Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


sexta-feira, 25 de março de 2016

Machismo e Feminismo

"Não se deixe intimidar pela violência.
O poder da sua mente é toda sua fortaleza"
Zé Geraldo

Amigos e amigas.
Ratificarei o que penso há décadas desses dois movimentos: Machismo é o auge da fraqueza do homem enquanto o Feminismo é o auge da imbecilidade da mulher. O machista é um fraco porque só age por instinto, acreditando que a força, a grosseria e a intimidação garantem a supremacia. Já a feminista simplesmente surgiu e existe para fazer frente ao machista, sendo a agressividade em todos os aspectos sua maior arma. Resumindo: um pobre coitado contra uma perfeita babaca!

Outras charges (boas e ruins) AQUI.
Homens e mulheres jamais se enfrentam como eles porque possuem e utilizam a maior das armas de ataque e defesa: a Consciência, que pauta cada atitude suas. Estes se desdobram de sobremaneira para se aprimorar, evoluir, se superar, sempre e em qualquer situação respeitando seu semelhante, admirando-o quando este se mostra superior em algum aspecto e valendo-se disso como incentivo para se dedicar ainda mais. Homens e mulheres de fato não se deixam abalar por mesquinharias e emoções baratas. Têm enorme autoestima.

Os "debates" entre as duas asnices do título já assumiram ares de psicopatia. Ouvir e/ou ler esses infelizes é de embotar o cérebro, embrulhar o estômago e fritar o fígado. Para "defender suas posições e ideologias", é um vale-tudo: ofensas, escárnio, piadas chulas, estultices, humilhações, desrespeito, desmoralizações,...! Querem a todo custo mostrar que um é superior ao outro e, por isto, "ponha-se em seu devido lugar". O machista decreta que a força é o que manda e a feminista aceita, retrucando na mesma moeda, ao invés de fazer o que eu vi há várias décadas: um casal em que o marido era um fazendeiro bruto, bronco, que falava alto e impositivamente; a esposa, uma odontóloga delicadíssima, suave, super sociável. Ela, sem nunca erguer a voz ou qualquer agressividade, o tinha sob total controle. Ele fazia tudo o que a esposa queria e/ou precisasse e ela jamais abusou dessa supremacia ou a ostentou. Simplesmente, ela era o cérebro da família; ele, os braços, e ambos estavam felizes e satisfeitos em suas posições. Quando é assim, a harmonia reina.

Conheçam mais desta publicitária "machista" AQUI
Certa vez, numa conversa informal entre muitas pessoas, o assunto dessa "rivalidade" aflorou e, lá pelas tantas, eu propus uma questão, não sem antes frisar a absoluta importância do homem e da mulher, cada qual dentro das suas capacidades: pensem em uma atividade, função ou profissão; imaginem os dez melhores e as dez melhores dela e uma competição entre esses experts. Em quantas delas a mulher será, sem nenhuma dúvida, vencedora? O debate se acalorou quando os machistas e as feministas se revelaram: os primeiros se acharam o máximo porque não encontraram nenhuma profissão onde a mulher, por melhor que seja, supere o homem e elas chamaram minha proposta de "machismo velado" e outras designações menos publicáveis.

Vou repetir aqui o que tentei concluir à época, mas pouco consegui devido ao que já disse no início sobre essas duas asnices: não há nenhum problema que a mulher não consiga acompanhar o nível do homem quando o assunto é força, resistência e agilidade físicas, ou seja, em qualquer atividade onde estas sejam primordiais, sempre a mulher estará em defasagem, abaixo do nível de eficiência do homem. Mas o progresso, a tecnologia, as relações humanas e tantas outras coisas pouco dependem dessas qualidades e a mulher é, pelo menos, tão eficiente e necessária quanto o homem nesses quesitos. Os melhores de cada profissão precisam, por puro merecimento, ser premiados proporcionalmente às suas eficiências e produtividade.

Djokovic e a esposa Jelena
Quando Novak Djokovic recentemente afirmou (e, depois, se retratou) que os tenistas merecem premiações maiores que as tenistas, existe esta lógica: em Grand Slams, os homens disputam partidas em melhor de 5 sets enquanto as mulheres, de 3 sets. Ou seja, eles trabalham mais do que elas e, por justiça, mereceriam maior premiação nesses torneios. Porém, as mulheres estão no seu pleno direito de reivindicar essa igualdade de premiação; e a conseguiram. "Cada qual que cave o seu" (Noel Rosa). Se há quem aceite essa igualdade díspar e pague o que elas pedem, sem problemas. Mas, realmente, não é justo.

Quando os pecados capitais se sobressaem nas relações sociais, tudo o que houver de bom, rico, produtivo, agradável, justo, amoroso, gracioso, progressista, etc, será nublado ou mesmo obliterado, gerando as maiores e mais nefastas dissensões, desuniões, dores, dissabores, cânceres. Afinal, o que de bom advém deles? Por que seus "representantes" não atinam que eles só patrocinam desamor, exclusão, preconceito, amargores, violência e tudo o que houver de ruim e pernicioso? A quem ou quantos beneficiam essas duas porcarias, a ponto de ambas serem financiadas e propaladas através de todas as mídias? "Divide et impera"!

Num sentido amplo, sou humanista e filógino. Qualquer um que se mostre melhor do que eu, independentemente do gênero, idade, ideologia, credo, nacionalidade, etc, terá minha admiração. Em hipótese nenhuma, um preconceito ou pré-conceito se sobreporá à minha idiossincrasia, que prima pela meritocracia e repele o vitimismo e o coitadismo. "A vida é bela! Só nos resta viver!"
FAB29

Nenhum comentário:

Postar um comentário