Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


sábado, 19 de julho de 2014

...e assim sempre será!

Amigos e amigas.
A Alemanha do pós-guerra é "reconhecidíssima" por ser uma senhora potência econômica e social, com mil atributos e ótimas qualidades e referências. E está na "crista da onda" com a conquista da Copa do Mundo de futebol. Tudo muito bom, muito lindo, etc.

Só que tudo, tudo e tudo dentro de um severo e super rígido controle e vigilância, não permitindo em momento algum que ela possa "gostar da coisa" e "criar asas", se achar livre e independente, que pode isso, aquilo e mais um pouquinho. Não, não e não!! Se tentar essas coisas absurdas, logo vem a maldição do "Porrete de Auschwitz", uma covarde, hipócrita e funesta retórica inventada e imputada pelos vencedores da 2ª Guerra para acachapar toda e qualquer ideia ou mínimo de esperança de se afrouxarem essas poderosas amarras, esses pesadíssimos grilhões. À Alemanha, não é permitido sequer um tratado de paz (que a todos os países já foi permitido) e o que rege o país é uma Lei Fundamental, cujo artigo final diz:

Art. 146[Período de validade da Lei Fundamental] Esta Lei Fundamental, que vale para todo o povo alemão após a completa união e liberdade da Alemanha, perde sua validade no dia em que uma Constituição entrar em vigor, a qual seja determinada soberanamente pelo povo alemão. (Art. 146 nova redação devido EVertr. de 31.8.1990 (BGBl. II Pág. 889,890).

Podemos constatar que a Alemanha não tem uma constituição. Para piorar, as brutais injustiças e covardias que ela sofreu durante e pós-2ª Guerra são olimpicamente desprezadas pelo mundo. Ver mais aqui: http://inacreditavel.com.br/wp/tratado-de-paz-com-a-alemanha/

E abaixo, outro exemplo de servilismo atroz dos mandatários fantoches alemães (da podre grande mídia, é melhor nem falar):

O chanceler federal Gerhard Schröder assumiu sem reservas a culpa da Alemanha e rechaçou reivindicações de reparação feitas por alemães que viviam em territórios hoje poloneses. Grande parte da imprensa elogia seu discurso em Varsóvia.

"Nós, alemães, sabemos muito bem quem começou a guerra e quais foram suas primeiras vítimas. Por isso, hoje não pode haver mais nenhum espaço para reivindicações de reparação por parte da Alemanha, que viram a história de cabeça para baixo", declarou o chanceler federal Gerhard Schröder na capital da Polônia, onde participou da cerimônia em memória dos 60 anos do Levante de Varsóvia. "Hoje, nós nos curvamos de vergonha pelos crimes cometidos pelas tropas nazistas."
Para boa parte da imprensa, Schröder encontrou "as palavras adequadas de vergonha e culpa" (Die Welt, Berlim) no discurso que pronunciou na qualidade de primeiro chefe de governo alemão convidado a participar da rememoração em Varsóvia. Foram "palavras dignas, pensativas, mas que ao mesmo tempo apontam para o futuro", opina o Neue Osnabrücker Zeitung, para o qual os políticos de Varsóvia também mostraram, com o convite a Schröder, "que estão dirigindo o olhar para a frente".
"A história funesta continua pesando nos ombros dos dois povos", lembra o Mannheimer Morgen. "Por debaixo da superfície, dominam de ambos os lados preconceitos e desconfiança, medo e rejeição. Mas a Alemanha e a Polônia estão a caminho de deixar as sombras do passado." O fato de Gerhard Schröder ter sido convidado a fazer um discurso num dia tão significativo para os poloneses "é um sinal de que ambas as partes levam a sério sua reconciliação, apesar de todos as perturbações. A cooperação teuto-polonesa está apenas começando."

Penso não ser necessário exemplificar o servilismo à décima potência perpetrado pela judia Rebbekah Kasner Jentsch (vulgo "Angela Merkel"). Neste ritmo, poucas décadas serão necessárias para a derrocada irreparável desse povo ancestral, exemplo de força de trabalho, capacidade inventiva e criativa e poder de superação.
E toda a humanidade está indo na mesma toada cega e passiva à sua escravidão total.
FAB29