Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


terça-feira, 25 de março de 2014

Uma opinião de respeito.

Amigos e amigas.
Recebi por e-mail este artigo abaixo que achei por bem publicá-lo. Ele corrobora o vídeo que postei neste link:
http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2012/08/germar-rudolf.html
Vejam que interessante.

Treblinka não teve covas coletivas


Um exame forense detalhado do local do campo de Treblinka em tempo de guerra, usando radar de solo eletrônico sofisticado, não encontrou nenhuma evidência de valas comuns lá.

Durante seis dias, em outubro de 1999, uma equipe australiana liderada por Richard Krege, um engenheiro eletrônico qualificado, procedeu à análise do solo no local do antigo campo de Treblinka II, na Polônia, onde, os historiadores do Holocausto dizem que mais de meio milhão de judeus foram mortos em câmaras de gás e depois enterrados em valas comuns.

De acordo com a Enciclopédia do Holocausto (1997), por exemplo, "um total de 870 mil pessoas" foram mortas e enterradas em Treblinka, entre julho de 1942 e abril de 1943”. Então, entre abril e julho de 1943, as centenas de milhares de cadáveres teriam sido exumados e queimados em lotes de 2.000 ou 2.500 corpos em grandes blocos feitos de dormentes da rede ferroviária.

A equipe de Krege usou um Radar de 80.000 dólares, com dispositivo de penetração no solo (GPR), que envia sinais de radar verticais que são visíveis em um monitor de computador. GPR detecta quaisquer perturbações de grande escala na estrutura do solo a uma profundidade efetiva normal entre quatro e cinco metros e, às vezes, até dez metros. (Dispositivos de GPR são rotineiramente utilizados em todo o mundo por geólogos, arqueólogos e a polícia.) Em sua investigação de Treblinka, a equipe de Krege também realizou inspeções visuais do solo e usou uma verruma para tirar inúmeras amostras de solo.

A equipe examinou cuidadosamente o sítio de Treblinka II inteiro, especialmente a suposta parcela de "valas comuns", e realizou exames controlados da área circundante. Eles não encontraram nenhuma perturbação do solo que corrobore o enterro de centenas de milhares de corpos, ou mesmo evidências de que o terreno já havia sido perturbado. Além disso, Krege e sua equipe não encontraram nenhuma evidência de sepulturas individuais, restos de ossos, cinzas humanas ou cinzas de madeira.

"A partir desses exames que pudemos identificar claramente as camadas amplamente imperturbável horizontal estratigráfica, mais conhecido como horizontes do solo sob o local de acampamento", diz o pesquisador de 30 anos de idade, Krege, que vive em Canberra. "Nós sabemos de scans de túmulos e outros sítios com distúrbios do solo conhecidos, tais como pedreiras, quando esta estratificação natural é maciçamente interrompida ou inexistente." Como os processos geológicos normais são de ação muito lenta, o rompimento da estrutura do solo teria sido detectável mesmo depois de 60 anos, Krege observou.

Enquanto sua investigação inicial sugere que nunca houve qualquer valas comuns no local de acampamento a Treblinka, Krege acredita que o trabalho ainda é necessário por lá.

"Os historiadores dizem que os corpos foram exumados e cremados no final da utilização do campo de Treblinka em 1943, mas não encontramos nenhuma indicação de que qualquer valas comuns já existiu", diz ele. "Pessoalmente, eu não acho que houve um campo de extermínio lá."

Em contrapartida, após muitos anos de pressão sobre fornecer provas forenses, eis que em 2012 (13 anos depois!) apareceu uma pesquisadora forense e afirmou que toda a história de Treblinka é verídica. Vejam aqui:
http://www.bbc.co.uk/news/magazine-16657363

Atentem para a foto aérea de Treblinka, rodeado de floresta. Nele, um gráfico mostrando "PROVÁVEIS locais de câmaras de gás, lugares de se despir, covas coletivas e cremações". Mais de 800 mil corpos foram enterrados nessas valetas em amarelo? Os alemães fizeram mágica para caber tudo ali?

E no fim das contas, nenhuma certeza para um crime tão colossal? Estranho. Penso que uma confrontação entre os dois pesquisadores seria o melhor tira-teima.
FAB29

22 comentários:

  1. Amigo Fabiano, as provas contra os REDATORES da FÁBULA são tantas que chega dar DÓ, as MENTIRAS somente sobrevivem por uma circunstânia especial, são protegidas por lei, uma lei que se faz para proteger o PERJÚRIO, caso típico unico no mundo, mas aos poucos a CENA vai desandando, caso da menina que ganhou nota máxima como exposto pelo amigo Cobalto, a CENTELHA da CORAGEM está brotando em nossos FILHOS e não terão como segurá-los a FARSA judaica cairá por terra, junto com os CANALHAS que tentam se manter a custa dela.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você já viu o link do Alguém logo abaixo?
      De fato, dá dó.
      Abraço.

      Excluir
  2. Mais um texto falso.

    http://www.hdot.org/en/learning/myth-fact/graves1.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só para variar, muito blá-blá-blá e trololó sem nenhuma contundência.

      Se (e somente SE) as afirmações de Krege fossem falsas, os 'afirmacionistas' já teriam feito e propalado aos quatro ventos e há muito tempo pesquisas semelhantes a que ele afirma ter feito, usando aparelhos "verdadeiros", não deixando margens a nenhuma especulação.

      Ao invés disto, dizem que "as tradições judaicas" impedem exames cabais nos campos de "extermínio" e, agora, vivem dessa 'nova especialista' que aceitou convenientemente servir de vitrine, sem precisar mostrar fatos inatacáveis.

      Excluir
  3. http://www.muzeumsiedlce.art.pl/pl/site/490/493/494/muzeum.walki.i.meczenstwa.w.treblince.html

    E tem mais. Muito mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito organizado e emocionante.
      Só senti falta das provas forenses.

      Excluir
    2. São "florenses", FAB29 ... aprende ... rs

      Abraços, Cobalto

      Excluir
  4. Ora meu caro,
    Você não pensa que pode-se acreditar nesse desenho acima. Nem foto parece ser. Entenda que o ônus da prova cabe a quem acusa. E ninguém acusou você de nada aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você se refere à foto aérea do post (vista também no sítio da BBC) como falsa?Só se você considera a BBC como sendo "BaBaCa".

      Quanto às provas forenses, a equipe australiana já apresentou e ninguém as conseguiu refutar cientificamente. Só a velha e patética tática de tentar bisonhamente desqualificar.

      Excluir
    2. Passe o link dessa "equipe australiana".

      Excluir
    3. Você seria um pândego. Sorte sua ser apenas ninguém.
      Passar bem.

      Excluir
  5. Amigos, quer dizer que tudo é "FARSO" somente é VERDADE o que se fala a favor do HOLOCOCONTO, isso é pra KABÁ mesmo....

    ResponderExcluir

  6. " De acordo com a Enciclopédia do Holocausto (1997), por exemplo, "um total de 870 mil pessoas" foram mortas e enterradas em Treblinka, entre julho de 1942 e abril de 1943”. Então, entre abril e julho de 1943, as centenas de milhares de cadáveres teriam sido exumados e queimados em lotes de 2.000 ou 2.500 corpos em grandes blocos feitos de dormentes da rede ferroviária. "

    Como o artigo diz 2.000 ou 2.500 corpos por lote , fiz a média de 2.250 corpos, dividio por 870.000 = 386,66666666... lotes.

    Qual a profundidade dos lotes ? Porque a largura deve ser uns 2 metros (altura pra caber um adulto). E qual o comprimento ?

    Sobre o radar : "Radar de penetração no solo ou georradar (de acrónimo GPR) é uma técnica de aquisição de informação espacial que se utiliza para investigar ou detetar objetos e estruturas sob o solo.
    Crê-se que a primeira aplicação foi feita em 1929 na Áustria para determinar a espessura de um glaciar. A mesma tecnologia foi usada, por exemplo, no Ártico para determinar a espessura do gelo e poder avaliar se um avião poderia aterrar sobre a zona."
    Muito interessante e confiável este aparelho que já é conhecido uns 100 anos. É essencial que se leia o resto em http://pt.wikipedia.org/wiki/Radar_de_penetra%C3%A7%C3%A3o_no_solo

    Tem este vídeo, entre outros https://www.youtube.com/watch?v=RiOORhSSAw8

    Resumindo :
    1 ) a técnica e o aparelho são é extremamente confiáveis,
    2 ) 870.000 cadáveres ou os 400 lotes de restos humanos seriam sim detectados pelo Radar GPR,
    3 ) Não acharam nada, porque não tem nada pra ser achado e,
    4 ) Isso não é teoria da conspiração/revisionista ou sei lá o que, são dados científicos. São fatos reais e comprováveis.

    A verdade não teme nem perde em ser investigada, só a mentira.

    Cobalto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei da explicação do especialista sobre o GPR. Grande aparelho!

      E o Ninguém mais acima quer o link da equipe australiana que ousou mapear o subsolo de Treblinka.
      Achei melhor não perguntar para quê...

      Excluir
  7. Caros amigos é como eu sempre falo essa tal de MATEMÁTICA é uma matéria muito "DIFICI" para os seguidores da SEITA judaica........

    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Um Ninguém enviou este link pro post errado com uma "superprodução hollywoodiana" de quase 5 minutos sobre "pesquisas forenses oficiais" em Treblinka:

    https://www.youtube.com/watch?v=aVbmDfTv1nc

    Publico aqui por ser o post correto e porque vale a pena ver o "enorme esforço pra não chegar a lugar nenhum".

    ResponderExcluir
  9. É que você não entendeu. É muito para sua cabecinha de bagre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seus donos me entendem. É a razão da sua presença.

      Excluir
    2. Um VÍDEO de desenho animado?

      Isso é prova?

      Quem faria INSTALAÇÕES como as mostradas no DESENHO ANIMADO para encaminhar os PSEUDOS GASEIFICADOS?

      Porque se gastar tanto DINHEIRO e MATERIAL para se fazer ALOJAMENTOS para os PSEUDOS GASEIFICADOS?

      Sobrava DINHEIRO na ECONOMIA alemã em GUERRA recém saída de uma INFLAÇÃO COLOSSAL, por que não pensou os ADMINISTRADORES ALEMÃES de então:-

      - VAMOS GASTAR POR CONTA, precisamos proteger esses que se dizem “ELEITOS” do FRIO, da PESTE TIFOIDE, FOME, afinal eles são os PREFERIDOS do d’us DELES, se não cuidarmos deles não poderemos GASEÁ-LOS e DEPOIS CREMÁ-LOS....

      São muitas “ABOBRAGENS” (abobrinha com bobagem) o que é contado por esses que se aperfeiçoaram em fazer REDAÇÕES FICTÍCIAS.

      Abraços.

      Excluir
    3. E, como sempre, caro Ragi, eu "se divirto"!

      Excluir
    4. No vídeo, aquela placa de cerâmica com uma estrelinha de Davi é a prova o holocausto ?! Fala sério.
      Cadê os milhares e milhares de ossos ?

      Cobalto

      Excluir
    5. Você não lembra o diretor do museu de Sobibor no "documentirário" "A execução do Mal" dizendo que uma ducha toda amassada e enferrujada era, para ele, o símbolo do holocausto?

      Vale tudo, meu caro.

      Excluir