Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 18 de maio de 2015

Imparcialidade zero!

Amigos e amigas.
Nessas aparentemente eternas discussão e dissensão entre palestinos e israelenses, há muitos pontos que saltam delas. Posso citar o enorme favorecimento dos EUA ao estado judeu, protegendo-o de tudo e de todos, além de financiá-lo.
No estudo abaixo, que penso ser idôneo, esses fatos são comprovados. Interessante é ver que israel não é fiel ao seu pitbull que tanto o protege. Sublinhados e destaques são meus.
FAB29

Estudo americano critica a política pró-Israel

LeMonde
24/3/2006
Corine Lesnes
correspondente em Washington
Resultado de imagem para eua israel
Num ensaio intitulado O lobby israelense e a política externa dos Estados Unidos", os professores Stephen Walt, diretor de pesquisas da Faculdade Kennedy da Universidade Harvard, e John Mearsheimer, professor de ciências políticas na Universidade de Chicago, estimam que os Estados Unidos confundem com freqüência excessiva seu interesse nacional com o do Estado judeu, correndo com isso o risco de “comprometer sua segurança“.
Eles incriminam a ação do “lobby pró-israelense“, um grupo que eles definem como composto por indivíduos e organizações que “trabalham ativamente” com o objetivo de influenciar a diplomacia americana.

Outros grupos de pressão conseguiram orientar a política externa americana na  direção que eles queriam, mas nenhum deles conseguiu, como fez este grupo, atrair esta política para rumos tão distantes daquilo que o interesse nacional americano recomendaria, conseguindo, ao mesmo tempo, convencer os americanos de que os interesses dos Estados Unidos e de Israel são mais ou menos idênticos“, escrevem os dois pesquisadores.

Este texto de 83 páginas, que foi publicado on-line no site da Harvard, no quadro da série dos “documentos de trabalho”, não foi retirado do site apesar dos protestos das associações pró-israelenses; contudo, a universidade mandou acrescentar um parágrafo em margem no qual ela indica que o texto é de responsabilidade exclusiva dos seus autores.

A tese vai no contrapé do raciocínio habitual nos Estados Unidos, segundo o qual a ameaça terrorista aproximou mais ainda Israel e a América. Para os dois universitários, que contam entre os animadores da escola “realista” em matéria de política internacional, se os Estados Unidos enfrentam problemas com o terrorismo, “isso se deve em boa parte ao fato de eles serem aliados de Israel, e não o inverso“.

Da mesma forma, os Estados Unidos “não precisariam se preocupar tanto” com a ameaça iraquiana ou síria, se isso não representasse um perigo para a segurança de Israel. Um Irã dotado da bomba atômica não constituiria um “desastre estratégico” tão grande, uma vez que o regime de Teerã sabe que ele se exporia a uma resposta fulminante.

Desde o fim da guerra fria, estimam os pesquisadores, Israel deixou de aparecer como “um trunfo estratégico” capaz de ajudar a conter a expansão soviética na região, tornando-se muito mais um “fardo“. Para os dois professores, que na época manifestaram sua oposição à guerra no Iraque, o lobby foi, junto com o governo israelense, não o único fator, e sim “um elemento crítico” na decisão de derrubar o regime de Saddam Hussein pelas armas.
“Operações de espionagem”
Os autores lembram que Israel é o principal país beneficiário da ajuda econômica e militar dos Estados Unidos, cerca de US$ 500 (R$ 1.074,90) por habitante, por ano, enquanto a sua renda per capita é equivalente àquela da Espanha ou da Coréia do Sul. Israel recebe a quantia de uma vez só, diferentemente de outros países, o que lhe permite investi-la e faturar as taxas de juros. Os outros países são, na sua maioria, obrigados a abastecer em equipamentos militares junto aos Estados Unidos, o que não é o caso de Israel, que faz viver sua indústria militar.

Mas nem por isso o Estado judeu se comporta como um “aliado leal“, acusam Stephen Walt e John Mearsheimer. Ele vendeu tecnologia sensível para a China. Os autores citam também um relatório do organismo orçamentário do Congresso (GAO), segundo o qual, entre todos os aliados, Israel é o país que “vem se dedicando a operações de espionagem entre as mais agressivas contra os Estados Unidos“.

Dois membros da principal organização de lobby, o Aipac (American Israel Public Affairs Committee) que se define ela mesma como “o lobby da América pró-israelense“, respondem a processo por terem transmitido informações confidenciais sobre o Irã que eles haviam obtido junto ao analista do Pentágono Larry Franklin. Este último foi condenado, em janeiro, a 13 anos de prisão.

Logo quando foi publicado, o texto suscitou críticas virulentas, principalmente em relação ao trecho que questiona os círculos de reflexão e a imprensa pela sua parcialidade em favor de Israel. John Mearsheimer indicou à reportagem de “Le Monde” que nenhuma publicação americana aceitou reproduzi-lo.

Os dois pesquisadores iniciaram este trabalho em 2002, depois de terem ficado impressionados pela maneira com que Ariel Sharon havia ignorado os pedidos do presidente Bush para suspender a operação de retomada de controle das cidades da Cisjordânia, embora tal operação prejudicasse a imagem dos Estados Unidos perante o mundo árabe.

6 comentários:

  1. Isso mesmo camarada!

    John Mearsheimer e Stephen Walt devem precisam ter seus trabalhos divulgados para a melhor compreensão da política americana interna e externa e de como estas se relacionam com Israel e com a comunidade judaica arregimentada por organizações judaicas dentro e fora dos EUA.

    Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles, Duke, você e tantos mais precisam de divulgação, quebrar a hegemonia da mídia do mainstream atrelada ao status quo sórdido.

      Devagarinho, todos vamos colocar seus trabalhos à baila.

      Grato. Abraços.

      Excluir
  2. Examinando esta questão da América pró-Israel, acredito que isto seja apenas mais do interesse do governo estadunidense! Quem dúvida que a população dos Estados Unidos não aprova a violência dos israelenses contra a Faixa de Gaza, e ao mesmo tempo tem que respeitar um grupo de religiosos como os judeus, só porque a maioria deles vivem naquele país, e que sempre ficam se fazendo de vítimas o tempo todo por causa de seu holoconto de fadas!

    Governo dos Estados Unidos e de Israel andam de mãos dadas a um ano. E este casamento vai ser difícil de terminar!

    Parabéns pelo post. Abraços, camarada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Danilo.
      Eu já penso que a maioria do povo estadunidense está de saco cheio da política pró-israel do seu país. E essa intolerância tende só a aumentar. Concordo que boa parte é alienada e comodista ou aprova, mas deve chegar a 40% da população (o que já é demais, na minha visão).

      A união "EUA-israel" não tem um ano. Eles se amasiaram em 1948.
      Abraço.

      Excluir
    2. Correto! Se os estadunidenses são tão espertos como eles dizem ser, então nenhum deles deve se levar pelas propagandas do governo pró-Israel que comanda aquele país, ou também não devem seguir as ideias de filmes hollywoodianos, onde a a maioria deles passa a difamar a imagem de nações que vão contra os desejos dos sionistas israelenses e ianques!

      Boa Noite!

      Excluir
    3. Nunca nos esqueçamos quem manda em "roliúdi":

      http://fab29-palavralivre.blogspot.com.br/2011/11/quem-e-que-manda.html

      Abraço.

      Excluir