Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Real Família saudita judaica

Amigos e amigas.
Encontrei um texto sobre a origem da Família Real Saudita. Sempre quis saber por que ela era a única entre os muçulmanos a ser tolerada e mesmo bem vinda na maioria dos círculos sociais e políticos mundiais.

Pensava que não podia ser apenas por causa do petróleo. Afinal, tantos países boiam em petróleo e são atacados e massacrados pela mídia ocidental o tempo todo. Deem uma olhada no texto que traduzi abaixo e vejam só que interessante.
FAB29

Tribo Banu Qaynuqas = JUDEUS!

A  Banu Qaynuqas  (também escrito  Banu Ḳainuḳa ,  Banu Kaynuka ,  Banu Qainuqa ,  Banu Qaynuqas, árabe:  بنو قينقاع ) foi uma das três principais tribos judaicas que viveram no séc. 7 em Medina, agora na Arábia Saudita. Em 624, foi expulsa durante a invasão de Banu Qaynuqas, pelo profeta islâmico Maomé, por supostamente quebrarem o tratado conhecido como a Constituição de Medina.
No século 7, os Banu Qaynuqas estavam vivendo em duas fortalezas na parte sudoeste da cidade de Yathrib, hoje Medina, depois de terem se estabelecido lá em uma data desconhecida. Embora os Banu Qaynuqas ostentarem principalmente nomes árabes, ambos eram étnica e religiosamente judaicos. Eles não possuíam terras, ganhavam a vida por meio do comércio e artesanato, incluindo a ourivesaria. O mercado de Yathrib era localizado na área da cidade onde os Qaynuqas moravam. Os Banu Qaynuqas aliaram com a tribo árabe local de Khazraj e os apoiaram em seus conflitos com a tribo árabe rival da AWS.
Quem é o ancestral real do clã de Saud?
No ano 851 AH, um grupo de homens do Clã Al Masaleekh, que era um ramo da tribo Anza, formou uma caravana para a compra de cereais (trigo e milho) e outros alimentos do Iraque, e transportá-lo de volta para Najd. O chefe desse grupo era um homem chamado Sahmi Bin Hathlool. A caravana chegou a Basra, onde os membros do grupo foram até um comerciante de cereais que era um judeu, chamado Mordakhai bin Ibrahim bin Moshe. Durante a negociação com o comerciante, o judeu perguntou-lhes: "De onde vocês são?" Eles responderam: "Somos da Tribo Anza, um clã de Al Masaleekh." Ao ouvir esse nome, o judeu começou a abraçar tão carinhosamente cada um deles, dizendo que ele próprio também era do clã de Al Masaleekh, mas ele tinha vindo a residir em Basra (Iraque), em consequência de uma briga de família entre o pai e alguns membros da Tribo Anza.
Depois que ele lhes contou sua narrativa fabricada, ordenou a seus servos que carregassem todos os camelos com trigo e tâmaras, e também, a égua; um ato notável tão generoso que surpreendeu os homens Masaleekh e despertou o seu orgulho de encontrar tal carinhoso (primo) no Iraque - a fonte de sustento, pois eles acreditaram em cada palavra que ele disse, e, porque ele era um rico comerciante de mercadorias alimentares de que estavam tão necessitados, eles o aceitaram (mesmo que ele fosse um judeu escondido sob o manto de um árabe do clã Al Masaleekh.)
Quando a caravana estava pronta para retornar a Najd, o mercador judeu lhes pediu para aceitar a sua companhia, pois tinha a intenção de ir com eles para a sua pátria original, Najd. Ao ouvir isso dele, eles, de todo o coração, o receberam com uma atitude muito alegre.
Assim, o (oculto) judeu chegou a Najd com a caravana. Em Najd, ele começou a promulgar um monte de propaganda de si mesmo através de seus companheiros (seus supostos primos) que amealharam em torno dele um número considerável de novos apoiadores. Mas, inesperadamente, ele enfrentou uma campanha de oposição ao seu ponto de vista, liderado por Sheikh Salman Saleh Abdullah Al Tamimi, que era um pregador religioso muçulmano em Al-Qaseem.
O raio de sua área de pregação incluía Najd, Iêmen e Hijaz, fato que obrigou o judeu (o antepassado do atual família Saud) a afastar-se de Al Qaseem a Al Ihsa, onde ele mudou seu nome (Mordakhai) para Markan bin Dir'iya near Al-Qateef, e começou a espalhar entre os habitantes uma história inventada sobre o escudo do nosso Profeta Muhammad que foi tomado em um saque por um pagão árabe em conseqüência da batalha de Uhud entre os pagãos árabes e os muçulmanos. "Esse escudo", disse ele, "foi vendido pelo pagão árabe a um clã judeu chamado Banu Qunaiqa que preservou-o como um tesouro!"

Ele gradualmente reforçou a sua posição entre os beduínos através de tais histórias, o que indica como os clãs judeus na Arábia eram tão influentes e mereciam alta estima. Ele ganhou alguma importância pessoal entre os beduínos e decidiu estabelecer-se permanentemente lá, na cidade de Dir'iya, perto de Al Qateef, onde ele decidiu que seria a sua "Capital" no Golfo Pérsico. Ele aspirava torná-la o seu trampolim para o estabelecimento de um reino judaico na Arábia.
Para cumprir seu plano ambicioso, ele começou a se aproximar dos beduínos do deserto árabe para apoio de sua posição, e depois, gradualmente, ele declarou-se como o seu rei!
Naquele momento, a tribo Ajaman, juntamente com a Tribo Banu Khaled, tornou-se plenamente consciente do astuto plano do judeu depois de terem verificado a sua verdadeira identidade, e decidiram acabar com ele. Eles atacaram sua cidade e a conquistaram, mas antes de prendê-lo, ele havia escapado por muito pouco.
Esse ancestral judaico da família saudita, Mordakhai, procurou abrigo em uma fazenda, na época chamada Al-Malibeed-Ghusaiba near Al-Arid, que é chamada atualmente de Al-Riyadh.
Ele pediu ao dono da fazenda que lhe desse asilo. O agricultor era tão hospitaleiro que imediatamente deu-lhe um santuário. Mas não mais do que um mês que ele (Mordakhai) tinha se estabelecido lá, ele assassinou o proprietário e todos os membros de sua família, fazendo de conta que eles foram mortos por um bando de ladrões. Em seguida, ele fingiu que tinha comprado os imóveis deles antes que a catástrofe tivesse ocorrido! Assim, ele tinha o direito de permanecer lá como um senhorio. Ele, então, deu um novo nome a esse lugar: Al-Diriya - o mesmo nome que ele havia perdido.
Esse ancestral judaico (Mordakhai) da família saudita, foi capaz de estabelecer uma "casa de hóspedes" chamada "Madaffa" na terra que ele usurpou de suas vítimas, e reuniu em torno de si um grupo de hipócritas que começou a espalhar falsa propaganda que ele era um proeminente sheik árabe. Ele conspirou contra Sheikh Salman Saleh Abdulla Al Tamimi, seu inimigo original e causou seu assassinato na mesquita da cidade chamada Al-Zalafi.
Depois disso, ele se sentiu satisfeito e seguro para fazer Al-Diriya sua casa permanente. Lá ele praticou a poligamia em larga escala, e de fato, gerou uma grande quantidade de crianças, a quem ele deu nomes árabes puros.
Desde que os seus descendentes cresceram em número e poder, sob o mesmo nome do Clã árabe, eles seguiram seus passos em exercer atividades terrestres e conspirações contra a nação árabe. Eles apreenderam ilegalmente setores rurais e fazendas e assassinaram cada pessoa que tentou se opor a seus planos malignos. Eles usaram todos os tipos de enganos para alcançar seus objetivos; eles compraram a consciência de seus dissidentes, eles ofereceram suas mulheres e dinheiro a pessoas influentes nessa área, especialmente àqueles que começaram a escrever a verdadeira biografia dessa família judaica; eles subornaram os escritores da história, a fim de purificar a sua história ignominiosa, e para tornar a sua linhagem relacionada com os mais proeminentes tribos árabes como Rabi'a, Anza, e Al Masaleekh.
Um hipócrita notável em nossa era, cujo nome é Mohammad Amin Al Tamimi - Diretor/Gerente das Bibliotecas contemporâneas do Reino Árabe, montou uma árvore genealógica (árvore familiar) para esta família judaica (os sauditas), conectando-a ao nosso Grande Profeta Muhammad. Pelo seu falso trabalho, ele recebeu uma recompensa de 35 mil libras egípcias do então embaixador saudita para o Cairo, Egito, no ano de 1362 AH (1943 dC) O nome do embaixador era Ibrahim Al-Fadel.
Como já mencionado, o ancestral judaico da família saudita, (Mordakhai), praticava a poligamia, casando com um monte de mulheres árabes e gerou muitos filhos; sua prática poligâmica é, no momento presente, realizado "ao pé da letra" por seus descendentes.
Um dos filhos de Mordakhai chamado Al-Maraqan, arabizados da raiz judaica Mack-ren, gerou um filho chamado Mohammad, em seguida, um outro filho chamado Saud, que é o nome da atual dinastia saudita.
Descendentes de Saud (família saudita atual) iniciaram uma campanha de assassinato dos líderes proeminentes das tribos árabes sob o pretexto de que os líderes eram apóstatas, renegando a religião islâmica e abandonando suas doutrinas alcorânicas, de modo que eles mereciam a condenação saudita e serem mortos!
No Livro da História da Família Saudita, nas páginas 98-101, o historiador particular da família declara que a dinastia saudita considera todas as pessoas de Najd blasfemas. Assim, seu sangue deve ser derramado, suas propriedades confiscadas e as suas mulheres tomadas como concubinas; nenhum muçulmano é autêntico em sua crença, a não ser que ele / ela pertença à seita de Mohammad bin Abdul Wahab (cujas origens também são judias da Turquia.) Suas doutrinas deram autoridade à Família Árabe para destruir aldeias com todos os seus habitantes, incluindo as crianças, e abusar sexualmente de suas mulheres; esfaquear as barrigas da grávidas, cortar as mãos de seus filhos e, em seguida, queimá-los! Eles ainda são autorizadas por uma doutrina tão brutal para saquear todas as propriedades do que eles chamam de renegados (que não seguem sua seita Wahabi.)
Eles estão segurando completamente a riqueza natural do país como propriedade sua. Se alguma pessoa pobre das pessoas comuns levanta sua voz reclamando contra qualquer uma das regras despóticas desta dinastia judaica, a dinastia corta sua cabeça em praça pública. Uma princesa deles, uma vez, visitou a Flórida, EUA, com sua comitiva. Ela alugou 90 (noventa) quartos/suíte em um Grand Hotel por cerca de um milhão de dólares por noite! Qualquer um de seus súditos pode comentar sobre esse evento extravagante? Se ele / ela o faz, seu destino é bastante conhecido: MORTE pelo fio da espada SAUDI em praça pública!

"Na década de 1960, a Estação "Sawt Al Arab" Broadcasting, no Cairo, Egito, e da Estação de Radiodifusão Iêmen em Sanaa confirmou a ascendência judaica da família saudita.

O rei Faisal Al-Saud, nesse momento, não podia negar que sua família tinha parentesco com os judeus, quando declarou ao Washington Post em 17 setembro de 1969 afirmando: "Nós, a família da Arábia Saudita, somos primos dos judeus. Nós estamos totalmente em desacordo com qualquer Autoridade árabe ou muçulmana que mostre qualquer antagonismo com os judeus, pois temos de viver com eles em paz. Nosso país (Saudita) é a principal Fonte de onde surgiu o primeiro judeu e seus descendentes espalhados por todo o mundo." Esta foi a declaração do rei Faisal AL-Saud Bin Abdul Aziz!

http://www.shoah.org.uk/2012/08/19/saudi-royal-family-is-jewish-king-and-prince-are-all-jew/

11 comentários:

  1. Mega sena da virada...rsrs

    Cobalto

    ResponderExcluir
  2. Sim ? Correram desta postagem por que ? hehe

    Cobalto

    ResponderExcluir
  3. Boa noite senhor "FAB29",

    Desculpe, tenho a impressão que anteriormente havia a opção de compartilhar seus textos em redes sociais (face).
    Esse texto, bastante elucidativo, gostaria de compartilhar e não encontrei a opção.
    Será que estou fazendo algum algum procedimento errado?
    Meu abraço
    Clovis Eichler

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Clóvis.
      Visto que eu não alterei nada nas configurações do meu blog (ao menos, não me lembro de ter feito nada de diferente), quero crer que a alteração deve ter ocorrido no Face ou similares.

      Procurarei agora alguma pista do que possa estar ocorrendo por aqui. Se quiser continuar tentando, será bom.

      Abraço e grato pela deferência.

      Excluir
    2. Sr. Clóvis.
      Já tentou no canto superior esquerdo do blog, ao lado do "Compartilhar"? Ali, tem um "Mais" e uma seta. Clicando nela, aparece a opção "Compartilhar com o Facebook".

      Deu certo comigo.
      Abraço.

      Excluir
  4. Senhor "FAB",

    muito agradecido pela orientação.

    Meu abraço

    Clovis Eichler

    ResponderExcluir
  5. Caros
    A famíglia saudita funciona da mesma forma que cristo, é uma espécie de cristo para muçulmanos!
    Se infiltram como gente da mesma espécie e aí começam as instilações de idéias interessantes para esses excrementos!!
    A mesmíssima coisa contece na fossa brasilis, a judiada veio com títulos de cristandades novas para garantir que nenhum humano perceberia o que els são, e claro com o poder econômico compraram mulheres de humanos e infectaram com seus imundos filhotes, e assim garantiram o país da "diversidade" onde esses imundos passam despercebidos e desapercebidos, ao ponto de brasileiro ser incapaz de reconhecer essas imundícies mutantes (até o lixo de aspecto demoníaco como o huck é entendido como gente)!!
    É a mesmíssima história de genese: e os "aliens" encantados com a beleza das mulheres dos homens as tomaram para si...
    Se isso não diz tudo, se aproxima bastante de dizer!

    ResponderExcluir
  6. Muito bom este artigo, não tinha reparado nele ;)

    ResponderExcluir
  7. Respostas
    1. Muito grato.
      Visite e comente sempre que puder.
      Abraço.

      Excluir