Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Heróis malditos!

Amigos e amigas.
Traduzi esse texto abaixo de um soldado aliado chamado Martin Brech. Ele era responsável por vigiar os prisioneiros alemães após a 2ª guerra. É sabido que os "campos de Eisenhower" foram odiosos depósitos onde mais de um milhão de alemães morreram de inanição.
(veja aqui: http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2011/08/covardia_09.html).

Seu depoimento assustador mostra a extrema covardia desses supostos "heróis" que tentam a todo custo ocultar suas podridões, jogando toda a culpa no inimigo.

Leiam e se conscientizem mais um pouco sobre esses malditos.
FAB29

MORTE DOS PRISIONEIROS DE GUERRA
DE EISENHOWER
A HISTÓRIA DE UM SOLDADO AMERICANO
Por Martin Brech

[...] No final de março ou início de abril de 1945, fui enviado para proteger um campo de prisioneiros perto de Andernach ao longo do Reno. Eu tinha quatro anos do ensino médio alemão, então eu era capaz de falar com os prisioneiros, embora isso fosse proibido. Aos poucos, porém, eu estava acostumado como intérprete e me pediram para desentocar os membros da SS (não os achei.)

Em Andernach, cerca de 50.000 prisioneiros de todas as idades foram deixados em terreno aberto cercado de arame farpado. As mulheres foram mantidas em um recinto separado que não vi até ser tarde. Os homens que vigiava não tinham abrigo e cobertores, muitos não tinham casacos. Eles dormiam na lama úmida e fria, com inadequadas trincheiras para excrementos. Era uma primavera fria e molhada e suas angústias de estarem expostos eram evidentes.
Ainda mais chocante foi ver os prisioneiros jogando grama e ervas daninhas em uma lata contendo uma sopa rala. Eles me disseram que fizeram isso para ajudar a aliviar as suas dores da fome. Rapidamente, eles emagreceram. Disenteria assolou, e logo eles estavam dormindo em seus próprios excrementos, muito fracos e lotados para chegarem às fendas das trincheiras. Muitos estavam implorando por comida, adoecendo e morrendo diante de nossos olhos. Tínhamos bastante comida e suprimentos, mas não fizemos nada para ajudá-los, inclusive sem assistência médica.

Indignado, eu protestei aos meus oficiais e fui recebido com hostilidade ou indiferença branda. Quando pressionados, eles explicaram que estavam sob ordens estritas de "superiores”. Nenhum oficial ousaria fazer isso com 50.000 homens se ele sentisse que era "fora de linha", deixando-o vulnerável a acusações. Percebendo que meus protestos eram inúteis, perguntei a um amigo que trabalhava na cozinha, se ele poderia me passar um pouco de comida extra para os prisioneiros. Ele também disse que estava sob ordens estritas de contenção da comida aos presos e que essas ordens vieram de "superiores." Mas me disse que eles tinham mais comida do que sabiam o que fazer com ela e me arrumaria alguma.

Quando eu joguei esse alimento sobre o arame farpado para os prisioneiros, eu fui pego e ameaçado de prisão. Repeti a "ofensa" e um oficial com raiva ameaçou atirar em mim. Presumi que era um blefe, até que eu encontrei um capitão em uma colina acima do Reno atirando para baixo em um grupo de mulheres civis alemãs com sua pistola calibre 45. Quando eu perguntei por que, ele murmurou: "Tiro ao alvo", e disparou até que a pistola se esvaziasse. Eu vi as mulheres correndo para se esconder, mas, àquela distância, não poderia dizer se alguma tinha sido atingida.

Foi quando percebi que estava lidando com assassinos de sangue frio cheios de ódio moralista. Eles consideravam os alemães subumanos e dignos de extermínio; outra expressão da espiral descendente de racismo. Artigos no jornal GI, Stars and Stripes, mostraram os campos de concentração alemães, completos, com fotos de corpos magros, o que amplificou a nossa crueldade hipócrita e tornou mais fácil de imitar o comportamento a que deveriam se opor. Além disso, acho, os soldados que não foram expostos ao combate tentavam provar o quão duros eles eram, descontando sobre os prisioneiros e civis.
rheinwiesenlager-frauen
Famílias alemãs inteiras à morte
Estes prisioneiros, eu descobri, eram em sua maioria agricultores e operários, tão simples e ignorantes como muitos de nossos próprios soldados. Conforme o tempo passava, mais deles entravam em estado de apatia, zumbis, enquanto outros tentavam escapar de uma forma demente ou suicida, correndo através de campos abertos em plena luz do dia em direção ao Reno para saciar sua sede. Eles eram abatidos. Alguns prisioneiros estavam tão ansiosos por cigarros quanto por alimento, dizendo que passaram o limite de sua fome. Assim, os "comerciantes ianques" GI empreendedores estavam adquirindo montes de relógios e anéis em troca de um punhado de cigarros ou menos. Quando comecei a jogar caixas de cigarros aos prisioneiros para arruinar este comércio, fui ameaçado por recrutas, também.

O único ponto positivo neste quadro sombrio veio uma noite quando fui colocado no "turno da noite", de 03:58h. Na verdade, havia um cemitério no lado de cima desse cercado, a não muitos metros de distância. Meus superiores tinham esquecido de me dar uma lanterna e não me preocupei em pedir uma, revoltado como eu estava com toda a situação por esse tempo. Foi uma noite bastante brilhante e logo me dei conta de um prisioneiro rastejando sob os fios em direção ao cemitério. Nós deveríamos atirar em fugitivos flagrados. Então, eu comecei a me levantar do chão para avisá-lo a voltar. De repente, notei outro prisioneiro rastejando do cemitério de volta ao gabinete. Eles estavam arriscando suas vidas para chegar ao cemitério por algo e eu tinha que investigar.

Quando entrei na escuridão do cemitério, à sombra de árvores arbustivas, senti-me completamente vulnerável, mas alguma curiosidade me manteve em movimento. Apesar da minha cautela, eu tropecei nas pernas de alguém em uma posição de bruços. Tirei meu rifle, tropeçando e tentando recompor mente e corpo, eu logo fiquei aliviado por não ter atirado por reflexo. A figura se sentou. Aos poucos, eu podia ver o bonito, mas aterrorizado rosto de uma mulher com uma cesta de piquenique nas proximidades. Civis alemães não tinham permissão para alimentar, nem sequer chegar perto dos prisioneiros. Então eu rapidamente assegurei a ela que eu aprovava o que ela estava fazendo, que não tivesse medo e que eu iria deixar o cemitério para sair do caminho.

Fiz isso imediatamente e sentei-me, inclinando-me contra uma árvore na beira do cemitério para ser discreto e não assustar os prisioneiros. Imaginei então, e ainda faço agora, o que seria encontrar uma mulher bonita, com uma cesta de piquenique, sob essas condições como prisioneiro. Eu nunca esqueci seu rosto.

Eventualmente, mais prisioneiros se arrastaram de volta ao cercado. Eu vi que eles estavam levando comida para seus companheiros e só podia admirar sua coragem e devoção.

Em 8 de maio, Dia da Vitória, eu decidi comemorar com alguns prisioneiros que eu estava vigiando, que estavam assando pão dos outros prisioneiros ocasionalmente recebido. Este grupo tinha todo o pão que poderia comer e dividiu o humor jovial gerado pelo fim da guerra. Todos nós pensamos que estaríamos indo para casa em breve, uma esperança patética de nossa parte. Estávamos no que viria a ser a zona francesa, onde eu logo iria testemunhar a brutalidade dos soldados franceses quando transferimos nossos prisioneiros a eles, para seus campos de trabalho escravo.

Neste dia, no entanto, ficamos felizes.

Como um gesto de simpatia, eu esvaziei meu rifle e o coloquei num canto, permitindo-lhes brincar com ele quando pedido! Isto completamente "quebrou o gelo", e logo estávamos cantando músicas que ensinavam uns aos outros ou que eu tinha aprendido na escola alemã ("Du, du liegst mir im Herzen"). Por gratidão, eles me fizeram um pequeno pão especial, de pão doce, o único presente possível que eles podiam oferecer. Enfiei-o na minha jaqueta "Eisenhower" e escapei de volta ao meu quartel, comer quando tivesse privacidade. Eu nunca provei pão mais delicioso, nem senti um sentido mais profundo de comunhão, enquanto o comia. Eu acredito que um sentido cósmico de Cristo (a Unidade de todo o Ser) revelou a sua presença normalmente escondida para mim naquela ocasião, influenciando a minha decisão mais tarde me formar em filosofia e religião.

Pouco tempo depois, alguns de nossos prisioneiros fracos e doentes marcharam com soldados franceses para seu acampamento. Fomos andando em um caminhão atrás desta coluna. Temporariamente, ela diminuía a velocidade e estancava, talvez porque o motorista estava tão surpreso quanto eu. Sempre que um prisioneiro alemão cambaleava ou caía, ele era atingido na cabeça com coronhadas até morrer. Os corpos eram rolados para o lado da estrada para ser pego por um outro caminhão. Para muitos, esta morte rápida poderia ter sido preferível para diminuir a fome em nossos "campos de morte".

Quando finalmente vi as mulheres alemãs em um compartimento separado, eu perguntei por que estávamos mantendo-as prisioneiras. Foi-me dito que elas eram "seguidoras de acampamento", selecionadas como reprodutoras para a SS para criar uma super-raça. Eu falei com algumas e devo dizer que eu nunca conheci um grupo mais animado ou atraente de mulheres. Eu certamente não achava que elas mereciam prisão.

Eu estava sendo cada vez mais utilizado como um intérprete e fui capaz de impedir algumas prisões particularmente infelizes. Um incidente bastante divertido envolveu um velho fazendeiro que estava sendo arrastado por vários MPs. Disseram-me que ele tinha uma "extravagante medalha nazista", que eles me mostraram. Felizmente, eu tinha um gráfico identificando essas medalhas. Ele tinha sido premiado com ela por ter cinco filhos! Talvez sua esposa estivesse um pouco aliviada por "livrar-se dele", mas eu não acho que um dos nossos campos de morte era um castigo justo por sua contribuição para a Alemanha. Os MPs concordaram e o soltaram para continuar seu "trabalho sujo".

Fome começou a se espalhar entre os civis alemães também. Era uma visão comum ver mulheres alemãs até os cotovelos em nossas latas de lixo em busca de algo comestível - ou seja, se elas não fossem expulsas.
A síntese da benevolências dos grandes mocinhos aliados
Quando entrevistei prefeitos de pequenas cidades e aldeias, foi-me dito que a sua oferta de alimentos tinha sido levada por "pessoas deslocadas" (estrangeiros que haviam trabalhado na Alemanha), que lotaram a comida em caminhões e foram embora. Quando eu relatei isso, a resposta foi um encolher de ombros. Eu nunca vi ninguém da Cruz Vermelha no campo ou a ajudar os civis, embora seus estandes de café e de rosca estivessem disponíveis em qualquer outro lugar para nós. Nesse meio tempo, os alemães tiveram que contar com a partilha de estoques escondidos até a próxima colheita.

Fome fez mulheres alemãs mais "disponíveis", mas, apesar disso, o estupro prevalecia e, muitas vezes acompanhado de violência adicional. Em particular, eu me lembro de uma mulher de dezoito anos de idade que teve o lado do rosto esmagado pela coronha do rifle e, então, foi estuprada por dois soldados. Mesmo os franceses reclamaram que os estupros, saques e destruição dos bêbados por parte de nossas tropas eram excessivos. Em Le Havre, tinha sido dado folhetos nos advertindo que os soldados alemães tinham mantido um alto padrão de comportamento com civis franceses que estavam de paz, e que deveríamos fazer o mesmo. Nisto, falhamos miseravelmente.

"E daí?" diriam alguns. "Atrocidades do inimigo eram piores do que a nossa." É verdade que eu experimentei apenas o fim da guerra, quando já éramos vencedores. A oportunidade alemã para atrocidades havia desaparecido; a nossa, estava à mão. Mas dois erros não fazem um acerto. Em vez de copiar os crimes do nosso inimigo, devemos procurar de uma vez por todas quebrar o ciclo de ódio e vingança que tem atormentado e distorcido a história humana. É por isso que eu estou falando agora, 45 anos após o crime. Nunca podemos prevenir crimes de guerra individuais, mas podemos, se um número suficiente de nós falar, influenciar a política do governo. Podemos rejeitar a propaganda do governo, que retrata os nossos inimigos como subumanos e incentiva os tipos de atrocidades que testemunhei. Podemos protestar contra o bombardeio de alvos civis, o que ainda continua hoje. E nós podemos nos recusar sempre a perdoar nossos assassinos governamentais de prisioneiros de guerra desarmados e derrotados.

Sei que é difícil para o cidadão comum admitir testemunhar um crime desta magnitude, especialmente se comprometeu a si mesmo. Mesmo os GIs solidários com as vítimas tinham medo de reclamar e entrar em apuros, eles me disseram. E o perigo não cessou. Desde que falei há algumas semanas, tenho recebido telefonemas ameaçadores e tive minha caixa de correio esmagada. Mas tem valido a pena. Escrever sobre essas atrocidades foi uma catarse de sentimentos reprimidos por muito tempo, uma libertação e, talvez, vai lembrar outras testemunhas que "a verdade nos fará livres. Não tenha medo." Podemos até aprender uma lição suprema de tudo isso: só o amor pode conquistar tudo.

7 comentários:

  1. Sem falar nos saques, nas pilhagens, estupros, insultos, destruições gratuitas, expulsões de alemães de suas próprias casas (deles mesmos) para as darem aos judeus, documentação que comprometiam judeus e aliados destruídos ou escondidos, etc etc.

    Queriam um holocausto ? Está aí !

    Cobalto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O mais asqueroso é que recebo "comerdários" dizendo que o Martin Brech nunca existiu, que eu só consigo essas "porcarias" em sítios "nazistas", etc.

      Haja paciência!...

      Excluir
  2. A verdde é que a luz cega quem só vive na escuridão. A luz incomoda a estes.

    Cegos são os que têm olhos e não vêem (Saramago)

    Se puderes olhar, vê. Se podes ver, repara.(Citado no "Livro dos conselhos", de El-Rei Dom Duarte)

    Veja esta pérola de um dos ícone desses cegos sem Deus, sem salvação e sem moral :
    "Maior historiador esquerdista de língua inglesa, Eric Hobsbawn, morto na última segunda-feira, aos 95 anos, foi um idiota moral. Essa é a verdade incômoda que os necrológios, publicados em profusão, quase sempre fizeram questão de ignorar. Marxista irredutível, Hobsbawm chegou a defender o indefensável: numa entrevista que chocou leitores, críticos e colegas, alegou que o assassinato de milhões orquestrado por Stalin na União Soviética teria valido a pena se dele tivesse resultado uma "genuína sociedade comunista". Hobsbawn foi de fato um historiador talentoso. Nunca fez doutrinação rasteira em suas obras. Mas o talento de historiador, é forçoso dizer, ficará para sempre manchado pela cegueira com que ele se agarrou a uma posição ideológica insustentável." (fonte :http://veja.abril.com.br/noticia/celebridades/a-imperdoavel-cegueira-ideologica-de-eric-hobsbawm). No mínimo vomitante.

    Cobalto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E os aspones insistem que eu "mostre provas da existência" do autor do texto.

      É só eles digitarem "Martin Brech" no "gúgou" e aparecerão vários sítios e blogs ("Tudo nazista!", lógico) com mais informações e fotos do autor.

      O politicamente correto imposto pelos grandes corruptores é um câncer difícil de se debelar. Mas continuemos a tentar.
      Abraço.

      Excluir
    2. Então, faça esse favorzinho. Pegue uma foto ou um texto diferente desse tal Martin Brech. Qual a idade dele?

      Excluir
    3. Só publiquei este para todos verem o desnível da 'desmentalidade' dos aspones da VERVI (Vermes Virtuais) que empesta o mundo.

      Você disponibiliza o equipamento, mas eles querem que você pesque, prepare e cozinhe o peixe pra eles. Tudo bem que 99% do que há sobre o Brech é em inglês, mas não é nenhum Cérbero.

      Mais do que comodismo; é pura sem vergonhice. Estou minimizando, óbvio.

      Excluir
    4. O cara tem até perfil no judaico feicibuqui da CIA.

      Abraço, Cobalto

      Excluir