Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

O primeiro

Amigos e amigas.
O início do Revisionismo foi por uma revolta, a mesma que dura até hoje, pela injustiça de tratamento por parte dos 'vencedores da 2ª Guerra'. Mas, analisando friamente, é assim mesmo em toda e qualquer guerra: quem vence, escreve a História ao seu bel prazer e necessidade. E a primeira das necessidades é se eximir de toda e qualquer culpa. Tudo o que ele fez foi reagir a provocações, ao insistente assédio em todos os sentidos do adversário. Este é o demônio!

Por isso que sempre afirmo: GUERRA É SINÔNIMO DE MENTIRA! Se o monolítico ensinamento do Mestre Maior ("Dai a César o que é de César e a Deus, o que é de Deus!") fosse a tônica da vida, a maior parte das iniquidades seria obliterada. Afinal, se uma coisa aconteceu, é fato inatacável, 100% comprovado, ai de quem contestá-la! Será merecedor de desdém, repúdio e, até, sanções. Se não, precisa ser combatida.

Como essa guerra foi a maior, mais sangrenta, assassina e mentirosa de todas, ninguém ousa aceitar um quê da culpa por sua eclosão. E já que o lado derrotado não pode mais reagir, ele que leve toda a culpa.

Mas, para azar desses 'vencedores', há sempre vozes dissonantes, pessoas íntegras que batem de frente com qualquer injustiça e a contestam sem receios. No caso do holocausto, o primeiro foi Paul Rassinier, uma testemunha que lutou contra o 3° Reich e foi interno de dois campos alemães da 2ª Guerra e afirmou que a maioria do que diziam deles era falso.

Vejam aqui um resumo de sua história.
FAB29

"Paul Rassinier foi um escritor francês. Ativista político e pacifista, é chamado de “Pai do Revisionismo” pela sua postura contra as histórias inventadas ou exageradas sobre os campos de concentração da 2ª Guerra, da qual ele participou e foi interno de dois desses campos alemães.

Em outubro de 1943, ele foi preso pela Gestapo por várias atividades, incluindo o contrabando de judeus refugiados ao longo da fronteira franco-suiça. Rassinier foi enviado para o campo de trabalho em Buchenwald. Mais tarde, ele seria movido para Dora, onde permaneceria até o final da guerra.

Após a guerra, Rassinier voltou para sua terra natal, França, e foi eleito para a Assembleia Nacional. Ele foi condecorado com a mais alta condecoração do governo francês por seu envolvimento com a Resistência durante a guerra. Rassinier, que era diplomado em História, se propôs após a guerra a documentar suas experiências dentro do sistema de campos alemães.

Foi após a publicação das primeiras obras de Rassinier que ele percebeu que as histórias do tempo da guerra de outros detentos eram exageros terríveis. Rassinier escreveu:
"Então, um dia eu percebi que uma imagem falsa dos campos alemães tinha sido criada e que o problema dos campos de concentração era universal, e não apenas um que poderia ser eliminado, colocando-o às portas dos nacional-socialistas. Os deportados - muitos dos quais eram comunistas - tinham sido em grande parte responsáveis por liderar o pensamento político internacional a uma conclusão tão errônea. De repente, senti que, permanecendo em silêncio, eu era cúmplice de uma influência perigosa".

Rassinier começou a desmascarar e desconstruir as obras de seus companheiros. Um tremendo esforço foi feito para derrubar "A destruição dos judeus europeus", de Raul Hilberg. Rassinier chegou ao ponto de dizer que, no futuro, o volume de Hilberg "não será falado absolutamente, ou se ainda for mencionado, ele só será mencionado em referência a algo indigno de se observar, exceto como um exemplo da mais escandalosa aberração do nosso tempo." [Jurgen Graf demoliu essa obra em seu livro “O gigante com pés de barro” - NT]

Rassinier tornou-se cético em relação às histórias das sinistras câmaras de gás que estavam sendo divulgadas. Ele escreveu: "Em 1950, ainda era muito cedo para pronunciar um julgamento definitivo sobre a existência de câmaras de gás nos campos; documentos eram insuficientes e os que existiam eram incompletos, inexatos e, obviamente, apócrifos ou falsificados."

No artigo de 1964, "O Drama dos Judeus Europeus", a visão de Rassinier tornou-se mais firme. Rassinier havia determinado que não ocorreram gaseamentos generalizados e que não havia uma política de exterminar os judeus da Europa  Ele também municiou revisionistas com a primeira análise quantitativa real de mortes de judeus em tempo de guerra. Seu total final coloca a variação do número de mortes judaicas para os doze anos de governo nacional-socialista entre 987.592 e 1.589.492. [Número significativo, mas longe dos fantasiosos '6 milhões'. Além do quê, a maior parte foi por doenças e inanição. E a cifra seria muito menor, dentro da normalidade da vida, se os sionistas não tivessem forçado a eclosão da guerra. - NT]

Rassinier mais tarde se tornaria ainda mais ciente sobre a falsidade das alegações sobre câmaras de gás. Como resultado de seus estudos, ele fez a seguinte conclusão no “O real julgamento de Eichmann: "Nunca houve câmaras de gás, nem quaisquer extermínios por esse método, em Auschwitz-Birkenau”.

Fonte: http://en.metapedia.org/wiki/Paul_Rassinier

13 comentários:

  1. Nestes campos, haviam presos de todas posições sociais, políticas e militares, todas as nacionalidades, e motivos/acusações para confinamento. Mas não sei por qual motivo, só judeus dizem que morreram judeus. Só isso já coloca todas as acusações sobre a Alemanha, no mínimo, sob suspeita de falta de honestidadee fundamentação. Com ou sem testemunhas de acusação.

    Oras, imaginemos que num Carandiru da vida, existam presos gays, negros, asiáticos e índios. E somente um destes grupos, acusa o Estado de promover seu extermínio. Os demais grupos, sendo que todos viviam, dormiam e comiam juntos, negam/desconhecem/estranham tais acusações feitas por este único grupo contra o Estado.

    Estranho não ? E simples.

    Abraços, Cobalto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pergunta que vejo desde o século passado e para a qual nunca haverá resposta. Exceto quando aquele playboy disse certa vez: "Problema deles!"

      Bem simples.
      Abraço.

      Excluir
    2. Cobalto,
      Bem colocado.

      AMÉRICA DO SUL


      Excluir
  2. Uma receita perfeita de Jesus sobre como acabar com todo mal reinante seria seguir esta máxima : "Não faça aos outros o que não queres que façam a ti."

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais um divino ingrediente do Mestre Maior.
      O que mostra que Sua Palavra é A Palavra.

      Excluir
    2. Hitler foi o maior "seguidor" dessa premissa....

      MFF

      Excluir
  3. "Nestes campos, haviam presos de todas posições sociais, políticas e militares, todas as nacionalidades, e motivos/acusações para confinamento"

    1 - Qual a proporção de judeus em relação aos outros presos?

    2 - Por acaso os homossexuais e ciganos, doentes mentais e populações menores e afins, tu ignora o que já foi escrito sobre eles?

    3 - Tu esqueces que quem tinha condições (judeus ricos, professores, gente da elite intelectual alemã que era hostilizada); fugiam do país?

    "Oras, imaginemos que num Carandiru da vida, existam presos gays, negros, asiáticos e índios. E somente um destes grupos, acusa o Estado de promover seu extermínio"

    Outra comparação infeliz, no Carandiru não importa tua etnia ou opção sexual; tu é detento e pronto, tua condição é definida per si - e toda consequência é oriunda da tua condição de preso.

    MFF


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então está "ISPRICADO", a "ENTELEQUITUALIDADE" só existia nos seguidores da SEITA juacaica?

      Essa "ESPRANASSÃO" proporcionada pelo defensor do INDEFENSÁVEL mff é o "MAÇÇIMO"

      Como diria o rabino isaac khnocasset:-

      - Esse mff, é o meu BENINO!

      Excluir
    2. Quem falou que os intelectuais eram todos judeus? Estude um pouco mais sobre resistência alemã e não maltrate tanto o léxico....

      MFF

      Excluir
  4. MFF, chama isso de explicação ? gzuiz.... rs

    Primeiro vc precisa entender o que lê para só então tentar uma contra-argumentação.


    Cobalto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando a interpretação da outra pessoa não é da sua conveniência, é ela que não entendeu o que foi escrito...rsss

      Boa tática Cobalto!

      MFF

      Excluir
    2. MFF, eu e o Ragi tivemos a mesma opinião sobre seu "comentário explicativo". Portanto, não trolle.

      Abraços, Cobalto

      Excluir