Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Alerta de tsunami!

Amigos e amigas.
De que outra maneira eu poderia conceituar o Deus-nos-acuda que se avizinha com a Copa do Mundo às nossas portas sem bases minimamente sólidas para sua realização?

Relembrando rapidamente o Pan de 2007 no Rio de Janeiro, evento muito menor que Copa ou Olimpíada, onde os notórios superfaturamentos transbordaram: desde a mão de obra de marceneiros e eletricistas até na compra de aparelhos de ar condicionado, furadeiras, parafusadeiras, etc. Inclua-se os "hipopótamos brancos" parque aquático e velódromo (a pista feita com madeira da Sibéria) que não poderão ser aproveitados na Olimpíada em 2016 por não terem proporções adequadas.

Mas só para esta Copa, estão sendo erguidos novos estádios que se encareceram "um pouquinho" devido à urgência nas suas atrasadas construções. Exemplos, o Maracanã atingiu R$ 1,23 bilhão e o Mané Garrincha, R$ 1,56 bilhão. Serão gastos cerca de R$ 8 bilhões nas novas arenas. Com os acidentes fatais no Itaquerão (onde o guindaste que desabou ainda nem foi desmontado) e na Arena Amazônia e algumas paralisações por melhores condições de trabalho, os atrasos pioraram mais ainda a situação.

Aí, entramos na pior parte: infraestrutura risível para receber os milhões de turistas que grassarão por um país de proporções continentais, que possui uma malha rodoviária que vai do excelente (em vários trechos de São Paulo) até o indigente (em grande parte do país); uma malha ferroviária pífia; aeroportos onde o caos é uma constante (o aumento do de Guarulhos está previsto para terminar às vésperas da Copa); rede hoteleira razoável, mas insuficiente; frágil segurança; transporte urbano deficiente num trânsito travado que piora imensamente com qualquer chuva mais forte;... Não foi à toa que o presidente da FIFA, Joseph Blatter, afirmou: "O Brasil é o país com mais atrasos desde que estou na FIFA."

Enfim, calculando o alerta de tsunami: superfaturamentos + dinheiro público indo para o ralo (bolsos apátridas) + 'elefantes brancos' + infraestrutura decadente + desvio da atenção das áreas sociais + escamoteamento da dívida pública exponencialmente aumentada = esboroamento de um país! Só para relembrar a situação de há muito tempo: http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2013/10/um-repente-porreta.html

Apenas resta torcer para que o desastre anunciado seja minimizado pela Providência. E não acredito que sobrará muita coisa após tamanho evento. Creio que os abutres internacionais tomarão posse da carcaça.

Mas o que sobreviver ao tsunami terá que tentar juntar os cacos da melhor maneira que puder, enquanto o Rio de Janeiro, todo capenga, ainda tentará construir até 2016 tudo aquilo que uma Olimpíada, o maior evento esportivo do planeta, exige. Convenhamos: só despoluir a Baía de Guanabara será um feito para ser cantado em prosa e verso por muito tempo.

Pobre Brasil, já tão entregue, prestes a ser presenteado de corpo e alma, de mão beijada e definitivamente à Nova Ordem Mundial.
FAB29