Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


terça-feira, 16 de abril de 2013

Um reforço nos dados

Amigos e amigas
Números, dados e estatísticas sobre qualquer coisa podem ser "eufemizados" ou "apimentados", sempre de acordo com as conveniências. Em geral, censos demográficos são mais idôneos, devido à isenção dos institutos de pesquisa. No caso da população judaica à época da 2ª Guerra, tais números estão envoltos em grande nebulosidade.
Já postei um gráfico sobre isso (http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2012/12/numeros-e-estatisticas.html) e, logo abaixo, tem um reforço nesses dados. Ele vem de uma pesquisa de Richard Harwood, sempre baseando-se em fontes oficiais.
FAB29

"Em primeiro lugar, o número não pode nem remotamente se basear no exame dos dados sobre a população judia européia. De acordo com a Chamber Encyclopaedia, o número total de judeus vivendo na Europa antes da guerra era de 6.500.000. Claramente, isto significaria que quase todo o número teria sido exterminado. Mas a Baseler Nachrichten, uma publicação suíça neutra empregando dados estatísticos judaicos existentes, diz que, entre 1933 e 1945, 1.500.000 judeus emigraram para a Grã-Bretanha, Suécia, Espanha, Portugal, Austrália, China, Índia, Palestina e os Estados Unidos. Isto é confirmado pelo jornalista judeu Bruno Blau, que cita o mesmo número o jornal judaico nova-iorquino Aufbau, a 13 de agosto de 1948. Destes imigrantes, aproximadamente 400.000 vieram da Alemanha antes de setembro de 1939. Isto é confirmado pelo Congresso Mundial Judaico em sua publicação Unity in Dispersion (p. 377), que afirma que: "A maioria dos judeus alemães teve sucesso em deixar a Alemanha antes do começo da guerra". Em adição aos judeus alemães, 220.000 do total de 280.000 judeus austríacos emigraram até setembro de 1939, enquanto que de março de 1939 em diante o Instituto de Emigração Judaica em Praga havia assegurado a emigração de 260.000 judeus da antiga Tchecoslováquia. No total, apenas 360.000 judeus permaneciam na Alemanha, Áustria e Tchecoslováquia após setembro de 1939. Da Polônia, uma estimativa de 500.000 emigraram antes do início da guerra. Estes números indicam que o número de emigrantes judeus de outros países europeus (França, Holanda, Itália, os países da Europa Oriental, etc.) era de aproximadamente 120.000. Este êxodo de judeus antes e durante as hostilidades, portanto, reduz o número de judeus na Europa a APROXIMADAMENTE 5 MILHÕES. Em adição a esses emigrantes, devemos também incluir aqueles que fugiram para a URSS depois de 1939, e que foram migrantes da Polônia. Mas, tirando a Polônia, Gerald Reitlinger (eminente historiador do holocausto) admite que 300.000 outros judeus europeus escaparam ao território soviético entre 1939 e 1941. Isto traz o total de emigrantes à Rússia Soviética a mais ou menos 1.550.000. Na revista Colliers, dia 9 de junho de 1939, Freiling Foster, escrevendo sobre os judeus na Rússia, explicou que "2.200.000 emigraram para a URSS desde 1939 para escapar aos nazistas", mas nossa estimativa mais baixa é provavelmente mais acurada. A imigração judaica para a URSS, portanto, reduz o número de judeus na esfera de influência alemã para mais ou menos 3,5 milhões, aproximadamente 3.450.000. Destes, devem ser deduzidos aqueles judeus vivendo em países neutros que escaparam ás conseqüências da guerra. De acordo com o 1942 World Almanac (p. 594), o número de judeus vivendo em Gibraltar, Grã-Bretanha, Espanha, Portugal, Suécia, Suíça, Irlanda e Turquia era 413.128."

ONDE ESTÃO OS 6.000.000 DE JUDEUS MORTOS?
1921     11.600.000    Meyers HandLexicon, Alemania
1930     15.600.000    National Council of Churches
1939     15.000.000    American Jewish Comittee Bureau of the Synagogue Council
1940     15.319.359    World Almanac  ( pág. 129)
1947     15.690.000    World Almanac
1949     15.713.638    World Almanac   (pág. 284)
1961     16.300.000    Statistical Yearbook of Council of Churches, EUA