Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Pontos Nevrálgicos - 7

Amigos e amigas.
Um dos subtítulos do capítulo X dos 'Protocolos' é: "A 'genialidade' da baixeza". É perfeito! Veja só.
FAB29

O povo tem um amor especial e uma grande estima pelos gênios políticos e responde a todos os atos de violência com as palavras:”É um canalha, bem canalha, mas que habilidade!...Foi uma esperteza, mas bem feita, e como é insolente!(Tipo o "Rouba, mas faz!")

Tendo, assim, habituado toda a gente a ideia de seu próprio valor, destruiremos a importância da família cristã e seu valor educativo, deixaremos que se produzam individualidades que a multidão, guiada por nós, não permitirá que se faça notar, nem mesmo que fale. (...) Desta sorte, faremos do povo uma força tão cega que, em toda a parte, só se poderá mover guiada pelos nossos agentes, postos em lugar de seus chefes naturais. (Tantas reais genialidades são abduzidas do corpo da humanidade por esta sordidez.)

As instituições dividiram entre si todas as funções do governo: funções administrativa, legislativa, executiva. Por isso, elas trabalham no organismo do Estado como os órgãos no corpo humano. Se prejudicarmos uma parte da máquina do Estado, o Estado ficará doente, como o corpo humano, e morrerá. Quando introduzimos no organismo do Estado o veneno do liberalismo, toda a sua constituição política foi mudada: os Estados caíram doentes com uma doença mortal: a decomposição do sangue. Não resta mais do que esperar o fim de sua agonia. (A confusão e a ganância dos "nossos representantes" garantem nosso mal estar.)

Do liberalismo, nasceram os governos constitucionais que substituíram, para os cristãos, a autocracia salutar; e a constituição, como bem o sabeis, não é mais do que uma escola de discórdias, de desinteligência, de discussões, de dissentimentos, de agitações estéreis dos partidos; em uma palavra, é a escola de tudo o que faz com que um Estado perca sua individualidade e sua personalidade. (Alguma dúvida disto?)

Para chegar a esse resultado, maquinaremos a eleição de presidentes que tenham em seu passado uma tara oculta (...). O receio de revelações, o desejo próprio a cada homem que chega ao poder de conservar seus privilégios, vantagens e honras ligadas à sua condição farão com que sejam fiéis executores de nossas ordens. A câmara dos deputados cobrirá, defenderá, elegerá presidentes, porém, nós lhe retiraremos o direito de propor leis, de modificá-las; esse direito será atribuído ao presidente responsável, que se tornará mero joguete em nossas mãos. (E os poucos fora desse esquema se afogam num mar de excrescências morais.)

Vós mesmo sabeis muito bem que, para tornar possíveis tais desejos, é preciso perturbar constantemente, em todos os países, as relações entre o povo e o governo, a fim de cansar todos pela desunião, pela inimizade, pelo ódio, mesmo pelo martírio, pela fome, pela inoculação de doenças, pela miséria, a fim de que os cristãos não vejam outra salvação senão recorrer à nossa plena e definitiva sabedoria. (E sempre à socapa! Conheço muitos que, mesmo com condições de se libertar desse jugo, o aceitam e o defendem intransigentemente.)