Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 3 de março de 2014

Confissão II

Amigos e amigas.
Nesta continuação, veremos novamente que existem contestações na grande mídia também, a respeito de muitas mazelas e excrescências impostas pela notoriedade e outras coisinhas mais.

Reforçando o post anterior, o artigo a seguir corrobora o que os revisionistas afirmam há tantos anos: a conclusão de que as câmaras de gás da 2ª Grande Guerra não existiram. Deem uma olhada.
FAB29
Maior revista francesa 
reconhece a fraude das
câmaras de gás de Auschwitz
Institute for Historical Review

Uma das revistas mais influentes e respeitáveis ​​da França, L'Express, agora reconhece que "tudo é falso" sobre a "câmara de gás" de Auschwitz, que por décadas foi mostrada para dezenas de milhares de turistas anualmente.

"Auschwitz: The Memory of Evil", um longo artigo do jornalista e historiador Eric Conan, um anti-revisionista dedicado, aparece na edição de 19-25 janeiro de 1995, páginas 54-73 (e na edição internacional de 26 de janeiro). L'Express é uma revista semanal liberal de grande circulação, similar em formato à Time ou Newsweek.

L'Express também relata que, depois de uma batalha de cinco anos entre os "especialistas", o presidente polonês Lech Walesa decidiu que o número novo, revisado, de mortos para ser inscrito no monumento em Birkenau seria '1.500.000'. (Durante anos, o monumento proclamou 4.000.000 de mortes em Auschwitz.)

De modo geral, escreve Conan, tem havido muitas falsificações óbvias nos locais do campo de Auschwitz e Birkenau. Stefan Wilkanowicz, vice-presidente do Comitê Internacional do Museu Estatal de Auschwitz do governo polonês (e diretor de um influente jornal católico polonês), diz:
"Os maiores erros foram corrigidos, mas as principais discussões são intermináveis ​​e longe de serem resolvidas. Posso até dizer que os debates essenciais, angustiantes, às vezes inesperados, estão apenas começando."

Sobre a famosa "câmara de gás" no campo de Auschwitz I, Conan escreve:
"Em 1948, quando o Museu foi criado, o Crematório I foi reconstruído em um suposto estado original. Tudo é falso [Tout y est faux]: as dimensões da câmara de gás, as localizações das portas, as aberturas para enchimento em Zyklon B, os fornos (reconstruídos de acordo com as memórias de alguns sobreviventes), a altura da chaminé. No final da década de 70, Robert Faurisson explorou estas falsificações tanto melhor, porque naquela época, as autoridades do Museu se recusaram a admiti-las. Um revisionista americano [David Cole] acaba de lançar um vídeo da câmara de gás (ainda apresentada como autêntica): pode-se vê-lo questionando os visitantes com as suas 'revelações'".

Apesar disso, Conan prossegue no relatório, não há planos para alterar qualquer coisa lá. No que diz respeito à famosa "câmara de gás", um membro do pessoal do gabinete dos diretores do Museu, Krystyna Oleksy, diz: "Por enquanto, vamos deixá-la no estado atual, e não dar nada específico para os visitantes. É muito complicado. Vamos ver mais tarde". Vitória para o Revisionismo.

Este artigo de fundo em uma revista líder francesa é uma grande vitória para o Revisionismo do Holocausto. Em um ponto-chave, L'Express agora reconhece que os revisionistas estavam certos o tempo todo.

Na verdade, a revista admite um ponto em que os revisionistas foram legalmente penalizados por terem feito. Dr. Robert Faurisson, estudioso revisionista mais importante da Europa, foi multado pesadamente após repeti-lo em várias ocasiões durante seus ensaios, como "crime de pensamento" na França. (Será que o governo francês agora vai processar a revista L'Express e o jornalista Conan por suas teses revisionistas do Holocausto?)

Em maio de 1992, um tribunal alemão multou David Irving em 10 mil marcos (cerca de US$ 6.000) por dizer publicamente o que o L'Express agora admite abertamente. O tribunal puniu o historiador britânico porque ele disse em uma reunião de Munique em abril de 1990 que a estrutura em Auschwitz, que foi retratada ao longo de décadas para os turistas como uma câmara de gás de extermínio é uma reconstrução falsa ("Attrappe"), assim como a de Dachau.

Irving foi considerado culpado de, assim, "desacreditar a memória dos mortos", um crime na Alemanha, que se aplica de forma eficaz apenas para vítimas judias. No caso, o juiz recusou-se a considerar qualquer das provas apresentadas pelos advogados de Irving, incluindo um apelo para permitir Dr. Franciszek Piper, curador sênior e diretor arquivos do Museu Estatal de Auschwitz, para testemunhar no caso.

Comentário de Faurisson

Claramente, os propagandistas de Auschwitz tiveram uma perda. A declaração de Oleksy é uma reivindicação importante da posição revisionista. Cada visitante da "câmara de gás" de Auschwitz deve confrontar os guias (ou, se possível, funcionários do museu) com estas frases feitas por Oleksy.

Durante uma entrevista em setembro de 1992 com o revisionista americano David Cole, o Curador de Auschwitz, Dr. Piper disse: "Então, agora esta câmara de gás [em Auschwitz I] é muito semelhante a essa que existiu em 1941-1942." Como Conan sabe, já em 1976, eu demonstrei a falsidade de toda essa história, questionando o oficial do Museu, Jan Machalek, e por encontrar no Museu Auschwitz arquivos originais de planos mostrando claramente que, de fato, a alegada "câmara de gás" foi, entre 07 outubro de 1941 e 31 de agosto de 1943, um quarto com uma única entrada, onde os corpos eram armazenados à espera de cremação.

Se as autoridades do Museu agora desejam reconstruir o quarto como ele foi durante a guerra, eles vão ter que preencher o porta sudeste. Após fazer isso, porém, eles já não seriam capazes de explicar como as supostas vítimas entraram na "câmara de gás" para o gaseamento. Eu não acho que os funcionários se atreveriam a afirmar que as vítimas entraram pelo caminho da porta da sala de fornos.

http://rense.com/general49/gascam.htm

23 comentários:

  1. Porque será que o L'Express nunca noticiou isso? Você tem o original? Deve ter, não é tão antigo assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também pensei assim.
      Digo-lhe que procurei na página oficial do L'Express e só encontrei: "La page que vous recherchez a été déplacée."
      Muito conveniente. Cui bono?

      Excluir
    2. Engraçado que no próprio site do L'Express aparece: Votre recherche n'existe pas

      Excluir
    3. Outro exemplo: até hoje tento encontrar a entrevista que a viúva de schindler deu à Folha. Nela, a viúva detona o ex-marido e o filme do spielberg.

      Caso a encontre, por favor, me avise.

      Excluir
  2. Que salvou, não resta duvidas. Melhor que "narrar" o que nunca aconteceu.

    http://www.estadao.com.br/arquivo/mundo/2001/not20011006p27710.htm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa notícia eu tenho.
      Procuro a entrevista dela à Folha, de outubro de 1993.

      Excluir
    2. Como é que você sabe e garante que houve entrevista à Folha em outubro de 1993?

      Excluir
    3. Eu a li.
      E, se não me engano, o "maldito" S. E. Castan se referiu a ela num de seus artigos. Vou procurá-lo, pois parece que a entrevista original já evaporou.

      Excluir
    4. Sim...você leu...e se lembra...21 anos atrás...tá bom!
      Se você tem uma de 2001 (acima), mais recente, será que ela mentiu? Ou é doida?

      Excluir
    5. Lembro-me de dezenas de coisas das minhas infância e adolescência. É fácil. Basta o cérebro funcionar. Quando você aprender a fazer isso, vai se maravilhar.

      Sobre o que afirmei, encontrei-o:
      http://www.causanacional.net/index.php?itemid=108

      Excluir
    6. Causa Nacional...vamo lá é do L'Express que eu quero ver.
      Mais cômico é você usar uma rede social de origem americana, criada por um judeu e que têm ações na bolsa de valores (três coisas que você odeia e condena).

      Excluir
    7. Ódio é copyright dos seus donos e capachos. Meu máximo chama-se desprezo.

      Eu também queria ver o L'Express e a Folha. Se seus donos deixassem...

      Excluir
    8. Ao anônimo acima das 16:57 hr.

      "Sim...você leu...e se lembra...21 anos atrás...tá bom!" Acaso valeria este "irrefutável" argumento aos "sobreviventes" do holoconto ?

      Cobalto

      Excluir
    9. Sobre a reportagem do link acima : "Enquanto isso, Emilie ficou na Argentina, pagando US$ 80 mil em dívidas que ele havia deixado. Emilie perdeu tudo, mas foi ajudada pela organização judaica B´nai B´rith.

      "Em 1996, Emilie decidiu publicar um livro contando sua versão dos fatos: Memórias - À sombra de Schindler, relatando como ela havia lutado para proteger 1.300 judeus que trabalhavam em sua fábrica ..."

      Protegia como ? Dando falso emprego ? Escreveu o livro por que ? Pra reembolsar a loja maçônica B´nai B´rith pela ajuda concedida anos antes ?

      Cobalto

      Excluir
    10. tá aqui veja e engula seco http://www.lexpress.fr/actualite/societe/la-memoire-du-mal_487340.html

      Excluir
    11. mandei em resposta ao Anônimo 4 de março de 2014 20:26

      Excluir
    12. mais uma a noticia da folha esta no caderno ilustrada http://acervo.folha.com.br/fsp/1993/10/14/21/
      ela fala que ele era um burro que só queria dar ordens e não fazia nada esse povo

      Excluir
    13. Parabéns pelo achado, garimpeiro Peterosn!

      Excluir
    14. Vale uma boa postagem pra desmascarar o sr. beberão e galinha do Oskar (olha que não é nazista dizendo isso , mas a própria esposa ) e de seu filme de ficção que virou "documentário histórico" e prova que o holoconto é baseado em maquiagens, sonegações, aldulterações etc. É assim que "provam" crimes, é neste pé que recebem indenizações e promovem leis anti-revisionistas.

      Cobalto

      Excluir
    15. Acabei de postar a transliteração da entrevista da Emilie e dois links para complementar.

      Excluir
  3. Ter um cérebro e ser nazista, é comprovação que o cérebro só existe. Não funciona.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkk...

      O meu funciona. Tenho culpa se o seu é inútil?
      E já que é assim, nosso papo acabou aqui.

      Excluir
  4. Tem certeza, anônimo ?

    Pesquise vc, se é que sabe o que é isso. Mas procure no google o que significa pesquisa que creio (tô com fé) que vc conseguirá entender a definição.

    O pessoal anti-verdade está assustado por confirmar, cfe pesquisa que fiz, "o aumento de sites revisionistas, negacionistas e neonazistas". Este pessoal fez pesquisas e notou que eles "inclusive crescem em regiões outrora não existiam como o Norte e o Nordeste, notadamente na Bahia". Nesta pesquisa deles, concluiram que o "perfil destas pessoas é de escolaridade superior, fácil acesso à livros e conteúdo em internet, leitores, classe média, etc". Entre aspas é o que os assustados levantaram nas suas pesquisas. Tem mais, mas não lembro e foram vários sites estas informações acima que levantei.

    Portanto, caro mané anônimo, a sua "sapientíssima" frase "Ter um cérebro e ser nazista, é comprovação que o cérebro só existe. Não funciona" lhe cabe como luva e não ao dono e a outros deste blog.

    Cobalto, aquele que faz ouro judeu virar pó.

    ResponderExcluir