Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


sexta-feira, 16 de maio de 2014

"Meio" impossível!...

Amigos e amigas.
Voltando ao tema "Impossibilidades" referente à historiografia do holocausto, colocarei algumas questões forenses aventadas por este sítio:
http://www.nafcash.com/

Ali, é perguntado como 2 milhões de pessoas (que o museu Yad Vashem já alegou ser um número maior) puderam ter sido enterrados em 75 valas de quatro pequenos sítios (Belzec, Treblinka, Sobibor e Chelmno) sem deixar vestígios. O Nafcash até afirma que "nem 1/1000 de 1% foi encontrado".

Vejam abaixo as dimensões de dois desses campos:
Campo de Belzec (alto à direita), onde couberam 600 mil judeus.
Campo de Treblinka, onde couberam 900 mil judeus.
Em laranja, as ditas covas coletivas.
Vejam a tabela abaixo:

The site of the   alleged crime
The number of
so-called
huge mass graves
The number of jews allegedlyexterminated
at each site
The method allegedly used by the Germans to conceal their crime
Belzec
33
600,000 *
Dig the bodies out of the alleged 
graves;” then burn them on pyres made from railroad rails; then throw all the teeth and bones back into the same alleged graves;”then cover all the physical evidence with a layer of sand.
Chelmno
15
152,000 *
Sobibor
16
250,000 *
Treblinka
11
900,000 *
* * * * *
Total  -  75
  Total  -  1,902,000   -  
 * Source - Michael Shermer

Na 2ª coluna, devido à pequena área dos campos, a alegada quantidade de covas de cada campo assusta, principalmente em Belzec. Já proporcionalmente, Treblinka é imbatível com sua média de quase 90 mil corpos por cova. A última coluna é a pior: "Os corpos foram exumados, cremados em piras feitas de dormentes de estradas de ferro, os dentes e ossos jogados de volta às covas e cobertos com uma camada de terra". Alguns sítios afirmam que cada campo tinha uma máquina trituradora de ossos. Por que elas não são citadas por todos?

Vejam mais essa tabela abaixo:

The site of the  alleged graves
The weight of the alleged remains that would have been left behind
- IF - the story is true
The number of teeth that would be mixed in with the alleged millions of pounds of bone fragments
Belzec
4.380 million pounds *
19.200 million
Chelmno
1.110 million pounds *
4.864 million
Sobibor
1.825 million pounds *
8.000 million
Treblinka
6.570 million pounds *
28.800 million
* Calculations are derived from figures used by Arnulf Neumaier
in his treatise on - TREBLINKA

Na 2ª coluna, sobre os restos mortais que teriam sido deixados para trás se a história fosse verdadeira, calcula-se quase duas toneladas deles em Belzec, mais de meia tonelada em Chelmno, mais de 800 kg em Sobibor e (pasmem!) quase três toneladas em Treblinka! Na 3ª coluna, um cálculo da quantidade de dentes que haveria junto aos restos mortais: cerca de 60 milhões no total! Qualquer radar de penetração no solo (GPR) encontraria sem problemas essas provas.

Conta-se que em agosto de 1944, os soviéticos fizeram escavações em Treblinka à procura de evidências e só encontraram valas com lixo queimado; nenhuma cova coletiva. Outra varredura forense foi feita em novembro de 1945 pelos poloneses e o juiz Zdzislaw Lukaskiewicz atestou que "nenhuma cova coletiva foi encontrada".

Em resumo: a história oficial sustentada pelos depoimentos dos "sobreviventes do holocausto" deixa toda a margem para dúvidas, discussões, questionamentos. E quanto mais os "afirmacionistas" gritarem, brigarem, se fizerem de ofendidos, ameaçarem, criarem leis "anti-negacionistas", etc, tanto maior será a recalcitrância daqueles que não se acomodam, nem se incomodam em ser chatos, intransigentes, céticos, hereges,... Além do quê, tudo aquilo que fazem no lugar de mostrar provas forenses apenas atesta que questionar é mais do que necessário: é obrigatório!

FAB29

4 comentários:

  1. http://archive.org/stream/BelzecSobiborTreblinka.HolocaustDenialAndOperationReinhard.ACritique/BelzecSobiborTreblinkaHolocaustControversies_djvu.txt

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conheço o resumo dele traduzido.

      Eles criticam, criticam, criticam,... Parecem aqueles cachorrinhos que latem, rosnam, babam, ameaçam, tudo dentro de sua casa com o portão fechado. Aberto o portão, ficam a ganir e até a miar.

      Gracinhas!...

      Excluir
  2. Caro Fabiano, depois os DEFENSORES do INDEFENSÁVEL nos chamam de MENTIROSOS, como diz em um dos trechos do relato:

    “Lembre-se, tudo o que está sendo feito aqui é simplesmente pedindo para ver a suposta "prova" de que os fracos de espírito verdadeiros crentes insistem é tão "inegável." Se a chamadas "provas" realmente existem como é enganosamente alegado, insinuou então as recompensas em dinheiro oferecidas pelo NAFH estas seriam reivindicadas num piscar de olhos. E isso é um fato que só um covarde auto se enganando que se recusa a admitir”.

    Aposto companheiro que o valor que a Associação Nacional de Historiadores Forenses está OFERECENDO “DIGRATIS” é muito mais do que os ASPONES, SUPONES e GEPONES sionistas sonhariam um dia ganhar TRANCADO o “POGRECCIO” como fazem todos os dias.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai daí, caro Ragi, é que digo que os aspones têm toda a razão de permanecerem anônimos na virtualidade.

      Aliás, mesmo assim, devem sofrer um pouquinho com as imbecilidades que regurgitam de seus "sélebros". E deve doer um bocado...

      Abraço.

      Excluir