Um ciclo eficaz completo é composto de seis dias de tratamento e seis dias de folga, repetido quatro vezesOs efeitos colaterais mais importantes deste sistema de cuidados são sede e fraqueza.  
Para o câncer de pele, uma tintura de iodo a 7% deve ser espalhada sobre a área afetada, 20-30 vezes, uma vez por dia, com o objetivo de produzir uma série de camadas de crostas . Após esse tratamento, o câncer sumirá e não voltará.
Oncologia pediátrica 
Esta terapia é também aplicável em oncologia pediátrica, desde que a dose seja ajustada e revista de acordo com o peso e idade do lactente, bem como do tipo de formação neoplásica.

Casos clínicos 
Vários bem documentados casos clínicos, examinados antes e após os tratamentos de bicarbonato de sódio, foram relatados e esboçados neste site. 
Escrevi um livro intitulado "O câncer é um fungo", publicado em italiano, holandês, francês e inglês. Obrigado pela ajuda de familiares e amigos."

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Declaração de guerra

Amigos e amigas.
Seguindo uma dica do amigo e colaborador Augusto Landini, procurei sobre o famoso discurso do rei George VI, da Inglaterra, onde ele declara guerra à Alemanha de Hitler. A história oficial diz que o discurso foi proferido em 3 de setembro de 1939, mas podemos ver na imagem abaixo que ele já estava definitivamente escrito em 25 de agosto de 1939:


Isto é mais um duro golpe na credibilidade da historiografia dos aliados para a 2ª guerra, visto que afirmam que só foi declarada guerra à Alemanha após esta invadir a Polônia, fato que só ocorreu vários dias depois da data do famoso discurso. Segundo o Daily Mail, de 24/11/2013:

"O documento de três páginas que foi revelado é intitulado “Rascunho do Discurso do Rei” e é datado de 25 de agosto de 1939.
O documento, escrito em 25 de agosto de 1939 – sete dias antes da invasão da Polônia pela Alemanha – apareceu após 74 anos.
O documento datilografado, o segundo rascunho do discurso, era mantido pelo funcionário público Harold Vale Rhodes, que havia escrito outro previamente como uma primeira tentativa. (...)
O rascunho original acusava a Alemanha de ser um país provocador que queria dominar o mundo através da força e afirmava queestamos lutando pelos princípios da liberdade e justiça.(...)
Nigel Steel, um historiador no Museu de Guerra Imperial, disse:Quando aconteceu, a guerra não era novidade. Houve uma série de crises políticas envolvendo a Alemanha acontecendo desde o ano anterior. A ideia de que este discurso tenha sido preparado antes da guerra não é uma surpresa, especialmente tendo o Rei dificuldades em pronunciar discursos.

Por mais que tentem amenizar qualquer coisa, o fato inatacável é que ficou provado que a declaração de guerra lida por George VI em 3 de setembro de 1939 já tinha mais de uma semana e não ocorreu por causa da invasão alemã à Polônia (tacanha e canhestra mentira já contestada há décadas por revisionistas). Com mais esta traulitada, a historiografia "ofalsial" da 2ª Guerra vai se revisando contra a vontade dos seus senhores.

Acautelem-se! A Verdade não perdoa seus detratores!
FAB29

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Ano novo e tudo de novo!

Amigos e amigas.
Inicio com palavras de um Gênio do Sentimento: Drummond.

“Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de 'ano', foi um indivíduo genial. Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão. 


Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí, entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez com outro número e outra vontade de acreditar que daqui para adiante vai ser diferente.

Para você, desejo o sonho realizado. O amor esperado. 
A esperança renovada. 


Para você, desejo todas as cores desta vida. Todas as alegrias que puder sorrir, todas as músicas que puder emocionar. 


Para você neste novo ano, desejo que os amigos sejam mais cúmplices, que sua família esteja mais unida, que sua vida seja mais bem vivida.
Gostaria de lhe desejar tantas coisas. Mas nada seria suficiente para repassar o que realmente desejo a você. Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos. Desejos grandes e que eles possam te mover a cada minuto, rumo à sua felicidade!” 


E é basicamente isto que todas as pessoas de bem desejam aos seus semelhantes, sem olhar idade, gênero, classe social, credo, raça, nacionalidade,... Ao mesmo tempo, tais desejos são tão simples de se sentir e quase impossíveis de serem postos em prática. Digo isto por causa da maledicência dos parasitas que vivem de se apropriar sub-repticiamente do fruto do trabalho alheio; da hipocrisia dos aspones que são conscientes da podridão de seus donos e vivem a cevá-la para se manterem no limbo do conforto de não precisarem suar para produzir ou serem massacrados pelos seus superiores; e, principalmente, da corrupção desses seres imorais, nefastos, ímpios, covardes, assassinos, que comandam os cordames que subjugam a humanidade a seu bel prazer e necessidade.

Todo esse azar de acontecimentos e atitudes mantém o ser humano refém da desesperança, do medo, da dor, da miséria, da destruição, não permitindo seu desenvolvimento mental e espiritual. O máximo permitido é sua manutenção física mal e porcamente. Povo unido, sadio, inteligente e feliz é impossível de ser dominado; só destruído.

Agora, um povo como os favelados (não só eles, mas principalmente) do Rio de Janeiro, equilibrados nos morros ou enfurnados nas baixadas: os primeiros, açulados pelo pavor de desbarrancar e serem soterrados; os outros, à mercê das enchentes anuais. E a cada fim de ano, como estamos revendo neste, as chuvas de verão surgem e esse povo de "um país de esquecidos, humilhados, ofendidos e sem direito ao porvir" é afogado, soterrado e destituído do tão pouco que possuem (às vezes, da própria vida). Tudo tragédia anunciada pelo total descaso do poder público e todo ano, os mesmos desesperos, perdas, revoltas, lamentos,... Não posso crer quando essas pessoas dizem que não tem pra onde ir. Os povos do Japão e da Alemanha se reergueram das cinzas da guerra. Sempre existe um caminho, um lugar, uma condição de melhorar. Como se desenvolver e manter a união, a saúde e a felicidade nessas situações que incluem a violência, as drogas, o desemprego,...? Livrando-se dos grilhões do comodismo.

Vê-se pelo mundo todo situações tão ou mais terríveis de miséria, sujeição, escravidão, etc. Mas isso só ocorre porque a massa não sabe a força que tem. Se um búfalo que pesa quase mil quilos fosse consciente de seu poder, um leão não o amedrontaria. É revoltante saber que os bons seres humanos (imensa maioria, portanto, plena de poder) se submetem tão passivamente aos desmandos e parasitismo dessa corja de malditos que os mantém alienados e anestesiados com festas e entretenimentos. Juntamente, é claro, os priva ao máximo de corretas informação, educação e cultura, além de emprego, habitação,... Nunca pregarei uma revolta armada (exceto em caso de defender a própria vida e a dos seus), mas sempre conclamo as pessoas ao meu redor à desobediência civil (a qual expus aqui: http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2013/06/desobediencia-civil.html). O quanto antes e mais "dermos um pé na bunda" desse status quo, mais cedo começaremos a trilhar um caminho com mais possibilidades, mais esperança, mais progresso.

Então, seguindo as palavras do mestre Drummond, desejarei muito: que cada um de nós passe a ter um "egoísmo altruísta", ou seja, querer o melhor possível para si visando estar pleno e seguir uma máxima do islamismo: "Quanto mais fazemos pelos outros, mais temos para nós mesmos". Eu procuro ser sempre assim: não consigo me sentir em paz sabendo que pessoas queridas que merecem e valem muito estão passando apuros, mas se não estiver em condições, me frustro em não conseguir ser de mais valia a elas. Daí, o egoísmo de procurar estar sempre bem, o melhor possível, se faz necessário. Afinal, estando bem, você proporciona o melhor que seu coração e alma desejam ao próximo.

Que o Mestre Maior sempre ilumine e acalente nossas ações mais benignas aos semelhantes.
FAB29

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

A vez de Majdanek.

Amigos e amigas.

Chegamos ao sexto e último dos chamados "campos de extermínio" do 3º Reich. Majdanek tem algumas particularidades (além das corriqueiras discrepâncias numéricas e de datas): pela foto abaixo, notamos que tudo o que ocorria lá dentro podia ser facilmente visível; o campo se encontrava em área urbana; é amplamente sabido que os prisioneiros recebiam alimentos via correios e entidades; e, além de câmaras de gás com zyklon-B e monóxido de carbono, afirma-se terem existido "covas de fuzilamento".

Tudo isto faz de Majdanek um poço de discrepâncias porque também é dito que milhares morriam de fome, doenças e maus tratos. Mas apesar do acesso das entidades para entregar milhares de pacotes com alimentos durante a existência do campo, NINGUÉM viu e denunciou tais alegadas atrocidades. Como é que pode?

Convido-os a conhecer esse campo sui generis.
FAB29

"O acampamento, que operou a partir de 01 de outubro de 1941 [Dizem que foi a construção do campo que começou nesta data] até 22 de julho de 1944, foi capturado quase intacto pelos soviéticos, sendo o campo de concentração nazista mais bem preservado do holocausto. (...) Majdanek não estava localizado na zona rural remota, longe dos centros populacionais, mas dentro dos limites de uma grande cidade.
Visão aérea de Majdanek
Majdanek foi remodelado como um centro de matança em torno de março de 1942. (...)  As câmaras de gás começaram a operar em setembro de 1942 e, quando os assassinatos foram realizados, os métodos utilizados eram, ou usando zyklon-B ou a fumaça dos motores de tanques soviéticos capturados. (...)
[A seguir, uma dicotomia dantesca: afirma-se que se podia enviar alimentos pro campo, mas o morticínio desenfreado com vários métodos não parava. Vai entender?] A partir de fevereiro de 1943, os alemães permitiram à Cruz Vermelha polonesa e ao Conselho Central de Previdência  enviarem comida para os prisioneiros do campo. Os presos também poderiam receber pacotes de comida através da Cruz Vermelha polonesa que lhes eram dirigidas pelo nomeOs arquivos do Majdanek Museum documentam 10.300 presos que receberam tais pacotes. (...) Com relação a Majdanek, a mais notória onda de execuções ocorreu em 03 de novembro de 1943, quando 18.400 de judeus foram mortos em um único dia. (...) Outros 611 presos, 311 mulheres e 300 homens, foram ordenados a classificar através das roupas e restos dos mortos. Os homens foram, depois, executados. As 311 mulheres foram posteriormente enviadas para Auschwitz, onde foram gaseadas. No final da operação "Festival da Colheita", Majdanek tinha apenas 71 judeus restantes (de um total de 6.562 presos). (...)
Entre dezembro de 1943 e março de 1944, Majdanek recebeu cerca de 18.000 chamados "inválidos", muitos dos quais, posteriormente, gaseados com zyklon-B. Execuções por fuzilamento continuaram: 600 em 21 de janeiro de 1944; 180 em 23 de janeiro de 1944, e 200 em 24 de março de 1944. (...)
O número total de vítimas é controverso, começando com a investigação do juiz Zdzislaw Lukaszkiewicz que remonta a 1948, que deu a cifra de 360.000 vítimas.  Ele foi seguido pela estimativa de cerca de 235 mil vítimas, do Dr. Czesław Rajca (1992) a partir do Museu de Majdanek, que foi citada pelo museu por anos. A cifra mais recente foi dada em 2005 por Tomasz Kranz também do Museu [150 mil]. É considerada "extremamente baixa" pelo agora aposentado Dr. Rajca, no entanto, foi aceita pelo Conselho de Administração Museu "com uma certa cautela" (...)  Dos mais de 2.000.000 judeus mortos no curso da Operação Reinhard, cerca de 60.000 judeus (56.000 conhecidos pelo nome) foram certamente exterminados em Majdanek, entre as quase 80.000 vítimas relatadas."


"As operações de matança começaram em abril de 1942 e terminaram em julho de 1944. (...) O número estimado de mortes é de 360.000, incluindo judeus, prisioneiros de guerra soviéticos e poloneses. (...)
Majdanek era tanto um campo de prisioneiros como campo de extermínio e campo de crianças. Inicialmente havia duas câmaras de gás usando Zyklon-B, gás venenoso alojado num edifício de madeira, mais tarde, foram substituídas por câmaras de gás em um prédio de tijolos. (...) A sua composição era de 144 quartéis sub-divididos em cinco seções, incluindo acampamentos especiais para crianças [Pra quê?] e extermínio. (...) Os assassinatos foram feitos por gás Zyklon-B, como em Auschwitz-Birkenau. Judeus e prisioneiros de guerra soviéticos também foram mortos em fuzilamentos em massa. Em abril de 1942, 2.800 judeus foram mortos desta forma. O maior massacre ocorreu em 3 de novembro de 1943, quando 17.000 judeus foram fuzilados como parte da "Aktion Erntefest". Estima-se que até 500 mil pessoas passaram por Majdanek, dos quais 200 mil morreram. Cerca de 125 mil deles eram judeus."
http://www.jewishgen.org/forgottencamps/camps/majdanekeng.html

"Desde a sua inauguração, em setembro de 1941 até a sua libertação, em julho de 1944 (...) e os primeiros prisioneiros chegaram a Majdanek em outubro de 1941 [Começa com datas discrepantes com outras fontes] (...) Ao todo, cerca de 360 mil vítimas pereceram em Majdanek. (...) O campo era composto por cinco seções, incluindo 22 quartéis dos prisioneiros, 7 câmaras de gás, 2 forcas de madeira, um pequeno crematório e vários outros edifícios "essenciais", como armazéns, oficinas, lavanderias e depósitos de carvão. Um crematório maior foi adicionado em setembro de 1943. Até 45.000 prisioneiros poderiam ser alojados em Majdanek a cada vez. (...) Em uma avaliação de grande circulação de 1948, Zdzislaw Lukaszkiewicz estimou em torno de 360.000 mortos (dos quais 200.000 estavam listados como prisioneiros). Lukaszkiewicz estimou que destes, cerca de 200.000 eram judeus e 100.000 poloneses. Em 1966, a estimativa foi reduzida para 120 mil judeus [Simples assim]. (...) Finalmente, em 3 de novembro de 1943, cerca de 18.000 judeus foram mortos a tiros em um único dia. Os judeus foram fuzilados dentro de covas gigantes enquanto, ao fundo, os alemães tocavam músicas de dança para abafar os sons da matança e dos mortos. [Vamos ver: calculando 5 pessoas por m², precisariam de 3600 m². Se fossem duas covas de 200 m² cada, seriam necessárias 9 sessões de matanças. Daí, como teria sido? Será que colocaram mil vítimas em cada cova, fuzilaram-nas, retiraram-nas e repetiram o processo até finalizar tudo? Ou quem imagina outras maneiras?]
http://www.yadvashem.org/odot_pdf/microsoft%20word%20-%206622.pdf

"Foi inicialmente calculado que até 1,7 milhão foram assassinados em Majdanek - dados divulgados no final da guerra. No entanto, os registros capturados mostram que apenas 300 mil foram enviados para o campo no total e que o número de mortes pode ter sido de 235.000. Mas isto não é claro. Os investigadores têm números de mortos que variam de 42.000, no mínimo, até 1,3 milhão, no máximo.[Como podemos notar, uma imperceptível variação]
http://www.historylearningsite.co.uk/majdanek.htm

"Com sete câmaras de gás, duas forcas de madeira e umas 227 estruturas ao todo, Majdanek foi um dos maiores campos. Em setembro de 1943, os nazistas adicionaram um grande crematório contendo cinco fornos. (...) Durante seus quase quatro anos de existência, cerca de 500.000 pessoas de 28 países e de 54 nacionalidades passaram por Majdanek. De acordo com as estimativas mais confiáveis, cerca de 360 ​​mil morreram lá. Destes, cerca de 60 por cento morreram de fome, tortura, ou doença, e cerca de 40 por cento foram assassinados por um pelotão de fuzilamento ou nas câmaras de gás, primeiramente com monóxido de carbono; depois, usando zyklon-B."