Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Patético é pouco!

Amigos e amigas.
Algo que acontece a torto e a direito e todos os dias pelo mundo inteiro em todos os níveis possíveis mais uma vez toma contornos de patético. Juca Kfouri escreveu um texto com o título: "Prendam esta mulher!", referente à moça torcedora gremista que xingou o goleiro santista Aranha de "macaco". A histeria prossegue nesses dois próximos links:



Já neste, Wanderlei Luxemburgo mostra muito mais equilíbrio e consciência:


Nunca serei favorável ao preconceito, mas o rumo que a grande podre mídia está dando a esse "caso de racismo" vem a provar o quanto estamos manietados e somos manipulados por essa mídia. Como iniciei o post, aquilo acontece O TEMPO TODO EM TODOS OS NÍVEIS! Lembremos:

- Quem nunca ouviu chamarem um gordo de "hipopótamo"?
- Ou então, chamarem as loiras de "antas"?
- Quantos não chamam português de "burro"?
- É super comum chamar magrelo de "cegonha"; e bem mais.

Mas chamar negro de "macaco" ou homossexual de "veado" é intolerável a ponto de virar processo e até cadeia! Os "especialistas" dizem que o buraco é mais embaixo porque as raízes dessas duas últimas pechas tem um cunho social muito mais deletério, muito mais ofensivo e desagregador. Ah, sim?! Baseados em qual escala de valores? Os primeiros citados devem fazer ouvidos moucos, ignorar, "entrar na onda" sem se deixar ofender por uma bobagem dessas enquanto os dois últimos são mais sensíveis, melindrados, intocáveis?
Isto seria motivo de processo?
Há quem "morra de rir" com besteiras assim...
Chamam de liberdade de expressão tirar todo tipo de sarro de fanhoso, feioso, baixinho e tantos outros tipos físicos, além de japonês, argentino, muçulmano, índio, branco, cristão, etc. Eu também acho e NINGUÉM deveria ser "protegido em suas suscetibilidades" por uma simples zoeira. Afinal, só os estúpidos fiam sua vida na opinião alheia. Se eu fosse o Aranha, desprezaria olimpicamente toda e qualquer tiração de sarro desse desnível. E se me perguntassem, eu diria com um largo sorriso: "Este 'macaco' ganha dez ou até vinte vezes mais que qualquer um dos seus 'ofensores'. Tenho minha vida e a de minha família dignamente garantida. Nunca precisei de nada deles e continuarei assim." Soma-se a isto o fato de que muitas pessoas me respeitariam e me tratariam bem.  Bem disse James Bond: "Viva e deixe morrer!"

Concluo que essa cultura da histeria é apenas uma faceta nefasta, sórdida e hipócrita da grande corrupção que permeia toda a gama de nossa existência. Sua função é desunir, criar celeumas, cisões, desconfianças, mal quereres, impedindo que se formem correntes sociais sólidas, fato que destruiria em pouco tempo todo o esforço que os parasitas da humanidade empenharam para se instalar confortavelmente no âmago da humanidade.

Ainda tenho esperanças de que as pessoas se conscientizem de uma vez por todas que, apesar de sermos seres gregários e que só progredimos e somos completos em sociedade, somos indivíduos, únicos, especiais, originais. Nossa vida é só nossa e urge sermos autossuficientes, independentes, plenos para, desta maneira, sermos de mais valia a quem amamos e fortes para execrar maledicentes que só sobrevivem em nossas fraquezas em todos os sentidos.

12 comentários:

  1. Olá Fabi.
    Sera mesmo que são essas 02 moças apenas? estavam ao redor de centenas de pessoas na geral do Gremio! O goleiro do Santos tem um filho branco, ele esta renegando a sua (dele) propria raça!Certa periodo da minha vida estava acima do peso e me chamavam de Gordão, e nem por isso fiquei revoltado.
    Quanto os judeu Juca Kfouri é só acompanha-lo na UOL e o canal americano judeu ESPN, que é bem notavel a sua luta contra a raça Branca.
    Certa vez disse o jornalista que estava tremendamente chateado que o novo estadio Maracana, não tinha mais torcedores negros !!!!!!!

    EDUARDO-SP

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eram dezenas de torcedores gritando dezenas de impropérios típicos de torcida que quer extravasar e desestabilizar o adversário, Eduardo.

      Evidentemente, no meio desses, havia os maledicentes, preconceituosos e tudo o mais que aproveitam o ensejo para destilar suas podridões. Mesmo esses tem o total direito de descer o malho verbal da maneira que bem entender que não terão cometido nenhum crime. Repito sempre: xingar faz parte.

      Sou contra se extrapolarem para as ameaças e agressões. Daí, tem de prender todos os que fizerem isso. Como nada disso ocorreu, lamento muito pelas duas pobres garotas que foram pegas para Judas.

      Abraço.

      Excluir
  2. http://www.veteransnewsnow.com/2014/08/30/509689-if-americans-knew-political-zionism/

    http://america.aljazeera.com/articles/2014/3/12/visual-activism-activestillsphotographsthebarrierwall.html#

    ResponderExcluir
  3. (Alice - SP)

    Mas voces acham certo, chamar alguem de negro fedido, ou imitar som de macaco ? Quem eh chamado assim nao pode ficar ofendido e procurar os seus direitos ? Isso eh diferente da torcida xingar a mae do juiz, quando ele marca ou deixa de marcar uma falta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alice.
      Conheço a história de um cara que era constantemente chamado e sacaneado de "LINGUIÇÃO". Ele desprezava olimpicamente, até que surgiu a chance dele confrontar seus ofensores.

      Ele disse tranquilamente: "Não me faz nenhum problema ficarem me chamando assim. Cada qual que perca seu tempo e vida do jeito que quiser. Se gostam de olhar para um homem e ficar pensando no linguição, tudo bem." Nunca mais o sacanearam!

      O Aranha ganha muito bem, tem família, amigos e é dignamente independente. Ficar magoado com zoação de torcida é patético.

      Qualquer um que se melindre por zoeiras merece as zoações ou profunda pena, pois não passa de um pobre coitado.

      Repito, atenção aos limites: agressões e humilhações merecem punições exemplares, sem meios termos. Julgue-se caso a caso. Neste, nada!

      Excluir
  4. Trabalhei em alguns empregos dentro de bairros de periferia, com predomínio mestiço, uma parcela menor branca e uma parcela menor ainda negra.

    Fazem nesses lugares exaltação a "maloqueragem", ao crime, fazem primar o funk em sua pior expressão e constantemente cultivam ódio ou no mínimo severa implicância com pessoas de bairros menos precários, de modo bem generalizado com todo mundo sendo "burguês" que merece apanhar , ser roubado ou morrer. Na verdade, se alimentam de modas que exaltam rancor racial, pornografia, crime sempre destacando que isso é "coisa de cor" é "negada mesmo" que vão "comer a branquinha" etc...por fim juntam tudo e ostentam isso como orgulho de ser favelado! Não é orgulho nenhum ser favelado, é uma tristeza ser favelado, ter menos oportunidades e menos condições de uma vida digna, mas exaltam o "orgulho de ser favelado" criando uma sensibilidade que pretende estar acima das críticas que se possa fazer aos que nesse ambiente operam e perpetuam toda a situação de precariedade física e moral.

    O crime organizado se refugia nessas comunidades, e as pessoas são coagidas, muito mais pelo crime que pela polícia, e presenciei algumas sutilezas desta realidade, o medo de algumas pessoas, e emoção perigosa de outras que se orgulhavam de pertencer ou serem "chegados" ao crime organizado. Mas sempre o ódio aos que não são como eles, os da "comunidade"!

    Ao mesmo tempo encontrei pessoas que compartilhavam muitas coisas que prezo e entendo serem coisas boas.

    Já como premissa considero a questão racial tanto na forma física, psicológica e espiritual, reconhecendo a diferenças e não a igualdade entre as raças, sem que isso me obrigue a ver um indivíduo obrigatoriamente atado a uma herança ancestral (física, social, coletiva, enfim, cultural etc) sem condições de melhorar, assim como vejo que quem tenha uma herança ancestral mais favorável (física, social, coletiva, enfim, cultural etc) pode não sustentar tal condição e piorar.

    As mudanças, para melhor ou para pior, ocorrem ao longo dos séculos, fugir disso é ser imediatista e evitar admitir que as causas possuem suas consequências, no mais amplo sentido.

    Agora há mais do que nunca uma agitação midiática para acentuar ainda mais os ressentimentos ainda vivos e criar outros que nem existem! Há uma histeria de atrito racial ocorrendo.

    Isso é um caldeirão de ressentimento aquecido mais e mais para derramar sobre a parcela da sociedade que não é da periferia e que possui também suas qualidades e defeitos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você pode ver no fim do post, Tannhauser, um link mostrando que o Grêmio foi excluído da Copa do Brasil por causa desse "ato de racismo". Foi justo?

      Então, creio ser mais justo ainda expulsar israel da ONU pelo genocídio que acabou de perpetrar em Gaza.

      Ou será que o estado judeu cometeu um "crime menor"?

      Excluir
  5. Se o caro gestor do blog não admite combater o preconceito étnico- racial em escala menor como acontece dentro dum estádio esportivo Onde deveria prevalecer o respeito Seja pelo time vitorioso ou seja mesmo pela derrota sofrida;

    então, segundo suas mesmas palavras, tal como o clube Grêmio de futebol o estado de Israel afinal não merece uma punição sequer só porque mata alguns milhares de palestinos e desaloja uns tantos outros milhões.

    o seu racismo velado fez-lhe perder uma oportunidade de não cair em contradição.

    sob qualquer forma o preconceito racial é inadmissível sim; em respeito aos meus ancestrais indígenas que já habitavam essa terra e acolheu os intrusos judeus e portugueses, acolheu o africano que não escolheu vir pra cá forçosamente.

    agora, há a opção de deixar essa terra e tentar a sorte se tu achas que seus" patrícios" europeus o receberão de sorrisos largos no continente em falência denominado Europa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. DURANTE UM JOGO, caro sem nome, é dito todos os tipos de achincalhes, palavrões e ofensas a todos os jogadores de todas as raças, religiões, nacionalidades, etc. "Macaco" é só mais um. É 100% lícito!

      Se (e somente se) alguém invadir o gramado ou atirar coisas nos jogadores é que sou favorável a toda e qualquer sanção ou punição.

      Também, se após o jogo, já fora do estádio, torcedores repetirem as ofensas ou coisa pior, CADEIA NELES!

      Sua torpe tentativa de usar minha ironia (o "crime de racismo" da moça contra o genocídio palestino em Gaza) contra mim só comprova sua parcialidade.

      Se você fosse realmente descendente indígena, deveria ser muito mais consciente do que é covardia e não cometeria uma do mesmo nível contra a pobre moça e os palestinos.

      Excluir
    2. Ele se diz indígena mas não diz de qual país ... rsrs

      Deve ser indígena de Israhell, fã do Benjamin Satanyahu.

      O dito me lembra daquela marchinha de carnaval que canta mais ou menos assim:

      Anônimo Trolladão
      Trolladão, Trolladão
      De dia é Alice
      De noite é Trolladão

      Cobalto

      Excluir
  6. Saudações !

    fico pensando qual seria o órgão regulador das mídias... como é permitido essa amplificação...? sem ônus algum ... sem nenhuma responsabilidade...
    é um poder ... que pode tudo... eleger e tombar ... por uma lei moral relativa a predisposição de verem as coisas... seria isso jornalismo?

    no caso do goleiro...
    lembro um frase de Mooji ...

    O pensamento só pode atacar voce quando voce se identifica com um pensamento...

    Benter

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O esquema, caro Benter, é causar dissensões, fomentar preconceitos, desconfianças, inimizades, até que a desunião se estabeleça e o povinho oligofrênico, comodista e alienado se mantenha sob rédea curta.

      Desafortunadamente, os parasitas do mundo estão indo muito bem.

      Excluir