Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Papa pop?

Amigos e amigas.
Convido-os a conhecer um pouco mais do papa Francisco, algumas atitudes indignas de alguém alçado ao mais alto posto do Cristianismo; relações espúrias com o que há de mais deplorável, juntamente com outras personalidades.

É para exasperar qualquer pessoa decente!
FAB29

Deterioração da fé cristã
Em 2010, a Argentina foi o primeiro país na Ibero-América a legalizar o “casamento” homossexual.  Essa lei iníqua avessa à Ordem Moral, bem como a promoção de lei pró-aborto em Saúde Reprodutiva, foi aprovada pelo Congresso com o consentimento tácito do Arcebispo Bergoglio e sua característica ambigüidade (coberta com sua carta às freiras Carmelitas).  Cardeal Jorge Mario Bergoglio foi não somente um Jesuíta no mau sentido dado a essa honorável palavra pelos inimigos da Igreja.  Sua mentalidade foi enganadora em sua quintessência, envolvendo duplos padrões e sincero Farisaísmo quando veio a lidar com a ordem moral e assuntos Católicos. Ele nunca permitiu a Missa Tradicional em sua diocese mesmo depois do Motu Proprio Summorum Ponticum, de 2007, de Bento XVI. E ele perseguiu e isolou tantos padres e leigos comprometidos à Doutrina Moral Católica e Liturgia tradicionais.

Em relação ao ecumenismo, Bergoglio simplesmente seguiu o script da pós-Vaticano II Nostra Aetate.  O livro profético católico, La Iglesia Traicionada (Caponnetto, Antonio. Santiago Apostol. Bella vista. 2010), baseado em conhecimento profundo, de primeira mão do Cardeal Bergoglio, demonstrou como ele era a personificação vivente da heresia judaico-cristã; como ele construiu, incorporou e conduziu às infiéis estruturas modernistas na igreja da Argentina.

Além disso, Bergoglio foi uma parte ativa das estruturas institucionais sionistas.  Por longo tempo, foi envolvido com a multinacional sionista “Fundação Raoul Wallenberg”, com ramificações em Israel, Berlim e os quartéis-generais em Nova Iorque.  Na Argentina, ela é representada pela Associação Casa de Israel en Tierra Santa, com ostensivos membros judeus argentinos da esquerda gramsciana como Francisco Delich e Adolfo Gass, blasfemadores profissionais como Marcos Aguinis, “turco-otomanos” judaico-maçônicos como Carlos Escudé ou grotescos agentes da corrupção moral social como Alejandro Romay.  Em 30 de Março de 2004, o Cardeal Bergoglio e a Fundação Wallenberg deram a Romay grandes honras na Catedral Metropolitana de Buenos Aires, enquanto participavam de uma cerimônia e liturgia especiais pluri-religiosas.

Muitos outros encontros ecumênicos seguiram o ano para comemorar a Shoah e a Kristallnacht na Catedral de Buenos Aires.  Em 9 de Novembro de 2009, Begoglio consentiu que o Rabino Alejandro Avruj, um sodomita confesso e militante pelo “casamento” homossexual, desse uma conferência no histórico Convento de Santa Catalina, acompanhado por Rafael Braun, o influente padre modernista consultor do jornal liberal-católico Criterio, cujo editor por muitos anos foi o Cardeal Jorge Mejía, outro protetor de padres sodomitas.

Curiosamente, quando João Paulo II visitou Auschwitz, o rabino que o acompanhou, diante de uma questão sobre o sucessor do Papa a quem ele considerava mais em manter suas expectativas, descartou todos os candidatos, exceto o Cardeal Bergoglio, que era sua escolha.  Bergoglio sabia disso.  A publicação instantânea do livro El Jesuita (The Jesuit Conversations with Cardinal Jorge Bergoglio, S.J. Buenos Aires. Vergara 2010) por Sergio Rubin, um influente jornalista sionista, é outra prova do esquema de Bergoglio para o mais alto posto da Santa Sé.

GRAU HONORÁRIO

Como Grão-Chanceler da rica Pontifícia Universidade Católica de Santa María de los Buenos Aires, o Cardeal Bergoglio deu um grau honorário a seu alter ego, Rabino Abraham Skorka em 11 de Outubro de 2012.  Nessa ocasião, Skorka fez um elogio a Bergoglio e ao Cardeal Kasper, e disse diante de uma grande platéia de professores e clérigos que o Novo Testamento tinha que ser revisado em relação à questão dos Fariseus; que as raízes do Nazismo, que “levaram ao holocausto", residiam no ensinamento da Igreja Católica; finalmente terminou seu provocativo discurso blasfemo dizendo: "Apesar de tudo, estamos todos esperando o Messias." Vergonhosamente, a maioria do público, inclusive o Cardeal Bergoglio, aplaudiu a afronta (https://www.gloria.tv/?media=357609).

O novo Arcebispo de Buenos Aires, Mario Aurelio Poli, escolha de Bergoglio/Skorka para a sucessão no Arcebispado, que foi feito cardeal pelo Papa Francisco, seguiu as pegadas de Bergoglio.  Em novembro de 2014, num encontro especialmente organizado na Catedral de Buenos Aires para comemorar a Kristallnacht, depois de vestir um kippah, Poli disse que ele era orgulhoso de seu sobrenome Judaico.  Outros prelados argentinos haviam seguido o exemplo do Cardeal Bergoglio a esse respeito.  No último Natal, católicos argentinos pagaram a conta do "Januka" e "Noite do Silêncio" apresentados pelo Rabino Marcelo Polako e o Bispo Pedro Torres Aliaga, que cantavam e dançavam juntos com grande alegria, abraçados. Como alguma indicação do real propósito desse espetáculo degradante, o Rabino, de maneira condescendente, referiu-se ao bispo insultando-o como um "goy", durante a performance (https://www.youtube.com/watch?v=PI6J0jSwF44)

Apesar (talvez por causa) do diálogo Católico/Judaico, a subversão judaica da cultura Argentina continua sem trégua. O lobby do aborto na Argentina é financiado por "filantropos" judeus como George Soros e Eduardo Elsztain.  O novo governo Macri apontou Fabiana Tuñez como chefe do Conselho Nacional de Mulheres.  A Srª Tuñez, uma militante defensora das exigências abortistas, é a fundadora da ONG Casa del Encuentro, uma ONG pró-aborto bem financiada pelo Global Fund for Women, o Fundo de População da ONU e IRSA/Alto Palermo, o conglomerado dominado por Eduardo Sergio Elsztain, o Judeu "pio" Argentino ex-parceiro de George Soros. O novo governo Macri tem participado ativamente na subversão da cultura Argentina.

Fonte: https://judaismoemaconaria.blogspot.com.br/2016/06/antipapa-francisco-instrumento-sionista.html