Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Extermínio alemão.

Amigos e amigas.
Após um longo período de correrias, voltei a revisar a tradução que estou fazendo de um panfleto sórdido lançado no início da 2ª Guerra chamado "A Alemanha deve perecer", de Theodore Kaufman. Como só encontrei em inglês e alemão, achei necessário contribuir com uma publicação em português.
Creio que já postei alguma coisinha dele, mas agora farei o trabalho completo. Para início, mostro-lhes a nota introdutória do panfleto, escrita por Mark Weber. Depois, postarei o panfleto em capítulos.
Espero que ele traga mais uma luz à historiografia real desse período mais do que negro da humanidade.
FAB29

Nota introdutória (por Mark Weber)
Theodore N. Kaufman, autor da “Alemanha deve perecer”, foi um empresário de Manhattan, nascido judeu, que foi também presidente de um grupo que se autointitulava "Federação Americana para a Paz". A primeira edição deste volume fino foi publicada em 1940 ou início de 1941. A segunda edição de 96 páginas, que foi vendida por 25 centavos, foi publicada em 1941 por Argyle Press de Newark, Nova Jersey. Ambas as edições foram emitidas quando os Estados Unidos ainda eram oficialmente neutros, ou seja, antes do ataque a Pearl Harbour, de 07 de dezembro de 1941, que trouxe os EUA abertamente à Segunda Guerra Mundial.
À proposta fervorosa de Kaufman para a esterilização sistemática de toda a população alemã foi dada respeitosa atenção na imprensa americana, incluindo análises de uma série de jornais. Uma revisão na revista Hora Semanal, 24 de março de 1941, chamou o plano de Kaufman de “uma ideia sensacional".
O Chefe da propaganda alemã, Joseph Goebbels, teria apreendido com prazer o livro. "Este judeu [Kaufman] tem feito um desserviço ao inimigo", comentou Goebbels privadamente." Se ele tivesse composto o livro sob minha ordem não podia ter feito um trabalho melhor. "
Em sua direção, a imprensa alemã acusou a proposta de Kaufman de uma chamada para o genocídio. Um artigo de primeira página sobre o livro no diário de Berlim Der Angriff, 23 de julho de 1941, apareceu em manchetes que chamaram de “Plano diabólico de extermínio do povo alemão" e uma obra de "ódio do Velho Testamento". Extratos também apareceram, por exemplo, no semanário de circulação nacional Das Reich, 03 de agosto de 1941.
Um plano similar ao de Kaufman foi lançado durante a guerra por um antropólogo norte-americano. Em um artigo intitulado "Guerra racial exala dos alemães", no jornal New York Daily, 04 de janeiro de 1943, Ernest Hooton estabeleceu um plano de “desracialização” que iria "destruir o nacionalismo alemão e a ideologia agressiva, enquanto manteria e perpetuaria as capacidades biológicas e sociológicas alemãs desejáveis" (Veja também: Benjamin Colby, 'Foi uma famosa vitória’, 1974, p. 131.)
A proposta do professor da Universidade de Harvard é um chamado para transformar geneticamente a nação alemã, incentivando o acasalamento das mulheres alemãs com homens não-alemães (que seriam trazidos para o país em grande número) e de homens alemães (forçosamente realizado fora da Alemanha) com as mulheres não-alemãs. Dez a doze milhões de homens alemães seriam conduzidos a trabalhos forçados sob a supervisão dos Aliados em países fora da Alemanha para reconstruir as suas economias. "Os objetivos da presente medida", escreveu Dr. Hooton "incluem a redução da taxa de natalidade dos ‘puros’ alemães, neutralização da agressividade alemã por ‘desracialização’ e desnacionalização das pessoas doutrinadas".
Este plano, Hooton estimou, exigiria pelo menos 20 anos para ser implementado. "Durante este período,", continuou ele, "incentivar também a imigração e liquidação nos estados alemães de cidadãos não-alemães, especialmente os homens."
Nas décadas desde o fim da Segunda Guerra Mundial, algo do espírito genocida de Kaufman e dos planos de Hooton pareceu se manifestar na população da Alemanha e nas políticas de imigração. Desde a derrota da nação em 1945, a taxa de natalidade alemã caiu para abaixo do nível de reposição; milhões de migrantes racial e culturalmente exóticos têm sido saudados como colonos na Alemanha; o número de crianças de etnia mista aumentou significativamente e as características étnico-culturais de grande parte do país foram drasticamente alteradas, especialmente nas cidades maiores.

Continuações:
http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2013/01/exterminio-alemao-2-parte.html

http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2013/01/exterminio-alemao-3-parte.html


http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2013/01/exterminio-alemao-4-parte.html


http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2013/02/exterminio-alemao-5-parte_6.html


http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2013/02/exterminio-alemao-6-parte.html


http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2013/02/exterminio-alemao-7-parte.html


http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2013/02/exterminio-alemao-final.html