Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Salve a libertè de التعبير !!

Amigos e amigas.
Os últimos nebulosos e falsificados acontecimentos ocorridos em Paris com a revista Charlie Hebdo acenderam a controvérsia sobre a liberdade de expressão. Neste momento de revolta mundial cevada, induzida e conduzida pelos parasitas que regem a humanidade, quase todos se horrorizam com o terrorismo, se compadecem com as famílias das "vítimas", repudiam a covardia dos "muçulmanos assassinos", tudo para salvaguardar o direito à liberdade de expressão, defendendo (ao menos neste momento) que ele não pode ser restringido. Ah, é?! Será mesmo?!

Vejamos o quanto estamos livres para saber a verdade: procurei por imagens internas da Charlie com as marcas dos tiros, sangue, etc, mas é tão sigiloso que só encontrei estas:
Bem pouco sangue para tiros de kalashnikov
O que estaria digitalizado? Um corpo? E algum sangue só no chão?
Um cartucho de kalashnikov faz só esse furinho?!
Abaixo, o frame do vídeo do momento do "impacto da bala" no policial:
Terrorista atira em policial desarmado em calçada de Paris! Seria tudo isso uma encenação?
Momento do tiro: tem poeira...
Killing: Leaving the 42-year-old married officer to die, they run off, sparking a massive manhunt which was continuing last night 
... mas, nenhum sangue, nem movimento brusco da cabeça?
 Confira de novo o vídeo do "assassinato":

E aqui, "provas" de que "houve sangue, sim" na calçada:
Note a poça de sangue no local do assassinato! (foto: Reprodução/Twitter)
A "grande poça (?) de sangue" do policial "morto".
À altura das coxas?
Não espirrou nem um pouquinho?!

E por que uma foto de tão longe?
Porém, alguns "espessialistas" afirmam que "a maior parte do sangue foi contida pela roupa do policial" (???) Mas como, se o vídeo e a poeira mostram que o atirador mirou na cabeça? Também disseram que "esse tipo de fuzil não exerce muito impacto no atirador". Nem onde o tiro acerta? Então, eu convido esses "espessialistas" a levarem um simples soco, que é "ligeiramente" mais suave um tiro de kalashnikov. Vamos ver o quanto eles moverão suas cabeças?

Para solapar de vez suas dúvidas quanto ao grotesco fake, confiram:
http://stormcloudsgathering.com/charlie-hebdo-shootings-censored-video

Mais um detalhe: há uns 8 anos, um cartunista da "livre e pluralista" Charlie Hebdo, Maurice Sinet, foi demitido sem justa causa; apenas por ironizar, bem ao estilo da revista, o então presidente Sarkozy. Vejam a história resumida:
"Seus artigo e cartoons na revista Charlie Hebdo, relativos ao casamento de Jean Sarkozy com Jessica Sebaoun- Darty, uma herdeira judia, desencadeou uma controvérsia, depois do jornalista Claude Askolovitch descrevê-los como anti-semitas. O editor da revista, Philippe Val, ordenou que Sinet escrevesse uma carta de desculpas ou encararia a demissão. O cartunista disse que preferia "cortar suas bolas fora" e foi prontamente demitido. Os dois lados posteriormente ajuizaram ações, e em dezembro de 2010, Sinet ganhou 40.000 euros de indenização na sentença judicial contra seu ex-editor por demissão injusta.
Maurice Sinet também relatou uma ameaça de morte postada em um site gerido pela Liga de Defesa Judaica . O texto disse que "20 centímetros de aço inoxidável no intestino, que deve ensinar o filho da puta a parar e pensar".
Traduzido daqui.

Pelo jeito, liberdade só para sacanear o Islã e o Cristianismo:
"Maomé: uma estrela está nascendo!"
Eu "se recuso" a comentar este cartun asqueroso!...
Poderia citar uma infinidade de abusos e covardias perpetradas por todos esses "democráticos" países que ora defendem intransigentemente a liberdade de expressão contra milhares de pessoas que ousaram criticar os "incriticáveis", mas só quero concluir dizendo: liberdade de expressão, sim e sempre para tudo e todos! Porém, ofensa gratuita, desrespeito grotesco e parcialidade nefasta não fazem parte dela. Todos os que se arvoram na liberdade de expressão para insistentemente fazer essas coisas são pessoas imorais, amaldiçoadas, que se expõem a outros da mesma estirpe. Eles que se entendam. Desprezo totalmente ambos os lados!

Só fico pensando o que será dos crédulos quando comprovarem que muito do que a mídia está lhes vendendo como terrorismo e tudo o mais não passa de armação dos parasitas do mundo. Talvez, usarão sua liberdade de expressão para... não dizer nada, como sempre.

FAB29