Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


terça-feira, 10 de maio de 2016

Relembrar é preciso

Amigos e amigas.
Reforçando um fato há muito e sempre dito, porém bem pouco propalado, revisito abaixo frases, observações e pensamentos de personalidades e mídia judaicas acerca do papel sumamente revolucionário dos Sábios do Sião nas convulsões sociais mais agudas da História.

O caráter revolucionário do povo judeu é o constante divisor de águas nos pontos fulcrais dos acontecimentos históricos, moldando o cerne de uma nação e do mundo aos seus exclusivos propósitos. Revejam alguns desses pontos.
FAB29

M. Cohan escreve em “The communist”, nº 72.:
Kharkov, 12 de Abril de 1919.
“Sem exagero, deve-se dizer que a grande Revolução Social russa foi afetada pelas mãos dos judeus. Teriam podido eles mesmos – a obscura e oprimida massa de trabalhadores e granjeiros russos – ser capazes de destruir a burguesia? Não. Foram precisamente os judeus os quais dirigiram o proletariado russo ao amanhecer da Internacional; e agora, dirigem a causa soviética, que ainda pertence às suas mãos. Devemos estar tranqüilos, porque o Exército Vermelho está sob controle do camarada Leon Trotsky."

O rabino Lewis Browne, em seu livro “How odd of God”:
“Nós pretendemos fazer com os gentios o mesmo que os comunistas estão fazendo na Rússia”.

O professor Niebur, falando no Instituto Judaico de Religião: Nova Iorque, 03 de Outubro de 1934.
“O marxismo é a forma moderna da profecia judaica”.

M. Hermalin, judeu comunista: Nova Iorque, 1917.
“A Revolução Russa foi feita por judeus. Nós temos criado as Sociedades Secretas e planejado-as ao reinado do terror. A Revolução triunfou por nossa propaganda convincente e com nossos assassinatos em massa – tudo com o propósito de formar um governo verdadeiramente nosso”.

Angelo S. Rappaport em “The pioners of the Russian Revolution”, publicado por Stanley, Paul & Co., na pg. 250: Londres, 1918.
“Na Rússia, os judeus foram totalmente responsáveis pela Revolução”.

Moritz Rappaport
Moritz Rappaport, na Revolução de 1918 na Alemanha:
“A Revolução recorda-nos novamente a importância da questão judaica, posto que os judeus são o seu elemento condutor”.

Em “Jewish Tribute”: 05 de Julho de 1922.
“A Revolução alemã é resultante dos judeus; os partidos liberais democráticos têm um grande número deles como líderes, que ocupam um papel predominante nas oficinas do Alto Estado”.

Maurice Samuel, em seu livro “You gentiles”, pg. 155:
“Nós, os judeus, os destruidores, sempre permaneceremos como tais. Nada do que vocês façam satisfará nossas necessidades e demandas. Sempre destruiremos, porque necessitamos do mundo em nosso poder”.

O sábio judeu londrinense Dr. Oscar Levy, em “The world significance of the Russian Revolution”:
“Nós, os judeus, estamos gravemente equivocados. Nós, que temos alardeado de ter dado ao mundo o Salvador, não somos hoje mais que trapaceiros, seus destruidores, incendiários e executores. Temos prometido um novo paraíso, mas damos um novo inferno”.

B.A.M. Shapiro, um novaiorquino que se autodenomina um cristão por fé e judeu por raça, em seu folheto “America’s great Menace”:
“Chegou o momento em que os patriotas judeus da América devem sentir a grande responsabilidade pelo feito diabólico do comunismo, planejado e realizado por Israel”.

Anotações do livro “How odd of God”, por Rabbi Lewis Browne:
“Nenhum agitador desejou com tanta vivacidade a Revolução Francesa de 1848 que dois judeus: Heinrich Heine e Ludwig Borne.
Foi um judeu, Leon Trotsky, quem dirigiu o Exército Vermelho e salvou a causa comunista na Rússia.
Foi um judeu, Karl Liebnecht, ajudado por uma judia, Rosa Luxemburg, que dirigiu a sublevação espartaquista na Alemanha.
Foi um judeu, Bela Kuhn, que implantou o regime vermelho na Hungria.
Foi um judeu, Kurt Eisner, quem dirigiu o golpe socialista na Bavária.
Para o judeu, a atividade revolucionária parece ser o único caminho para a autêntica liberdade”.

Em “L’Univers Israelite”: Paris, 05 de Setembro de 1867.
“A Revolução, com sua igualdade e fraternidade, é a estrela de Israel”.
Bernard Lazare
Em “Archivens Israelites”: Paris, 06 de Julho de 1889.
“O ano de 1789 é um novo passo: a Revolução Francesa tem um surpreendente caráter hebreu”.

Bernard Lazare, em seu livro “Anti-semitismo e suas causas”: Paris, 1894.
“Os judeus tomam parte nas revoluções e nelas mantêm-se como jogadores. Seu espírito é consciente e essencialmente revolucionário. Ou, de outro modo, pode-se dizer que o judeu é um revolucionário nato”.

6 comentários:

  1. Um cara que eu sei que nao falara sobre a participacao da judiaria no comunismo sovietico, e o tambem cripto-judeu Olavo de Carvalho, ja que aquele velho fumante gosta mesmo e de confudir as cabecas de seus "Olavetes"!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Omitir é preciso. Assim, ele salva o dele, não se compromete.

      Excluir
  2. Excelente highlights camarada!

    Pinceladas em brasa!

    Inclusive não conhecia todos os figurões jactantes do artigo!

    Segue aqui algumas colaborações para quem quiser ver alguns episódios específicos:

    A liderança judaica na Revolução Bolchevique e o início do Regime soviético - por Mark Weber
    http://nazismo-verdades-e-mentiras.blogspot.com.br/2013/04/a-lideranca-judaica-na-revolucao_25.html

    O Komintern em ação [na República de Weimar] - Por Stéphane Courtois e Jean-Louis Panné - Parte I
    http://nazismo-verdades-e-mentiras.blogspot.com.br/2014/11/o-komintern-em-acao-por-stephane_2.html

    As origens judaicas do multiculturalismo na Suécia – Por Kevin B. McDonald
    http://nazismo-verdades-e-mentiras.blogspot.com.br/2015/04/as-origens-judaicas-do.html

    Saudações!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E são apenas "os melhores momentos", meu amigo. Se formos discorrer toda a literatura de ódio e desprezo talmúdicos, haja enciclopédia.
      Abraço.

      Excluir
  3. A "carga" é pesada ai! É demais, e isso certamente nem deve ser exaustivo, foi só um aperitivo, ou, uma simples e minúscula uma amostra de aperitivo.

    Sinceramente, não sei como é que é possível essa gente toda pensar só em terror, morte, sangue. Destroem tudo. E se não os pararmos, é toda a humanidade que acabarão por destruir.

    Boas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Podemos classificar como "uma lasca da ponta do iceberg", meu caro. De tudo isso, o que mais me afeta é a cumplicidade nociva dos vendilhões que dão suporte a tudo o que eles são e fazem.

      Abraço.

      Excluir