Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Diferenças raciais

Amigos e amigas.
A campanha que se faz para a "extinção" das raças é de dar medo. Há décadas que o chamado liberalismo afirma não existirem raças; apenas a "humana". Besteira! Somos todos iguais, sim, em direitos e deveres. Física e biologicamente, existem raças específicas, com suas próprias estruturas anatômicas, orgânicas, psicológicas e mentais, inclusive culturais. Os africanos e indígenas são fisicamente superiores nos quesitos correr e saltar. A inventividade dos caucasianos e o tecnicismo dos asiáticos são incomparáveis. Determinados defeitos, limitações, potencialidades ou qualidades físicas, doenças, etc, são muito mais propensos e evidentes em determinadas raças.
Um mosaico contundente
Tal insistência nessa premissa de inexistência racial, aliada à miscigenação imposta mundo afora, está tentando transformar a humanidade numa massa só, eliminando suas próprias história, características, tradições, costumes, religiosidade, etc, que fazem a beleza da diversidade humana e imprimem uma saudável disputa pela evolução de suas capacidades. A finalidade se mostra sórdida e nefasta: uma tentativa de extinguir a identidade dos povos para melhor, maior e mais fácil dominação
.
Uma diversidade incalculável e maravilhosa!
Vejam como exemplo de diferença racial o texto abaixo que traduzi daqui. Convido-os a o lerem desapaixonadamente, sem parcialidade, primando pela razão.
FAB29

Os cientistas sabem há muito, muito tempo que os negros têm cérebros menores, em média. Se você puder encontrar uma Encyclopedia Britannica de 1959, a seção sobre as raças irá mencionar que os brancos têm um tamanho cerebral médio maior do que os negros. Os liberais e judeus aparentemente tem essa informação racial importante, que foi retirada da maioria dos livros publicados depois de 1959. A cada dez anos desde 1960, alguns corajosos acadêmicos brancos publicarão um livro falando sobre essas diferenças significativas. De supetão, eu me lembro dos autores, Carleton Coon, Murray e Herrnstein e Arthur Jensen. "A curva do sino" é talvez o mais famoso desses livros sobre realidades raciais.

Os dados mais recentes de J. Philippe Rushton afirma que os negros têm cérebros que são 80ml menores, em média. Estes dados podem ser baseados em afro-americanos negros, que tendem a ter cerca de 25% de genes brancos misturados, com QI em torno de 85. Seus primitivos primos inteiramente pretos no oeste da África têm QI baixo em torno de 70 (com cérebros ainda menores).

Uma fonte observa: "O abismo entre negros e brancos é de 15 pontos, quando medido nos testes Wechsler; 18, no Stanford-Binet. Ambos os testes são, é claro, normalizados, de modo a produzir uma média de 100, mas o branco médio é um pouco mais elevado. Na métrica Wechsler, brancos e negros médios tem 102 e 87, respectivamente. Em ambos os testes, a diferença entre as raças é quase exatamente 1 DP (desvio padrão). A diferença de 1 SD tem sido observada desde os primeiros dias de testes de inteligência. "

Os liberais costumam responder com uma enxurrada de rabiscos histéricos e tudo não científico, quando confrontados com informações científicas sólidas sobre as diferenças raciais. Alguns liberais chegam a afirmar que não há relação entre inteligência e tamanho do cérebro, embora a história da evolução tenha sido uma marcha constante para tamanhos maiores de cérebro e testas mais altas. Os primeiros hominídeos tinham quase os mesmos tamanhos cerebrais que os macacos modernos.

De acordo com J. Philippe Rushton, o tamanho médio do cérebro do branco é de cerca de 1347ml e o tamanho médio do cérebro do negro é de 1267ml. Em contraste, o maior tamanho do cérebro registrado em um indivíduo macaco é de 700ml. Outra diferença importante é a forma do cérebro. O Neanderthal, por exemplo, tinha um cérebro ligeiramente maior do que os seres humanos modernos, mas quase nenhuma testa. A região frontal do cérebro é onde a criatividade reside.

Liberais respondem aos fatos raciais com retórica emocional. De acordo com eles, todas as raças são iguais em habilidade mental independentemente dos diferentes resultados dos testes, genes ou tamanhos cerebrais. Não importa o fato de que os homens brancos estavam andando na Lua há 40 anos, enquanto a maioria dos nativos da África ainda estavam de cócoras em cabanas de barro. Um propagandista judeu famoso, Ashley Montagu, poderia ser chamado de "o rei da propaganda igualitária". Se não fosse pela ligação entre judeus e liberais, ele provavelmente teria sido um idiota da aldeia balbuciando coisas loucas na esquina de uma rua. Ele tem consistentemente negado que as raças são diferentes em inteligência, apesar dos resultados dos testes, que remontam ao longo de gerações que mostram uma diferença significativa de QI de 15 por cento entre negros e brancos.

Os asiáticos afirmam ter em média 17ml a mais no tamanho do cérebro do que a média branca, mas suas sociedades tendem a ser menos prósperas, atoladas em burocracia e corrupção, sem a criatividade encontrada em nações brancas. Talvez esta falta de prosperidade esteja ligada a uma falta de criatividade, que pode ser ligada à forma da cabeça. Os asiáticos têm tipicamente cabeças mais redondas. Os asiáticos parecem fazer melhor aperfeiçoamento da engenharia ocidental. A pequena capacidade extra do cérebro de asiáticos do leste pode dar-lhes melhores memórias, mas não criatividade, devido à forma diferente da cabeça.

É um pouco injusto comparar os asiáticos do leste (normalmente apenas os japoneses e coreanos) com a média de toda a raça branca. Eu suspeito que os suecos - por exemplo - podem ter um tamanho cerebral médio maior do que certos grupos do Leste Asiático. Você nunca ouve ninguém comparando escandinavos com os asiáticos, mas muitas vezes, você ouviu falar de leste-asiáticos em relação aos brancos. Alguns dos dados sobre os asiáticos podem ser distorcidos em seu favor - especialmente se os asiáticos americanos estão sendo usados para representar os seus países de origem. Eles poderiam fazer uma grande diferença se os asiáticos do leste fossem imigrantes para os EUA, que podem ser um pouco mais espertos do que os asiáticos do leste que não tiveram a iniciativa de deixar a própria terra mais populosa.

China tem 1,3 bilhão de pessoas e ela só começou a produzir melhor quando as empresas americanas terceirizadas produziram para ela. Eu suspeito que se todos os camponeses chineses comuns fossem incluídos como os asiáticos do leste, o tamanho médio do cérebro do leste asiático seria menor do que a média branca.

A relutância da maioria dos americanos em admitir que as raças não são iguais resulta de décadas de propaganda de políticos e dos meios de comunicação liberais. Curiosamente, a maioria das pessoas vai admitir que determinadas raças de cães têm personalidades diferentes. O border collie é um workaholic. O setter irlandês é um cão delicado. O pastor alemão é um bom cão de guarda e o Chihuahua é um cão treme-treme. Agora, se um simples animal, como um cão pode ter uma personalidade para cada raça, então por que é que as pessoas não vão admitir que certas personalidades estão associadas a determinadas raças humanas? Estudos de gêmeos idênticos, que foram separados no nascimento, também sugerem que uma vasta gama de traços de personalidade está enraizada em nossos genes.