Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Descentralizar o poder

Amigos e amigas.
Já muito falei e não me cansarei: poder central, mesmo em uma dita democracia, é o suicídio ou a homologação da escravidão de uma nação. Por isso é que afirmo que as eleições majoritárias (de deputado a presidente) deveriam ser abolidas. Seguem abaixo os meus motivos:

"Por minha família e minhas amantes!"
1- Os "representantes do povo" não o representam na prática, pois precisam representar prioritariamente aqueles que os financiaram. Já foi dito que o montante "investido" pelo candidato em suas campanhas muitas vezes chega a superar a soma de seus subsídios no mandato inteiro! Então, o povinho vira segundo plano. Se tanto...;

2- Eles se encastelam e o acesso a eles é imensamente dificultado pela distância ou pela quantidade de assessores, seguranças e aspones os blindando;

3- Cada região elege apenas alguns candidatos, o que torna a representatividade deles mínima. Eles não têm força para decidir nada em prol da sua região. Sendo minoria absoluta, suas ideias e intenções, por melhores que sejam, trombam em interesses escusos e "outras prioridades" determinadas pelos seus financiadores de campanha. Então, precisam criar alianças, ceder alguns pontos, aceitar outros, enfim, subverter seus ideais, chegando a perverter sua moral ao se ver obrigado a silenciar para certos aspectos imorais de bastidores;

4- Somando-se a tudo isso, há tempos, temos a malfadada e famigerada URNA ELETRÔNICA, o Santo Graal dos corruptores no quesito eleição. Quando era urna comum e voto de papel, fraudar as eleições já era possível, mas dava um trabalhinho razoável, não surtia muito efeito e os resultados não eram todos os desejados. Mas agora?! Qualquer especialista em informática burla tal "inviolável e 100% segura" urna eletrônica dançando xaxado! Ou seja, toda a mise-en-scène das campanhas, as pesquisas, o sobe-e-desce, show da democracia, expectativa para o resultado final,... tudo virou o Circo do Cobalto, onde o palhaço está na plateia, pagando.

Em suma: cargos majoritários são apenas para institucionalizar o escoamento de recursos públicos, cabide de empregos e supremacismo torpe.

Já as eleições para vereadores e prefeito são corretas e devem continuar a existir. Esses políticos são moradores da cidade, trabalham nela, são razoavelmente conhecidos, muito mais acessíveis e podem ser cobrados quase diariamente nas ruas. E se cada bairro formar com seriedade sua associação, com presidente, vice, secretário, etc, para anotar os problemas dele e encaminhá-los à prefeitura e câmara, cobrando-os diuturnamente, tudo melhoraria exponencialmente em um único mandato, bastando manter o ritmo para o progresso engatar uma terceira e deslanchar.

Minha ideia para essas eleições municipais:

1- Votação às antigas: papel e urna comum;

2- O voto teria código de barras que seria lido e registrado com o número do candidato, exatamente como ocorre com os volantes de loteria. Vejam o exemplo: vamos supor que a cidade de São Paulo tivesse 7 mil candidatos e você quisesse votar no número 6452. Então, você marcaria assim:


Se você quisesse votar no candidato número 5, o voto seria assim:


E assim por diante. Qualquer rasura, igual em gabarito de vestibular, o voto seria anulado. Bastariam algumas aulas e treinos para que todos, incluindo analfabetos, aprendessem a votar sem problemas. Portadores de deficiências teriam dia e locais especiais para votar.

3- Os votos ficariam à disposição do TME (Tribunal Municipal Eleitoral) para uma possível necessária recontagem manual.

Aposto que a votação não precisaria ser obrigatória (como é na "democratura" brasileira). A esmagadora maioria iria votar de bom grado e aprenderia a importância de se participar da vida política ao ver que suas cobranças surtiriam muito mais efeito em suas vidas sem os inoperantes, custosos e cheios de vícios congresso nacional e câmaras estaduais. Evidente que a cobrança seria bilateral: o povinho seria educado a cumprir todas as suas obrigações para poder usufruir de todas as benesses inerentes à sua condição de cidadão.

Ideia posta. Opiniões lúcidas e construtivas, à vontade.

19 comentários:

  1. Olá colegas

    Hoje é ano novo judaico

    Gostaria de desejar a todos deste seleto blog

    um SHANÁ TOVA.......................Feliz Ano Novo

    Que o Judaismo e o Sionismo, mantenham-se fortes na
    luta contra nossos inimigos.

    são os votos de Nelson

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Nelson! O Fernando Pessoa dos bufos!

      Que as bênçãos do Mestre Maior Jesus clareie vossa esquizofrenia.

      Excluir
    2. Não eram árabes aqueles que assassinaram Jesus, Filho de Deus, eram judeus.
      Não eram árabes aqueles que promoveram e mais lucraram com a 1ªGM, eram judeus.
      Não eram árabes aqueles que saquearam e chacinaram o povo russo no golpe bolchevique, eram judeus.
      Não eram árabes aqueles que causaram a "Grande Depressão" de 1929, eram judeus.
      Não eram árabes aqueles que promoveram e mais lucraram com a 2ª GM, eram judeus.
      Não eram árabes aqueles que inventaram a bomba atômica, eram judeus.
      Não eram árabes aqueles que lançaram duas bombas atômicas sobre o Japão, eram judeus.
      Não eram árabes aqueles que assassinaram o presidente JFK, eram judeus.
      Não eram árabes aqueles que espionaram e traficaram a bomba atômia à URSS, eram judeus.
      Não eram árabes aqueles que traficaram a bomba atômica á China, eram judeus.
      Não eram árabes aqueles que atacaram o navio USS Liberty, eram judeus.
      Não eram árabes aqueles que praticaram o 9/11, eram judeus.

      Alguém quer continuar?

      http://www.germanvictims.com/2014/09/23/it-wasnt-arabs/

      " ... e que o mundo todo está sob o poder do Maligno."
      1ª João 5: 19b

      Cobalto

      Excluir
    3. Essa seleção que fizeste, Cobalto, poderia ser feita em panfleto para distribuir nas ruas, infelizmente cairiam sobre nós mais processos e repressões do que sobre TODOS OS CRIMINOSOS DO BRASIL DURANTE UM ANO.

      Saudações aos camaradas Cobalto e Fab!

      Excluir
  2. Shana Tova !

    Feliz 5775 a todos ! Luz, paz e saude !

    Nao ao odio, sim ao amor !

    Elias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E sim à justiça!
      Que as terras sejam devolvidas a seus legítimos donos;
      Que a História seja revista e reparada;
      Que os usurários sejam destituídos de tudo o que levaram;
      Que os mestres da corrupção recebam tudo o que merecem;

      Com as bênçãos do Mestre Maior: O Caminho, A Verdade e A Vida!
      Amém!

      Excluir
  3. Eles não tem vergonha na cara... óleo de peroba nesses psicopatas judeus!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nos aspones, puxa-sacos, vendidos e congêneres, também.

      Excluir
    2. Camisa de força neles.

      Excluir
    3. Será que óleo de peroba serve para fazer brilhar premio Nobel?

      Excluir
  4. A democracia se gaba por defender as minorias, mas leiamos este discurso de Putin:

    “Na Rússia, vivem russos. Todas as minorias, de qualquer origem, se desejam viver na Rússia, trabalhar e comer na Rússia, deveriam falar o russo e deveriam respeitar as leis russas. Se preferirem a Lei da Charia, então nós recomendamos que eles se transfiram para países onde essa é a lei do Estado.

    A Rússia não precisa de minorias. As minorias precisam da Rússia e nós não daremos a elas privilégios especiais ou possibilidade de mudar nossas leis para elas se adaptarem a seus desejos. Os costumes e as tradições da Rússia não são compatíveis com a falta de cultura ou com as formas primitivas da maioria das minorias.

    Quando este honroso Parlamento pensar em criar novas leis, deve ter em mente em primeiro lugar os interesses nacionais, observando que as minorias não são russas”.

    Fonte: Ex-Blog do Cesar Maia via http://www.forte.jor.br/2013/05/06/vladimir-putin-e-ovacionado-por-varios-minutos-por-discurso-no-parlamento/

    O que faz forte um povo ou uma nação, não é a defesa de suas minorias, mas a defesa de sua maioria. É a união que faz a força e não a promoção das diferenças, das desigualdades que só promovem discórdia e contenda. Mais óbvio que isso é impossível.

    Por essas e outras, que a democracia (certo é vulgocracia) é uma utopia pega-bobo, uma farsa irracional, fadado ao fracasso.

    Democracia (correto é vulgocracia) de direita, centro ou esquerda, é um circo que só palhaço acredita. E o palhaço ainda é burro e pagante.

    Cobalto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minorias têm seus direitos e espaços.
      Mas quem comanda é a maioria. Naturalmente.
      Só os judeus conseguiram o contrário.
      Com a ajuda do comodismo das massas.

      Excluir
  5. Nem precisei esperar que o ano de 2014 chegasse para ter vergonha na cara para assim nunca mais votar nos políticos daqui do Brasil. Isto eu já tinha determinado em 2013, desde as manifestações do mês de junho daquele ano, quando percebi que o Brasil é um país totalmente vergonhoso aos meus olhos!

    Vejo que o tal Nelson Silva passou pelo seu blog também! Este cidadão se emburrou todo por causa de alguns artigos no meu blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O multi-esquizofrênico citado é um pândego! Virtualmente. Creio que, ao vivo, embrulharia meu estômago.

      Excluir
  6. O multi-esquizofrênico (Nelson Silva), também demonstrou que é um desses que gosta de receber lavagem cerebral da mídia corrupta pró sionismo! O que ele vê na TV, é o que ele não vera pessoalmente!

    Abraços, FAB!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já ouviu falar do "çobrevivente do olocausto" Hermann Rosenblat? Quando descobriram toda a mentira que ele havia criado, perguntaram a ele por que tinha mentido. E ele placidamente respondeu:

      - "Sim, era mentira, mas, em minha mente, era verdade!"
      https://www.youtube.com/watch?v=nROqGjAuCmg

      O nelson deve ser pupilo do 'jênio'.

      Excluir
    2. Dependendo do grau de imaginação do senhor Rosenblat, ele deveria até mesmo escrever ficção! Até eu mesmo já criei histórias baseadas em universos paralelos, só para fugir dos verdadeiros fatos ocorridos durante minha trágica adolescência! Rosenblat é um dos poucos que se atreveu a contar a verdade sobre esta mentira que ainda vai atravessar séculos a frente!

      Excluir
    3. Disse o impoluto Spielberg: "Prefiro as ficções, que tudo permitem".

      E com tal infância, você nunca pensou em entrar no rol dos "çobreviventes" tipo Rosenblat? Ia dar uma boa grana!... rsrs...

      Excluir