Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


domingo, 5 de janeiro de 2014

Desprezar é preciso!

Amigos e amigas.
Tantas coisas no mundo seriam minimizadas ou até eliminadas se exercitássemos duas coisas: o egoísmo produtivo, para desenvolver autoestima, amor próprio e autossuficiência, e o desprezo rascante por tudo o que fosse pernicioso, sórdido, hipócrita, malicioso, corrupto e corruptor. Esse egoísmo é aquele no qual fazemos o possível para estarmos bem (sem destratar ou prejudicar ninguém) e, assim, podermos ser de mais valia a quem acharmos merecedor. Já o desprezo é para que os parasitas, os maledicentes, os corruptores em geral sejam mantidos à distância e se autodestruam em sua incompetência e podridão.

Milhares de coisas são feitas e ditas diariamente, jogadas sobre nós, impostas às nossas vidas sem que haja a necessária reação, contestação, repúdio, etc. A passividade, ignorância e comodismo das massas impedem a atenção, a avaliação criteriosa, a análise crítica, o debate franco, a opinião livre. Tais coisas são ditas e feitas e pronto! Exemplos bem básicos que merecem desprezo:

Míriam Leitão
- Certa vez, a comentarista Miriam Leitão fez um rápido aparte em seu comentário na CBN: "...Aliás, tirando a 2ª Guerra Mundial, na qual sabemos claramente quem eram os bandidos e quem eram os mocinhos,..." QUEM ERAM OS MOCINHOS, CARA-PÁLIDA?!? Seus queridos e hollywoodianos aliados que (só para rememorar algumas excrescências) trucidaram covarde e avassaladoramente as inofensivas cidades de Dresden, Hiroshima e Nagasaki? Ou que deixaram morrer de inanição um milhão de prisioneiros alemães após a guerra? Ou que humilharam, estupraram, seviciaram e assassinaram milhares de mulheres alemãs também após a guerra? Seus heróis, certo?!

'
Boris "Vergonha" Casoy
- Quando o âncora Boris Casoy participava da entrevista/debate sobre a crise na Síria no programa Canal Livre, com a participação do jornalista Jaime Spitzcovsky e da psicanalista síria Claude Fahd Hajjar, ele disse a ela que Bashar Al-Assad era um ditador. Quando ela retrucou que Assad só era 'ditador' na opinião dele (Boris), este lhe respondeu com uma expressão bufa, misto de paciência, deboche e 'obviedade': "Mas ele não foi eleito!" Estranhíssimo!! Este mesmo Boris enche suas bochechas para classificar como 'ditadores' Mahmoud Ahmadinejad, ex-presidente ELEITO E REELEITO do Irã, e Hitler, ELEITO E REELEITO (na segunda, com 94% dos votos) na Alemanha. Parcialidade pura (para não dizer conveniência e/ou conivência!).

Barack Hussein Obama II
- A célebre expressão de Barack Obama, estandarte da sua posse e gestão ("Yes, we can!"), foi alçada aos píncaros da glória como sinônimo e símbolo da perseverança, da obstinação, de nunca esmorecer diante de qualquer adversidade, de que tudo pode ser superado pela força de vontade, pelo trabalho, pela união. Por outro prisma (para mim, o verdadeiro), não passou de um tapa na cara da humanidade, uma consolidação da empáfia, da soberba e da truculência ianque/talmudista, uma banana para as leis, a paz, a liberdade, a autodeterminação dos povos, o respeito, o bem querer, a boa política, enfim, tudo o que deveria reger as nações. Vide o continuísmo que o insólito 'Prêmio Nobel da Paz de 2009' perpetrou em seu governo, vindo do outro nefasto, Bush Jr, após a falcatrua '11 de setembro': Afeganistão, Iraque, Egito, Líbia, Síria e, brevemente, Irã. E bem mais, é claro! Traduzindo e complementando: "Sim, nós podemos!... E vamos fazer tudo aquilo que bem entendermos!"

E tantas outras coisas que merecem desprezo (pornografia, banalizações, entretenimentos nocivos, educação subversiva, corrupção generalizada, o "jeitinho" brasileiro, etc), mas estão cada vez mais se arraigando em nosso cotidiano tácita e sub-repticiamente, muitas impostas de maneira ostensiva, de tal monta que aqueles que tentam repeli-las são taxados automaticamente de tudo o que for mais deletério e digno de condenação.

Aprenda a desprezar! Exercite esse desprezo absolutamente saudável a tudo o que possa causar mal à sua vida e às dos seus entes queridos! Não permita que seu mundo seja invadido por essas obscenidades, covardias, podridões e corrupções produzidas pelos parasitas da humanidade, travestidas de modernidade, sofisticação, progresso, novidade,... A principal função delas é apodrecer as bases da união, da família, da cognição, do raciocínio, da sensibilidade, da evolução, do prazer da convivência pacífica e do desfrute das coisas mais simples, saudáveis e agradáveis da vida.

Eu o exercito diariamente, junto com aquele supracitado egoísmo produtivo. Assim, faço o que cantou Raul Seixas: "Não sei aonde eu tô indo, mas sei que estou no meu caminho. Enquanto o mundo me critica, eu sigo o meu caminho. Eu sou o que sou porque vivo da minha maneira. Só sei que eu sinto que foi sempre assim minha vida inteira."
FAB29