Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Heróis malditos - Adendo

Amigos e amigas.
O texto abaixo é um complemento ao depoimento de Martin Brech que postei aqui (http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2014/01/herois-malditos.html). Impressiona saber a quantidade de prisioneiros que os aliados fizeram após a 2ª Guerra. Só na foto abaixo, podemos ter uma pequena ideia do horror.
FAB29

Allied POW acampamento
Um soldado do Exército dos EUA fica de guarda ao longo de milhares de prisioneiros de guerra alemães
em Sinzig-Remagen, primavera de 1945

Nunca tantas pessoas foram colocadas na prisão. O tamanho das capturas aliadas foi sem precedentes em toda a História. Os soviéticos fizeram prisioneiros cerca de 3,5 milhões de europeus; os norte-americanos, cerca de 6,1 milhões; os britânicos, cerca de 2,4 milhões; os canadenses, cerca de 300.000; os franceses, em torno de 200.000. Incontável número de japoneses entrou em cativeiro americano em 1945, além de cerca de 640 mil entraram em cativeiro soviético.

Assim que a Alemanha se rendeu no dia 8 de maio de 1945, o governador militar americano, o general Eisenhower, enviou um "correio urgente" a toda a grande área que ele comandou, tornando-se um crime punível com a morte alimentar os presos civis alemães. Foi mesmo um crime de pena de morte recolher alimentos em um só lugar para levá-los aos presos. A ordem foi enviada em alemão para os governos provinciais, ordenando-lhes que a distribuíssem imediatamente aos governos locais. Cópias da ordem foram descobertas recentemente em várias aldeias perto do Reno. A mensagem [que reproduz Bacque] diz, em parte: "...sob nenhuma circunstância pode o abastecimento de alimentos ser realizado entre os habitantes locais, a fim de entregá-los aos prisioneiros de guerra. Aqueles que violarem este comando e, assim, tentarem contornar esse bloqueio para permitir que algo chegue aos prisioneiros irá colocar-se em perigo de levar um tiro."

A ordem de Eisenhower também foi publicada em inglês, alemão e polonês no quadro de avisos da Sede do Governo Militar, na Baviera, assinado pelo Chefe de Gabinete do Governador Militar da Baviera. Mais tarde, foi publicada em polonês em Straubing e Regensburg, onde havia muitas empresas de guarda poloneses em campos próximos. Um oficial do Exército dos EUA que leu a ordem postada em maio de 1945 escreveu que era "a intenção do comando do Exército em relação aos campos de prisioneiros alemães na Zona EUA a partir de maio 1945 até o final de 1947 era exterminar o maior número de prisioneiros de guerra quanto o tráfego comportasse sem o conhecimento internacional. 

...A política do exército [americano] era a fome dos prisioneiros [alemães], de acordo com vários soldados americanos que estavam lá. Martin Brech, professor aposentado de filosofia na faculdade Misericórdia, em Nova York, que foi um guarda em Andernach, em 1945, disse que ele foi informado por um funcionário que "é nossa política que estes homens não sejam alimentados.Os 50.000 a 60.000 homens em Andernach estavam morrendo de fome, vivendo sem abrigo em buracos no chão, tentando se alimentar de grama. Quando Brech contrabandeou pão para eles através do arame farpado, ele foi obrigado a parar por um oficial. Mais tarde, Brech furtivamente levou mais comida para eles, foi pego e ouviu do mesmo diretor: "Se você fizer isso de novo, você vai levar um tiro." Brech viu corpos levados para fora do acampamento "pelo caminhão", mas a ele nunca foi dito quantos eram, onde eles foram enterrados, ou como.

...O prisioneiro Paul Schmitt foi baleado no acampamento americano em Bretzenheim depois de se aproximar do arame farpado para ver sua esposa e filho, que estavam trazendo-lhe uma cesta de alimentos. Os franceses seguiram o exemplo: Agnes Spira foi baleada por guardas franceses em Dietersheim em julho de 1945 por levar comida aos presos. O memorial a ela próximo a Buedesheim, escrito por um de seus filhos, lê-se: "No dia 31 de julho de 1945, minha mãe foi de repente e inesperadamente arrancada de mim por causa de sua boa ação na direção dos soldados presos." A inscrição no registro da Igreja católica diz simplesmente: "Uma morte trágica, ocorrida em Dietersheim em 31/07/1945. Enterrada em 03/08/1945". Martin Brech com espanto, diz que um oficial em Andernach ficava numa encosta disparando tiros para mulheres alemãs fugirem dele no vale abaixo.

O prisioneiro Hans Scharf... estava assistindo como uma alemã com seus dois filhos vieram em direção a um guarda-americano no acampamento em Bad Kreuznach, carregando uma garrafa de vinho. Ela perguntou ao guarda para dar de beber para seu marido, que estava apenas dentro do cercado. O guarda virou a garrafa em sua boca e, quando ela estava vazia, jogou-a no chão e matou o prisioneiro com cinco tiros.

Muitos prisioneiros e civis alemães viram os guardas americanos queimarem a comida trazida por mulheres civis. Um ex-prisioneiro descreveu recentemente:. "No começo, as mulheres da cidade vizinha trouxeram comida para o acampamento. Os soldados americanos levaram tudo longe das mulheres, jogou-o em uma pilha e derramou gasolina [benzina] sobre ele e queimaram. " O próprio Eisenhower ordenou que a comida fosse destruída, de acordo com o escritor Karl Vogel, que era o comandante do campo alemão nomeado pelos americanos em Camp 8, em Garmisch-Partenkirchen. Embora os prisioneiros estivessem recebendo apenas 800 calorias por dia, os americanos estavam destruindo alimentos fora do portão do acampamento.

James Bacque, "Crimes e Misericórdias: o destino dos civis alemães sob ocupação aliada, 1944-1950", pp 41-45, 94-95. "Crimes e Misericórdias" pode ser comprado a partir do Instituto de Revisão Histórica, PO Box 2739, Newport Beach,. CA 92659. $ 18,95 pós-pago (CA imposto sobre vendas $ 1,31).

30 comentários:

  1. Ah...os testemunhos judaicos são todos fantasiosos, mas esses são a expressão pura da verdade!

    Rsss, melhor isso ou os judeus eletrificados?

    MFF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você mostrar um só depoimento daqui que possua metade da incredibilidade das "câmaras de gás" alemãs ou das "valas crematórias em pântanos", eu deleto o post.

      Excluir
    2. "A morte de uns é mais importante e grave que a morte de outros" é o que podemos ler nas entrelinhas e no pensmento de uns como MFF, playboy do conteiner, etc.

      Uns devem receber indenização, filmes, memoriais, datas para lembrança. Já outros, devem ser esquecidos, escondidos e negados.

      Só não os chame de racistas ou outra coisa, pois ficarão ofendidinhos. Dirão que "assim não dá pra debater" e outras trollagens. E passarão a fazer pose de vítimas, de coitados, querendo com isso disfarçar sua ignorância para discutir verdades que lhes incomodam e sua insensibilidade para o sofrimento dos povos "goyim".

      Fato. Não é teoria da conspiração.

      Abraços, Cobalto

      Excluir
    3. Não precisa deletar o post. Basta colocar alguma foto do tal Martin Brech.

      Excluir
    4. http://geschichteinchronologie.ch/USA/Eisenhower-massenmoerder/D/04-d/

      Divirta-se!

      Excluir
    5. Me diverti e....nada!

      Excluir
    6. Eis a prova de suas vontade de debater e lisura de atitudes.
      Disponibilizei dezenas de fotos do assunto (Brech, incluído) e você...

      Excluir
    7. Não adianta dizer que é BOI, os defensores do INDEFENSÁVEL insistem em querer ORDENHAR, são FRAQUINHOS demais...

      Excluir
  2. ""A morte de uns é mais importante e grave que a morte de outros" é o que podemos ler nas entrelinhas e no pensmento de uns como MFF, playboy do conteiner, etc. "

    Quando o próprio dono do blog defende que civis deveriam ir sim para os campos (de extermínio, de escravidão...o que seja), porquê eram "inimigos", o que pensar de soldados inimigos igualmente encarcerados?

    O bacana é que em sites tipo Sala de Guerra, todos os dias têm velhos militares alemães morrendo, e tendo suas vidas contadas...suas proezas militares e afins (nada contra, eles cumpriam o seu dever no campo de batalha, guerreiros!); mas o detalhe é que todos ficaram prisioneiros e depois de alguns tempo ou anos foram soltos....

    Insólito que não foram eliminados hein? Mesmo alguns, provocando muitas baixas nas forças aliadas.

    Quantos CIVIS foram soltos pelos nazistas?

    MFF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sua tergiversação é deveras asquerosa. Sou avesso à guerra. Nunca defenderei nada que provenha dela. Apenas ponderei:

      Um regime confinar durante uma guerra quem se mostra contra você dentro do próprio país é pura prevenção. A traição dos judeus durante a 1ª guerra (bem mostrada aqui: http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2013/09/sobre-1-grande-guerra.html) consolida essa necessidade.

      Foi sua última tentativa e de seus pares apodrecer minha palavra.

      Excluir
    2. ts ts ts , torce tudo. Que feio e desonesto.

      Mistura propositalmente tempos de guerra com tempos PÓS GUERRA. Que falta de honestidade.

      Cobalto

      Excluir
    3. Diga isso aos que não conseguiram ser soltos dos campos por força de terceiros, e não dos seus algozes.

      MFF

      Excluir
    4. Tergiversação ( pra variar ), que falta de honestidade, MFF ts ts ts

      Abraços, Cobalto

      Excluir
  3. Você está é de brincadeira. Foto de quem? De alguém (?) uniformizado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sua modorra e a de seus pares termina aqui.

      Excluir
    2. Pra que tanto uma foto do cara ? E de uniforme ? Gamou no sujeito, foi ?

      Cobalto

      Excluir
  4. Neste vídeo, mostra parte do que os alemães, que nunca causaram mal algum ao Brasil, bem pelo contrário, sofreram por causa da guerra que a judaico-maçonaria moveu contra a Alemanha. Foram humilhações, insultos, estupros, cuspiam, roubos puros, espancamentos covardes, falsas acusações, ameaças, terrorismo psicológico entre outros pelo simples fato de falarem alemão. O idioma fora o único "crime" deles.

    Sem Palavras / Speechless, documentário com direção de Kátia Klock
    ( 2009 - 52 min.) http://www.youtube.com/watch?v=2WMUGVvRdQA

    Nem por isto, os alemães, ao contrário de certas outras etnias, choramingaram, e choramingam ainda, e ficam a se fazer de vítimas, pedem memoriais, filmes, leis especiais que segregam, etc. Pelo contrário, os alemães no Brasil, se ergueram com a própria força física e moral que lhes é muito característica, sem exigirem indenizações, leis especiais para lhes favorecer, nem cotas em universidades e tantas outras leis paternalistas e discriminatórias.

    Mas caberia sim, levantar esta questão, pois flagrantes crimes foram cometidos pelo governo federal, estadual e municipais e por outros cidadãos brasileiros movidos por racismo e ódio propagado pela imprensa e governos Aliados. Acaso alguém irá indenizá-los ?

    Caberiam também responsabilidades à Imprensa, à Maçonaria e à Israel, os ônus destas indenizações.

    Fonte : http://desatracado.blogspot.com.br/2013/11/odio-aos-alemaes-no-brasil.html

    Abraços, Cobalto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quantos campos de concentração foram criados no Brasil para trancafiar os alemães?

      Quer comparar a perseguição contra os judeus na Alemanha, com o que os arianos sofreram aqui no Brasil, em retaliação à Guerra???

      Tua balança moral é fantástica!

      MFF

      Excluir
    2. a tua é talmudica, por isso vc estranha a moral dos gentis

      Cobalto

      Excluir
  5. Olá Fab 29,
    Gostaria de compartilhar dois sites revisionistas de primeira linha.
    http://www.thetruthseeker.co.uk/
    http://henrymakow.com/
    ...Ah, ótimo post! Haja paciência com estes chorumes.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato. Irei navegá-los.
      Chorumes "never again"!

      Excluir
  6. Quero ser convencido que este documentário é uma fraude.
    Boa sorte!

    http://www.megacurioso.com.br/cinema/41742-documentario-de-hitchcock-sobre-atrocidades-nazistas-e-restaurado.htm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os temas dele (câmaras de gás, valas crematórias, pira funerária de Treblinka, 6 milhões, etc) são impossíveis, sem provas forenses. Logo, são fraudulentos.

      Por consequência, o documentário também o é.

      Excluir
    2. Difícil...eita não ?!

      Logo o "imparcial" Hitchock kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Cobalto

      Excluir

    3. Pra calar a boca de uns insensíveis.

      http://desatracado.blogspot.com.br/2014/01/milhares-de-alemas-estupradas-pelos.html

      Excluir
    4. Eu nada falei sobre câmaras de gás, valas crematórias, pira ou 1 campo especifico. Quero que me mostre ser uma fraude o documentário sobre a morte de milhões de civis em guetos e campos de concentração e de extermínio.

      Excluir
    5. O documentário quer provar o holocausto. Este "ocorreu" com tudo o que citei. Nenhum foi comprovado cientificamente.

      Conclusão: mera fraude. Só aspones tentam tergiversar.

      Excluir
    6. "milhões" do jeito que fala parece que só tinha judeu na Europa. E só judeus morreram. Quere dizer que 300.000 judeus valem mais que 17 milhões de alemães e sendo que deste montante 12 milhões foram assassinados APÓS O TÉRMINO DA GUERRA QUE OS JUDEUS COMEÇARAM É PIADA, NE ?


      https://www.youtube.com/watch?v=r1GIiU_rVV8


      Abraços, Cobalto

      Excluir
    7. Caro Cobalto.
      Depois que aquele rabino afirmou que "uma unha de um judeu vale um milhão de árabes", o que podemos pensar da "moral" dos aspones?
      Abraço.

      Excluir
    8. Com a palavra, MFF e "eleitos".

      Cobalto

      Excluir