Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


domingo, 1 de junho de 2014

Uma leiga ideia

Amigos e amigas.
Nesta breve análise de um simples curioso, quero tentar entender a origem da vida na Terra. Procurem não se confundir em tantos "bilhões" e "Eras" que brotarão pra lá e pra cá. Começarei pela sua formação há cerca de cinco bilhões de anos, quando ela era apenas uma bola de magma incandescente rodopiando no gelo absoluto do espaço sideral.

Assim ficou por centenas de milhões de anos quando começou a se formar a crosta terrestre, dando, assim, início à Era Arqueozoica (Pré-Cambriano), onde os tipos de relevo foram surgindo. Esta Era durou cerca de 1,5 bilhão de anos e, após, se iniciou a Era Proterozoica, que durou quase dois bilhões de anos. As intensas atividades vulcânicas depositaram na superfície resfriada todos os minerais hoje conhecidos e grande parte do oxigênio da atmosfera se formou, além dos oceanos. No fim dela, apareceram as primeiras formas de vida unicelulares mais avançadas (parentes de crustáceos e estrelas-do-mar, esponjas, moluscos, vermes, cordados e algas): a inefável Explosão Cambriana.

Entre cerca de 530 a 250 milhões de anos atrás, temos a Era Paleozoica, onde vários conjuntos de montanhas se formaram, com rochas sedimentares e metamórficas. Surgiram imensas florestas, houve glaciações e apareceram os primeiros insetos, peixes, anfíbios e répteis. A Era seguinte (chamada Mesozoica) durou cerca de 190 milhões de anos e caracterizou-se principalmente pela divisão do supercontinente Pangeia em dois: Gondwana e Lausásia. Nela, surgiram os grandes dinossauros, os primeiros mamíferos e o desenvolvimento de flores nas plantas.

A Era Cenozoica é dividida em dois períodos: o Terciário (iniciado há uns 60 milhões de anos) onde a crosta terrestre "dançava" tanto que se formaram as maiores cadeias de montanhas e surgiram as primeiras aves e uma grande diversidade de mamíferos, em especial, os primatas. E o Quaternário (iniciado há um milhão de anos e perdura até hoje), no qual houve grandes glaciações, a atual formação dos continentes, mares e oceanos e o surgimento do homem.

Agora, observem alguns animais abaixo:
O "cara de gente" Blobfish
O super resistente Tardígrado
A bizarra cigarra Bocydium globulare
O terrível devorador de línguas Ceratothoa italica
O antediluviano Aardvark (filhote)
O colossal Besouro-rinoceronte
O "anti câncer" Rato toupeira pelado
O dinossáurico Alepisaurus ferox
São pouquíssimos exemplos da incontável variedade de animais (nem sonho em incluir os vegetais!) que ainda existem no planeta. E a sua questão certamente é: 'Para quê tudo isso?' Bem, tudo isso é resumidamente oficial e, com ele, outra vez, questiono como é que em poucas centenas de milhões de anos pôde aparecer uma quantidade incalculável de criaturas e vegetais tão espetaculares, específicos e especializados, muitos deles já extintos? A diversidade é tal e tamanha que qualquer um com um mínimo de coerência, destemor e isenção não pode deixar de duvidar da Teoria da Evolução, que insiste em apregoar que toda a vida na Terra se deveu a "tentativas e erros naturais", tudo se iniciando num "sopão primordial".

Da ainda inexplicável "Explosão Cambriana" há pouco mais de meio bilhão de anos até os dias atuais, é impossível que tamanha evolução tenha ocorrido aleatoriamente. As religiões atribuem tudo isso ao 'Divino Criador' e alguns historiadores como Zecharia Sitchin aos "super seres" alienígenas e suas incontáveis experiências genéticas. Creio que a maior delas teria sido a criação do homem. Veja aqui:

Se confrontar a Evolução contra a Criação (seja a religiosa quanto a alienígena), analisando tudo o que se conhece, você fatalmente passará a crer que Darwin e seus defensores xiitas não tem nenhuma razão em afirmar peremptoriamente algo como: "A vida surgiu do acaso e, daí, atingiu os níveis de especialização e diversidade naturalmente". A natureza não teve tempo para tudo isso. A evolução (que prefiro chamar de adaptação) é absurdamente lenta e a maior prova está na imensa quantidade de animais (como os das ilustrações) que permanecem física e organicamente inalterados há milhões de anos: baratas, escorpiões, répteis, peixes, etc, sendo o caso mais fantástico para mim, as baleias, com seus tamanhos colossais, suas tantas variedades e especialidades primorosas, cujos fósseis datam do período Eoceno (há 50 milhões de anos).

Se começarmos a pensar nos híbridos mitológicos (centauros, harpias, etc) e nos gigantes de vários metros de altura (citados na Bíblia e outros livros), o assunto ferve. Tudo isso posto, por enquanto, entre Evolução e Criação, prefiro crer na segunda.
FAB29