Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 6 de outubro de 2014

A culpa é toda sua!

Amigos e amigas.
Há definições de democracia para todos os gostos:

Uma oficial: "Governo no qual o poder e a responsabilidade cívica são exercidos por todos os cidadãos, diretamente ou através dos seus representantes livremente eleitos. É um conjunto de princípios e práticas que protegem a liberdade humana; é a institucionalização da liberdade."
Abraham Lincoln: "Governo do povo, para o povo e pelo povo.";
Churchill: "É a pior forma de governo, depois de todas as outras.";
Thomas Jefferson: "É quando dois lobos e uma ovelha vão decidir o que terá pro jantar.";

E dezenas de outras. Eu a classifico como o governo do "A culpa é toda sua!" Nela, você é instado a se convencer de que a escolha é sua e, por isto, tem de aguentar o que vier de consequência. Pensemos: se seus candidatos se elegem e fazem um monte de porcarias, você tem culpa! Quem mandou votar neles? Se você anulou seu voto, justificou ou votou em branco, você tem culpa! Sua omissão fez com que inúteis ou corruptos se refestelassem no poder! Daí, tentam convencê-lo de que, na próxima, você terá de fazer o trabalho direito e que só o 'exercício da soberania do voto' fará a coisa melhorar. Em resumo, os grandes corruptores fazem de tudo para tirar o deles da reta. E pôr o seu.
Bem simplificado...!
Agora, se nenhum de seus candidatos se elegeu, você certamente crê que se eximiu de toda a culpa. Ledo engano! Neste caso, há dois detalhes: um, você 'falhou' ao não conseguir convencer seus amigos, vizinhos e queridos a não votarem errado; e dois, nem ouse pensar que sua responsabilidade cívica acaba após votar. Se você é daqueles que lavam as mãos após as eleições, afirmando "Já fiz minha parte!", então você é um digno representante da música do Zé Ramalho: "Ê, Ô, vida de gado! Povo marcado, ê! Povo feliz!" Passividade é culpa no mais puro estágio! E isto a sociedade tem encruado em seu cerne.

Desobediência civil e anarquia são necessidades devida e constantemente bombardeadas e solapadas pelos grandes corruptores a fim de evitar rebeliões e destruição do status quo maldito em que chafurdamos. A democracia, incensada ao extremo, anestesia qualquer tentativa de diálogo a respeito dessas duas necessidades. Afirmam serem nocivas e ponto final! Tudo bem cevado e instalado na oligofrenia coletiva.

Mas, espere!! Há uma luz há algum tempo brilhando que apaziguou grande parte dessa culpa. Atende pelo nome de "urna eletrônica". Com ela, seu voto virou de vez um mero detalhe, tornando-se quase obsoleto, "para inglês ver". Ou vai me dizer que você também é daqueles que acreditam que tal urna é inviolável, 100% segura, etc? Que os resultados não podem ser adulterados e seu voto está garantido? Ainda no tempo do voto de papel, víamos muitas violações, adulterações e tudo o mais; o que dizer do voto virtual? Mais aqui:

Nobre ingênuo, console-se apenas com o fato de sua culpa ter sido sensivelmente minimizada.
FAB29

Em tempo: vejam como eles procuram nos cercar por todo lado:

E vejam só o exemplo de um saturado como eu:

E, para finalizar, a perguntinha que nunca se cala após uma eleição: você viu só a qualidade do Congresso Nacional recém eleito? Está satisfeito?