Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


domingo, 23 de março de 2014

E ainda falam em Hitler...

Amigos e amigas.
O que agora vou reforçar não é nenhuma surpresa. Apesar de ser mais que sabido e propalado, as multinacionais ainda são grandes exploradoras de mão de obra barata (especialmente na Ásia). A situação não é melhor do que no século passado quando, ao serem denunciadas, as multinacionais prometeram investigar a fundo, acabar com essas excrescências e punir os responsáveis. Pura bazófia!

Essa ponta de um iceberg de sordidezes é a primeira parte de uma pesquisa que estou fazendo para demonstrar duas coisas: primeiro, expor esses malditos parasitas da humanidade; segundo, mostrar que não devemos aceitar cortinas de fumaça, digressões ou tergiversações que nublem nossa consciência desses fatos sórdidos contemporâneos (Daí, o título do post).

Vejam ou relembrem esta primeira iniquidade da série.
FAB29

De acordo com os resultados de uma investigação, que teve duração de um ano, apresentados nesta semana pelo Greenpeace, multinacionais imperialistas que estão envolvidas na produção de produtos texteis na China, tais como a Adidas e a Nike, contaminam as águas de importantes rios da China com altas concentrações de poluentes extremamente perigosos, como os compostos perfluorados, mais conhecidos como PFC’s, e os alquifenóis, que ficam no meio ambiente por um longo período de tempo e têm conseqüências catastróficas para o organismo humano, principalmente para os sistemas endócrino, reprodutivo e hormonal, ocasionando doenças no fígado e problemas de crescimento. Em algumas espécies de peixes já está sendo observada a mudança biológica de sexo. Enquanto nos países desenvolvidos a concentração dos poluentes na indústria têxtil vem diminuindo, na China, maior produtor de tecidos desde 1995, estes só têm crescido. Quase 70% dos recursos hídricos chineses estão poluídos. O rio Yangtze, que abastece os mais de 20 milhões de habitantes da cidade de Xangai, recebe 30 bilhões de toneladas de água com resíduos tóxicos por ano. (...)

A Nike e a Adidas têm sido acusadas de usar trabalho infantil na produção de bolas de futebol no Paquistão, onde são produzidas cerca da metade das bolas de futebol do mundo, beneficiando-se dos baixos salários locais (70 dólares americanos mensais), que permitem que, para costurar os 32 gomos de uma bola que é vendida nos EUA por 50 dólares, cada trabalhador receba apenas 5 centavos de dólar.

 A mesma situação pode ser verificada na Índia, Bangladesh, Vietnam, Camboja, Indonésia e China, entre outros países, onde é comum o trabalho de crianças de 12 e 13 anos em turnos de 12 horas e em condições subumanas. Bolas de Futebol da Nike também são feitas em pequenas aldeias do Afeganistão, em pequenos quartos sem janelas, por velhos, jovens e crianças sentados no chão.

A ONG (organização não governamental) Oxfam divulgou recentemente um relatório condenando as condições de dezenas de fábricas da Indonésia que fornecem suprimentos para a Nike e a Adidas. Cada trabalhador recebe US$ 2 (cerca de R$ 3,3) por dia e os sindicalistas são perseguidos. (...)

A poluição da água e do ar fez do câncer uma das principais causas de morte no país. A China é o maior emissor de dióxido de enxofre do mundo. 700 milhões de chineses (metade da população) consomem água que não corresponde aos padrões mínimos da OMS (Organização Mundial da Saúde).

A busca por altos lucros pelas multinacionais imperialistas, tendo na sua base a superexploração dos trabalhadores e a devastação dos recursos naturais, estão levando a China à beira de uma catástrofe ambiental. 20 das 30 cidades mais poluídas do mundo estão na China; 30% do seu território sofrem com chuvas ácidas; 25% do seu litoral sofrem com poluição moderada ou alta; 81% das foz dos rios transportam produtos poluentes que excedem os padrões nacionais; 70% dos lagos estão poluídos; 26% das águas superficiais estão totalmente inutilizáveis e 62% não podem ser usadas para a pesca; 90% de seus rios estão poluídos ao passar por zonas urbanas; o céu das grandes cidades está cada vez mais acinzentado devido à "mái", misto de fumaça, poeira, gases e elementos químicos; muitas pessoas andam com máscara de oxigênio nas ruas.


Na Indonésia, por exemplo, excetuando-se a pequena elite que ganha bem, o salário médio da maioria dos operários é de US$ 21,00 mensais. A maioria dos países asiáticos enfrentava desemprego crônico, corrupção endêmica e, não menos importante, trabalho escravo e prostituição infantil.


Por exemplo: a maior vendedoras de artigos esportivos para o mundo é a Nike, que terceiriza toda a produção. A Nike encomenda bola em fábricas situadas nos países onde a mão-de-obra é mais barata. Em alguns desses países, como na Indonésia, as bolas eram fabricadas por crianças a partir de 6 anos, trabalhando em locais perigosos e insalubres. Como denunciaram a OIT e a Unicef, era trabalho escravo, "feito por mãos pequenas, capazes de darem pontos minúsculos". Segundo a Unicef, em 1993, na Tailândia, para as crianças não fugirem, um fabricante as manteve trancadas no galpão onde elas trabalhavam. O galpão incendiou e morreram duzentas pessoas, a maioria crianças.

O Paquistão é um dos maiores produtores de bolas do mundo. Uma família com quatro costuradores consegue costurar, em média, 80 bolas mensalmente, a US$ 1,20 cada, possibilitando uma "renda" de US$ 96,00. No Vietnã, onde as transnacionais também encomendam bolas, o salário médio dos costuradores é de US$ 32,00 mensais. Uma pesquisa da Toy Manufacturers of América e da Unicef constatou que 90% dos brinquedos oriundos da Ásia são fabricados por mão de obra infantil, ocupando, às vezes, crianças de 5 anos. Na Tailândia, uma fábrica chegou a ter noventa trabalhadores infantis escravos.

No Brasil, a grande fabricante de bolas é a Penalty. Aqui se paga mais do que na Ásia. Os costureiros de bola geralmente são presidiários, que recebem em torno de R$ 240,00 por mês.