Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 28 de julho de 2014

Deixando bem claro

Amigos e amigas.
Uma das maiores discussões acerca do holocausto (um ponto nevrálgico delas) é a afirmação de que quem o nega está cometendo um crime moral de felonia, mostrando desprezo e insensibilidade pelos sofrimentos brutais que os 'sobreviventes' alegam terem sido impingidos ao povo judeu pelos alemães. Nada mais falso, imbecil e tergiversador!

Por este "crime moral", a Europa vive uma grotesca lei da mordaça, sendo punido exemplarmente qualquer um que o cometa. O que mais irrita (pra dizer o mínimo) é que não existe nenhuma relação aos sentimentos quando pesquisadores, historiadores e outros profissionais escrevem sobre o tema. Todos se utilizam apenas de análises frias, números e confrontações científicas do que os 'sobreviventes do holocausto' afirmam, à luz da ciência forense. Fiz uma rápida lista e afirmo sem medo de errar que ninguém contesta os sete primeiros pontos, comuns em maior ou menor grau a todas as pessoas em todos os conflitos, principalmente numa guerra tão grande e devastadora:
  1. - Sofrimentos;
  2. - Perdas;
  3. - Espoliações;
  4. - Covardias;
  5. - Assassinatos;
  6. - Degredos;
  7. - Humilhações;
  8. - Gaseamentos;
  9. - Enterros e exumações;
  10. - Cremações;
O grande problema reside nos três últimos, que dizem formar o modus operandi das ditas execuções em massa que se afirma terem ocorrido em escala industrial em sete "campos de extermínio". Os sete primeiros podem ser contados livremente, acrescentando-se mil e uma pitadas de requintes de crueldades e muito dificilmente alguém pode alegar serem mentiras ou mesmo exageros. Mas os gaseamentos, enterros, exumações e cremações são bases científicas para os peritos forenses examinarem e concluírem muitas coisas.

É bem sabido que foram feitas milhares de necropsias naqueles corpos esqueléticos e retorcidos que são constantemente mostrados sendo enterrados com auxilio de um trator em documentários sobre o holocausto. É fato (não propalado, lógico) que ficou provado que todos aqueles corpos, sem exceção, morreram de doenças (tifo, tuberculose, etc), inanição ou falta de cuidados médicos. Não foi encontrado sequer um corpo que tenha sido gaseado.

Daí, vêm aqueles "ixpertos", tipo o inoxidável "sobrevivente profissional" Ben Abraham, explicando o motivo: os alemães cremavam os corpos e trituravam os ossos para transformá-los em fertilizante. Só que, antes dessas "cremações", houve os enterros e as exumações que somam milhões de judeus. Só em Treblinka, bem sabemos, afirmam terem sido gaseados, enterrados, exumados e cremados mais de 800 mil judeus. Considerando que este campo funcionou por cerca de apenas 300 dias, acredite quem quiser nas probabilidades logístico-físico-químicas disso tudo ter ocorrido sem deixar vestígios.

Detalhe: uma execução com a terrível injeção letal leva pelo menos dez minutos para se consumar (Mas vejam isto: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/07/condenado-morte-agoniza-por-quase-2-horas-em-execucao-nos-eua.html). Mas os 'sobreviventes' afirmam que os alemães matavam centenas de cada vez, intoxicando-os com monóxido de carbono de motor diesel, em 15 minutos.

Concluindo: o que mais me causa espécie na historiografia do holocausto é aquele esquema do "Se não der pela razão, vai pela emoção!" Basta alguém enveredar pelo caminho dos questionamentos lógicos para uma saraivada de impropérios, acusações, ameaças, achincalhes, etc, brotarem de todos os lados, fazendo tudo para desacreditar, intimidar, calar o recalcitrante. De minha parte, tudo esforço baldado! Questionar não é crime (só na Europa). Continuarei neste trabalho de formiguinha, sendo uma mosca zunindo, importunando o status quo. E evitando os pesticidas.

FAB29

3 comentários:

  1. Felonia : S.f. Deslealdade, perfídia, traição.

    1. insubmissão de um vassalo ao senhor feudal
    2. ato desleal; traição
    3. procedimento cruel; maldade, ferocidade

    (http://www.dicionarioinformal.com.br/felonia/)

    Então quem não crê no holocausto comete "traição ao seu senhor feudal"?! Os judeus são meus "senhores feudais"?! Não acreditando, pois todos tem o direito da dúvida, estou cometendo "procedimento cruel, ferocidade"?! Acaso se alguém quiser ouvir o outro lado comete "atos desleais, de traição"?!

    LEI Nº 12.527, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011.

    Mencionado de forma expressa no artigo 5º da Constituição Federal, o acesso à informação é um direito fundamental, tendo em vista que é de extrema importância para o ser humano.

    Intimamente relacionado com a dignidade da pessoa humana, o acesso à informação de qualidade atua positivamente na proteção e no desenvolvimento de toda a coletividade, contribuindo para a realização de outros direitos, tais como o direito à saúde, educação, moradia, etc.

    Além disso, o direito à informação é um princípio básico do controle social, por meio do qual o povo exerce algum controle sobre a ação da Administração, elaborando, acompanhando ou monitorando as ações da gestão pública.

    Abraços, Cobalto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também achei esse termo do "nobrérrimo" Elie Wiesel um tanto atravessado.

      "VEJA:- Por que negar o holocausto tem de ser um crime e não um direito garantido pela liberdade de expressão?

      Wiesel:- Porque dói. Dói nos sobreviventes, nos seus filhos e nos filhos de seus filhos. Quem nega o holocausto, por causa da dor que inflige aos sobreviventes e seus descendentes, comete mais do que apenas um pecado. É uma crueldade, uma felonia."

      E por causa disso,...
      Abraço.

      Excluir
    2. Então esta pessoa se autoproclama unilateralmente senhor feudal da consciência do povo brasileiro?! Dói nele e os outros que devem "tomar o remédio da censura"?! Por que não se consulta com Freud?!

      Norman Finkelstein rechaça a chantagem emocional de uma sionista
      https://www.youtube.com/watch?v=VdBC7yPdxTU

      Cobalto

      Excluir