Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Inacreditável!

Amigos e amigas.
Só pra variar, vejo, leio, ouço notícias incríveis. Vai daí, esta cabeça cheia de dúvidas, inconformismo e desejo de melhorias fica ponderando, questionando e rosnando: "Será que essa zona de guerra mundial não vai terminar? Quantos precisarão ser sacrificados para a coisa começar a funcionar, entrar nos eixos?!" Incrível como coisas que são (ou deveriam ser) simples de se resolver se transformam em quimeras e batalhas campais. A total ausência de bem querer e vontade política, somada ao comodismo das massas e a décadas de abusos, desvios e desleixos, leva nossas vidas a situações dantescas, dignas das mais obscuras eras da humanidade.

Superlotação comum em metrôs pelo mundo
Pequeno exemplo: ocorreu mais uma greve relâmpago em São Paulo (coisa que acontece a todo momento em qualquer cidade grande do mundo). Os metroviários paralisaram suas atividades pela manhã, só retornando no meio da tarde. Com isso, os ônibus mais que superlotaram, evidentemente não sendo suficientes para a avalanche de pessoas que apareceu. Para "compensar", a prefeitura suspendeu o rodízio de carros nesse dia e, assim, o trânsito entupiu devido ao dobro de automóveis em suas vias. Congestionamento recorde: 220 km. Os motoristas levavam mais que o dobro do tempo para chegar aonde precisavam. A maioria do povo perdeu a manhã de serviço. Protestos mil. Revolta geral!

Daí, aparece o o governador Geraldo Alckmin demonstrando sua "revolta pela atitude inconseqüente e inconstitucional dos metroviários". Afinal, transporte urbano é serviço essencial e não pode haver paralisação total. É preciso que um percentual (voluntários?) permaneça ativo para não haver caos semelhante ao que se viu. O ex-ministro Almir Pazzianotto corroborou a "revolta" do governador. Ou seja, a MESMA LADAINHA de todos os políticos de qualquer país, qualquer forma de governo e qualquer nível econômico. Se há muito tempo já houvesse diálogos pautados na justiça, honestidade e boa vontade, tudo seria evitado. Simples assim!

No Congresso, garçom pode receber mais de R$ 10 mil mensais.
Só que a injustiça é uma constante quando se trata da relação político/povo. Você sabia que muitos funcionários públicos federais que recebem acima do teto e outros de função comum (secretário, assessor, ascensorista, garçom, ...) tem salários superiores a professores da rede pública com mestrado, a comandantes e especialistas das Forças Armadas, a profissionais de alto padrão de hospitais públicos? Que o SUS paga R$ 70,00 a um médico por uma cirurgia? Que a maior parte das escolas do Brasil não tem energia elétrica, ou água encanada, ou espaço coberto para lazer, ou a logística mínima para funcionar adequadamente e por aí vai? A necrose é profunda.

Mas voltando ao ponto: posso até concordar com o governador e o ex-ministro quanto à ponderação na hora de se exigir reajustes dignos e melhorias nas condições trabalhistas. Mas a situação em que o trabalhador vive, a quê ele tem de se submeter, as condições cada vez mais restritas de acesso a tudo aquilo que a Constituição lhe garante vêm se acumulando há décadas, fato que massacra a razão, oblitera o raciocínio e VERDADEIRAMENTE revolta! Eles e suas famílias vivem em constantes tensão e carências, com pouquíssimo acesso a lazer e benefícios, imersos numa espiral de violência, cada vez mais presos em seus próprios lares (cuja maioria nem é casa própria).



É muito fácil e tranqüilo para os políticos dizerem que tal coisa é um abuso; outra coisa é inconstitucional; outra, ainda mais errada, etc e etc. Afinal, com tantas benesses (subsídios altíssimos e variados, ajudas de custo pra quase tudo, verba de gabinete, apartamento, imunidade,...) e pouco trabalho DE FATO (negociar e legislar em causa própria não conta!), tantas e tais mazelas mal os atingem. Com esse desprezo e insensibilidade patentes que eles dedicam às necessidades prementes daqueles que os elegeram, a politicalha está colocando um prego atrás do outro em seu caixão. Só falta o povinho jacó sair do seu marasmo e comodismo.

Parece incrível, mas democracia é isso em todo lugar (uns mais, outros menos). O encastelamento dos políticos (isolados, cercados e protegidos) em locais quase inacessíveis ao povão (como Brasília), mostra e prova por A+Becedalho que não se deve haver um poder central que açambarca todos os imensos, eternos e escorchantes impostos, retira "sua parte" e determina os rumos de nossas vidas. O correto é cada cidade ou, no máximo, região ter sua autodeterminação: decidir cada passo e atitude de acordo com as necessidades locais, interagindo com as mais próximas; quais as leis que precisam ser criadas para beneficiar a todos; o que produzir, o que plantar, o que construir, etc.

http://reporterbrasil.org.br/2013/10/relatorio-cita-brasil-como-referencia-em-combate-ao-trabalho-escravo-e-defende-aprovacao-da-pec/
E não venham querer me mostrar os EUA e Europa como exemplos onde a democracia funciona. No máximo, são aparentemente um pouco menos ruins. Além do quê, as condições de vida de boa parte do povo de lá só é um bocado mais alto que as daqui porque grande parte da opulência do hemisfério norte é mantida pela miserabilidade dos 3º e 4° mundos, sugados em seus recursos naturais e sua força de trabalho, sendo podados  e restringidos em sua evolução e progresso.

Não lhes parece incrível que tanta desgraça à nossa frente, à nossa porta, permeando nossa vida, não nos faça despertar, dar um BASTA e nos unir para melhorarmos? Que raio de apatia, medo, comodismo ou qualquer nulidade desse desnível se arraigou na alma, mente e coração do povo para ele ser tão passivo assim? Que estado de miséria em todos os sentidos se abateu sobre nós, solapando as chances de nos reerguermos?...

Santo Deus!! Universalmente pensar, raciocinar, racionalizar,...! E localmente (se tanto!), agir. Triste sina!...
FAB29

4 comentários:

  1. Quando certo pais e uma coisa, muitas das vezes e dificil dele mudar! Enquanto os pilantras estiverem so dando bolsas, bolsas e mais bolsas, o proprio cidadao (principalmente ps mais pobres) acha que nao precisara trabalhar, pois o governo sujo e quem esta pagando a sua conta.

    Mas nao e so as bolsas que os corruptos veem como um meio de calar a boca do brasileiro, eis aqui uns exemplos: shoppings centers, carnaval, futebosta, festas juninas (que com o passar dos anos perdeu seu sentido religioso), Rock in Rio (que tambem virou circo), e as proprias eleicoes se encaixam nesta farra de hipocrisia!

    Abracos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma leve correção: o governo paga a conta com o nosso próprio dinheiro.

      E os miseráveis abrem seus sorrisos desdentados e agradecem.
      Abraço.

      Excluir
    2. Opa, vlw FAB! E ao mesmo tempo em que os safados pagam a conta o nossp suado din din, eles se divertem tbm as nossas custas. E os trouxas que os botaram no poder reclamam depois. De onde se nao fosse o nosso dinheiro, esses cretinos nao sairiam disfilando com carroes de luxo em Brasilia e em outras cidades Brasil afora!

      Abracos!

      Excluir