Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


terça-feira, 30 de setembro de 2014

De impressionar!...

Amigos e amigas.
Ouvimos o tempo todo sobre os heróis de guerra (em especial, da II GG). Relatos sumamente hiperbolizados de feitos comuns, evidentemente quando se tratam dos vencedores. Alguns totalmente maquiados, como a "gloriosa retirada de Dunquerque" em 1940, quando mais de 300 mil soldados ingleses e franceses escaparam da morte certa ao serem cercados por uma divisão panzer alemã. A verdade é que foram poupados num ato de piedade, boa vontade e bem querer de Hitler mandando parar a ofensiva, tencionando, assim, retomar um diálogo com os Aliados para acabar com a guerra. Não fosse tal gesto, teria sido uma hecatombe.

Após essa humilhação estrondosa (até hoje ocultada e tergiversada a todo custo pela propaganda oficial), o bêbado antigermânico Churchill proferiu a famosa frase: "Nada tenho a oferecer, além de sangue, suor e lágrimas!" A mídia sionista a pegou e a transformou no combustível moral para exortar o engajamento sem peias na guerra contra os alemães.

Some-se a esses fatos os relatos muitas vezes adulterados dos 'heroicos sobreviventes do holocausto', que afirmam ter passado por todas as mais inumanas provações e privações, mas resistiram e se prestam a nos 'brindar' com suas dantescas peripécias. Ainda que algumas grotescamente fantasiosas!...

Quero lhes mostrar o exemplo de um verdadeiro guerreiro que combateu na II Guerra, mostrando coragem e absoluta dedicação. Vejam o que ele conseguiu fazer com apenas 19 anos:

Gerardes Mooyman (em neerlandês: Gerardus Mooyman) (* 23 de setembro de 1923, em Apeldoorn, nos Países Baixos; + 21 de junho de 1987 em junho em Anloo, ibidem) foi um militar da SS nos Países Baixos durante a II Guerra Mundial, com a patente de SS-Untersturmführer (equivalente a Primeiro Tenente), condecorado com a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro (Ritterkreuz des Eisernen Kreuzes)


O primeiro militar neerlandês condecorado com a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro.




Formação

Gerardes Mooyman, filho de comerciante da cidade de Apeldoorn, nos Países Baixos, estudou mecânica e trabalhou como auxiliar de farmácia.

Segunda Guerra Mundial

Gerardes Mooyman apresentou-se voluntariamente ao serviço militar em abril de 1941Em janeiro de 1943, uma ofensiva inimiga atingiu a Heeresgruppe Nord (Grupo de Exércitos Norte). Nova ofensiva em torno de Leningrado e Wolchow em fevereiro de 1943 objetivava o cerco das Divisões alemãs, e atingiu também a SS-Freiwilligen-Legion “Nederland”, cujos integrantes neerlandeses resistiram de forma decisiva às investidas inimigas.
Nestes combates, o líder de uma artilharia anti-blindados era Gerardes Mooyman, que conseguiu com o abate de 4 blindados T-34, estancar a ofensiva inimiga. Em 13 de fevereiro de 1943, ao se defender contra uma mega-ofensiva soviética, abateu 7 blindados inimigos. Após seu artilheiro ter sido vitimado pelos ataques, operou pessoalmente a artilharia e abateu outros 6 blindados. Conseguiu repelir o ataque soviético, e como primeiro soldado não-alemão foi condecorado em 20 de fevereiro de 1943 com a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro. Ruas e praças públicas foram nomeadas em sua homenagem, e Gerardes Mooyman passou a representar um exemplo para a juventude neerlandesa.
Fonte: http://pt.metapedia.org/m/index.php?title=Gerardes_Mooyman&diff=21195&oldid=prev

Há dezenas de outras histórias de verdadeiros combatentes devidamente suprimidas do conhecimento geral para não suscitarem desconfortos e questionamentos a respeito das sórdidas atitudes que os "heróis aliados" cometeram a torto e a direito na 2ª Guerra, como este exemplo:
http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2014/01/herois-malditos.html

Procurarei resgatá-las para fazer um pouco de justiça e contrapor as muitas fantasias aliadas.
FAB29

7 comentários:

  1. Bela atitude e grato por fornecer o artigo camarada!

    Saudações!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A troca de informações relevantes é multilateral, meu caro.
      Abraço.

      Excluir
  2. A Batalha de Tarawa, o Dia D, está cheio de "heroísmo" aliado ... rsrs
    Só no cinema mesmo.

    Lembram-se da "cinematográfica (real) Operação Carvalho (em alemão Unternehmen Eiche, em italiano Operazione) para resgatar o Dulce?

    Cobalto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como escrevi, pretendo publicar histórias de outros heróis de verdade.

      "A lista de Schindler", "Operação Valquíria" e "Bastardos inglórios" às favas!

      Excluir
    2. Corrigindo:

      Operação Carvalho (em alemão Unternehmen Eiche, em italiano Operazione Quercia)

      Cobalto

      Excluir
    3. "gloriosa retirada de Dunquerque"

      Por trás dela está a magnanimidade de Hitler.

      Excluir
    4. E por trás da frase de Churchill, a sede de destruição dos sionistas.

      Excluir