Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Crise hídrica fabricada

Amigos e amigas.
A agenda dos vermes parasitas mundiais continuará assolando nossas vidas, nós bem sabemos. Afinal, eles vivem na e da degradação da humanidade, sempre relembrando as palavras do grande poeta Augusto dos Anjos: "O verme é o operário das ruínas; o sangue podre das carnificinas come e à vida, em geral, declara guerra". Esses amaldiçoados criam as guerras, crises, dissensões, privações, terrorismos e tudo aquilo que transforma as vidas dos seres humanos dignos em desespero e desesperança.

Tudo o que for possível para manter o povinho anestesiado, sem reação, amedrontado. Sejam as epidemias (gripes suína e aviária, ebola,...), o "climagate" (os patéticos aquecimento global, buraco na "camada" de ozônio, efeito estufa,...), os atentados (11 de setembro, maratona de Boston, Charlie Hebdo,...), etc, tudo de ruim e deletério, eles produzem sistematicamente e propalam de forma cinematográfica aos quatro ventos, massificando essas podridões à sua bel necessidade com sua grande mídia tão podre quanto.

Exemplo: há quanto tempo que você não ouve mais pela grande podre mídia sobre o ebola, que ocupou os espaços midiáticos por meses a fio, com documentários, especiais, reportagens, etc? O assunto cansou, saiu de moda? Ou podemos dizer que o risco de epidemia (se de fato existiu) foi reduzido ou eliminado? Idem às outras epidemias? Puxa!! Que bom, não?! Um assunto atualíssimo é a corrupção na Petrobrás, mas tudo em relação a corruptos internos. Não falam uma palavra sobre os verdadeiros corruptores: os abutres internacionais que querem tomar conta de vez deste país. E a Petrobrás é o último baluarte nacional. Então, mandam sua mídia descer a lenha nas piabas internas, sem citar os tubarões e barracudas apátridas prontos para se banquetearem.

Outro foco de degradação é o eixo Rio-São Paulo, com uma crise hídrica em que eles há anos vêm investindo. Só verdadeiros e perfeitos imbecis creem que a falta d'água no sudeste é natural! Vejam:


A crise hídrica no sudeste é criminosa e artificial. Afirmam que o sistema Cantareira, um dos maiores do planeta, robusto, poderoso, outrora tão saudável, está "no osso". Já se chega a cogitar um racionamento draconiano: Cinco dias por semana sem água em Sampa! Mas que terrorismo filho duma...!! O sertão é aqui?!? É asquerosa a maneira com que eles cevam e manipulam os medos da massa oligofrênica, fora dizer o quanto lucram com isso de todas as maneiras possíveis (recursos extras, obras a toque de caixa, contratos especiais,...). Até hoje, os "ispessialistas" aderidos ao status quo não conseguiram explicar por que, por dois verões seguidos, as chuvas quase sumiram, em especial, de São Paulo. Já tentaram a ZCAS, o El Niño, a La Niña, muita poluição,... e nada! Vivem de tergiversar.

Vejam esta: "A causa essa discrepância, e da falta de chuvas onde a cidade mais precisa no momento, é uma união de diversos fatores. Um bloqueio atmosférico está agindo o Sudeste do país [E SÓ AQUI, SOBRE O CANTAREIRA?!?]. Trata-se do mesmo fenômeno que causou seca e temperaturas elevadas no segundo semestre do ano passado, embora um pouco mais brando desta vez. 
Esse bloqueio, com ventos que impedem a chegada das frentes frias que se formam no Sul até os Estados do Sudeste, é causado pelo aumento de temperatura do oceano, um fenômeno global. “O oceano cria uma alta pressão, que não deixa a massa de ar frio subir”, explica Graziella Gonçalves, meteorologista da Somar Meteorologia. 
O problema é que essas massas de ar frio atraem a umidade da Amazônia para o Sudeste, formando um corredor pelo país, onde ocorrem chuvas. “Como as frentes frias estão indo embora do Sudeste muito rapidamente, ou nem chegando aqui, esse fenômeno, conhecido como Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), não se formou”, explica Graziella." Extraído daqui.
08/02/2015 - Rastro químico em ação (à direita)
sobre pesadas nuvens de chuva (à esquerda).
(Arquivo pessoal)
24/02/2015 - Nuvens saudáveis no horizonte
e névoa química mais acima. (Arquivo pessoal)
Continuação da foto acima. (Arquivo pessoal)



01/03/2015 - As três primeiras fotos: sequência
de um imenso rastro químico, sentido leste/oeste.
Na última, o rastro químico 20 minutos depois.
(Arquivo pessoal)
03/02/2015 (6:50h) - Avião soltando rastro químico.
Nas seguintes, vemos sua extensão e diluição lenta.
A última foto foi 15 minutos depois.
(Arquivo pessoal)




Porém, a correta mesmo é (penso eu e de novo!) terrorismo via, principalmente, rastros químicos que bloqueiam as chuvas que estão alagando o Sul e Salvador, Bahia. Só hoje, 30/01, vi dois gigantescos: um, bloqueando o litoral paulista de sudeste a sudoeste; outro, do leste ao oeste, bloqueando a entrada das frentes frias do sul. Após tantos anos de pulverizações, os esforços dos parasitas começaram a surtir efeito no verão 2013/14, quando as chuvas quase sumiram, as nuvens deram lugar a uma névoa gosmenta que preenchia o céu, criando uma espécie de redoma que potencializou o abafamento (fato que aumentou o consumo de água e energia elétrica) e os reservatórios minguaram com o costumeiro inverno seco.

O que mais causa espécie (no mínimo) é que, com tantas chuvas que ocorreram nos últimos dois meses em São Paulo, os níveis dos reservatórios insistem em, no máximo, se manter estáveis. As cidades são alagadas, destruídas, mas os reservatórios não recebem as chuvas, nem as águas que escoam. Para onde será que tanta água está indo? Neste vídeo, um cidadão mostra uma parte do Cantareira bem saudável: https://www.youtube.com/watch?v=U8LX046Iwv0
Resultado de imagem para crise hídrica são paulo
Manipulação: especialidade dos parasitas.
Todos estamos acompanhando (muitos, sentindo na pele) os efeitos dessa agenda sórdida: milhões de paulistanos e cariocas (dos bairros periféricos, como sempre) sem água nas torneiras, tendo de buscá-la com baldes para suas mais básicas necessidades; tarifas ameaçadas de subir 30%, pelo menos; projetos para adulterar as estruturas de reservatórios, nunca de acordo com a necessidade popular. Resumidamente, tudo visando a total rendição do maior eixo industrial/populacional do país aos grandes corruptores.

Assim que eles tomarem conta de vez, quero dizer, quando a região passar a trabalhar, produzir e auferir lucros essencialmente a esses parasitas, tudo não apenas voltará ao normal como os defeitos crônicos de infraestrutura serão consertados e tudo melhorará, fazendo com que o povinho grite: "OBA! Finalmente, nossos salvadores chegaram!". E, uma vez entronizados, não haverá retorno.
FAB29

Adendo: Falta d'água? http://thoth3126.com.br/cientistas-descobrem-oceano-a-644-km-de-profundidade/#more-31805

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

70 anos de Auschwitz

Amigos e amigas.
Hoje, 27/01/2015, data para se relembrar: comemora-se a "libertação do campo de extermínio de Auschwitz" pelos aliados. Ou daqueles prisioneiros que preferiram ficar lá para serem "salvos" pelos "amigos" bolcheviques. Segundo a testemunha-mor do holocausto, Elie Wiesel, que relatou em seu 'besta seller' "A noite", milhares preferiram fugir com seus "carrascos". Relembrando:

- O que faremos, pai?’ Ele estava perdido em suas meditações. A escolha estava em nossas mãos. Por uma única vez, podíamos decidir por nós mesmos o nosso destino. Ficamos os dois no hospital, onde eu podia fazê-lo entrar como doente ou como enfermeiro, graças ao meu doutor; ou então, seguir os demais (junto com os alemães, que iam fugir dos russos). (...) ‘- Vamos sair com os outros!’ – eu lhe disse.” (...) "Os primeiros blocos puseram-se em marcha. Nós esperávamos. Tínhamos que esperar A SAÍDA DOS CINQUENTA E SETE BLOCOS que nos precediam.” Pág. 113, 114 e 115 (Mais detalhes do livro aqui.)
O 1º livro "revisionista" do holocausto
Hoje, a grande podre mídia está "desenterrando zumbis" para reforçar toda a historiografia dantesca que moldou a aura do holocausto, especialmente a de Auschwitz. Vocês, queiram ou não, se fartarão com dezenas de notícias em todas as mídias. Porém, percebe-se que há sutis diferenças do que sempre foi dito até o início deste século. Exemplos: o número de assassinados em Auschwitz (antigamente, era de 4 milhões) está em "cerca de 1,1 milhão de pessoas" enquanto as placas alusivas no local marcam 1,5 milhão. 400 mil de diferença não é nada pouco. Em outro post, falam que "os nazistas assassinaram cerca de 5,5 milhões de judeus". O mítico número 6 começa a oficialmente se esboroar.

Oficial anterior (até 1993): 4 milhões.
Oficial atual: "cerca de 1,5 milhão".
Daí, precisamos reforçar as discrepâncias notórias e sensíveis entre os depoimentos das "testemunhas fidedignas". Enquanto a maioria afirma que as câmaras de gás movidas a pesticida eram a principal arma para exterminar prisioneiros, Wiesel escreveu que eram verdadeiros 'holocaustos' em valas crematórias:

"Não longe de nós, de uma fossa, subiam chamas, chamas gigantescas! Alguma coisa estava sendo queimada ali. Um caminhão se aproximou do buraco e despejou sua carga: eram criancinhas. Bebês! Sim, eu vi, vi com meus olhos... Crianças nas chamas”. 'A noite' - pág. 52

Câmara de gás de Auschwitz
Nunca sequer citou as câmaras de gás. Outra coisa que causa espécie são os exageros para os quais a Física e a Química torcem o nariz. Vejam os números da "sobrevivente" Olga Lengyel:

"Em seu livro "Five chimneys" ("Cinco chaminés", Londres, 1959), olga lengyel diz ser uma ex-prisioneira de auschwitz e afirma que o campo cremava “720 corpos por hora, ou 17.280 corpos a cada 24 horas”. Ela também afirma que, em adição, 8.000 pessoas eram queimadas todos os dias em “covas coletivas da morte”, portanto, “em números redondos, cerca de 24.000 corpos eram destruídos todos os dias.” (p. 80-81). Isto dá uma taxa anual de mais de 8,5 milhões. Portanto, entre março de 1942 e outubro de 1944, Auschwitz teria finalmente destruído mais de 21 milhões de pessoas."

Mais exageros e desencontros:

"Havia quatro câmaras de gás subterrâneas; duas grandes cada uma acomodando 2000 pessoas, e duas menores, cada uma acomodando 1600 pessoas. (...) Cremar duas mil pessoas levava cerca de 24 horas nos cinco fornos. Geralmente, só conseguíamos cremar cerca de 1700 a 1800 pessoas". [Rudolf Höss, comandante de Auschwitz, em depoimento a Leon Goldensohn na prisão de Nuremberg em 08/04/1946]
http://www.chabad.org.br/biblioteca/artigos/inferno/home.html

"Em Birkenau, havia três crematórios, cada um com uma câmara de gás. Neles podiam ser cremados até 4.756 cadáveres por diasegundo documentos das SS".
http://educacao.uol.com.br/disciplinas/historia/holocausto-pelo-menos-11-milhao-de-judeus-foram-mortos-em-auschwitz.htm

"Em Auschwitz, os nazistas liquidavam 2 mil pessoas em pouco mais de 15 minutos. Trancavam-se os condenados em câmaras escuras, enquanto o gás começava a penetrar no ambiente vindo do chão."
http://guiadoestudante.abril.com.br/aventuras-historia/holocausto-atrocidades-nazistas-434440.shtml

Temos aqui a palavra do patologista Dr. Charles Larson que realizou milhares de necropsias em vítimas dos campos de concentração da 2ª Guerra. Ele afirma que nenhum dos que ele examinou morreu envenenado por gás. O que mais impressiona é que em Auschwitz havia oficialmente muitas regalias aos prisioneiros: enormes cozinha e refeitório, biblioteca, hospital, dentista, teatro, cinema, aulas de arte, piscina e até um bordel! Veja detalhes aqui. Ah, tinha até ala infantil. Como os alemães conseguiram conciliar o notório 'maior extermínio sistemático da História' com isso tudo? Tão eficientes nos dois extremos a ponto de conseguirem enganar a Cruz Vermelha, cujo relatório sobre o campo não mostrou nada de nada sobre extermínios? Veja aqui  trechos desse relatório.

E pensar que nenhum dos três maiores nomes aliados da 2ª Guerra (Churchill, Roosevelt e DeGaulle) escreveu sequer uma palavra sobre as câmaras de gás alemãs em suas biografias que, somadas, dão mais de 7 mil páginas. Acharam irrelevante?

Enfim, apesar de tantas nebulosidades acerca da historiografia 'holocáustica' e de haver centenas de coisas muito mais prementes para serem resolvidas modernamente, temos que aturar novamente cargas emocionais provindas dessas tantas testemunhas e registros 'oficiais'. No dia em que houver liberdade para se investigar e debater a fundo a 2ª Guerra e o holocausto, estou certo de que todas essas homenagens serão substituídas por novos julgamentos e a reescrita da História.

Bom, ao menos, sonhar é permitido e grátis.
FAB29.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

A um "click" do pânico.

Amigos e amigas.
Raul Seixas cantou lá nos anos 80: “O russo que guardava o botão da bomba H tomou um pilequinho e quis mandar tudo pro ar!” Claríssima alusão de que estamos a um “click” do “Salve-se quem puder!” E se observarmos bem, não apenas nesse sentido bélico. O tecido social é tão intrincado quanto tênue, sensível, bastando um pequeno abalo para que ocorra um efeito dominó. E neste detalhe, os grandes parasitas se especializaram, tomando as rédeas de pontos cruciais para tolher e chantagear.

Cena normal em metrópoles.
Vemos o caso dos transportes públicos, onde tantos profissionais vivem numa maratona diária de pressão e urgência advindas dos usuários que precisam cumprir seus horários. Portanto, eles não podem se dar ao luxo de atrasar, precisam lidar com seus cansaços físico, mental e emocional, relegar seus problemas pessoais e, de quebra, tentar suportar eventuais maus humores ou coisa pior de determinados cidadãos que podem estar num dia ou momento ruim. Basta um agente estressor (acidente, veículo quebrado, apagão, enchente ou greve) para causar transtornos de tal monta que reverberam em quase todos os níveis, aumentando de sobremaneira o risco de uma tragédia.

Pra quê presídios? Colônia penal é a melhor solução.
Em delegacias e presídios, a nevralgia é palpável. São locais prenhes de violência, tensões, onde desajustados e piores se acumulam. Não há um só local ou momento ali em que um "click" não possa deflagrar um caos, um redemoinho de insanidades e destruição, com tristes resultados e sequelas indeléveis.

Nos casos de hospitais e creches, os profissionais vivem num fio de navalha até mais terrível por mexerem com situações críticas de vida ou morte de inocentes a todo instante. Qualquer distração (remédio mal administrado, por exemplo) pode ser a última para quem está sendo cuidado. Quando as condições de trabalho são precárias (ponto criminosamente comum ao que é público), o “ponto do click” fica à flor da pele; quando há falta de pessoal, a sobrecarga nos que permanecem trabalhando pode gerar um descontrole que descamba fatalmente numa epidemia; quando se deflagra uma greve,...!

Cada vez menos e pior assistência.
Atualmente, São Paulo e Rio de Janeiro vivem uma crise hídrica gerada por criminosos rastros químicos que impedem a formação de nuvens de chuva. Nisto, a população é privada do que há de mais básico: água! Daí, advêm os problemas: racionamento, redução da produção e consequente aumento de preços, limitação do simples ser e estar, exasperação. Tal padecer (e outros) cevado pelos parasitas do mundo tem o intuito de enclausurar as pessoas em seus mundos, nublando a lucidez, evitando que pensem globalmente, que racionalizem e preparem seus futuros com um presente consciente e que progridam, tornando-se aptos a cada vez menos dependerem da "assistência" oferecida pelos parasitas. Se não for revertido, gerará focos críticos de distúrbios que não precisarão de muito para descarrilar.

Pau-de-arara paulista...
Porém, o ponto mais crucial da vida contemporânea chama-se internet. Esta vive de “clicks”; a nossa vida em “clicks”. Quase tudo está ligado nela: governo, comércio, negócios, comunicação, entretenimento, informações,... A gama é incalculável! Tamanhas influência, imensidão, presteza e abrangência geraram uma dependência visceral das pessoas a ela nesse tecido social mundial, na vida atribulada, a mil por hora. Quantas vidas são salvas a todo instante por causa dela? Quanto aprendizado obtemos? Quantas novidades? Obviamente, tantas maravilhas quanto misérias em geral, mas o que quero salientar é o extremo perigo se houver um “tilt”, ou um apagão, ou uma falha local ou mais abrangente. Assemelhar-se-á a um trem sendo bruscamente parado. Onde este “click” atingir se desconectará e muitos perderão seu contato, ficarão cegos, surdos e mudos, tateando o ar. Se for em escala global,...!

Virtualmente real!...
Penso que a humanidade está em péssimas mãos, visto que o mundo virtual está tomando conta da realidade cotidiana das pessoas, a ponto delas entrarem em parafuso sem ela, muito semelhante a um viciado sem sua droga. Assim como o “russo” do início do post, quem tiver o “botão da internet” sob seu controle terá uma poderosíssima arma de barganha, um poder de subjugar a humanidade. Um “click” nela aqui e acolá muda rumos, subverte tendências, destrói adversários, açambarca atenções, suscita temores e obediência, reescreve a História, molda situações, inventa e reinventa soluções, conduz a boiada à sua bel necessidade, etc.

Resumindo, somos represas que se saturam a cada minuto da vida e que precisam abrir suas comportas constantemente. Não tendo esse escape, o risco de transbordar ou de se romper por um insosso e inofensivo “click” se torna um fantasma, uma faísca num rastilho de pólvora. Cada ponto deste post e muitos mais são minas enterradas no seio das sociedades, prontas para serem detonadas por seus senhores, pretensos donos do mundo. Urge nos acautelarmos e fazermos o possível para nos desvencilhar da rede de maledicências tecida por eles.
FAB29

Em tempo: Abençoados aqueles que não se deixaram escravizar por essa maravilha tecnológica, mantendo ativas suas realidade e fascinação pelas coisas simples e sadias da Criação, seu apego pelo contato direto com o mundo que o cerca, sua sanidade preservada. Ou seja, abençoados por permanecerem 100% humanos.

sábado, 17 de janeiro de 2015

Clemência?!

Amigos e amigas.
As nuances do patético estão atingindo níveis intragáveis! Esse caso do "pobre brasileiro" que será executado na Ásia "apenas" por ter sido flagrado com "alguns quilinhos" de cocaína mostra bem a quintessência da imbecilidade que grassa na humanidade. Para mim, é até obsceno!
Falta pouco para isso...!
Com que desfaçatez uma presidente de um país se rebaixa para pedir clemência a um maledicente que conscientemente se meteu numa das mais aversivas e nefastas atividades que existem? Até está pedindo a intervenção do papa!! Aquele "pobre brasileiro" não é nada menos que um Fernandinho Beira-Mar da vida: TRAFICANTE! Lembram? Aquele tipo amaldiçoado que traz aquele produto puro, branquinho, "recreativo", para fazer seus parentes, amigos e vizinhos se tornarem zumbis, ficarem dependentes e inúteis, enlouquecidos e problemáticos, causar horrores a quem os ama e prejuízos ao erário, etc. Resumindo: só desgraças!

E, na esteira de suas atividades, vêm os efeitos colaterais: o medo, a violência, a prostituição, os assaltos, os assassinatos,... Quantos de vocês não leram, ouviram falar, presenciaram ou mesmo sentiram na pele os efeitos deletérios da atividade desse “pobre brasileiro”? Quantas pessoas e famílias sua atividade já destruiu? Ou será que o coitadinho foi pego em sua primeira aventura? Ele deu azar, foi?
Cena pouco comum?
Aqui no seu país, tão amigo, tão condescendente, tão apaziguador, sempre de braços e pernas abertas, ele nunca mexeu com isso? O que o levou a um país que trata tipinhos sórdidos como ele exatamente como eles merecem? Nesses tantos anos de cárcere, será que ele se arrependeu? Ainda que sim, eu pergunto: E daí, cara-pálida?! Em quê isso compensa ou mesmo ameniza as pessoas e famílias que sua atitude conscientemente corrompeu? Ou vão dizer que ele não imaginava tudo isso ou até que ele não tinha essa intenção? Alguém cometerá a estultice de afirmar isso ou parecido?

Naturalmente, vários que lerem isto questionarão: “Onde está sua humanidade, sua piedade, sua consideração, seu respeito à vida?” Eu afirmo: em cada palavra de repúdio deste texto! Tenho todas essas qualidades à flor da pele e as dedico integralmente a todos aqueles que fazem por merecer, ou seja, todos aqueles que medem cada atitude sua em seu favor, sim, mas sem visar a destruição de ninguém. Quando fazemos assim, evoluímos, nos tornamos melhores, mais fortes e com cada vez mais condições de ajudar o próximo. Exatamente o contrário do que aquele desgraçado fez.

Sou a favor da pena capital? Sim, para todos os tipos de corruptores: pedófilos, pederastas, traficantes, sequestradores, etc. Sou totalmente contra sustentar essa malta maldita.

Que aquele “pobre brasileiro” condenado passe bem. Bem rápido pro outro lado. E que muitos de seus colegas o sigam.
FAB29

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Michael Obama

Amigos e amigas.
Rápido e rasteiro, leiam essa teoria da conspiração (ou comédia) sobre a primeira dama estadunidense "Michelle Obama". Penso que vale, ao menos, para desopilar o fígado.
Extraído daqui.
FAB29

Michelle Obama, primeira-dama dos Estados Unidos, nasceu Michael LaVaughn Robinson, em Chicago, Illinois em 17 de janeiro de 1964. Ele foi o segundo filho nascido de Fraser Robinson III, um conhecido negociante de cocaína, conhecido por Crime Lord / Mayor Richard J. Daley, e de Marian Shields Robinson, uma fortuita prostituta de rua, que foi diagnosticada com o vírus HIV em 1998. Ele [Michael] era um popular atleta do ensino médio e, em 1982, ele aceitou uma bolsa de estudos para jogar como médio linebacker para o Oregon State Beavers.

Depois de terminar uma temporada de estréia respeitável, ele caiu fora da escola. Companheiros de equipe dele observavam e ouviam Robinson regularmente se  lamentando sobre como ele era uma "mulher presa dentro do corpo de um homem", e em 13 de janeiro de 1983, ele passou por uma cirurgia de mudança de sexo na Faculdade de Medicina da Universidade Johns Hopkins.

Para esconder a vergonha da sua nova identidade, Michael saiu do estado de Oregon para participar da Universidade de Princeton sob seu novo nome legal, "Michelle Robinson". Anos mais tarde, ele conheceu Barry Obama Jr, um imigrante queniano, que mais tarde tornou-se ciente da verdadeira identidade "de Michelle". Posteriormente se casaram e adotaram duas crianças.

Abaixo, está uma imagem, por volta de 1981, mostrando o pré-operado Michael LaVaughn Robinson (superior direito, n º 44): 

 

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Salve a libertè de التعبير !!

Amigos e amigas.
Os últimos nebulosos e falsificados acontecimentos ocorridos em Paris com a revista Charlie Hebdo acenderam a controvérsia sobre a liberdade de expressão. Neste momento de revolta mundial cevada, induzida e conduzida pelos parasitas que regem a humanidade, quase todos se horrorizam com o terrorismo, se compadecem com as famílias das "vítimas", repudiam a covardia dos "muçulmanos assassinos", tudo para salvaguardar o direito à liberdade de expressão, defendendo (ao menos neste momento) que ele não pode ser restringido. Ah, é?! Será mesmo?!

Vejamos o quanto estamos livres para saber a verdade: procurei por imagens internas da Charlie com as marcas dos tiros, sangue, etc, mas é tão sigiloso que só encontrei estas:
Bem pouco sangue para tiros de kalashnikov
O que estaria digitalizado? Um corpo? E algum sangue só no chão?
Um cartucho de kalashnikov faz só esse furinho?!
Abaixo, o frame do vídeo do momento do "impacto da bala" no policial:
Terrorista atira em policial desarmado em calçada de Paris! Seria tudo isso uma encenação?
Momento do tiro: tem poeira...
Killing: Leaving the 42-year-old married officer to die, they run off, sparking a massive manhunt which was continuing last night 
... mas, nenhum sangue, nem movimento brusco da cabeça?
 Confira de novo o vídeo do "assassinato":

E aqui, "provas" de que "houve sangue, sim" na calçada:
Note a poça de sangue no local do assassinato! (foto: Reprodução/Twitter)
A "grande poça (?) de sangue" do policial "morto".
À altura das coxas?
Não espirrou nem um pouquinho?!

E por que uma foto de tão longe?
Porém, alguns "espessialistas" afirmam que "a maior parte do sangue foi contida pela roupa do policial" (???) Mas como, se o vídeo e a poeira mostram que o atirador mirou na cabeça? Também disseram que "esse tipo de fuzil não exerce muito impacto no atirador". Nem onde o tiro acerta? Então, eu convido esses "espessialistas" a levarem um simples soco, que é "ligeiramente" mais suave um tiro de kalashnikov. Vamos ver o quanto eles moverão suas cabeças?

Para solapar de vez suas dúvidas quanto ao grotesco fake, confiram:
http://stormcloudsgathering.com/charlie-hebdo-shootings-censored-video

Mais um detalhe: há uns 8 anos, um cartunista da "livre e pluralista" Charlie Hebdo, Maurice Sinet, foi demitido sem justa causa; apenas por ironizar, bem ao estilo da revista, o então presidente Sarkozy. Vejam a história resumida:
"Seus artigo e cartoons na revista Charlie Hebdo, relativos ao casamento de Jean Sarkozy com Jessica Sebaoun- Darty, uma herdeira judia, desencadeou uma controvérsia, depois do jornalista Claude Askolovitch descrevê-los como anti-semitas. O editor da revista, Philippe Val, ordenou que Sinet escrevesse uma carta de desculpas ou encararia a demissão. O cartunista disse que preferia "cortar suas bolas fora" e foi prontamente demitido. Os dois lados posteriormente ajuizaram ações, e em dezembro de 2010, Sinet ganhou 40.000 euros de indenização na sentença judicial contra seu ex-editor por demissão injusta.
Maurice Sinet também relatou uma ameaça de morte postada em um site gerido pela Liga de Defesa Judaica . O texto disse que "20 centímetros de aço inoxidável no intestino, que deve ensinar o filho da puta a parar e pensar".
Traduzido daqui.

Pelo jeito, liberdade só para sacanear o Islã e o Cristianismo:
"Maomé: uma estrela está nascendo!"
Eu "se recuso" a comentar este cartun asqueroso!...
Poderia citar uma infinidade de abusos e covardias perpetradas por todos esses "democráticos" países que ora defendem intransigentemente a liberdade de expressão contra milhares de pessoas que ousaram criticar os "incriticáveis", mas só quero concluir dizendo: liberdade de expressão, sim e sempre para tudo e todos! Porém, ofensa gratuita, desrespeito grotesco e parcialidade nefasta não fazem parte dela. Todos os que se arvoram na liberdade de expressão para insistentemente fazer essas coisas são pessoas imorais, amaldiçoadas, que se expõem a outros da mesma estirpe. Eles que se entendam. Desprezo totalmente ambos os lados!

Só fico pensando o que será dos crédulos quando comprovarem que muito do que a mídia está lhes vendendo como terrorismo e tudo o mais não passa de armação dos parasitas do mundo. Talvez, usarão sua liberdade de expressão para... não dizer nada, como sempre.

FAB29

domingo, 11 de janeiro de 2015

Fraude mal feita!

Amigos e amigas.
Resolvi dar meu pitaco nessa história toda do "atentado à Charlie Hebdo" em Paris, após ler e escutar um bocado dos dois lados. Para quem não sabe, eis algumas informações sobre a arma usada pelos ditos terroristas no atentado aos responsáveis pela revista e no famigerado assassinato do policial: o fuzil kalashnikov.

"De fácil manejo, a arma não requer treinamentos prolongados, razão pela qual é muito popular em países africanos, asiáticos e latino-americanos, especialmente preferida por unidades paramilitares. 
Mas a Kalashnikov apresenta algumas desvantagens, dentre as quais seu baixo poder de fogo: apenas as duas primeiras balas de uma rajada atingem o alvo. As seguintes são dispersadas em leque."
Rifle AK MON.jpg
Fuzil/espingarda de assalto de calibre 7,62 x 39 mm; carregada, pesa mais de 4 kg.
Cartucho do fuzil
"O Kalashnikov AK-47 compensa tudo com sua capacidade de desencadear uma parede de chumbo letal; com sua capacidade de 600 tiros por minuto."


Só olhando o tamanho do cartucho, imaginamos o estrago que ele faz ao acertar alguém ou qualquer coisa. Vocês já prestaram atenção para o momento do "assassinato" do policial em Paris? Então, repare no vídeo abaixo: foi um tiro à queima roupa com uma kalashnikov (com seu "cartucho de bazuca") que não produziu nem um esguicho de sangue; a cabeça do policial sequer se mexeu com o pretenso super impacto; e a "bala" pegou claramente na calçada a dezenas de centímetros dele, sem tirar nem mesmo UMA LASCA da calçada! Vejam AQUI do que uma Magnum 500 (bem menor que um rifle Kalashnikov) é capaz.

E, no vídeo abaixo, uma chacoalhada nessa patacoada toda:


Vejam mais algumas incongruências (puro eufemismo!) dessa história toda AQUI! Se ainda assim, continuarem crendo que tudo não passa de outra ridícula teoria da conspiração, de desocupados que "procuram pelo em ovo", meus pêsames! Você está pronto para viver a NOM!
FAB29

Em tempo: Fica esta dúvida que outros já colocaram sobre a "liberdade de expressão" francesa: Por que está tudo bem quando a "Charlie Hebdo" zomba do Islã e o polêmico comediante Dieudonne M'Bala M'Bala é massacrado por ridicularizar os judeus? Por que um é definido como "incitação ao ódio" e o outro não?