Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


quinta-feira, 2 de maio de 2013

Sobre Belzec.

Amigos e amigas.
Tenho pesquisado na Historiografia Oficial da 2ª Guerra Mundial vários detalhes que as testemunhas oficiais deram a respeito dos ditos "campos de extermínio nazistas", quero dizer, a maneira como os judeus eram executados nesses campos. Vejam abaixo como era em Belzec:

- matar por meio de eletricidade em uma cisterna de água subterrânea, que reduzia os cadáveres a cinzas (Dr. Stefan Szende);

- matar por meio de eletricidade sobre uma placa de metal durante o banho, seguindo-se o processamento dos cadáveres em sabão (Simon Wiesenthal);

- matar em comboios por meio de cal (Jan Karski);

- matar por meio de monóxido de carbono engarrafado (testemunha sem nome citada por Hilberg na p. 941 do seu livro "A destruição dos judeus europeus");

- matar por meio de Zyklon B engarrafado (decisão de um Tribunal Federal alemão, citado por Adalberto Rückerl);

- matar por gases de escape de um motor a gasolina (Rudolf Reder);

- matar por gases de escape de um motor diesel (Kurt Gerstein).

Interessante é que cada um deles afirma que centenas de milhares (senão, milhões) foram mortos da forma que 'elegeram' ser a verdade. É pra lá de incrível ver que, se todos esses depoimentos forem verdadeiros, os alemães conseguiram eliminar todos os vestígios, evidências, corpos, covas, cinzas, etc.

Nem a moderníssima polícia forense parece ser capaz de deslindar esse nó górdio. Se bem que não parece existir a menor vontade de se permitir tais investigações. Acredite-se e pronto.

Ah! E pague-se por isso, é claro!
FAB29