Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Declaração de guerra

Amigos e amigas.
Seguindo uma dica do amigo e colaborador Augusto Landini, procurei sobre o famoso discurso do rei George VI, da Inglaterra, onde ele declara guerra à Alemanha de Hitler. A história oficial diz que o discurso foi proferido em 3 de setembro de 1939, mas podemos ver na imagem abaixo que ele já estava definitivamente escrito em 25 de agosto de 1939:


Isto é mais um duro golpe na credibilidade da historiografia dos aliados para a 2ª guerra, visto que afirmam que só foi declarada guerra à Alemanha após esta invadir a Polônia, fato que só ocorreu vários dias depois da data do famoso discurso. Segundo o Daily Mail, de 24/11/2013:

"O documento de três páginas que foi revelado é intitulado “Rascunho do Discurso do Rei” e é datado de 25 de agosto de 1939.
O documento, escrito em 25 de agosto de 1939 – sete dias antes da invasão da Polônia pela Alemanha – apareceu após 74 anos.
O documento datilografado, o segundo rascunho do discurso, era mantido pelo funcionário público Harold Vale Rhodes, que havia escrito outro previamente como uma primeira tentativa. (...)
O rascunho original acusava a Alemanha de ser um país provocador que queria dominar o mundo através da força e afirmava queestamos lutando pelos princípios da liberdade e justiça.(...)
Nigel Steel, um historiador no Museu de Guerra Imperial, disse:Quando aconteceu, a guerra não era novidade. Houve uma série de crises políticas envolvendo a Alemanha acontecendo desde o ano anterior. A ideia de que este discurso tenha sido preparado antes da guerra não é uma surpresa, especialmente tendo o Rei dificuldades em pronunciar discursos.

Por mais que tentem amenizar qualquer coisa, o fato inatacável é que ficou provado que a declaração de guerra lida por George VI em 3 de setembro de 1939 já tinha mais de uma semana e não ocorreu por causa da invasão alemã à Polônia (tacanha e canhestra mentira já contestada há décadas por revisionistas). Com mais esta traulitada, a historiografia "ofalsial" da 2ª Guerra vai se revisando contra a vontade dos seus senhores.

Acautelem-se! A Verdade não perdoa seus detratores!
FAB29

28 comentários:

  1. Estamos vendo uma carta, não um tiro deflagrado como foi a invasão da Polônia. É certo que a Europa inteira já estava de saco cheio de Hitler e suas "apropriações" mês após mês...esse tipo de política logo atiçou outro hedonista sanguinário conhecido como Mussolini, que viu ali uma oportunidade de conseguir ganhos territoriais.

    Hiroito já estava há anos fazendo isso na China, e a bem da verdade, é que todas as nações tinhas suas colônias violentadas há anos e que o axioma invadir e conquistar era um modo de vida europeu.

    Até ali nada de novidade, Hitler queria porque queria invadir a nação Tcheca, mas uma vez mais, Inglaterra cedeu....

    A guerra era inevitável, todos sabiam e Hitler assim o quis, inclusive, lamentando muito nos derradeiros dias de 1945, que ele não começou a campanha antes.

    Agora, acreditar que essa carta têm o mesmo peso da invasão Nazista na Polônia é digna de risos; é o mesmo que acreditar que um rato pariu uma montanha.....(isso se for verdadeira, mas é tão inócua no peso do que de fato aconteceu, que nem importa muito).

    MFF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Digno de risos ou pior é o seu forçado desdém.

      Se você acreditasse de fato no que escreveu, já teria execrado Inglaterra e França por suas invasões nos séculos anteriores a Hitler e, principalmente, não cometeria a desfaçatez de fechar os olhos pra toda a destruição perpetrada pelas invasões de israel e seu pit bull estadunidense pós 2ª guerra a dezenas de países.

      Vai dizer que não está "de saco cheio" deles? Claro que não.

      Excluir
    2. Na verdade eu destaquei a política de colonialismo de toda a Europa no comentário acima; sem exceções...

      Só que colonialismo e invadir o país do seu lado é diferente apesar de ambos serem condenáveis (ainda que o colonialismo possa a longo prazo exercer consequências benéficas ao colonizado).

      O que não dá para engolir é que Hitler não queria a guerra; ele queria sim.

      "Militarmente falando, nosso interesse teria sido iniciá-la um ano antes. Eu devia ter tomado a iniciativa em 1938, em lugar de deixar que ela se impusesse a mim em 1939. Mas nada podia fazer, uma ves que os ingleses e franceses aceitaram minhas condições em Munique. Nesse sentido, portanto a guerra ocorreu um pouco tarde demais. Mas, do ponto de vista do nosso preparo moral, começou cedo demais. Eu não tinha tido tempo ainda de formar as consciências de acordo com a minha política. Necessitaria de vinte anos para conduzir uma nova elite à maturidade necessária, uma elite que de algum modo viesse nutri-se do pensamento nacional-socialista junto com o leite materno. O drama dos alemães é nunca terem tempo suficiente para o que pretendem. E se o tempo é escasso para nós, isso se deve antes de tudo ao espaço que nos falta. os russos, com suas planícies imensas, podem se dar o luxo de não se apressar. O tempo trabalhad a favor deles, Mas trabalha contra nós. Infelizemente, vi-me obrigado a realizar tudo no breve período de uma vida humana (...) Assim, onde os outros dispõem de uma eternidade, eu não conto senão com alguns miseráveis anos."

      MFF

      Excluir
    3. 1º- Não! Seu comentário não foi extensivo a todos os imperialistas. Você especificou o Eixo;

      2º- Ninguém queria mais a guerra além dos parasitas da humanidade, usurários e imperialistas que sugavam a Europa com sua ciranda financeira (até hoje);

      3º- Por que você omitiu israel e os EUA?

      4º- De onde você tirou essa "tradussão" desse dito discurso de Hitler?

      Excluir
    4. Fab29,
      Seu desconhecimento histórico é do tamanho do mundo. Ou você acha que descobriu alguma novidade? Se você se aprofundar na pesquisa, saberá que o documento nunca foi desconhecido.

      http://blogs.estadao.com.br/arquivo/files/2011/02/1939.09.04capa1.jpg

      Excluir
    5. Caro Ninguém.

      Nunca me arvorei a ser uma novidade no que publico. Sou apenas um divulgador de fatos omitidos pela grande podre mídia que massacra os alienados e comodistas com suas podridões recicladas para parecerem palatáveis.

      Se você é tão aprofundado em suas pesquisas dessas pilantragens, por que não as divulga, as denuncia?

      Excluir
    6. Pois tenho mais o que fazer na vida. A tua postagem se assemelha a uma briga de vizinhos. Você (Alemanha) briga com seu vizinho a esquerda (Inglaterra) e aí, invade o terreno do vizinho a direita (Polonia). E ainda se acha um gênio!

      Excluir
    7. "Pois tenho mais o que fazer na vida"

      Ah, tá!...

      Excluir
    8. E o que este que "tem mais o que fazer na vida" vem fazer aqui ?
      kkkkkkkkkkk

      Cobalto

      Olha só a trollação. Sem argumentos .... trollam. Nenhuma novidade.

      Excluir
  2. Revisionismo Já !

    Cobalto

    ResponderExcluir
  3. Engraçado que o MFF e todo séquito funerário ideológico se esquecem das invasões francesas ao território alemão no entre guerras e do "Tratado" de Versalhes que judeus, britânicos, americanos, franceses e maçons impuseram, que acabou gerando o surgimento do nazismo e de Hitler. Estes são os verdadeiros pais de Hitler, do Nazismo e da 2GM ! !

    Nem percebem que, qdo acusam Hitler e o Nazismo, acusam quem defendem. Por isso o medo dos revisionistas.

    Revisionismo já ! !

    Cobalto

    ResponderExcluir
  4. MFF, " (ainda que o colonialismo possa a longo prazo exercer consequências benéficas ao colonizado) " é por isso que vc não se liberta ?

    Revisionismo já !

    Cobalto

    ResponderExcluir
  5. MFF, " Só que colonialismo e invadir o país do seu lado é diferente apesar de ambos serem condenáveis "

    Engraçado, ele só fala isso da Alemanha. Da Rússia judaico-comunista, da anticristã Israel, da "democrática" EUA ... um silêncio tumular incrível !


    "Na verdade eu destaquei a política de colonialismo de toda a Europa no comentário acima; sem exceções " , vejamos : dos 5 parágrafos, 4 ele fala da Alemanha. Grande "destaque " mesmo da " política de colonialismo de TODA a Europa ".

    rsrs

    Cobalto

    ResponderExcluir
  6. Se os senhores ficam contentes, podemos colocar a política belicosa dos USA e de Israel no contexto também, apesar de estarmos falando do íncio da Segunda Guerra Mundial, e não das últimas décadas.

    Os apontamentos de Hitler foram capturados por estenógrafas referentes as últimas reuniões de situação, algo muito comum nos dias de guerra, Guderian - chefe do Estado Maior do Exército também escrevia sobre essas reuniões.

    "Judeus contra a Alemanha" como resumo da primeira guerra é sintetizar a história a nível de maternal.

    MFF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não quero "ficar contente", amiguinho.

      Apenas questiono sua preocupação em impetrar a culpa pela 2ª guerra a Hitler procurando "tirar o dos sionistas da reta". A culpa da 1ª guerra já foi denunciada por este cara:
      http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2013/09/sobre-1-grande-guerra.html
      Por que a da 2ª seria diferente? Hitler não aprendeu nada?

      E (muito mais importante) usar de dois pesos e duas medidas quando o mesmo tópico (culpa) nos dias de hoje envolve israel e seu pit bull ianque.

      Excluir
    2. MFF, a 2GM é culpa dos judeus, americanos, maçons, franceses e ingleses, pois criaram o "Tratado " de Versalhes. Este "tratado" é fruto desta gente doentia e egoísta. Qq convesa sobre quem fez o que naquela guerra que não citar E culpar os acima, é besteirol puro.

      Depois, entraram no saldo negativo, o judaico-comunismo russo que antes já tentara um golpe na Espanha de Franco e invadido a Finlândia. E pq, nestes 2 casos o RU não declarou guerra à URSS ?

      Muito simples a resposta : oras, quem mandava e manda no RU e na extinta URSS, eram todos comerciantes de conteineres. Sabia não ?

      Cobalto

      Excluir
    3. MFF, "das últimas décadas" não. São 200 anos de esculhambação nos outros países. Informe-se

      Cobalto

      Excluir
    4. Hitler através do seu dogmatismo fanático creditou tudo na conta dos judeus como fazem a maioria dos antisemitas; mas a ação bélica partiu da parte dele, com francos motivos territoriais além dos ideológicos.

      "Combati os judeus de peito aberto. Eu lhes fiz uma última advertência antes de começar a guerra (...)"

      Hugh R.Trevor-Roper: "a clareza notável com que Hitler, em seus monólogos, tinha captado de acordo com seus princípios as oportunidades e os fracassos de suas idéias de HEGEMONIA mundial: viu que a Europa poderia ser governada por um poder continental que controlaria a rússia ocidental, se nutriria das reservas da ásia e se apresentaria ao mesmo tempo como paladino dos povos coloniais, ao associar a revolução política aos lemas de liberdade social"

      É incrível como vocês que idolatram tanto Hitler, o reduzem simplesmente a um ser que combate a maldade judaica e pensava em salvar seus irmãozinhos alemães das garras dos cruéis poloneses.

      MFF

      Excluir
    5. "vocês que idolatram tanto Hitler"???
      Onde eu faço isto, cara-pálida?! Nem sequer idolatro Chico Buarque ou os Beatles, cujas músicas embalaram minhas infância e adolescência!

      Você é mais liso que cobra ensaboada! Tenta renegar a qualquer preço o imperialismo judaico baseado na doutrina talmúdica que se metastizou no mundo há séculos.

      Continue tentando. Ainda fico com as convincentes palavras do Benjamin Freedman, que sabia um pouquinho mais que você.

      Excluir
    6. "com francos motivos(RAZÕES/DIREITOS ... VÁ ESTUDAR HISTÓRIA) territoriais além dos ideológicos"

      Excluir
  7. Primeiramente, sou tão anônimo quanto você.
    Quanto a idolatria acima citada, é tão obvio. Não há nada neste blog que não idolatre o tirano austríaco.
    Outra coisa que não entendo, por qual motivo você se torna agressivo com qualquer discordância?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Primeiro: só não sabe quem eu sou quem não quer;

      Segundo: eu idolatro a Verdade e a Justiça. Se elas eximirem Hitler da maioria dos pecados a ele atribuídos, que assim seja. Azar dos que o detrataram;

      Terceiro: cite onde fui agressivo e eu me retratarei.

      Excluir
    2. Tirano, por sinal , eleito por maioria. Outro tirano, foi Hugo Chaves. Este o o primeiro tirano eleito através de urnas e de forma democrática kkkkkk

      Cobalto

      Excluir
  8. Hitler deveria ter ganhado o prêmio nobel da paz e quase ganhou leiam: http://www.jn.pt/PaginaInicial/Interior.aspx?content_id=472156

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O "pacífico " Obama ganhou ..rsrs piada

      Cobalto

      Excluir
  9. Fabiano:

    Como já eram esperadas, as costumeiras reações a revelação de um documento que abala a versão oficial da II GM já se fizeram presentes.

    É certo que a carta não é um tiro de canhão convencional, como aqueles que ecoaram na madrugada de 01.09.39. Mas um tiro bem maior no edifício da história oficial.

    Não há como negar que O Império Britânico já estava com a intenção de fazer guerra à Alemanha bem antes da invasão desta a Polônia.

    Independente de qualquer outro fator, para o governo de Sua Majestade, não interessava uma Alemanha forte reinando no centro da Europa. Isso incomodava muito. E pretextos para uma guerra não faltaram.

    A questão da cidade de Danzig (95% alemã) foi o estopim para iniciar um conflito que, de regional, tornou-se mundial em 03.09.39.

    A Polônia, escorada numa garantia de defesa feita pelo Império, se recusou a negociar com a Alemanha sobre a questão desta cidade. Uma garantia que os melhores historiadores de hoje não hesitam em classificar como ilusória, como de fato foi. Pois não salvou a Polônia de uma derrota e que no final foi traída, e entregue como espólio de guerra ao Império Soviético, amargando 45 anos de ditadura comunista.

    Alguns livros que mostram o desencadear da II GM como algo bem mais complexo do que os desígnios de um semi-deus dotado de poderes demiúrgicos:

    A GUERRA DESNECESSÁRIA – Patrick Buchnan, conhecido político conservador norte-americano, analisa de maneira brilhante e polêmica o que significou este conflito.

    O GRANDE CULPADO – Viktor Suvorov, ex-agente da KGB, que desertou para o ocidente em 1978, revela os bastidores do plano de Stálin para lançar a Europa numa nova guerra e expandir o comunismo no continente.

    A GUERRA QUE TEVE MUITOS PAIS – General Gerd Schultze Rhonhoff, um ousado estudo deste general alemão, que foi muito além do comumente permitido a um pesquisador da RFA, mostrando os complicados antecedentes da guerra.

    AS ORIGENS DA II GM – A. J. P. Taylor, eminente historiador britânico que em 1961 já destoava da visão convencional do Hitler semi-deus e demonstrava que a eclosão da guerra foi algo bem mais complexo.

    Deixo aqui uma reflexão de Patrick Buchanan resumindo a II GM:

    ”Em 1º de setembro de 1939, 70 anos atrás, o exército alemão cruzou a fronteira polonesa. Em 3 de setembro, a Grã-Bretanha declarou guerra.

    Em maio de 1945, as hordas do Exército Vermelho ocuparam todas as grandes capitais da Europa Central: Viena, Praga, Budapeste, Berlim. Cem milhões de cristãos estavam sob o jugo da tirania mais bárbara da história: o regime bolchevista do maior terrorista de todos os tempos: Josef Stalin.”

    E outra de Peter Hitchers sobre as conseqüências dela para a Grã-Bretanha:

    “Nosso Império e nosso domínio dos mares se foi, lutamos com todos os tipos de problemas de uma grande civilização em declínio, e nosso amigo especial, os EUA, nos superou alegremente para sempre. Mas nós ganhamos a guerra.”

    E cada um que tire as suas próprias conclusões.

    Um abraço e aproveito para lhe desejar um Feliz Natal e que as bênçãos do Mestre Maior estejam com você.

    Augusto Landini.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nosso Mestre Maior abençoa todas as mentes, almas e corações abertos ao novo, ao belo e ao verdadeiro, caro Landini. É recíproco cada voto de bem estar, saúde e progresso a você e aos seus.

      Grato novamente pela dica para o post e este seu comentário pautado pela correção, amplitude e lucidez.
      Grande abraço.

      Excluir